Banner Portal
Contradições e divergências em torno da linguagem não binária
PDF

Palavras-chave

Gênero não binário
Políticas linguísticas
Projetos de lei
Análise de discurso

Como Citar

SILVA, Luiz Felipe Andrade; BAALBAKI, Angela Corrêa Ferreira. Contradições e divergências em torno da linguagem não binária. Línguas e Instrumentos Linguísticos, Campinas, SP, v. 26, n. 52, p. 23–51, 2023. DOI: 10.20396/lil.v26i52.8666233. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/lil/article/view/8666233. Acesso em: 24 jul. 2024.

Resumo

O presente artigo, a partir do suporte teórico e metodológico da Análise de Discurso materialista, propõe-se a observar a forma como, no plano legal, a proposta de um gênero não binário em língua portuguesa tem produzido diferentes efeitos de sentido, tais como adesão ou proibição. A partir das formulações teóricas de Pêcheux (2009; 2019), Orlandi (2000; 2002; 2017) em articulação com a Semântica do Acontecimento de Guimarães (2002; 2005), tem-se em vista analisar as diferentes nomeações das propostas para a adoção do terceiro gênero em língua portuguesa e compreender como alguns projetos de lei contrários ao uso dessa nova formação morfológica acionam dado conhecimento linguístico para respaldar sua proibição. Trata-se de textualidades fundadas em disputas que põem em causa não apenas a nomeação de uma nova forma de gênero, mas, sobretudo, os sentidos sobre língua e a própria existência material de sujeitos não binários.

https://doi.org/10.20396/lil.v26i52.8666233
PDF

Referências

ALTHUSSER, L. De “O Capital” à filosofia de Marx. In Althusser, L. et al. Ler o Capital (Vol.1, pp.11-74) (Nathaniel C. Caixeiro. Rio de Janeiro: Zahar, 1979.

ALTHUSSER, L. Ideologia e aparelhos ideológicos de estado. In: ZIZEK, S. (org.). Um mapa da ideologia. Trad. Vera Ribeiro. Rio de Janeiro: Contracampo, 1996, p.105-142.

BARBOSA FILHO, F.R.; OTHERO, G.A. Linguagem “neutra”: língua e gênero em debate. São Paulo: Parábola Editorial, 2022.

BARROS, R. C. B.; CAVALLARI, J. S. Apresentação da trilogia Travessia da diversidade. In: BARROS, R. C. B.; CAVALLARI, J. S. (Org.). Sociedade e Diversidade. v. 2. Campinas: Pontes, 2016, p.7-9.

BRASIL. Casa Civil. Lei 12.605, de 3 de abril de 2012. 2012. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/CCIVIL_03/_Ato2011-2014/2012/Lei/L12605.htm. Acesso em: 7 fev. 2022.

BRASIL. Câmara dos Deputados. Projeto de Lei Nº5.198, de 2020. 2020a. Disponível em: https://www.camara.leg.br/proposicoesWeb/prop_mostrarintegra?codteor=1969639#:~:text=Par%C3%A1grafo%20%C3%BAnico.,na%20data%20da%20sua%20publica%C3%A7%C3%A3o. Acesso em: 7 fev. 2022.

BRASIL. Câmara dos Deputados. Projeto de Lei Nº 5.248, de 2020. 2020b. Disponível em: https://www.camara.leg.br/proposicoesWeb/prop_mostrarintegra?codteor=1969639#:~:text=Par%C3%A1grafo%20%C3%BAnico.,na%20data%20da%20sua%20publica%C3%A7%C3%A3o. Acesso em: 7 fev. 2022.

BRASIL. Câmara dos Deputados. Projeto de Lei Nº 5.385, de 2020. 2020c. Disponível em: https://www.camara.leg.br/proposicoesWeb/fichadetramitacao?idProposicao=2266072. Acesso em: 7 fev. 2022.

BRASIL TEM 34 projetos de lei estadual para impedir uso da linguagem neutra. Diadorim, 22 out. 2021. Disponível em: https://www.adiadorim.org/noticia/brasil-tem-34-projetos-de-lei-estadual-para-impedir-uso-da-linguagem-neutra. Acesso em: 7 fev. 2022.

BROWN, W. States of injury: power and freedom in late modernity. Princeton: Princeton University Press, 1995.

BUTLER, J. Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. Trad. Renato Aguiar. 5.ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2013.

COMBAHEE River Collective. The Combahee River Collective Statement. [1977]. Disponível em: https://americanstudies.yale.edu/sites/default/files/files/Keyword%20Coalition_Readings.pdf. Acesso em: 07 fev. 2022.

DIAS, L. F. Os sentidos do idioma nacional: as bases enunciativas do nacionalismo linguístico no Brasil. Tese (Doutorado em Linguística) – Instituto de Estudos da Linguagem, Universidade de Campinas, Campinas, 1995.

FEDATTO, C. P. Um saber nas ruas: o discurso histórico sobre a cidade brasileira. Campinas, SP: Editora da Unicamp, 2013.

FIORIN, J. L. A questão da marcação linguística da não binariedade. Estudos Semióticos, [S. l.], v. 18, n. 3, p. 1-14, 2022. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/esse/article/view/203775. Acesso em: 7 jan. 2023.

GADET, F.; PÊCHEUX, M. A língua inatingível: o discurso na história da linguística. Trad. Bethania Mariani e Maria Elizabeth Chaves de Mello. 2ed. Campinas: Editora RG, 2010.

GARCIA, D. A. Sexismo linguístico e o processo de manualização: a presença do feminino e da mulher na língua. Fragmentum (UFSM), v. 1, p. 140-158, 2018.

GARCIA, D. A. A mulher no idioma: efeitos de silenciamento e resistência. Língua e Instrumentos Linguísticos, v. 1, p. 69-87, 2017.

GARCIA, D. A.; SOUSA, L. M. A. E. A manualização do saber linguístico e a constituição de uma linguagem não sexista. Línguas & Letras (UNIOESTE), v. 17, p. 86-106, 2016.

GUIMARÃES, E. Designação e espaço de enunciação: um encontro político no cotidiano. Letras, [S. l.], n. 26, p. 53–62, 2003.

GUIMARÃES, E. Semântica do acontecimento: um estudo enunciativo da designação. 2.ed. Campinas: Pontes Editores, 2005.

GUIMARÃES, E. Análise de textos: procedimentos, análises, ensino. Campinas: Editoras RG, 2011.

GUIMARÃES, E. Semântica: enunciação e sentido. Campinas: Pontes Editores, 2018.

HAIDER, A. Armadilha da identidade: raça e classe nos dias de hoje. Trad. Leo Vinicius Liberato. São Paulo: Veneta, 2019.

KILOMBA, G. Memórias da plantação: episódios de racismo cotidiano. Trad. Jess Oliveira. Rio de Janeiro: Cobogó, 2019.

LINGUAGEM INCLUSIVA e linguagem neutra: entenda a diferença! Politize, 9 mar. 2021. Disponível em: https://www.politize.com.br/linguagem-inclusiva-e-linguagem-neutra-entenda/#:~:text=A%20linguagem%20inclusiva%20ou%20n%C3%A3o,que%20j%C3%A1%20existem%20na%20l%C3%ADngua. Acesso em: 14 fev. 2022.

LORDE, A. Não existe hierarquia de opressão. In: LORDE, A. Sou sua irmã: escritos reunidos. Trad. Stephanie Borges. São Paulo: Ubu Editora, 2020 [1983], p.63-68.

MBEMBE, A. Políticas da inimizade. Trad. Sebastião Nascimento. São Paulo: n-1 edições, 2020.

MISKOLCI, R. Teoria queer: um aprendizado pelas diferenças. 2.ed. Belo Horizonte: Autêntica; UFOP - Universidade Federal de Ouro Preto, 2016.

MOURA, J. R. F. de. Língua(gem) e gênero neutro: uma perspectiva discursiva no português brasileiro. Línguas e Instrumentos Línguísticos, Campinas, SP, v. 24, n. 47, p. 146–163, 2021. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/lil/article/view/8660785. Acesso em: 7 jan. 2023.

ORLANDI, E. P. Análise de discurso: princípios e procedimentos. 2.ed. Campinas: Pontes, 2000a.

ORLANDI, E. P. Língua e conhecimento linguístico: para uma história das ideias no Brasil. São Paulo: Cortez, 2002.

ORLANDI, E. P. Língua Brasileira e outras histórias: discurso sobre a língua e ensino no Brasil. Campinas: Editora RG, 2009.

ORLANDI, E. P. Linguagem e educação social: a relação sujeito, indivíduo e pessoa. Rua (UNICAMP), v. 21-II, p. 187-198, 2015.

ORLANDI, E. P. A ordem da língua e a dêixis discursiva (uma crítica ao linguisticamente correto). In: ORLANDI, E. P. Eu, tu, ele: discurso e real da história. 2.ed. Campinas: Pontes, 2017, p.203-235.

PÊCHEUX, M. Delimitações, inversões, deslocamentos. Trad. José Horta Nunes. Cadernos de Estudos Linguísticos, Campinas, v.19, p.7-24, jul./dez. 1990.

PÊCHEUX, M. Semântica do discurso: uma crítica à afirmação do óbvio. Trad. Eni Orlandi et al. 4.ed. Campinas: Editora da Unicamp, 2009.

PÊCHEUX, M. Papel da memória. In: ACHARD, P. et al. Papel da memória. Trad. José Horta Nunes. 2.ed. Campinas: Pontes, 2010, p.49-57.

PÊCHEUX, M. Análise de discurso: Michel Pêcheux. Org. Eni P. Orlandi. 2ed. Campinas: Pontes, 2011.

PÊCHEUX, M. Análise automática do discurso. Trad. Eni P. Orlandi e Greciely Costa. Campinas: Pontes, 2019.

PONSO, L. C. Situação minoritária, população minorizada, língua menor: uma reflexão sobre a valoração do estatuto das línguas na situação de contato linguístico. Gragoatá, Niterói, v.22, n.42, p.184-207, jan./abr. 2017. Disponível em: https://periodicos.uff.br/gragoata/article/view/33468. Acesso em: 7 fev. 2022.

POSSENTI, S. Meninxs, eu vi! Ciência Hoje, 26 nov. 2015. Disponível em: https://cienciahoje.org.br/coluna/meninxs-eu-vi/. Acesso em: 7 fev. 2022.

PRECIADO, P. B. Manifesto contrassexual: práticas subversivas de identidade sexual. Trad. Maria Paula Gurgel. São Paulo: n-1 edições, 2017.

PROFESSORES do Colégio Pedro II adotam termo ‘alunxs’ para se referir a estudantes sem definir gênero. O Globo, 22 de setembro de 2015. Disponível em: https://oglobo.globo.com/brasil/educacao/professores-do-pedro-ii-adotam-termo-alunxs-para-se-referir-estudantes-sem-definir-genero-17564795. Acesso em: 7 fev. 2022.

RIO GRANDE DO SUL. Decreto nº 49.994, de 27 de dezembro de 2012. Disponível em: http://www.al.rs.gov.br/filerepository/repLegis/arquivos/DEC%2049.994.pdf. Acesso em: 7 fev. 2022.

RIO GRANDE DO SUL. Secretaria de Políticas para Mulheres. Manual para uso não sexista da linguagem: o que bem se diz bem se entende. 2014. Rio Grande do Sul: Secretaria de Comunicação e Inclusão Digital, 2014.

SOSA, C. V. O parque das irmãs magníficas. Trad. de Joca Reiners Terron. São Paulo: Planeta, 2021.

SCHWINDT, Luiz Carlos. Sobre gênero neutro em português brasileiro e os limites do sistema linguístico. Revista da ABRALIN, [S. l.] , v. 19, n. 1, p. 1-23, 2020. Disponível em: https://revista.abralin.org/index.php/abralin/article/view/1709. Acesso em: 14 set. 2022.

SOUZA, D. A. Sexismo linguístico e o processo de manualização: a presença do feminino e da mulher na língua. Fragmentum, Santa Maria, n. Especial, p.141-159, jul./dez. 2018.

TAYLOR, K.-T. (ed.). How we get free: Black Feminism and The Combahee River Collective. Chicago: Haymarket Books, 2017.

“TODOS, todas e todes”: criticada na gestão Bolsonaro, linguagem neutra é usada em posses de ministros de Lula. Extra, 3 jan. 2023. Disponível em: https://extra.globo.com/noticias/politica/todos-todas-todes-criticada-na-gestao-bolsonaro-linguagem-neutra-usada-em-posses-de-ministros-de-lula-25637995.html. Acesso em: 5 jan. 2023.

WOLF, S. Sexualidade e socialismo: história, política e teoria da libertação LGBT. Trad. Coletivo LGBT Comunista. São Paulo: Autonomia, 2021.

ZOPPI-FONTANA, M. Uma língua de Estado não sexista: descolonizando a língua oficial da dominação sexual. In: V Simpósio Mundial de estudos da Língua Portuguesa, 2015, Lecce. De volta ao futuro da língua portuguesa. Lecce: Scietifica Elettronica. v. I. p. 505-522, 2017.

Creative Commons License

Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution-NonCommercial-ShareAlike 4.0 International License.

Copyright (c) 2023 Línguas e Instrumentos Linguísticos

Downloads

Não há dados estatísticos.