Interculturalidade crítica rizomática e línguas de fronteira no Mato Grosso do Sul - Brasil

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/lil.v24i48.8667918

Palavras-chave:

Fronteira, Interculturalidade crítica rizomática, Línguas de fronteira

Resumo

Este paper pretende discorrer sobre as línguas de fronteira no Mato Grosso do Sul. Esse trabalho nasce de algumas angústias sobre a maneira de como as línguas se relacionam dentro dos aspectos inerentes a educação, que deveria ser intercultural, fortalecendo a formação integral de crianças e jovens que residem nas regiões de fronteira. Sabemos que são as línguas que mobilizam, agregam e desagregam, e inclusive integram ou não a comunidade escolar de modo que a escola se perceba como um importante espaço intercultural. Sendo assim, este artigo objetiva, prioritariamente, discorrer sobre o que vem a ser interculturalidade, como percebemos os processos interculturais, como entendemos a interculturalidade, especificamente interculturalidade crítica rizomática e como o papel desse conceito empara espaços interculturais no ensino das línguas nas fronteiras do Brasil, especificamente na fronteira sul de Mato Grosso do Sul/ Brasil.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Gicelma da Fonseca Chacarosqui Torchi, Universidade Federal da Grande Dourados

Realizou Pós-Doutorado na Universidade Federal do Mato Grosso. Professora Adjunta da Universidade Federal da Grande Dourados.

Denise Silva, Universidade Federal da Grande Dourados

Pós-doutorado em Linguística e Língua Portuguesa pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho. Professora Visitante do Programa de Pós- Graduação em Letras da Universidade Federal da Grande Dourados.

Maiza Antonio, Universidade Federal da Grande Dourados

Licenciada em Linguagens na Licenciatura Intercultural Indígena Povos do Pantanal. Aluna especial do Programa de Pos-graduação em Letras da FACALE pela Universidade Federal da Grande Dourados.

Daniel Valério Martins, Universidade Federal da Grande Dourados

Doutor em Antropologia, Instituto de Ibero-América - USAL. Professor do Programa de Pós-Graduação em Educação e Territorialidade pela Universidade Federal da Grande Dourados.

Referências

ALVARADO, Neritza. La atención de la pobreza em Venezuela: del gran viraje a la Quinta República 1999-2002. Caracas: Ediciones de la Fundación Escuela de Gerencia Social, 2003.

APARÍCIO, J. M. & DELGADO, M. A. La Educación Intercultural en la Formación Universitaria Europea y Latinoamericana. Segovia: ITAMUT- FIFIED, 2014. D’ÁVILA, A. M. Da coexistência à convivência com o outro: Entre o multiculturalismo e a interculturalidade.Rev. Inter. Mob. Hum.ano XX, nº 38, p. 67-81, jan./jun. 2012.

RIBEIRO, D. A política Indigenista Brasileira. Rio de Janeiro: Ministério da Agricultura, 1962.

SCHADEN, E. Aculturação Indígena. São Paulo: Editora da USP, 1969.

VALÉRIO, D. M., & KNAPP, C. Proposta de uma metodologia intercultural na construção de artigos científicos por estudantes indígenas do PPGET ¬UFGD. Cadernos CERU, 31(2), 137-148, 2020.

VALÉRIO, M. D., Gortari, A.L. & Bravo, M.P. Conceitos de Contatos Culturais e de Intervenção Social que Incidem na Sociedade Latinoamericana do Século XXI: Intra, Multi, Inter, Trans e Sobreculturalidade. Revista Pluri - Vol. 1, Nº 1, 2018.

VALÉRIO, M. Daniel. A intraculturalidade nas comunidades indigenas da Região Metropolitana de Fortaleza - Ce - Brasil: Caminho para o desenvolvimento e sobreculturalidade. Salamanca: Ediciones Vitor, 2016.

WELTER, T. & MARTINS, P. Atualidade da Obra de Egon Schaden no centenário de seu nascimento. São Paulo: Plural Revista de Ciências Sociais, v.20 n.2, 2013.

Downloads

Publicado

2021-12-22

Como Citar

TORCHI, G. da F. C.; SILVA, D.; ANTONIO, M.; MARTINS, D. V. . Interculturalidade crítica rizomática e línguas de fronteira no Mato Grosso do Sul - Brasil. Línguas e Instrumentos Línguísticos, Campinas, SP, v. 24, n. 48, p. 235–252, 2021. DOI: 10.20396/lil.v24i48.8667918. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/lil/article/view/8667918. Acesso em: 29 nov. 2022.

Edição

Seção

Dossiê