Banner Portal
A função dos morfemas categorizadores na Língua Guajá
Grafismo Tukano  de cesteria e animais. Autor: John Alexandres Dias.
PDF

Palavras-chave

Guajá
Morfemas categorizadores
Protótipo
Cosmovisão

Como Citar

MAGALHÃES, Marina Maria Silva; MELLO, Jorge Elias Matta de. A função dos morfemas categorizadores na Língua Guajá. LIAMES: Línguas Indígenas Americanas, Campinas, SP, v. 23, n. 00, p. e023013, 2023. DOI: 10.20396/liames.v23i00.8673950. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/liames/article/view/8673950. Acesso em: 24 maio. 2024.

Resumo

Este estudo trata da investigação de morfemas da língua Guajá cuja função é categorizar o mundo em domínios relevantes para seus falantes construindo a referência do nome ou definindo o escopo do evento a partir de uma categoria prototípica baseada em traços de propriedades determinados pela cosmovisão dos Awa Guajá.  Utilizando os conceitos de categorização linguística e protótipo, analisamos esses morfemas como constituindo um conjunto de sufixos que definem entidades e eventos em termos do quanto se distanciam ou se aproximam de um protótipo no que diz respeito à dimensão/intensidade (-hu e -ˈi) ou a semelhanças não expressas descritivamente (-rỹ) ou mesmo no que se refere a seus traços autênticos quando contrastados com referentes ou eventos similares (-te).

https://doi.org/10.20396/liames.v23i00.8673950
PDF

Referências

Aberra, Daniel (2006). Prototype theory in cognitive linguistics. Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/267512473_Prototype_Theory_in_Cognitive_Linguistics

Balee, William L. (2013). Cultural forests of the Amazon: a historical ecology of people and their landscapes. The University of Alabama Press.

Denofrio, João Paulo Marra (2013). La mort est dans la vie: contre-métamorphose et ascension Kagwahiva (Dissertação mestrado em antropologia social). École des Hautes Études en Sciences Sociales (EHESS).

Foley, William A. (1997). Anthropological linguistics: An introduction. Blackwell Publishing. https://www.academia.edu/28923470/Anthropological_Linguistics

Franchetto, Bruna; Meira, Sérgio; Kuikuro, Ashaua (2021). Operadores ontológicos ameríndios. Comunicação oral no Simpósio síncrono de Morfossintaxe Classificação nominal: gramática, discurso, tipologia, Amazônicas VIII https://letras.ufg.br/e/29307-amazonicas-viii

Givón, T. (1986). Prototypes: between Plato and Wittgenstein. In Colette G. Craig (ed.), Noun classes and categorization, pp. 77-104. John Benjamins Publishing Co. https://doi.org/10.1075/tsl.7

Givón, T. (2001). Syntax. An introduction. Volume I. John Benjamins Publishing Company.

Lakoff, George (1982). Categories: An essay in cognitive linguistics. In Linguistic Society of Korea (ed.), pp.139-193. Linguistics in the morning calm. Hanshin.

Lakoff, George (1986). Classifiers as a reflection of mind. In Colette G. Craig (ed.), Noun classes and categorization, pp. 13-52. John Benjamins Publishing Co. https://doi.org/10.1075/tsl.7.04lak

Magalhães, Marina Maria Silva (2007). Sobre a morfologia e a sintaxe da língua Guajá (Família Tupi-Guarani) (Tese de doutorado Universidade de Brasília. Disponível em: https://repositorio.unb.br/handle/10482/3188b

Magalhães, Marina Maria Silva; Mattos, Ana Cristina Rodrigues de (2014). Classes de palavras, tipos de predicados e sua relação com a intransitividade cindida em Guajá. Via Litterae Revista de linguística e teoria literária 6(2): 251-284. https://www.revista.ueg.br/index.php/vialitterae/article/view/3542

Magalhães, Marina Maria Silva; Ferreira, Dimitria Giovanna Costa (2021). O Continuum entre flexão e derivação nos sufixos intensificador e atenuativo da língua Guajá. Cadernos de Etnolingüística 9(1):1-16. http://www.etnolinguistica.org/article:vol9n1-3

Regúnaga, María Alejandra (2012). Tipología del género en lenguas indígenas de América del Sur. Editorial de la Universidad Nacional del Sur. Disponível em: http://repositoriodigital.uns.edu.ar/handle/123456789/2208

Rosch, Eleanor (1978). Principles of categorization. In Eleanor Rosch; Barbara B. Lloyd (eds.), Cognition and categorization, pp. 27-48. Lawrence Erlbaum.

Taylor, John R. (1995) Linguistic categorization: Prototypes in linguistic theory. Oxford University Press.

Viveiros de Castro, Eduardo (2002). Esboço de cosmologia yawalapíti. In A inconstância da alma Selvagem, pp. 27-85. Cosac & Naify.

Viveiros de Castro, Eduardo (1996). Os pronomes cosmológicos e o perspectivismo ameríndio. Mana 2(2): 115-144. Disponível em: https://www.scielo.br/j/mana/a/F5BtW5NF3KVT4NRnfM93pSs/?lang=pt

Witkowski, Stanley R.; Cecil H. Brown (1983). Marking-reversals and cultural importance. Language 59(3): 569-582. https://www.jstor.org/stable/413904

Creative Commons License

Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License.

Copyright (c) 2023 Marina Maria Silva Magalhães, Jorge Elias Matta de Mello

Downloads

Não há dados estatísticos.