Banner Portal
Said Ali e a gente na história da língua e da gramatização brasileira
PDF

Palavras-chave

Said Ali
A gente
Colonização
Descolonização
Indeterminação - Determinação

Como Citar

FERREIRA, Ana Cláudia Fernandes; FARIA, Michel Marques de. Said Ali e a gente na história da língua e da gramatização brasileira. Línguas e Instrumentos Linguísticos, Campinas, SP, v. 25, n. 49, p. 246–281, 2022. DOI: 10.20396/lil.v25i49.8669272. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/lil/article/view/8669272. Acesso em: 12 jul. 2024.

Resumo

De uma perspectiva discursiva da História das Ideias Linguísticas, analisamos os modos pelos quais a pronominalização do a gente comparece como uma questão que é elaborada e reelaborada em diferentes produções de Said Ali. Buscamos mostrar de que maneiras sujeito e língua vão sendo significados/divididos quando o autor reflete sobre o a gente, ao mesmo tempo em que procuramos observar como ele lida com o problema da indeterminação e da determinação do pronome. Com essas análises, pudemos tecer algumas reflexões sobre as condições históricas específicas do funcionamento pronominal do a gente no Brasil articuladas à produção de um saber sobre esse funcionamento, considerando as relações de dominação e resistência constitutivas da nossa história de colonização e de descolonização.

https://doi.org/10.20396/lil.v25i49.8669272
PDF

Referências

A GENTE. In: Dicionário Priberam da Língua Portuguesa. 2008-2021. Disponível em: https://dicionario.priberam.org/a%20gente. Acesso em: 01 abr. 2022.

ARRUDA, Carolina Palma de Sousa. A gramaticalização do pronome a gente: um percurso através de cartas pessoais e familiares. Campinas: Publicações IEL/Unicamp, 2021. Disponível em: https://www.iel.unicamp.br/sites/default/files/iel/publicacoes/Gramaticalizacao%20do%20Pronome%20a%20gente.pdf. Acesso em: 05 maio 2022.

AUROUX, Sylvain (1992). A Revolução Tecnológica da Gramatização. Campinas: Editora da Unicamp, 2009.

BECHARA, E. M. Said Ali e sua contribuição para a filologia portuguesa. Tese de concurso. Rio de Janeiro: Instituto de Educação do Estado da Guanabara, 1962.

BECHARA, Evanildo. Moderna gramática portuguesa. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2009, 37ed.

BENVENISTE, Émile. (1958) Da subjetividade na linguagem. In: Problemas de linguística geral I. Campinas: Pontes, 1995, 4ed.

CUNHA, Celso. Gramática essencial [recurso eletrônico]. Rio de Janeiro: Lexikon, 2014, 2 reimp.

DE CERTEAU, Michel. (1980). L’invention du quotidien. 1. Arts de faire. Nouvelle édition, établie et présentée par Luce Giard. Paris: Éditions Gallimard, 1990 (Impresso na Itália em 2019).

DIAS, Augusto Epifânio da Silva. Syntaxe historica portuguesa. Lisboa: Livraria Clássica Editora de A. M. Teixeira, 1918. Site da Biblioteca Nacional de Portugal. Disponível em: http://purl.pt/190. Acesso em: 23 abr. 2022.

FARACO, Carlos Alberto (1996). O tratamento “você” em português: uma abordagem histórica. LaborHistórico, vol. 3, n. 2, jul-dez. Rio de Janeiro: UFRJ, 2017. DOI: https://doi.org/10.24206/lh.v3i2.17150. Disponível em: https://revistas.ufrj.br/index.php/lh/article/view/17150. Acesso em: 22 abr. 2022.

FEITOSA, Jacqueline; et al. Pode entrar: português do Brasil para refugiadas e refugiados. São Paulo: Curso Popular Mafalda, 2015. Disponível em: https://www.acnur.org/portugues/wp-content/uploads/2018/02/Pode_Entrar_ACNUR-2015.pdf. Acesso em: 05 mai. 2022.

FERREIRA, Ana Cláudia Fernandes. Políticas linguísticas ordinárias. Videoverbete. Canal da Eniclopédia Virtual de Análise do Discurso - EnciDIS no YouTube. 2020a. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=lcZsNeEgim0. Acesso em: 22 abr. 2022.

FERREIRA, Ana Cláudia Fernandes. Ler (d)escrever e interpretar os artefatos. In: Cristiane Dias; Greciely Costa; Marcos Barbai (Orgs.). Artefatos de leitura. Campinas: Labeurb/Nudecri/Unicamp, 2020b. DOI: https://doi.org/10.20396/ISBN9786587175140. Disponível em: https://www.labeurb.unicamp.br/site/web/admimg/publicacao/arquivo/12/208.pdf. Acesso em: 22 abr. 2022.

FERREIRA, Ana Cláudia Fernandes. O cotidiano na História das ideias linguísticas. Línguas e Instrumentos Linguísticos, Campinas: Labeurb/Unicamp, v. 23, n. 46, p. 4-30, 2020c. DOI: https://doi.org/10.20396/lil.v23i46.8661675. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/lil/article/view/8661675. Acesso em: 22 abr. 2022.

FERREIRA, Ana Cláudia Fernandes. Saberes linguísticos cotidianos. Porto Das Letras, 6 (5), 2020d, p. 324-351. Disponível em: https://sistemas.uft.edu.br/periodicos/index.php/portodasletras/article/view/10399. Acesso em: 22 abr. 2022.

GALLO, Solange. O ensino da língua escrita x o ensino do discurso escrito. Dissertação de Mestrado. Campinas: IEL/Unicamp, 1989.

GUIMARÃES, Eduardo. Semântica do acontecimento. Campinas: Pontes, 2002.

GUIMARÃES, Eduardo. História da semântica: sujeito, sentido e gramática no Brasil. Campinas: Pontes, 2004.

GUIMARÃES, Eduardo; ORLANDI, Eni (Orgs.). Língua e cidadania: O português no Brasil. Campinas: Pontes, 1996.

GOMES, Alfredo. Grammatica Portugueza. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1913, 15ed Correcta e augmentada.

HAROCHE, Claudine. Fazer dizer, querer dizer. São Paulo: Hucitec, 1992.

HOLANDA, Sérgio Buarque de (1936). Raízes do Brasil. São Paulo: Companhia das Letras. Edição do Kindle, 2022.

LIMA, Rocha. Gramática normativa da língua portuguesa. Rio de Janeiro: José Olympio, 2014, 52ed.

LOPES, Célia Regina dos Santos (1999). A inserção de a gente no quadro pronominal do português: percurso histórico. Tese de Doutorado. Rio de Janeiro: UFRJ; Frankfurt am Main/Madrid: Vervuert/Iberoamericana, 2003.

MARIANI, Bethania. Colonização Linguística. Campinas: Pontes, 2004.

NEVES, Maria Helena de Moura. Gramática de usos do português. São Paulo: Editora UNESP, 2011, 2ed.

NUNES, José Joaquim (1919). Compêndio de Gramática Histórica Portuguesa. Fonética e Morfologia. Lisboa: Livraria Clássica Editora, 1975, 8ed.

OLIVEIRA, Sheila Elias de. Cidadania: história e política de uma palavra. Campinas: Pontes/RG, 2006.

ORLANDI, Eni. Protagonistas do/no Discurso. Série Estudos. Foco e Pressuposição. n. 4. Uberaba: FISTA, 1978.

ORLANDI, Eni. Língua imaginária e língua fluida. Colóquio das quintas-feiras. IEL/Unicamp, 1985.

ORLANDI, Eni. Terra à Vista. Discurso do confronto: velho e novo mundo. São Paulo, Cortez; Campinas: Editora da Unicamp, 1990.

ORLANDI, Eni (1999). Análise de Discurso. Princípios & Procedimentos. Campinas: Pontes, 2000, 2 ed.

ORLANDI, Eni (2002). Língua e Conhecimento Linguístico: para uma história das ideias no Brasil. São Paulo: Cortez, 2013, 2ed.

ORLANDI, Eni. O processo de descolonização e “lusofonia”. Línguas e Instrumentos Linguísticos, n. 19, p. 20, 2007.

ORLANDI, Eni. Língua brasileira e outras histórias: discurso sobre a língua e ensino no Brasil. Campinas: Editora RG, 2009.

ORLANDI, Eni (Org.) (1993) Discurso fundador. A formação do país e a construção da identidade nacional. Campinas: Pontes, 2001.

ORLANDI, Eni (Org). História das Ideias Linguísticas: construção do saber linguístico e constituição da língua nacional. Campinas: Pontes, 2001.

ORLANDI, E. (2012) Discurso em análise: sujeito, sentido, ideologia. Campinas; Pontes.

ORLANDI, Eni; SOUZA, Tania Clemente. Língua imaginária e língua fluida: dois métodos de trabalho com a linguagem. Em: Eni Orlandi (Org.). Política linguística na América Latina. Campinas: Pontes, 1988.

ORLANDI, Eni; GUIMARÃES, Eduardo. Formação de um Espaço de Produção Linguística: a gramática no Brasil. Em: Orlandi, Eni (Orgs.) História das Ideias Linguísticas: Construção do Saber Metalinguístico e Constituição da Língua Nacional. Cáceres: Unemat/Campinas: Pontes, 2001.

PÊCHEUX, Michel (1982) Delimitações, inversões, deslocamentos. Cadernos de Estudos Linguísticos, 19. Campinas: IEL/Unicamp, 1990.

PÊCHEUX, Michel (1983) O discurso: estrutura ou acontecimento. Campinas: Pontes, 2008, 5ed.

PEREIRA, Otavio Tadeu Alves. Said Ali: os sujeitos das línguas, as línguas dos sujeitos. Dissertação de Mestrado. Campinas: IEL/Unicamp, 2020. Disponível em: https://hdl.handle.net/20.500.12733/1640846. Acesso em: 1 maio 2022.

PEREIRA, Sandra Maria de Brito. Gramática comparada de a gente: variação no português europeu. Dissertação de Mestrado. Lisboa: Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, 2003. Disponível no site da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, em: https://www.clul.ulisboa.pt/files/sandrabrito_pereira/Pereira_2003_tese.pdf. Acesso em: 22 abr. 2022.

PESTANA, Fernando. A gramática para concursos públicos. Rio de Janeiro: Elsevier, 2013.

RIBEIRO, Débora Simões da Silva. “A gente” como pronome pessoal: teoria, prática e proposta pedagógica. Trabalho de Conclusão de Curso de Especialização. Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Instituto de Letras. Curso de Especialização em Gramática e Ensino de Língua Portuguesa. 2013. Disponível em: https://lume.ufrgs.br/handle/10183/96179. Acesso em: 22 abr. 2022.

RIBEIRO, José Diogo. Linguagem Popular de Turquel. In: Revista Lusitana, vol. XXVIII. Lisboa: Livraria Clássica Editora, 1930. Disponível no site da Biblioteca Digital Camões do Instituto Camões http://cvc.instituto-camoes.pt/conhecer/biblioteca-digital-camoes/etnologia-etnografia-tradicoes.html?limit=20&limitstart=20. Acesso em: 22 abr. 2022.

SAID ALI, Manoel. Grammatica Secundaria da Lingua Portugueza. São Paulo: Melhoramentos, 192?. Disponível em: https://www.iel.unicamp.br/node/993. Acesso em: 09 maio 2022.

SAID ALI, Manoel. Meios de expressão e alterações semânticas. Rio de Janeiro: Livraria Francisco Alves, 1930. Disponível em: https://archive.org/details/meiosdeexpressao00said/page/78/mode/2up?view=theater. Acesso em: 04 maio 2022.

SAID ALI, Manoel. Grammatica Historica da lingua portugueza. São Paulo: Melhoramentos, 1931. Disponível em: https://www.iel.unicamp.br/node/993. Acesso em: 05 maio 2022.

SAID ALI, Manoel. Pessoas indeterminadas. In: Boletim de Filologia, Tomo XI. Lisboa: Centro de Estudos Filológicos, 1950. Disponível no site da Biblioteca Digital Camões do Instituto Camões, em: http://cvc.instituto-camoes.pt/conhecer/biblioteca-digital-camoes/lingua-1.html. Acesso em: 22 abr. 2022.

SÃO PAULO/ SME. Portas Abertas: Português para imigrantes - caderno básico. São Paulo: SME /COPED, 2021. Disponível em: https://www.prefeitura.sp.gov.br/cidade/secretarias/upload/direitos_humanos/caderno%20basico.pdf. Acesso em: 09 maio 2022.

SILVA, Gabriel Alexandre Nascimento; et al. Tirando de letra: português brasileiro para estrangeiros. Araraquara: Letraria, 2021. Disponível em: https://www.letraria.net/wp-content/uploads/2021/06/Tirando-de-letra-portugues-brasileiro-para-estrangeiros-Letraria.pdf. Acesso em: 05 maio 2022.

WEISS, Denise Barros. Português para estrangeiros I. Curso básico. Material para as aulas. Juiz de Fora: UFJF, 2014.

WEISS, Denise Barros. Português para estrangeiros: material para as aulas. Juiz de Fora: UFJF, 2019.

ZOPPI-FONTANA, Mónica (Org.). O Português do Brasil como Língua Transnacional. Campinas: RG, 2009.

Creative Commons License

Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution-NonCommercial-ShareAlike 4.0 International License.

Copyright (c) 2022 Línguas e Instrumentos Linguísticos

Downloads

Não há dados estatísticos.