Castelo Simões Lopes - um descaso com a história e o dinheiro público na cidade de Pelotas/RS

Autores

  • Ariela da Silva Torres Universidade Federal de Pelotas
  • Miguel Tarouco Bezerra Universidade Federal de Pelotas

DOI:

https://doi.org/10.20396/parc.v6i2.8635014

Palavras-chave:

Prédios históricos. Manifestações patológicas. Estudo de caso.

Resumo

Pelotas, cidade localizada no Rio Grande do Sul/Brasil, é uma cidade reconhecida pela qualidade cultural de inúmeros setores, onde o patrimônio histórico está refletido na arquitetura e desta maneira tem notoriedade a nível nacional. A cidade possui inúmeros exemplares arquitetônicos que caracterizam a grande diversidade de edificações históricas e também a força política que a região teve durante o período da alta sociedade local. Como representante de uma época nobre a cidade tem como exemplo o Castelo Simões Lopes. Este se tornou um imóvel tombado de valor estadual, título que deveria garantir a preservação e conservação do local, mas algo que não acontece atualmente, pois se transformou em um espaço urbano ocioso, local de atividades ilícitas e desta maneira descaracterizando sua arquitetura. Em função de sua importância histórica e arquitetônica para a cidade foi escolhido como objeto de estudo deste trabalho a fim de colaborar com o governo municipal e estadual para que o próximo processo de intervenção desta edificação seja realizado com qualidade e embasamento científico e que assim gere uma longa vida útil para a estrutura do Castelo.  O trabalho dividiu-se em duas etapas: primeiro realizou-se um levantamento visual e fotográfico das fachadas, e após analise da etapa anterior a fim de realizar sugestões de intervenção. Ressalta-se também que estes inúmeros processos de restauro já realizados, unindo ao abandono do local tem aumentado drasticamente os valores de reparação, gerando aos cofres públicos exorbitantes gastos que poderiam ter sido evitados, além de criar um ambiente impossível que a sociedade frequente.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ariela da Silva Torres, Universidade Federal de Pelotas

Departamento de Tecnologia da Construção/Programa de Pós-graduação em Arquitetura e Urbanismo Faculdade de Arquitetura e Urbanismo

Miguel Tarouco Bezerra, Universidade Federal de Pelotas

Possui graduação em Arquitetura e Urbanismo pela Universidade Católica de Pelotas(2014). Tem experiência na área de Arquitetura e Urbanismo.

Referências

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 13749: revestimento de paredes e tetos de argamassas inorgânicas – especificação. Rio de Janeiro, 1996.

BARBOSA, M.T. et al. Patologias de Edifícios Históricos Tombados -Estudo de Caso – Cine Teatro Central. ARQUITEXTOS. 128.05ano 11, jan. 2011.Disponível em: http://www.vitruvius.com.br/revistas/read/arquitextos/11.128/3720. Acesso em: 17 ago. 2015.

BARBOSA, Maria Teresa; FINOTTI, Marzio H.; SOUZA, Vicente C. Patologias de Edifícios Históricos Tombados de Propriedade da Administração Pública. In: CONGRESSO INTERNACIONAL SOBRE PATOLOGIA E REABILITAÇÃO DE ESTRUTURAS, Anais…Aveiro, Portugal, 2008.

BAUER, Roberto José Falcão. Falhas em revestimentos. In: L. A. Falcão Bauer. (Org.). Materiais de construção. 5ed.Rio de Janeiro: LTC, 2010, v. 2, p. 903-945.

CORTIZO, E. et al. Estado da arte da termografia. FORUM PATRIMÔNIO: ambiente construído e patrimônio sustentável. Belo Horizonte, v. 2, n . 2 , ma i/a g o. 2008. Disponível em: http://www.forumpatrimonio.com.br/seer/index.php/forum_patrimonio/article/view/97/89. Acesso em: 16 ago. 2015.

HELENE, Paulo. Vida Útil de Estruturas de Concreto. In: CONGRESSO IBERO AMERICANO DE PATOLOGIA DAS CONSTRUÇÕES, 4., CONGRESSO DE CONTROLE DA QUALIDADE, 5., 1997, Porto Alegre. Anais... Porto Alegre: UFRGS, 1997. p. 1-30.

IOSHIMOTO, Eduardo. Incidência de Manifestações Patológicas em Edificações Habitacionais. São Paulo: IPT, 1994.

LICHTENSTEIN, Norberto Blumenfeld. Patologia das construções. Boletim Técnico n. 06. São Paulo, USP, 1986.

MARTINS, Sandra Cristina Fernandes e ROSSIGNOLO, João Adriano. – Ultrassom em Madeira: Diagnóstico de Conservação e Prevenção do Patrimônio Rural. REVISTA COMPLEXUS – INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA ARQUITETURA E DESIGN – CEUNSP, Salto-SP, ano. 1, n.2, p. 128-142, setembro de 2010. Disponível em: www.engenho.info. Acesso em: 16 ago. 2015.

OLIVEIRA, Mário. Tecnologia da conservação e da restauração - materiais e estruturas: um roteiro de estudos. 4th. ed. rev. and enl. Salvador: EDUFBA, 2011. 243 p. Disponível em: http://static.scielo.org/scielobooks/k8tdh/pdf/oliveira-9788523209230.pdf. Acesso em: 15 ago. 2015.

PEREIRA, L. M. Avaliação das patologias e da biodeterioração na biblioteca central da UFSM. 2012.126 f. Dissertação (Mestrado em Engenharia Civil e Ambiental) – Centro de Tecnologia, Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, 2012.

VERÇOZA, Ênio J. Patologia das Edificações. Porto Alegre: Sagra, 1991.

Downloads

Publicado

2015-06-30

Como Citar

TORRES, A. da S.; BEZERRA, M. T. Castelo Simões Lopes - um descaso com a história e o dinheiro público na cidade de Pelotas/RS. PARC Pesquisa em Arquitetura e Construção, Campinas, SP, v. 6, n. 2, p. 129–138, 2015. DOI: 10.20396/parc.v6i2.8635014. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/parc/article/view/8635014. Acesso em: 26 jun. 2022.

Edição

Seção

Artigos