A compreensão da argumentatividade em três gêneros textuais

uma análise sob a perspectiva do contexto sociocognitivo de estudantes de uma periferia carioca

  • Silvia Adélia Henrique Guimarães Secretaria Municipal de Educação do Rio de Janeiro
Palavras-chave: Argumentatividade, Alunos de periferia, Gêneros textuais

Resumo

Objetiva-se, neste artigo, divulgar os resultados de uma investigação realizada com dez alunos do nono ano de uma escola de uma periferia do Rio de Janeiro. Filiados ao paradigma quali-quantitativo, perguntamos como os sujeitos de pesquisa entenderiam a argumentatividade presente em exemplares de três gêneros textuais: a notícia, a propaganda e a tirinha. Pautados na abordagem sociocognitivo-discursiva da Linguística Textual, propusemos atividades que possibilitassem uma análise linguístico-discursiva de exemplares dos gêneros propostos. Os resultados sugerem que a maior parte dos sujeitos consegue identificar a tese, quando presente nos textos, embora não consiga argumentar seu achado a partir das marcas linguísticas desses textos. Apesar de contar com poucos participantes, o estudo aponta para uma necessária metodologia que observe os gêneros em seu funcionamento, e que associe as escolhas linguísticas a esses objetivos, a fim de que os alunos de periferia possam acessar os diversos fatos sociais de forma includente.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Silvia Adélia Henrique Guimarães, Secretaria Municipal de Educação do Rio de Janeiro

Doutora em Língua Portuguesa pela Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ). Professora regente - Secretaria Municipal de Educação do Rio de Janeiro (SME/RJ).

Referências

ABARCA, E. V.; RICO, G. M. Por que os textos são tão difíceis de compreender? As inferências são a resposta. In: Compreensão de Leitura – a língua como procedimento. Porto Alegre: Artmed. p. 139-153, 2003.

ADAM, J. M. A linguística Textual – introdução à análise textual dos discursos. 2 ed. São Paulo: Cortez, 2011.

ALVEZ-MAZZOTI, A. J.; GEWANDSZNAJDER, F. O método nas ciências naturais e sociais: pesquisa quantitativa e qualitativa. 2 ed. São Paulo: Pioneira, 1999.

AMOSSY, R. Argumentação e Análise do Discurso: perspectivas teóricas e recortes disciplinares. Trad.: Eduardo Lopes Piris e Moisés Olímpio Ferreira. EID&A – Revista Eletrônica de Estudos Integrados em Discurso e Argumentação, Ilhéus, n. 1, nov. p. 129-144, 2011.

ANTUNES, I. Aula de português: encontro e interação. São Paulo: Parábola Editorial, 2003.

BARROSO, T. Gênero Textual como Objeto de Ensino: Uma Proposta de Didatização de Gêneros do Argumentar. SIGNUM: Estudos Linguísticos, N.14. V. 2, p. 135-156. UEL/Londrina, 2011.

BAKHTIN, M. Os gêneros do discurso. In: Estética da Criação Verbal. 2 ed. São Paulo: Martins Fontes, p. 261-306, 1997.

BEKER, A. Tirinhas do Armandinho. Disponível em: <http://tirasarmandinho.tumblr.com/post/119021577594/do-armandinho-dois-lisboa-nesta-segunda-18-de>. Acesso em: 05 maio 2016.

BENASSI, M. V. B. O gênero “notícia”: uma proposta de análise e intervenção. In: Anais do CELLI – Colóquio de Estudos Linguísticos e Literários. 3, 2007, Maringá, 2009, p. 1791-1799. Disponível em: <http://ple.uem.br/3celli_anais/trabalhos/estudos_linguisticos/pfd_linguisticos/069.pdf>. Acesso em: 09 maio 2016.

BERNARDO, G. Educação pelo argumento. 2 ed. Rio de Janeiro: Rocco, 2007.

BRASIL. Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN). Língua Portuguesa. Ensino Fundamental. Terceiro e quarto ciclos. Brasília MEC/SEF, 1998, V. 2. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/livro02.pdf>.

BRONCKART, J. P. Atividade de linguagem, textos e discursos: Por um interacionismo sociodiscursivo. 2 ed. São Paulo, EDUC, 2012.

CAVALCANTE, M. M. Referenciação: sobre coisas ditas e não ditas. Fortaleza: Edições UFC, 2011.

¬¬CAVALCANTE, M. M.. Abordagens da argumentação nos estudos de Linguística Textual. ReVEL, edição especial V. 14, N. 12, 2016.

CAVALCANTE, M. M.; BRITO, M. A. P. O caráter naturalmente recategorizador das anáforas. In: AQUINO, Z. G. O.; GONÇALVES-SEGUNDO, P. R. (orgs.). Estudos do discurso: caminhos e tendências. São Paulo: Paulistana, 2016.

CAVALCANTI, J. R. Professor, Leitura e Escrita. São Paulo: Contexto, 2010.

COSTA VAL, M. G. Repensando a textualidade. In: AZEVEDO, J. C. (Org.). Língua portuguesa em debate: conhecimento e ensino. Petrópolis: Vozes, p. 34-51, 2001.

DIJK, T. A. V. Discurso e Poder. 2 ed. São Paulo: Contexto, 2001.

HÜBNER, L. P. Compreensão leitora à luz da semântica argumentativa. Cenários, Porto Alegre, n. 13, 2016. p. 56-72.

LIBERALI, F. C; DAMIANOVIC, M. C; MATEUS, E; GUERRA, M. Argumentação em contexto escolar: relatos de pesquisa. São Paulo: Pontes, 2016.

KOCH, I. V. Introdução à linguística textual: trajetória e grandes temas. São Paulo: Contexto, 2018.

KOCH, I. V.; ELIAS, V. M. Ler e escrever – estratégias de produção textual. 2 ed. São Paulo: Contexto, 2012.

KOCH, I. V. Argumentação e linguagem. 7 ed. São Paulo: Cortez, 2011a.

KOCH, I. V. Desvendando os segredos do texto. 2 Ed. São Paulo: Contexto, 2011b.

KOCH, I. V. A referenciação como construção sociocognitiva: o caso dos rótulos. Revista de Estudos Linguísticos, Belo Horizonte, v. 16, n. 1, p. 201-213, 2008.

KOCH, I. V.; CUNHA-LIMA, M. L. Do cognitivismo ao sociocognitivismo. In: MUSSALIM, F.; BENTES, A. C. (org.). Introdução à linguística. V. 3: fundamentos epistemológicos. 2. ed. São Paulo: Cortez, p. 251-300, 2005.

SANTIAGO, C. Argumentação: A retórica antiga, a nova retórica e a perspectiva enunciativo-dialógica. In.: LIBERALI, F. C; DAMIANOVIC, M. C; MATEUS, E; GUERRA, M. (orgs.). Argumentação em contexto escolar: relatos de pesquisa. São Paulo: Pontes, 2016.

MARCUSCHI, L. A. Produção textual, análise de gêneros e compreensão. São Paulo: Parábola Editorial, 2008.

MARCUSCHI, L. A. Linguística do texto: o que é e como se faz. 3 ed. São Paulo: Parábola Editorial, 2012.

MEDEIROS, A. G. C. L. O gênero textual propaganda: descrição e uso em sala de aula. 2008. 144 p. Dissertação - Faculdade de Letras, Universidade Federal de Juiz de Fora – UFJF, Juiz de Fora, MG, 2008.

NICOLAU, V; MAGALHÃES, H. As tirinhas e a cultura da convergência: um estudo sobre a adaptação deste gênero dos quadrinhos as novas mídias, 2011. Disponível em: <http://abciber.org.br/simposio2011/anais/Trabalhos/artigos/Eixo%202/3.E2/323-512-1-RV.pdf.>. Acesso em: 28 jun. 2017.

O GLOBO. Casos de violência escolar na região de Piracicaba deixam marcas e medo, 2014. Disponível em: <http://g1.globo.com/sp/piracicaba-regiao/noticia/2014/12/casos-de-violencia-escolar-na-regiao-de-piracicaba deixam-marcas-e-medo.html.> Acesso em: 01 mar. 2015.

PERELMAN, OLBRECHTS-TYTECA. Tratado da Argumentação: a nova retórica. São Paulo: Martins Fontes, 1996.

RAMOS, P. Tira ou tirinha? Um gênero com nome relativamente instável. Estudos Linguísticos, N. 42. V. 3, p. 1281-1291. IEL/Unicamp, 2013.

RIBEIRO, Anderson Ribeiro. Histórias ouvidas e histórias contadas: relatos linguístico-antropológicos dos sujeitos narradores na arte de contar. 2017. Tese (Doutorado em Língua Portuguesa) - Universidade do Estado do Rio de Janeiro, 2017.

ROSENBLAT, E. Critérios para a construção de uma sequência didática no ensino dos discursos argumentativos. In: ROJO, R. A prática de linguagem em sala de aula – praticando os PCN. São Paulo: Mercado das Letras. p. 185-206, 2000.

SANTOS, L. W.; BARBALHO, C. Referenciação: uma abordagem crítica em sala de aula. In. SANTOS, J. C. N; CARVALHO, J. R; REIS, M. S. (org.). Ensino de Língua e literatura: gênero textual e letramento. Aracaju/Itabaiana: Criação/Profletras, v. 1, p. 15-38, 2000.

SIMÕES, A. C. A estrutura potencial do gênero (EPG) e o ensino explícito de gêneros do discurso: a configuração dos gêneros de tiras e o ensino de língua portuguesa. 359 p. Tese (Doutorado em Letras), Universidade Estadual do Rio de Janeiro, 2018.

SOUSA, A. V. Compreensão de textos argumentativos por leitores do ensino fundamental. 2003. 173 p. Dissertação (Mestrado). Universidade Federal do Ceará, 2003.

Publicado
2020-04-30
Como Citar
Guimarães, S. A. H. (2020). A compreensão da argumentatividade em três gêneros textuais. Línguas E Instrumentos Línguísticos, 23(45), 190-219. https://doi.org/10.20396/lil.v23i45.8659388
Seção
Artigo