Banner Portal
O legado das colonizações da Amazônia oriental: redes de aglomerados rurais ou redes proto-urbanas?
PDF

Palavras-chave

Amazônia. Colonização. Morfologia Urbana. Rede de Aglomerados. Urbanismo Rural

Como Citar

PINHO, Giselle Fernandes de; CARDOSO, Ana Cláudia Duarte. O legado das colonizações da Amazônia oriental: redes de aglomerados rurais ou redes proto-urbanas?. PARC Pesquisa em Arquitetura e Construção, Campinas, SP, v. 7, n. 1, p. 35–45, 2016. DOI: 10.20396/parc.v7i1.8646107. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/parc/article/view/8646107. Acesso em: 27 maio. 2024.

Resumo

Este artigo assume estudos de caso nos Municípios de Moju e Acará para investigar uma rede de pequenas aglomerações que compõem o território rural do nordeste paraense. Normalmente invisível aos órgãos oficiais e não considerada no desenho das políticas públicas rurais e urbanas, esses aglomerados efetivamente estruturam o território rural, como pode ser apreendido por meio de cartografia social. O objetivo deste artigo é relacionar os níveis hierárquicos dessa rede de aglomerados rurais aos resquícios das políticas colonizadoras. A metodologia utilizada foi qualitativa voltada para a análise de padrões sócio-espaciais, utilizando como ferramentas a cartografia social e a teoria dos grafos para gerar um gradiente urbano-rural e os níveis de hierarquia da rede. Apesar da prevalência de funções agrárias, assumidas como ponto de partida da colonização realizada nos anos 1970, observa-se a disseminação de aglomerados rurais hierarquizados por centralidade, disponibilidade de serviços, estratégias de subsistência e coesão social, que articulam usos rurais a expectativas de consumo e acesso às políticas públicas normalmente associadas ao universo urbano, conectando esses dois mundos. O resultado de tantas superposições é um território híbrido cuja morfologia e padrão socioespacial em rede são pouco compreendidos e valorizados tanto pelo setor público quanto pela iniciativa privada.

https://doi.org/10.20396/parc.v7i1.8646107
PDF

Referências

ANTONUCCI, Denise et al. UN-HABITAT: 3 décadas de Atuação. Arquitextos, v.9, n. 107, abr. 2009. Disponível em: <http://www.vitruvius.com.br/revistas/read/arquitextos/09.107/56> acesso em 06/06/2016.

BECKER, Bertha. A urbe amazônida. Rio de Janeiro: Gramond, 2013. 86 p.

BESSA, Kelly. Estudos sobre a rede urbana: os precursores da teoria das localidades centrais. GeoTextos, vol. 8, n. 1, jul. 2012, pp. 147-165.

BING MAPAS. [Vila Olho D’água] 2°15'7.95"S; 48°47'30.71"W, Acesso em: 3 jun. 2016.

CAMARGO, José. Urbanismo Rural, Brasília: INCRA, 1973.

CARDOSO, Ana Cláudia; LIMA, José Julio. A influência do Governo Federal sobre cidades na Amazônia: os casos de Marabá e Medicilândia. Novos Cadernos NAEA, Belém, v.12, n. 1, p. 161-192, 2009. Doi: http://dx.doi.org/10.5801/ncn.v12i1.285

CASTRO, Edna. Urbanização, pluralidade e singularidade das cidades amazônicas. In: CASTRO, Edna (Org.). Cidades da floresta. São Paulo: Annablume, 2009. p. 11-40.

CHAMBOULEYRON, Rafael. Plantações, sesmarias e vilas. Uma reflexão sobre a ocupação da Amazônia seiscentista. Nuevo Mundo Mundos Nuevos, Debates, 2006, Disponível em: <https://nuevomundo.revues.org/2260#text>. Acesso em: 12 jun. 2013.

GUERRA, Gutemberg. Religião, Educação, futebol e mercado: elementos estruturantes da vida social em povoados da Amazonia. Belém: NEAD/UFPA, 2015 (mimeo).

HÉBETTE, Jean; ACEVEDO, Rosa. Colonização para quem? Belém: Falangola Offset/ Ufpa/naea, 1979. 173 p.

HÉBETTE, Jean; ALVES, Juliete M.; QUINTELA, Rosângela Sa S.. Parentesco, vizinhança e organização profissional na formação da frente pioneira amazônica. In: HÉBETTE, Jean (Org.). Cruzando a fronteira: 30 anos de estudo do campesinato na Amazônia. Belém: Ed.ufpa, 2004. p. 101-119. Volume 4: Um novo campesinato Amazônico. O papel das Instituições científicas e de seus pesquisadores.

HÉBETTE, Jean; MOREIRA, Edna Silva. A marcha do trabalhador do campo rumo à cidadania: domínio da terra e estrutura social no Pará. In: HÉBETTE, Jean (Org.). Cruzando a fronteira: 30 anos de estudo do campesinato na Amazônia. Belém: Ed.ufpa, 2004. p. 25-42. Volume 4: Um novo campesinato Amazônico. O papel das Instituições científicas e de seus pesquisadores.

HOMMA, Alfredo Kingo Oyama. A agricultura nikkei e o desenvolvimento da agricultura na Amazônia. In: HOMMA, Alfredo Kingo Oyama et al (Org.). Imigração japonesa na Amazônia: contribuição na agricultura e vínculo com o desenvolvimento regional. Manaus: Edua, 2011. p. 339-375.

IBGE - INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Noções básicas de cartografia. Disponível em: <http://www.ibge.gov.br/home/geociencias/cartografia/manual_nocoes/elementos_representacao.html> Acesso em: 18 dez. 2014.

MEDICILÂNDIA. Medicilândia: histórico. Disponível em: <http://www.medicilandia.pa.gov.br/87/DadosMunicipais/> Acesso em: 10 dez. 2014.

MONTE-MOR, Roberto, Extended Urbanization and Settlement Patterns in Brazil: an Environmental Approach. In: Brenner, N. (org) Implosions/ Explosions: Towards a study of planetary urbanization. Berlim: Jovis, 2014, 109- 120.

PEREIRA, José Carlos Matos. A Urbanização da Amazônia e o papel das Cidades Médias na Rede Urbana Regional. In: CARDOSO, Ana Cláudia Duarte (Org.). O Rural e o Urbano na Amazônia: Diferentes olhares em perspectiva. Belém: Edufpa, 2006. p. 23-54.

PINHO, Carolina Moutinho Duque de. Análise das redes de localidades ribeirinhas amazônicas no tecido urbano estendido: uma contribuição metodológica. 2012. 156 f. Tese (Doutorado) - Curso de Curso de Pós-graduação em Sensoriamento Remoto, Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais, São José dos Campos, 2012.

PINHO, Giselle Fernandes de. Estudo das Relações Entre Mobilidade da População e Acesso às Políticas Públicas em Moju e Acará - Pa. 2015. 204 f. Dissertação (Mestrado) - Curso de Mestrado Profissional em Uso Sustentável de Recursos Naturais em Regiões Tropicais, Instituto Tecnológico Vale, Belém, 2015.

SCHMINK, Marianne; WOOD, Charles H.. Conflitos sociais e a formação da Amazônia. Belém: Ed.ufpa, 2012. 489 p.

SOUSA, Rafael Benevides de; MACEDO, Cátia Oliveira. Comunidades camponesas no nordeste paraense: o caso de São Judas e Cravo. Revista Geografia, Londrina, v. 20, n. 2, p.115-128, maio/ago 2011. Bimestral. Disponível em: <http://www.uel.br/revistas/uel/index.php/geografia/article/view/7060>. Acesso em: 23 jul. 2014.

VENTURA FILHO, Raul da Silva. A Floresta Urbanizada: a formação de núcleos urbanos na transamazônica, trecho Altamira – Itaituba. 2004. 239 f. Tese (Doutorado) - Curso de Curso de Pós-graduação em Planejamento Urbano e Regional, Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano e Regional, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Belém, 2004.

A PARC Pesquida em Arquitetura e Construção utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto.

Downloads

Não há dados estatísticos.