Banner Portal
A língua Nheengatu e suas ortografias
Grafismo Tukano  de cesteria e animais. Autor: John Alexandres Dias.
PDF

Palavras-chave

Língua Nheengatu
Yẽgatú
Nheẽgatu
Língua geral
Ortografia

Como Citar

D’ANGELIS, Wilmar da Rocha. A língua Nheengatu e suas ortografias: questões técnicas e de política linguística. LIAMES: Línguas Indígenas Americanas, Campinas, SP, v. 23, n. 00, p. e023004, 2023. DOI: 10.20396/liames.v23i00.8670910. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/liames/article/view/8670910. Acesso em: 24 jul. 2024.

Resumo

O artigo analisa, comparativamente, quatro diferentes ortografias da língua Nheengatu, atualmente em uso nas comunidades falantes, na Amazônia, e em suas escolas. O trabalho aponta fragilidades e eventuais inconsistências de cada ortografia adotada nas aldeias, argumentando a favor da ideia de que nenhuma delas pode ser defendida como “melhor” ou mais justificada que as outras. A seguir, o texto informa com quais princípios e critérios foi estabelecida uma ortografia para ser utilizada em um projeto específico que envolve um importante recurso de comunicação e informação: os smartphones. O texto também aponta problemas pendentes nessa ortografia específica, incluindo as questões sociolinguísticas não levadas em conta nas ortografias hoje em uso pelos falantes; problemas e questões que devem ser levados em conta se, ou quando, a recém-criada Academia da Língua Nheengatu decidir-se por discutir a questão da unificação ortográfica.

https://doi.org/10.20396/liames.v23i00.8670910
PDF

Referências

Amorim, Antonio Brandão de (1928). Lendas em Nheêngatu e em Portuguez. Revista do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro, tomo 100, vol. 154 (2º de 1926) 9-475. Rio de Janeiro: IHGB.

Anchieta, Joseph de (1595). Arte de Grammatica da Lingoa mais usada na costa do Brasil. Coimbra: Antonio de Mariz.

Barros, M. Cândida Drumond M.; Lessa, Antônio Luis S. (2004). Um dicionário tupi de 1771 como crônica da situação linguística na Amazônia pombalina. SOLETRAS, ano IV, n. 8: 40-51. São Gonçalo, RJ: UERJ.

Barros, M. Cândida; Monserrat, Ruth M. (2015). Fontes manuscritas sobre a língua geral da Amazônia escritas por jesuítas “Tapuitinga” (século XVIII). Confluência 49:236-254. Rio de Janeiro: Instituto de Língua Portuguesa. DOI:

https://doi.org/10.18364/rc.v1i49.103

Borges, Luiz C. (1991). A língua Geral Amazônica: aspectos de sua fonêmica. (Dissertação de mestrado). Campinas: Universidade Estadual de Campinas. DOI: https://doi.org/10.47749/T/UNICAMP.1991.30265

Cardeira, Esperança (2009). A pronúncia do Português. In Alberto Pacheco (org.), Actas do Simpósio A pronúncia do Português Europeu cantado, pp.20-28. Lisboa: Núcleo Caravelas – CESEM – Universidade Nova de Lisboa.

Costa, Consuelo P. Godinho (2010). Nhandewa Aywu. Fonologia do Nhandewa-Guarani. Campinas: Ed. Curt Nimuendajú.

Cruz, Aline da (2011). Fonologia e gramática do Nheengatú. A língua geral falada pelos povos Baré, Warekena e Baniwa (Academisch Proefschrift ter verkrijging van de graad Doctor). Amsterdam: Universidade Livre de Amsterdã.

Cruz, Cauã Nóbrega da; Ferreira, Iára Elizabeth Sousa (2020). Nheẽgatu asuí kuxiimawara kuausawa Tapajowara: Yãdé yayũbué yepewasu - Nheengatu e notório saber do Tapajós: Nós aprendemos juntos. Campinas: Ed. Curt Nimuendajú.

D’Angelis, Wilmar R. (2005). Unificação X Diversificação ortográfica: um dilema indígena ou de linguistas? In Aryon D. Rodrigues; Ana Suelly A.C. Cabral (orgs.), Novos estudos sobre línguas indígenas, pp. 23-33. Brasília: Ed. da UnB.

D’Angelis, Wilmar R. (2013). Fonética e Fonologia na formação de professores indígenas. Fórum Linguístico 10(4): 324-341. Florianópolis: UFSC. DOI: https://doi.org/10.5007/1984-8412.2013v10n4p324

D’Angelis, Wilmar R. (2019). Línguas indígenas no Brasil: quantas eram, quantas são, quantas serão? In Wilmar R. D’Angelis (org.), Revitalização de línguas indígenas: o que é? como fazemos, pp. 13-26. Campinas: Ed. Curt Nimuendajú; Kamuri.

D’Angelis, Wilmar R. (2020a). Ortografias correntes da língua Nheengatu: suas diferenças e inconsistências. Mimeo. Campinas: Universidade Estadual de Campinas.

D’Angelis, Wilmar R. (2020b). CLDR – Unicode Common Locale Data Repository: como traduzirmos. Mimeo. Campinas: Universidade Estadual de Campinas.

D’Angelis, Wilmar R. (2020c). Notas da reunião realizada hoje entre tradutores, revisores e o coordenador linguístico do Projeto Jupy. 14.set.2020. Mimeo. Campinas: Universidade Estadual de Campinas.

D’Angelis, Wilmar R. (2022). Notas e conselhos para tradutores de línguas indígenas. Mimeo. Campinas: Universidade Estadual de Campinas.

D’Angelis, Wilmar R.; Oliveira, Mateus C. de; Lima Schwade, Michéli C. de Deus (2021). Acesso ao mundo digital ou acesso digital ao mundo? Revista Digital de Políticas Lingüísticas. Año 13, vol. 15: 134-158. Córdoba, Argentina.:

Universidad Nacional de Córdoba, AUGM. Disponível em: https://revistas.unc.edu.ar/index.php/RDPL/article/view/36251

Dias, Gonçalves (1970). Dicionário da língua Tupi. Chamada Língua Geral dos indígenas do Brasil (Tupí-Português). [1858]. Rio de Janeiro: Livraria São José.

Edelweiss, Frederico G. (1947). Tupís e Guaranís. Estudos de etnonímia e linguística. [Salvador], Bahia: Secretaria de Educação e Saúde.

Edelweiss, Frederico G. (1958). O caráter da segunda conjugação tupí. Salvador: Livraria Progresso.

Edelweiss, Frederico G. (1969). Estudos Tupis e Tupi-Guaranis: confrontos e revisões. Rio de Janeiro: Livraria Brasiliana.

Escola Kariamã Conta – Umbuesá (2015). LEETRA Indígena, vol.1(17). São Carlos: UFSCar – Laboratório de Linguagens LEETRA.

Figueira, Luis, Pe. (1621). Arte da língua brasílica. Lisboa: Manoel da Silva.

Freire, José Ribamar Bessa (2004). Rio Babel. A história das línguas na Amazônia. Rio de Janeiro: Atlântica.

Ivo, Ivana Pereira (2018). Características fonéticas e fonologia do Guarani no Brasil. (Tese de Doutorado). Campinas: Universidade Estadual de Campinas. DOI: https://doi.org/10.47749/T/UNICAMP.2018.1090892

Leite, Yonne (1995). Estrutura silábica e articulação secundária em Tapirapé. In Leo Wetzels (org.), Estudos fonológicos das línguas indígenas brasileiras, pp. 151-194. Rio de Janeiro: Editora UFRJ.

Lima Schwade, Michéli C. de Deus (2021). “Tupi” do Rio Andirá: o Nheengatu no Médio Rio Amazonas (Tese de doutorado). Campinas: Universidade Estadual de Campinas. Disponível em: https://hdl.handle.net/20.500.12733/1641280

Magalhães, José Vieira Couto de (1876[1975]). O Selvagem. Edição comemorativa do centenário da 1ª edição. Belo Horizonte: Itatiaia; São Paulo: Ed. da USP.

Moreira Neto, Carlos de Araújo (1988). Índios da Amazônia: de maioria a minoria (1750-1850). Petrópolis: Vozes.

Nheengatu Tapajowara (2015). LEETRA Indígena, vol. 1(16) São Carlos: UFSCar – Laboratório de Linguagens LEETRA.

Pacheco, Frantomé B.; Schwade, M. Adú; Liberato, Dime P.; Oliveira, Gilvan M. (orgs.) (2013). Yũpinima rupiaita yẽga Yẽgatu kuiriwara. Manaus: EDUA.

Rodrigues, Aryon D. (1958). Phonologie der Tupinambá-Sprache (Dissertation zur Erlangung der Doktorwürde der Philosophischen Fakultät). Hamburgo: Universität Hamburg.

Rodrigues, Aryon D. (1993). Línguas indígenas: 500 anos de descobertas e perdas. DELTA 9(1): 83-103. Recuperado de:

https://revistas.pucsp.br/index.php/delta/article/view/45596

Rodrigues, Aryon D. (2007). As consoantes do Proto-Tupi. In Ana Suelly A.C. Cabral; Aryon D. Rodrigues (orgs.), Línguas e culturas Tupí, vol. 1: 167-203. Campinas: Ed. Curt Nimuendajú; Brasília: LALI/UnB.

Rodrigues, Daniele M. Grannier (1990). Fonologia do Guarani Antigo. Campinas: Ed. da Unicamp.

Rodrigues, João Barbosa (1888). A Lingua Geral do Amazonas e o Guarany: observações sobre o alphabeto indígena. Revista Trimensal do Instituto Historico e Geographico Brasileiro, Suplemento ao Tomo LI, pp. 73-110. Rio de Janeiro: IHGB.

Rodrigues, João Barbosa (1890). Poranduba amazonense, ou kochiyma-uara porandub – 1872-1887. Anais da Biblioteca Nacional, XIV (2), p. I-XV, 1-334. Rio de Janeiro: BN, 1890. Nova edição: Org. e apresentação: Tenório Telles. Manaus:

Editora Valer, 2017.

Sapir, Edward (1981). A realidade psicológica dos fonemas [1933]. In Marcelo Dascal (org.), Fundamentos metodológicos da linguística, vol. II – Fonologia e Sintaxe, pp.37-55. Campinas, SP: Ed. do Organizador.

Seki, Lucy (2000). Gramática do Kamaiurá. Língua Tupi-Guarani do Alto Xingu. Campinas: Ed. da Unicamp; São Paulo: Imprensa Oficial.

Silva, Isabelle Braz Peixoto (2005). Vilas de índios no Ceará Grande. Dinâmicas locais sob o Diretório Pombalino. Campinas: Pontes Editores.

Stefani, Giancarlo (2000). Auatí na canoa do tempo. Um estudo de fábulas do jabuti na tradição Tupi. Recife: Fundação Joaquim Nabuco, Editora Massangana.

Stradelli, Ermanno (1929). Vocabularios da Lingua Geral Portuguez-Nheêngatú e Nheêngatú-Portuguez. Revista do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro, tomo 104, vol. 158 (2º de 1928). Rio de Janeiro: IHGB.

Tastevin, Constantino, Pe. (1922). Grammatica da lingua Tupy. Revista do Museu Paulista, tomo XIII, pp. 535-763. São Paulo.

Trubetzkoy, Nikolay (1981). TRUBETZKOY, Nikolay. A fonologia atual [1933]. In Marcelo Dascal (org.), Fundamentos metodológicos da linguística. Vol. II – Fonologia e Sintaxe, pp. 15-35. Campinas, SP: Ed. do Organizador, 1981.

Yasú Yapurũgitá Yẽgatú (2014). LEETRA Indígena, vol. 3(3). São Carlos: UFSCar – Laboratório de Linguagens LEETRA.

Yamã, Yaguarê; Yaguakãg, Elias; Reis, Egídia; José, Mário [2018]. Dicionário Nhẽẽgatú Tradicional. A língua geral da Amazônia. Nova Olinda do Norte, AM: Movimento do Baixo Amazonas.

Yamã, Yaguarê; Yaguakãg, Elias; Reis, Egídia; José, Mário [2020]. Dicionário e Estudo de Nhẽẽgatú Tradicional. A língua geral da Amazônia. Nova Olinda do Norte, AM: Movimento do Baixo Amazonas.

Creative Commons License

Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License.

Copyright (c) 2023 Wilmar da Rocha D'Angelis

Downloads

Não há dados estatísticos.