Visualizar, ler e compreender o dicionário Priberam

divisões políticas da língua no limiar do linguístico e do visual

Autores

  • Guilherme Adorno Universidade Estadual de Campinas

DOI:

https://doi.org/10.20396/lil.v42i42.8661572

Palavras-chave:

Composição material, Contradição, Revolução tecnolinguística

Resumo

Esse estudo exploratório do Dicionário Priberam de Língua Portuguesa (DPLP), na sua formulação digital, parte da questão: como tal dicionário afeta a divisão política da língua a partir de sua digitalização e circulação na Internet? Trata-se de um material propício para mostrar a atualização do processo de gramatização do português no início do século XXI e para observar as singularidades do trabalho lexicográfico no espaço digital e a produção de saberes sobre a língua nesse momento histórico. O corpus é composto por recortes de formulações dos anos de 2012, 2013 e 2014, período de exploração do material de análise. Os procedimentos de descrição levaram ao trabalho intradiscursivo com os efeitos do visual, ou seja, a própria formulação visual como elemento importante para a compreensão do funcionamento da discursividade lexicográfica em Priberam.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Guilherme Adorno, Universidade Estadual de Campinas

Doutorado em Lingüística pela Universidade Estadual de Campinas. Docente da Universidade do Vale do Sapucaí

Referências

ADORNO DE OLIVEIRA, Guilherme. (2015). Discursos sobre o eu na composição autoral dos vlogs. Tese de Doutorado em Linguística. Universidade Estadual de Campinas. Campinas.
ADORNO, Guilherme. (2017). “Sujeito, autoria e as materialidades significantes”. In: ADORNO, Guilherme; JESUS, Fabiane Texeira de. Análise de Discurso. Londrina: Editora e Distribuidora Educacional S.A., p.83-122.
ALTHUSSER, Louis. (1980). “O objeto do capital”. In:
ALTHUSSER, Louis et al. Ler O Capital. Rio de Janeiro: Zahar.
AUROUX, Sylvain. (2009). A revolução tecnológica da gramatização. Campinas: Editora da UNICAMP, 2 ed. ______. (1998). A filosofia da linguagem. Campinas: Unicamp. ______. (2012). Matematização da linguística e natureza da linguagem. São Paulo: Hucitec.
BADIOU, Alain. (1976). Théorie de la contradiction. Paris: François Maspero.
DIAS, Cristiane. (2008). “Da corpografia: ensaio sobre a língua/escrita na materialidade”. Coleção Cogitare. Santa Maria: UFSM/PPGL. ______. (2012). Sujeito, sociedade e tecnologia: a discursividade da rede (de sentidos). São Paulo: Hucitec.
GADET, Françoise; PÊCHEUX, Michel (2010). A língua inatingível: o discurso na história da lingüística. Campinas: RG, 2 ed. ______ (2014). “Há uma via para a Linguística fora do logicismo e do sociologismo?” In: ORLANDI, Eni (org.). Análise de discurso: textos de Michel Pêcheux escolhidos por Eni Puccinelli Orlandi. 4 ed. Pontes: Campinas.
GUIMARÃES, Eduardo. (2004). História da Semântica: sujeito, sentido e gramática no Brasil. Campinas: Pontes. ______. (2005). Multilingüismo, divisões da língua e ensino no Brasil. Brasília/Campinas: MEC/CEFIEL-IEL.
GUIMARÃES, Eduardo; ORLANDI, Eni Puccinelli. (1996). “Identidade Lingüística”. In: GUIMARÃES, Eduardo; ORLANDI, Eni Puccinelli (Orgs.). Língua e cidadania: o português no Brasil. Campinas: Pontes. p.9-15. ______. (2001). “Formação de um espaço de produção linguística: a gramática no Brasil”. In: Orlandi, Eni P (Org.). História das Idéias Linguísticas: construção do saber metalinguístico e constituição da língua nacional. Campinas: Pontes; Cáceres: Unemat Editora, p.21-38.
LAGAZZI, Suzy. (2009). “O recorte significante da memória”. In:
INDURSKY, Freda; FERREIRA, Maria Cristina Leandro;
MITTMANN, Solange (orgs.). O discurso na contemporaneidade: materialidades e fronteiras. São Carlos: Claraluz. ______. (2010). “O confronto político urbano administrado na instância jurídica”. In: ORLANDI, Eni Puccinelli (Org.). Discurso e políticas públicas urbanas: a fabricação do consenso. Campinas: Editora RG, p.75-83. ______. (2011). “O recorte e o entremeio condições para a materialidade significante”. In: BRANCO et al (Org.). Análise de Discurso no Brasil: Pensando o impensado sempre, uma homenagem a Eni Orlandi. Campinas, Editora RG. ______. (2014). “Um lugar à margem, quase invisível”. In: Rua, v.Especial, p.155-166. Campinas: Labeurb/Unicamp.
LEITE, Nina Virgínia de Araújo (org.). Corpolinguagem: gestos e afetos. Campinas: Mercado de Letras, 2003
HENRY, Paul. (1992). A ferramenta imperfeita: língua, sujeito e discurso. Campinas: Editora da Unicamp.
MARTINS, Ronaldo. (2012). “O irreal da língua”. In: FERREIRA, Ana Cláudia Fernandes; MARTINS, Ronaldo Teixeira (Orgs.). Linguagem e tecnologia. Campinas, RG, p.129-158.
NUNES, José Horta. (2006). Dicionários no Brasil: análise e história do século XVI ao XIX. Campinas: Pontes. ______. (2007). “Um espaço ético para pensar os instrumentos lingüísticos: o caso do dicionário”. In: ORLANDI, Eni P. (Org.). Política Lingüística no Brasil. Campinas: Pontes. ______. (2008). “Dicionário, sociedade e língua nacional: o surgimento dos dicionários monolíngues no Brasil”. In: LIMA, Ivana Stolze; CARMO, Laura do (Org.). História social da língua nacional. Rio de Janeiro: Edições Casa de Rui Barbosa, p.353-374.
NUNES, Silvia Regina (2012). A geometrização do dizer no discurso infográfico. Tese de Doutorado em Linguística. Universidade Estadual de Campinas. Campinas.
PÊCHEUX, Michel (1998). “Sobre a (des-)construção das teorias linguísticas”. Línguas e Instrumentos Linguísticos, Campinas: Pontes, n.2, p.7-32. ______ (2009). Semântica e discurso: uma crítica à afirmação do óbvio. 4 ed. Campinas: Editora da Unicamp. ______ (2010). “Ler o arquivo hoje”. In: ORLANDI, Eni (Org.). Gestos de leitura. Campinas: Ed. da UNICAMP.
ORLANDI, Eni Puccinelli. (2002). Língua e conhecimento lingüístico: para uma História das Idéias Lingüísticas. São Paulo: Cortez. ______ (Org.). (2001). História das Idéias Linguísticas: construção do saber metalinguístico e constituição da língua nacional. Campinas: Pontes; Cáceres: Unemat Editora. ______. (2008). Terra à vista: discurso do confronto: velho e novo mundo. Campinas: Editora da Unicamp, 2. ed. ______. (2009). Língua Brasileira e outras histórias: discursos sobre a língua e o ensino no Brasil. Campinas: RG.
ORTIZ, Renato. (1996). Um outro território: ensaios sobre a mundialização. São Paulo: Olho Dágua. ______. (2006). Mundialização: saberes e crenças. São Paulo: Brasiliense.
SCHMITT, Michele. (2006). Da incompletude da linguagem na materialidade metálica. Dissertação de Mestrado em Linguística. Universidade Federal de Santa Maria. Santa Maria.
ZOPPI FONTANA, Mónica Graciela. (2009). “O português do Brasil como língua transnacional”. In: ZOPPI FONTANA, Mónica Graciela (Org.). O português do Brasil como língua transnacional. Campinas: RG, p.11-41.

Downloads

Publicado

2020-11-06

Como Citar

ADORNO, G. Visualizar, ler e compreender o dicionário Priberam: divisões políticas da língua no limiar do linguístico e do visual. Línguas e Instrumentos Linguísticos, Campinas, SP, v. 42, n. 42, 2020. DOI: 10.20396/lil.v42i42.8661572. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/lil/article/view/8661572. Acesso em: 19 out. 2021.

Edição

Seção

Artigo

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)