Banner Portal
Direitos linguísticos e políticas linguísticas no Brasil
PDF

Palavras-chave

Direitos linguísticos e políticas linguísticas
Português como língua adicional
Universidade pública.

Como Citar

GONÇALVES, J. S. S. . Direitos linguísticos e políticas linguísticas no Brasil : uma análise de processos seletivos para acesso à universidade pública por migrantes forçados. Línguas e Instrumentos Linguísticos, Campinas, SP, n. 43, p. 192–216, 2019. DOI: 10.20396/lil.v0i43.8658348. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/lil/article/view/8658348. Acesso em: 23 fev. 2024.

Resumo

Este artigo objetiva apresentar reflexões sobre o modo como o português tem sido abordado em processos seletivos específicos para migrantes forçados em instituições federais de educação superior brasileiras. Trata-se de recorte de pesquisa mais ampla em que se investigaram os direitos linguísticos desses sujeitos no acesso ao direito social à educação no Brasil. Para este trabalho, trazemos a análise de documentos institucionais – editais, despachos e resoluções – de processos seletivos de duas universidades federais para ingresso no primeiro semestre de 2018: Universidade Federal de Santa Maria (UFSM) e Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). As análises realizadas indicam que a tensão entre o reconhecimento e o apagamento de direitos linguísticos dos migrantes forçados é constitutiva das políticas linguísticas adotadas pelas instituições universitárias para o acesso e a permanência desses sujeitos no sistema educacional superior público.

https://doi.org/10.20396/lil.v0i43.8658348
PDF

Referências

ABREU, R. N. (2016). Os direitos linguísticos: possibilidades de tratamento da realidade plurilíngue nacional a partir da Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Dissertação. Mestrado em Direito. Aracaju: Universidade Federal de Sergipe.

ARZOZ, X. (2007). The nature of language rights. European Centre for Minority Issues. Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/26536934_The_Nature_of_Language_Rights. Acesso em: 05 de maio de 2019.

AUROUX, S. (2009). A revolução tecnológica da gramatização. Campinas: Unicamp.

BIZON, A. C. C; CAMARGO, H. (2018). Acolhimento e ensino da língua portuguesa à população oriunda de migração de crise no município de são Paulo: por uma política do atravessamento entre verticalidades e horizontalidades. In: BAENINGER, R. et al. (Orgs). Migrações Sul-Sul. Campinas: Núcleo de Estudos de População Elza Berquó – Nepo/Unicamp.

BIZON, A. C. C.; DINIZ, L. R. A. (Orgs.) (2018). Português como Língua Adicional em contextos de minorias: (co)construindo sentidos a partir das margens. Revista X, volume 13, número 1. Curitiba: UFPR.

CALVET, L. (2002). Sociolingüística: uma introdução crítica. São Paulo: Parábola.

CALVET, L. (2007). As políticas linguísticas. São Paulo: Parábola/ Florianópolis: IPOL.

RODRIGUES, F. (2018). A noção de direitos linguísticos no Brasil: entre a democracia e o fascismo. In: Línguas e instrumentos linguísticos, v. 42, p. 33-56.

DINIZ, L. R. A.; NEVES, A. O. Políticas linguísticas de (in)visibilização de estudantes imigrantes e refugiados no Ensino Básico brasileiro. REVISTA X, v. 13, p. 87-110, 2018.

GADET, F.; PÊCHEUX, M. (2004). A língua inatingível: o discurso na história da lingüística. 2ª ed. Campinas: Pontes.

GUIMARÃES, E.; ORLANDI, E. P. (1996). Apresentação. Identidade Lingüística. In: ______. (orgs.). Língua e cidadania: o português no Brasil. Campinas: Pontes, p. 9-15.

GUIMARÃES, E.; ORLANDI, E. P. (2003). Direitos Linguísticos como direitos humanos: debates e perspectivas. In: Alteridades, México, v. 5, n. 10, p. 11-23.

LOPEZ, A. P. de A (2016). Subsídios para o planejamento de cursos de Português como Língua de Acolhimento para imigrantes deslocados forçados no Brasil. Dissertação. Mestrado em Linguística Aplicada. Universidade Federal de Minas Gerais.

OLIVEIRA, G. M. de. (2003). (Org.) Declaração Universal dos Direitos Linguísticos: novas perspectivas em política linguística. São Paulo: Mercado das Letras.

ORLANDI, E. P. (1998). Ética e política lingüística. In: Línguas e instrumentos lingüísticos, v. 1, p. 7-22.

ORLANDI, E. P. (2007). Apresentação. Há palavras que mudam de sentido, outras... demoram mais. In: ORLANDI, E. P. (org.). Política lingüística no Brasil. Campinas: Pontes. p. 7-10.

PÊCHEUX, M. (2010). Análise Automática do Discurso (AAD-69). Trad. Eni P. Orlandi. In: GADET, F.; HAK, T. (orgs.). Por uma análise automática do discurso: uma introdução à obra de Michel Pêcheux. 4. ed. Campinas: Unicamp. p. 61-161.

PÊCHEUX, M. (2009). Semântica e discurso: uma crítica à afirmação do óbvio. Tradução: Eni Puccinelli Orlandi. 4ª edição. Campinas: Editora da Unicamp.

RODRÍGUEZ-ALCALÁ, C. (2010). Políticas públicas de direito à língua e consenso etnocultural: uma reflexão crítica. In: ORLANDI, E. P. (Org.). Discurso e políticas públicas urbanas: a fabricação do consenso. Campinas: RG, p. 127-160.

SCHLATTER, M.; GARCEZ, P. M. (2009). Línguas adicionais (Espanhol e Inglês). In: Referenciais curriculares do Estado do Rio Grande do Sul: linguagens, códigos e suas tecnologias. Secretaria de Estado da Educação, Porto Alegre.

SIGALES-GONÇALVES, J. S. S. (2017). Direitos linguísticos de refugiados no Brasil: a língua(gem) como direito humano. In: I Simpósio de Linguística Forense da UERJ. Caderno de Resumos. Rio de Janeiro.

SIGALES-GONÇALVES, J. S. S. (2018). Direitos linguísticos no acesso ao direito à educação por migrantes forçados no Brasil: Estado, práticas e educação superior. Dissertação. Mestrado em Direito. Pelotas. Universidade Federal de Pelotas.

SKUTNABB-KANGAS, T. Language Rights. (2015). In: WRIGHT, W.; BOUN, S.; GARCÍA, O. The handbook of bilingual and multilingual education. 1ª edição. John Wiley and Sons, Inc.

SKUTNABB-KANGAS, T.; PHILLIPSON, R. (1994). Linguistic human rights, past and present. In: ______. (orgs.) Language rights. Vol. 1. p. 71-110.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA. Reitoria. Resolução nº 041/2016, de 10 de novembro de 2016. Institui o Programa de Acesso à Educação Técnica e Superior da UFSM para Refugiados e Imigrantes em situação de vulnerabilidade e revoga a Resolução nº 039/2010. Santa Maria: Reitoria, 2016. Disponível em: https://www.ufsm.br/cursos/graduacao/santa-maria/engenhariamecanica/wpcontent/uploads/sites/435/2018/12/resolucao_041_2016_ufm_programa_refugiados_imigrantes.pdf. Acesso em: maio de 2018.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA. Reitoria. Resolução nº 041/2016, de 10 de novembro de 2016. Institui o Programa de Acesso à Educação Técnica e Superior da UFSM para Refugiados e Imigrantes em situação de vulnerabilidade e revoga a Resolução nº 039/2010. Santa Maria: Reitoria, 2016. Disponível em: https://www.ufsm.br/cursos/graduacao/santa-maria/engenhariamecanica/wpcontent/uploads/sites/435/2018/12/resolucao_041_2016_ufm_programa_refugiados_imigrantes.pdf. Acesso em: maio de 2018.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL. Conselho Universitário. Resolução nº 366/2015, de 02 de outubro de 2015. Aprova as Normas para Ingresso de pessoas em situação de refúgio em cursos de graduação e pós-graduação scricto sensu da UFRGS. Porto Alegre: Conselho Universitário, 2015. Disponível em: http://www.ufrgs.br/consun/legislacao/documentos/decisao-no-366-2015/view. Acesso em: maio de 2018.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL. Pró-Reitoria de Graduação. Edital de seleção para ingresso de pessoas em situação de refúgio nos cursos de graduação. Porto Alegre: Pró-Reitoria de Graduação, 2015. Disponível em: http://www.ufrgs.br/prograd/edital-de-ingresso-de-refugiados-2018-1. Acesso em: maio de 2018.

A revista Línguas e Instrumentos Linguísticos utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto.

 

 

Downloads

Não há dados estatísticos.