Sobre a tecnopólis

  • Paulo Tavares
Palavras-chave: Corpo. Espaço. Tecnologia.

Resumo

Partindo da constatação de uma anunciada “crise” dos paradigmas epistemológicos modernos, passamos a pensá-la em relação ao “problema arquitetônico”. Ponto inicial para tal reflexão é o ensaio “Jamais fomos Modernos” de Bruno Latour e o conhecido “Manifesto em favor dos Ciborgues” da bióloga Donna Haraway, onde uma espécie de “programa” para pensar tal crise está esboçado. Buscamos problematizar seu mito ciborgue e o novo território que junto dele emerge, a polis-tecnológica. Em nosso horizonte, isso significa posicionar - a partir de uma ótica foucaultiana – a arquitetura como dispositivo atuante nos modos de individuação e diferenciação das formas coletivas de vida.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Paulo Tavares

Arquiteto e Urbanista pela Faculdade de Engenharia Civil Arquitetura e Urbanismo da UNICAMP.

Publicado
2006-10-01
Como Citar
Tavares, P. (2006). Sobre a tecnopólis. PARC Pesquisa Em Arquitetura E Construção, 1(1), 94-111. https://doi.org/10.20396/parc.v1i1.8634530