Contribuição da História das Ideias Linguísticas e da Análise de Discurso para o estudo sobre educação escolar indígena no Brasil

Autores

  • Abraão Janderson dos Santos Amaral Universidade Federal do Piauí
  • Maraisa Lopes Universidade Federal do Piauí

DOI:

https://doi.org/10.20396/lil.v46i46.8661630

Palavras-chave:

História das ideias linguísticas, Análise de discurso, Política linguística

Resumo

Este artigo tem por objetivo expor o processo de articulação teórico-metodológica entre a História das Ideias Linguísticas (HIL) e a Análise de Discurso Materialista (AD), que tem sido realizado por nós em pesquisas relacionadas às políticas linguísticas da Educação Escolar Indígena no Brasil. Trata-se, pois, de demonstrar os procedimentos de pesquisa utilizados e, nesse percurso, trazer exemplificações com base no objeto supra referido. Além disso, pretendemos discutir sobre a noção de política linguística a partir de uma perspectiva materialista, concebendo-a enquanto prática sócio-política e dialética relacionada com os processos ideológicos e diferindo-a de uma concepção sociologista.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Abraão Janderson dos Santos Amaral, Universidade Federal do Piauí

Graduado em Licenciatura Plena em Letras/Português pela Universidade Estadual do Piauí (UESPI). É mestrando do Núcleo de Pós-graduação em Letras/Português, com ênfase em Linguística, pela Universidade Federal do Piauí (UFPI)

Maraisa Lopes, Universidade Federal do Piauí

Doutora em Linguística pela Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Docente da Universidade Federal do Piauí (UFPI).

Referências

ALTHUSSER, Louis. Ideologia e aparelhos ideológicos de Estado. Lisboa: Editorial Presença/Martins Fontes, 3. ed. 1980.

ANJOS, Marcelo Alessandro Limeira dos. Marcas toponímicas em solo piauiense: seguindo as trilhas das águas. Tese. Doutorado em Linguística. Belo Horizonte: Universidade Federal de Minas Gerais, Faculdade de Letras Programa de Pós-Graduação em Estudos Linguísticos, 2012.

AUROUX, Sylvain. A revolução tecnológica da gramatização. Trad. Eni P. Orlandi. Campinas, SP: Editora da Unicamp, 3. ed. 2014.

BRASIL. Ministério da Educação. Diretrizes para a Política Nacional de Educação Escolar Indígena. Brasília, DF: MEC/SEF/DPEF, 2ª ed. 1994

BRASIL. Ministério da Educação. Referencial Curricular Nacional para as Escolas Indígenas. Ministério da Educação e do Desporto, Secretaria de Educação Fundamental. Brasília, DF: MEC/SEF, 1998.

CALVET, Louis-Jean. As políticas linguísticas. São Paulo: Parábola/IPOL, 2007.

COLOMBAT, Bernard; FOURNIER, Jean-Marie; PUECH, Christian. Uma história das ideias linguísticas. Trad. Jacqueline Léon; Marli Quadros Leite. São Paulo: Contexto, 1. ed, 2017.

COOPER, Robert Leon. Language planning and social change. Cambridge, CB: Cambridge University Press, 1989.

DIAS, Cristiane. Análise do discurso digital: sujeito, espaço, memória e arquivo. Campinas, SP: Pontes Editores, 2018.

DINIZ, Leandro Rodrigues Alves. Mercado de línguas: a instrumentalização brasileira do português como língua estrangeira. Dissertação. Mestrado em Linguística. Campinas: Universidade Estadual de Campinas, 2008.

DINIZ, Leandro Rodrigues Alves. Política linguística do Estado brasileiro na contemporaneidade: a institucionalização de mecanismos de promoção da língua nacional no exterior. Tese. Doutorado) em Linguística. Campinas: Universidade Estadual de Campinas, Instituto de Estudos da Linguagem, 2012.

HONÓRIO, Maria Aparecida. Espaço enunciativo e educação escolar indígena: saberes, políticas, línguas e identidades. Tese. Doutorado em Linguística. Campinas: Universidade Estadual de Campinas, 2000

LOPES, Maraísa. Folha: do Manual ao Jornal ou do Jornalístico ao Pedagógico. Tese. Doutorado em Linguística. Campinas: Universidade Estadual de Campinas, Instituto de Estudos da Linguagem, 2012.

MARIANI, Bethania Sampaio Corrêa. O comunismo imaginário: práticas discursivas da imprensa sobre o PCB (1922 1989). Tese. Doutorado em Linguística. Campinas: Universidade Estadual de Campinas, Instituto de Estudos da Linguagem, 1996.

NUNES, José Horta. Dicionários no Brasil: análise e história. Campinas, SP: Pontes Editores; São Paulo, SP: Fapesp, 2006.

NUNES, José Horta. “Uma articulação da análise de discurso com a história das ideias linguísticas”. In: Letras, Santa Maria, v. 18, n. 2, p. 107–124, jul./dez, 2008.

ORLANDI, Eni Puccinelli. “Apresentação”. In: ______ (Org.). História das ideias linguísticas: construção do saber metalinguístico e constituição da língua nacional. Campinas, SP: Pontes; Cáceres, MT: Unemat Editora. p. 7-20, 2001a.

ORLANDI, E. P. Discurso e texto: formulação e circulação dos sentidos. Campinas, SP: Pontes Editores, 2001b.

ORLANDI, E. P. Análise de Discurso: princípios e procedimentos. Campinas, SP: Pontes, 4. ed, 2003.

ORLANDI, E. P. “Apresentação”. In: ______ (Org.). Política linguística no Brasil. Campinas, SP: Pontes Editores. p. 7-10, 2007.

ORLANDI, E. P. Discurso e leitura. São Paulo: Cortez, 9. ed, 2012.

ORLANDI, E. P. Língua e conhecimento linguístico: para uma história das ideias no Brasil. São Paulo: Cortez Editora, 2. ed, 2013.

PALADINO, Mariana; ALMEIDA, Nina Paiva. Entre a diversidade e a desigualdade: uma análise das políticas públicas para a educação escolar indígena no Brasil dos governos Lula. Rio de Janeiro: Contra Capa Livraria; LACED/Museu Nacional/UFRJ, 2012.

PÊCHEUX, Michel. “Análise Automática do Discurso (1969)”. In: GADET, Françoise; HAK, Tony (Orgs.). Por uma análise automática do discurso: uma introdução à obra de Michel Pêcheux. Campinas, SP: Editora da Unicamp, 5. ed. p. 59-158, 2014a.

PÊCHEUX, Michel; FUCHS, Catherine. “A propósito da Análise Automática do Discurso: atualização e perspectivas (1975)”. In: GADET, Françoise; HAK, Tony (Orgs.). Por uma análise automática do discurso: uma introdução à obra de Michel Pêcheux. Campinas, SP: Editora da Unicamp, 5ª ed. p. 159-250, 2014.

PÊCHEUX, Michel. Semântica e discurso: uma crítica à afirmação do óbvio. Campinas, SP: Editora da Unicamp, 5. ed., 2014b.

RODRIGUES, Aryon. “Os estudos de linguística indígena no Brasil”. In: Revista de Antropologia, v. 11, n. 1 e 2, p. 9-21, 1963.

SILVA, Eunice Gomes da. Políticas linguísticas e a prática discursiva no instrumento linguístico. Dissertação. Mestrado em Linguística. Porto Velho, RO: Universidade Federal de Rondônia, 2017.

SPOLSKY, B. Language policy. Cambridge: Cambridge University Press, 2004.

STAUFFER, David Hall (1959). “Origem e fundação do serviço de proteção aos índios”. Revista de história, n. 37, jan./mar, 1959.

Downloads

Publicado

2020-11-03

Como Citar

AMARAL, A. J. dos S.; LOPES, M. Contribuição da História das Ideias Linguísticas e da Análise de Discurso para o estudo sobre educação escolar indígena no Brasil . Línguas e Instrumentos Línguísticos, Campinas, SP, v. 23, n. 46, p. 31-50, 2020. DOI: 10.20396/lil.v46i46.8661630. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/lil/article/view/8661630. Acesso em: 26 nov. 2020.

Edição

Seção

Artigo