Banner Portal
A celebração da utopia contemporânea do capitalismo
PDF

Palavras-chave

Utopia. Disney. Novo Urbanismo. Pós-Modernidade.

Como Citar

SANCHEZ, Renata Latuf de Oliveira. A celebração da utopia contemporânea do capitalismo. PARC Pesquisa em Arquitetura e Construção, Campinas, SP, v. 2, n. 7, p. 174–194, 2011. DOI: 10.20396/parc.v2i7.8634588. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/parc/article/view/8634588. Acesso em: 25 maio. 2024.

Resumo

Os anos 1960 e 1970 foram marcados por uma crítica à urbanidade existente através da arquitetura experimental, super focada em tecnologia e computação; já os anos 80 e 90, quando um modelo de cidade contemporâneo se consolidava, deram lugar ao surgimento de uma nova discussão baseada no valor da história e cultura local, com forte apelo nostálgico: o Novo Urbanismo. Pode-se considerar tanto a arquitetura experimental quanto o Novo Urbanismo formas de utopia arquitetônica; no entanto, a última, apesar de não ter muitos exemplos, é uma utopia provável e consolidada, totalmente inserida no capitalismo. E é por isso que consegue progredir dentro de cada cidade idealizada. Proponho neste trabalho estudar a urbanidade criada por Walt Disney e sua Empresa, tanto na questão dos parques temáticos, mas principalmente na cidade de Celebration, FL, USA, dentro do conceito de Novo Urbanismo e também no contexto das “ressemantizações” do pós-modernismo designadas por Manfredo Tafuri. Mostrá-la como um exemplo que, ao contrário de utopias dos anos 60, baseadas em arquitetura experimental de aspecto tecnológico exacerbado, constitui-se em nova linguagem arquitetônica, ainda que irreal. Ainda, entendê-la como um projeto baseado nos princípios de uma Empresa, e também como reprodução em escala maior de uma ideia do gênio Walt Disney, que pensava na urbanidade de seus parques temáticos a fim de criar locais em que se estabelecessem relações diferentes daquelas das cidades de seu tempo, locais que estimulassem percepções e sensações únicas, afetando inclusive a psicologia de seus visitantes, transformando o que se entende por uma cidade típica do século XX – ideia essa transmitida da Main Street fictícia para uma Main Street real. Pretende-se enfatizar principalmente a relação de Celebration com o sistema capitalista de consumo, relacionado ao discurso de Tafuri, bem como sua validação como cidade.
https://doi.org/10.20396/parc.v2i7.8634588
PDF

A PARC Pesquida em Arquitetura e Construção utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto.

Downloads

Não há dados estatísticos.