As línguas da imprensa

um olhar sobre os Anuários Estatísticos Brasileiros (1908-1955)

Palavras-chave: Línguas, Imprensa, História

Resumo

Este artigo lança um olhar sobre as línguas da imprensa brasileira registradas nos Anuários Estatísticos Brasileiros (AEBs) da primeira metade do século XX. Para tanto, analisamos 16 anuários estatísticos, no período entre 1908 e 1955, interpretando seus dados à luz das políticas linguísticas da época, bem como da relação da imprensa em Língua Estrangeira (LE) com as comunidades imigrantes e com o Estado. Os resultados indicam que o tema “línguas da imprensa” recebeu grande atenção no primeiro AEB (1908-1912), a qual diminuiu nas publicações posteriores até sua omissão durante o Estado Novo. Em termos estatísticos, por sua vez, a imprensa em LE correspondia a 5% do total nacional em 1912, ficando reduzida a menos de 1% nas décadas seguintes, na medida em que crescia a imprensa bilíngue no país. Ações de combate à imprensa em LE e de nacionalização dos imigrantes estão relacionadas a esses dados.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Andréa Weber, Universidade Federal de Santa Maria

Doutora em Letras pela Universidade Federal de Santa Maria (UFSM). Professora do Departamento de Ciências da Comunicação da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), campus Frederico Westphalen.

Referências

ANTUNES, M. A; LUCA, T. R. A presença de jornais em língua estrangeira em algumas bibliotecas paulistas e na Biblioteca Nacional do Rio de Janeiro. Revista Escritos, [s.l.], ano 9, nº 9, 2015. Disponível em: http://www.casaruibarbosa.gov.br/escritos/numero09/cap_08.pdf. Acesso em: 12 jun. 2017.

BOLOGNINI, C. Z; PAYER, M. O. Línguas de imigrantes. Ciência e Cultura, Campinas, v. 2, ano 57, p. 42-46, 2005. Disponível em: http://cienciaecultura.bvs.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0009-67252005000200020. Acesso em: 12 dez. 2019.

BRASIL. Decreto-lei nº 406, de 4 de maio de 1938. Dispõe sôbre a entrada de estrangeiros no território nacional. Disponível em: http://www2.camara.leg.br/legin/fed/declei/1930-1939/decreto-lei-406-4-maio-1938-348724-publicacaooriginal-1-pe.html. Acesso em: 18 maio 2013.

BRASIL. Decreto nº 5.077, de 29 de Dezembro de 1939. Aprova o regimento do Departamento de Imprensa e Propaganda (D.I. P.). Disponível em: http://www2.camara.leg.br/legin/fed/decret/1930-1939/decreto-5077-29-dezembro-1939-345395-publicacaooriginal-1-pe.html. Acesso em: 14 set. 2017.

CARNEIRO, M. L. T. Imprensa irreverente; tipos subversivos. In: CARNEIRO, M. L. T; KOSSOY, B (Orgs.). A imprensa confiscada pelo DEOPS: 1924-1954. São Paulo: Ateliê editorial, 2003.

DREHER, M. A participação do imigrante na imprensa brasileira. In: DREHER, M.; RAMBO, A. B.; TRAMONTINI, M. J. (Orgs.). Imigração e Imprensa. Porto Alegre: EST/São Leopoldo: Instituto Histórico de São Leopoldo, 2004, pp.91-99.

GERTZ, R. Imprensa e imigração alemã. In: DREHER, M.; RAMBO, A. B.; TRAMONTINI, M. J. (Orgs.). Imigração e Imprensa. Porto Alegre: EST/São Leopoldo: Instituto Histórico de São Leopoldo, 2004, pp. 100-122.

GUIMARÃES, E. Designação e espaço de enunciação: um encontro político no cotidiano. Revista Letras, Santa Maria: UFSM, n. 26, p. 53-62, 2003. Disponível em: http://w3.ufsm.br/revistaletras/letras26.html. Acesso em: 12 mai. 2011.

IBGE – INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Anuário estatístico do Brasil: resenha histórica. Rio de Janeiro: IBGE, 1991. Disponível em: https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros/liv22601.pdf. Acesso em: 15 out. 2017.

KLUG, J. Imprensa e imigração alemã em Santa Catarina. In: DREHER, M.; RAMBO, A. B.; TRAMONTINI, M. J. (Orgs.). Imigração e Imprensa. Porto Alegre: EST/São Leopoldo: Instituto Histórico de São Leopoldo, 2004, pp.13-25.

LUSTOSA, I. Henri Plasson e a primeira imprensa francesa no Brasil (1827-1831). Revista Escritos, [s.l.], ano 9, nº 9, 2015. Disponível em http://www.casaruibarbosa.gov.br/escritos/numero09/cap_03.pdf. Acesso em: 12 jun. 2017.

MORELLO, R. Censos nacionais e perspectivas políticas para as línguas brasileiras. Revista Brasileira de Estudos de População, Rio de Janeiro, v. 33, n. 2, p. 431-439, maio/ago, 2016. Disponível em: https://www.rebep.org.br/revista/article/view/944/pdf. Acesso em: 15 out. 2017.

NEUMANN, R. M. Correio Serrano: órgão dos interesses regionais. In: DREHER, M.; RAMBO, A. B.; TRAMONTINI, M. J. Imigração e Imprensa. Porto Alegre: EST/São Leopoldo: Instituto Histórico de São Leopoldo, 2004, pp. 190-209.

OLIVEIRA, G. M. Os censos linguísticos e as políticas para as línguas no Brasil meridional. In: MORELLO, R.; MARTINS, M. F. (Orgs.). Observatório da educação na fronteira: política linguística em contextos plurilíngues: desafios e perspectivas para a escola. Florianópolis: Ipol, Editora Garapuvu, 2014.

SENRA, N. C. Um olhar sobre os anuários estatísticos. Ciência da Informação, Brasília, v. 26, n. 1, 1997. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-19651997000100002. Acesso em: 25 out. 2017.

SERPA, E. Congresso da Língua Nacional Cantada de 1937 -‘a insensatez maravilhosa da militarização das vogais’: nacionalismo, raça e língua. Diálogos latino-americanos, n. 3, Ahrus: Lacua, 2001.

SEYFERTH, G. Os imigrantes e a campanha de nacionalização do Estado Novo. In: PANDOLFI, D. (Org.). Repensando o Estado Novo. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas, 1999, p.199-228.

SOUZA, M. C. A imprensa Imigrante: trajetória da imprensa das comunidades imigrantes em São Paulo. São Paulo: Memorial do Imigrante: Imprensa Oficial do Estado de São Paulo, 2010.

Publicado
2020-04-30
Como Citar
Weber, A. (2020). As línguas da imprensa. Línguas E Instrumentos Línguísticos, 23(45), 28-45. https://doi.org/10.20396/lil.v23i45.8659381
Seção
Artigo