Influência da vibração gerada pelo tráfego ferroviário no meio urbano

Autores

  • Luiz Antonio Perrone Ferreira de Brito Universidade de Taubaté
  • Quésia Kamimura Universidade de Taubaté
  • Ademir Pereira dos Santos Universidade de Taubaté

DOI:

https://doi.org/10.20396/parc.v5i2.8634536

Palavras-chave:

Vibração. Ambiente. Urbanismo.

Resumo

A vibração ambiental é um efeito que nem sempre é considerado nas análises urbanas e nos projetos de engenharia em geral. Para quantificação da energia vibratória é utilizado o pico de velocidade da partícula (PVP). A PVP é obtida pela da somatória do vetor aceleração nos três eixos ortogonais que é integrado pelo medidor resultando na velocidade. No Brasil não há uma normalização específica para avaliar a vibração ambiental, sendo utilizados padrões internacionais, que nem sempre se adaptam a realidade nacional. O objetivo deste trabalho é avaliar a influência da vibração gerada pelo tráfego ferroviário no meio urbano por meio de medições da PVP e verificar se os critérios internacionais são válidos para as condições construtivas no Brasil. No local selecionado foram realizadas medidas á várias distâncias sendo avaliados os critérios de incomodidade e danos estruturais. Verificou-se que mesmo com PVPs abaixo dos critérios, há claros danos nas edificações o que indica que este assunto deve ser aprofundado para se criar parâmetros que atendam a realidade brasileira.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Luiz Antonio Perrone Ferreira de Brito, Universidade de Taubaté

Possui graduação em Engenharia Civil pela Universidade do Vale do Paraíba (1990), Mestrado em Engenharia Aeronáutica e Mecânica pelo Instituto Tecnológico de Aeronáutica, ITA (2000) e doutorado em Engenharia Civil pela Universidade Estadual de Campinas, UNICAMP (2006). Atualmente é professor da UNITAU. Tem experiência na área de Engenharia Civil, com ênfase em Propagação de ruído e vibração industrial ambiental, atuando principalmente nos seguintes temas: acústica, acústica arquitetonica, isolamento acústico, ruído ambiental e meio ambiente (EIA e RIMA), potência sonora e intensimetria vibração devido ao tráfego ferroviário, rodoviário, bate estacas e conforto ambiental em gera.

Quésia Kamimura, Universidade de Taubaté

Atualmente é professora na graduação e pós-graduação em administração na Universidade de Taubaté. Possui graduação em Ciências Econômicas, mestrado em Administração e doutorado em Saúde Pública. Tem experiência na área de Gestão e Economia da Saúde e Administração Pública, atuando principalmente nos seguintes temas: gestão de serviços de saúde; logística em serviços; economia da saúde e recursos sustentáveis.

Ademir Pereira dos Santos, Universidade de Taubaté

Possui graduação em Arquitetura e Urbanismo pela Universidade Estadual de Londrina (1986), mestrado em História pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (1992) e doutorado em Arquitetura e Urbanismo pela Universidade de São Paulo (2000). É professor atualmente do Mestrado em Planejamento e Desenvolvimento Regional da Universidade de Taubaté, UNITAU e professor dos cursos de Arquitetura e Urbanismo da Universidade Braz Cubas, da Universidade de Taubaté e do Centro Universitário Belas Artes de São Paulo. Tem experiência na área de Arquitetura e Urbanismo, com ênfase em História da Arquitetura e Urbanismo, atuando principalmente nos seguintes temas: arquitetura moderna, patrimônio cultural, arquitetura industrial, história da urbanização em São Paulo, ensino de arquitetura e urbanismo. Seu livro "Arquitetura Industrial - São José dos Campos" recebeu menção honrosa da Premiação Bienal do Instituto de Arquitetos do Brasil, IAB-SP, 2006. Recebeu o Prêmio Clarival do Prado Valladares em 2008 e em 2011 o resultado da pesquisa, o livro"Theodoro Sampaio: no sertões e nas cidades" recebeu dois prêmios Jabuti, o primeiro lugar na categoria Projeto Gráfico e o terceiro lugar na categoria Arquitetura e Urbanismo.

Referências

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 9653 - Guia para avaliação dos efeitos provocados pelo uso de explosivos nas minerações em áreas urbanas. Rio de Janeiro 2005.

ATHANASOPOULOS, G. A.; PELEKIS. P. C. Ground vibration from sheet pile driving in urban environment: measurements, analysis and effects on building and occupants. Soil and Dynamic and Earthquake Engineering, v. 19, n.5. pp 371-387, jul. 2000.http://dx.doi.org/10.1016/S0267-7261(00)00008-7

ATTEWELL, P. B.; SELBY, A. R.; UROMEIHY, A. Appraisal of ground vibration form civil engineering construction, International Journal of Mining and Geological Engineering. v. 7, pp 183-208, oct. 1989. http://dx.doi.org/10.1007/BF00880942

ATTEWELL, P. B.; SELBY, A. R.; O’DONNELL, L. Estimation of ground vibration from driving piling based on statistical analyses of recorded data. Geotechnical and Geological Engineering, v. 10, n.1, pp 41-59, mar. 1992. http://dx.doi.org/10.1007/BF00881970

BACCI, D. L. C.; LANDIM, P. M. B.; ESTON, S. M.; IRAMINA, W. S. Principais normas e recomendações existentes para controle de vibrações provocadas pelo uso de explosivos em áreas urbanas, parte I. Revista Escola de Minas, v. 56, n. 1, jan./mar. 2003. http://dx.doi.org/10.1590/S0370-44672003000100010

BRITO, L. A. P. F. de. Avaliação da Vibração Gerada pelo Tráfego Rodoviário e Ferroviário no Hospital Universitário de Taubaté, In: ENCONTRO NACIONAL DO CONFORTO NO AMBIENTE CONSTRUÍDO. 11., 2011, Búzios. Anais ... Buzio:UFRJ, 2011.

______. Vibração, Fonte de Incômodo à População e Danos às Edificações no Meio Urbano. Revista Ambiente Construído, v. 13, n.1, pp 120-141, jan./mar. 2013.

______. Avaliação das Principais Fontes de Vibração no Meio Urbano. Revista Ambiente Construído, v. 14, n. 4, pp. 233-249, out./dez. 2014.

BRITISH STANDARD. BS 7385-1 Evaluation and measurement for vibration in building, Part 1: Guide for measurement of vibrations an evaluation of their effects on buildings. London, 1990.

______. BS 7385-2 Evaluation and measurement for vibration in building, Part 2: Guide to damage levels from ground borne vibration. London, 1993.

______. BS 5228-2 Code of practice for noise and vibration control on construction and open sites-Vibration. London, 2009.

COMPANHIA DE TECNOLOGIA DE SANEAMENTO AMBIENTAL. Decisão de Diretoria nº 215/2007/E. São Paulo 2007.

DEUTSCHES INSTITUT FUR NORMUNG. DIN 4150-3, Vibration in buildings, effect in structures. Berlin 1999.

FRANÇOIS, S.; PYL, L.; MASOUMI H. R.; DEGRANDE,G.. The influence of dynamic soil–structure interaction on traffic induced vibrations in buildings. Soil Dynamic and Earthquake Engineering, v. 27, n. 7, p. 655–674, jul. 2007. http://dx.doi.org/10.1016/j.soildyn.2006.11.008

GUPTA,S.; DEGRANDE,G.; LOMBAERT, G.. Experimental validation of a numerical model for subway induced vibrations. Journal of Sound and Vibration, v. 321, n3-5, pp 786–812, apr. 2009. http://dx.doi.org/10.1016/j.jsv.2008.10.014

INTERNATIONAL ORGANIZATION FOR STANDARDIZATION. ISO 2631-2 Mechanical vibration and shock -- Evaluation of human exposure to whole-body vibration -- Part 2: Vibration in buildings (1 Hz to 80 Hz). Geneva, 1997.

______. ISO 4866 Mechanical vibration and shock - Vibration of buildings – Guidelines for the measurement of vibration and evaluation of their effects on buildings. Geneva, 2010.

HUNAIDI, O.. Traffic vibrations in buildings. National Research Council of Canada, n. 39, June 2000.

KIM, D. S; LEE J. S.. Propagation and attenuation characteristics of various ground vibrations. Soil Dynamics and Earthquake Engineering. v. 19, n. 2, pp 115-126, feb. 2000. http://dx.doi.org/10.1016/S0267-7261(00)00002-6

KLAEBOE, R.; TURUNEN-RISE I.H.; HARVIK L.; MADSHUS C.. Vibration in dwellings from road and rail traffic — Part II: exposure–effect relationships based on ordinal logistic regression models. Applied Acoustics, v. 64, n. 1, pp. 89–109, jan. 2003. http://dx.doi.org/10.1016/S0003-682X(02)00053-1

Downloads

Publicado

2015-12-31

Como Citar

BRITO, L. A. P. F. de; KAMIMURA, Q.; SANTOS, A. P. dos. Influência da vibração gerada pelo tráfego ferroviário no meio urbano. PARC Pesquisa em Arquitetura e Construção, Campinas, SP, v. 5, n. 2, p. 31–39, 2015. DOI: 10.20396/parc.v5i2.8634536. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/parc/article/view/8634536. Acesso em: 30 nov. 2021.