Jardins verticais: modelos e técnicas

  • Murilo Cruciol Barbosa Universidade Estadual Paulista
  • Maria Solange Gurgel de Castro Fontes Universidade Estadual Paulista
Palavras-chave: Jardim vertical. Arquitetura paisagística. Parede verde. Sustentabilidade. Paisagismo.

Resumo

O presente artigo objetiva descrever e sistematizar as principais tecnologias existentes para sistemas de jardins verticais e discutir os benefícios da sua implantação na escala da edificação. A metodologia consiste em uma revisão bibliográfica e busca por patentes e produtos disponíveis no mercado, que ajudam a entender quais são os modelos existentes, como eles funcionam e suas vantagens e desvantagens. A revisão evidencia que os sistemas de jardins verticais surgem como estruturas possíveis de plantio em superfícies verticalizadas, contudo, o sucesso destes não apenas está relacionado com a escolha adequada da tecnologia de suporte, mas também do sistema de irrigação, da utilização de espécies adequadas ao clima e ao tempo de exposição à radiação solar. Ao discutir essas questões, o artigo objetiva, ainda, contribuir para a difusão do conhecimento dessa importante tipologia da infraestrutura verde.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Murilo Cruciol Barbosa, Universidade Estadual Paulista
Biólogo.
Maria Solange Gurgel de Castro Fontes, Universidade Estadual Paulista

Professor Assistente Doutor da Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (UNESP), com pós doutorado na Universidade de Bath, Reino Unido (2006-2007), doutorado em Ciências da Engenharia Ambiental, na Escola de Engenharia de São Carlos da Universidade de São Paulo - EESC-USP (1998), Mestrado em Arquitetura e Urbanismo na EESC-USP (1991) e Graduação em Arquitetura e Urbanismo na UFRN (1985). Ministra aulas nos Cursos de Graduação (desde 1999) e Pós Graduação (a partir de agosto 2013) em Arquitetura e Urbanismo da Faculdade de Arquitetura, Artes e Comunicação (FAAC), da UNESP, em Bauru-SP. Desenvolve pesquisas que visam a qualidade funcional, térmica e espacial do ambiente construído.

Referências

AGROTEXAS JARDINS VERTICAIS. Paredes Verdes. 2016. Disponível em: http://agrotexasjardinsverticais.com/?page_id=8. Acesso em 08 abr. 2016.

ALEXANDRI, E.; JONES, P. Temperature decreases in an urban canyon due to green walls and greenroofs in diverse climates. Building and Environment, Grécia, v. 43, p.480-493, 2008. http://dx.doi.org/10.1016/j.buildenv.2006.10.055

ANDERSON, McRae. Embrace the Vertical: Design and Planning for Greenwalls in Buildings. Saint Paul, Minnesota. 2011. p.24. Disponível em https://issuu.com/mccaren/docs/embrace_the_vertical?mode=embed&layout=http%3A%2F%2Fskin.issuu.com%2Fv%2Flight%2Flayout.xml&showFlipBtn=true. Acesso em: 07 jun. 2016.

ARCHITECTURAL, GSR. The living screen: Trellis systems.2013 Disponível em: http://gsrarch.com/the-living-screen-trellis-system/. Acesso em: 21 jul.2016

BALDESSAR, S.M.N. Telhado verde e sua contribuição na redução na vazão da água pluvial escoada. 2012. 124f. Dissertação (Mestrado em Engenharia da Construção Civil)- Universidade Federal do Paraná, Curitiba. 2012. Disponível em: http://www.prppg.ufpr.br/ppgecc/wp-content/uploads/2016/files/dissertacoes/d0168.pdf

BISCARO, Guilherme Augusto; OLIVEIRA, Alessandra Conceição de. Fertirrigação. In: BISCARO, G.A.(Org.). Sistemas de Irrigação Localizada. Dourados: Ed. UFGD, 2014. Cap.4.

BLANC, P. The Vertical Garden: A scientific and artistic approach. 2008. Disponível em: http://www.verticalgardenpatrickblanc.com/documents. Acesso em: 31 jul. 2015.

CATUZZO, H. Telhado Verde: impacto positivo na temperatura e umidade do ar. O Caso da Cidade de São Paulo. 2013. 207 f. Tese (Doutorado em Geografia Física) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo. 2013. Disponível em: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/8/8135/tde-18122013-123812/en.php

CHENG, C.Y.; CHEUNG, K.K.S.; CHU, L.M. Thermal performance of a vegetated cladding system on facade walls. Building and Environment, Hong Kong, v.45, n. 8, p.1779-1787, 2010. http://dx.doi.org/10.1016/j.buildenv.2010.02.005

COSTA, Carlos Smaniotto. Jardins Verticais – uma oportunidade para as nossas cidades? Arquitextos, São Paulo, ano 12, n. 133.06, Vitruvius, jul. 2011. Disponível em: http://www.vitruvius.com.br/revistas/read/arquitextos/12.133/3941. Acesso em 31 jul. 2015.

ECOTELHADO. Fachadas de prédios ganham vida. [201-]. Disponível em: https://ecotelhado.com/portfolio/ecoparede/brise-vegetal/. Acesso em 08 abr. 2016.

GREEN WALL CERAMIC. Stand Expo Revestir 2016. 2016. Disponível em: http://www.greenwallceramic.com.br/album/66. Acesso em 08 abr. 2016.

HUM, R.; LAI, P. Assessment of Biowalls: An overview of Plant- and Microbial- based Indoor Air Purification System. Physical Plant Services. Queen’s University. Canadá, 2007. Disponível em: http://www.queensu.ca/sustainability/sites/webpublish.queensu.ca.suswww/files/files/biowalls.pdf.

INKMASON. Vegetation in building- Green wall. 2015. Disponível em: http://www.inkmason.com/media.php?id=52 . Acesso em: 21 jul 2016.

IRWIN,G. Living Wall Breakdown – Material & Flora Relantionship. Greenroofs.com. Disponível em <http://www.greenroofs.com/content/articles/145-Living-Wall-Breakdown-Material-and-Flora-Relationship.htm#.V5UIaOsrLIV>. Acesso em: 21 jul. 2016.

JAAFAR, B.; SAID, I.; RASIDI, M.H. Evaluating the impact of vertical greenery system on cooling effect on high rise buildings and surroundings: a review. In: INTERNATIONAL CONFERENCE ON SUSTAINABLE ENVIRONMENT AND ARCHITECTURE, 12., Malang, 2011. Proceedings … Malang: SENVAR, 2011, p. 1-9.

JOHNSTON, J.; NEWTON, J. Building Green: A guide to using plants on roofs, walls and pavements. Greater London Authority. Londres, 2004.

KÖHLER, M. Green facades- a view back and some visions. Urban Ecosystems, Neubrandenburg, v.11, p. 423-436, 2008. http://dx.doi.org/10.1007/s11252-008-0063-x

KÖHLER, Manfred; SCHMIDT, Marco; LAAR, Michael. Green roofs as a contribution to reduce urban heat islands. In: WORLD CLIMATE AND ENERGY EVENT, 3., Rio de Janeiro, 2003. Proceedings … Rio de Janeiro: Latin American Renewable Energy, 2003, p. 493-498.. Disponível em: http://www.rio12.com/rio3/proceedings/RIO3_493_M_Koehler.pdf

KONTOLEON, K.J.; EUMORFOPOULOU, E.A. The effect of the orientation and proportion of a plant-covered wall layer on the thermal performance of a building zone. Building and Environment, Grécia, v. 45, n.5, p. 1287-1303, 2010. http://dx.doi.org/10.1016/j.buildenv.2009.11.013

LOH, S. Living Walls – A Way to Green the Built Environment. Environment Design Guide, TEC 26. 2008. Disponível em: http://www.environmentdesignguide.com.au/pages//content/tec-technology/tec-26-living-walls-a-way-to-green-the-built-environment.php

MANSO, M.; CASTRO-GOMES, J. Green wall systems: A review of their characteristics. Renewable and Sustainable Energy Reviews, Covilhã, v. 41, p. 863-871, 2015. http://dx.doi.org/10.1016/j.rser.2014.07.203

MASI, F.; RIZZO, A.; BRESCIANI, R. Green architecture and water reuse: examples from different countries. Sustainable Sanitation Practice, n.23, 2015.

MATHEUS, Carla et al . Desempenho térmico de envoltórias vegetadas em edificações no sudeste brasileiro. Ambient. constr., Porto Alegre , v. 16, n. 1, p. 71-81, Jan. 2016. http://dx.doi.org/10.1590/s1678-86212016000100061..

MOVIMENTO90º. 2016. Disponível em: https://www.facebook.com/movimento90/photos/pb.432661160154416.-2207520000.1464536716./991639960923197/?type=3&theater. Acesso em: 08 abr. 2016.

NETO, J. G. Irrigação para Paredes Verdes. Rain Bird. Disponível em: http://rainbirdrj.com.br/irrigacao-para-paredes-verdes/#.V5UIVusrLIV. Acesso em: 21 jul. 2016.

NUCCI, J.C. Qualidade ambiental e adensamento urbano: um estudo de ecologia e planejamento da paisagem aplicado ao distrito de Santa Cecília (MSP). 2ª ed. Curitiba: O Autor, 2008. 150p. Disponível em: http://www.labs.ufpr.br/site/arquivos/qldade_amb_aden_urbano.pdf Acesso em 12 dez. 2016.

OTTELÉ, M. The Green Building Envelope: Vertical Greening. 2011. 270 f. Tese (Doutorado em Engenharia Civil e Geociências) - Universidade de Delft, Delft. 2011.

PECK, S. W.; CALLAGHAN, C.; KUHN, M.E.; BASS, B. Greenbacks from green roofs: forging a new industry in Canada. Peck and associates, Canadian Mortgage and Housing Corporation Research Report, 1999. Disponível em: https://www03.cmhcschl.gc.ca/catalog/productDetail.cfmcat=40&itm=11&lang=en&sid=ZYuIEH1IoSulpIX9bgEqcj6CncmsY2pQ2MlPThOT3ESnN8Zk8lfWhw1WbpugndPX&fr=1480623042742

PÉREZ, G.; RINCÓN, L.; VILA, A.; GOZÁLEZ, J.M.; CABEZA, L.F. Green vertical systems for buildings as passive systems for energy savings. Applied Energy, Barcelona, v. 88, n. 12, p. 4854-4859, 2011.

PERINI, K.; OTTELÉ, M.; FRAAIJ, A.L.A.; HAAS, E.M.; RAITERI, R. Vertical greening systems and the effect on air flow and temperature on the building envelope. Building and Environment, Genoa, v. 46, n. 11, p. 2287-2294, 2011a. http://dx.doi.org/10.1016/j.buildenv.2011.05.009

PERINI, K.; OTTELÉ, M.; HAAS, E.M.; RAITERI, R. Greening the building envelope, façade greening and living wall systems. Journal of Ecology, Genoa, v.1, n. 1, p.1-8, 2011. http://dx.doi.org/10.4236/oje.2011.11001

RANGEL, J. Kit WallGreen Eco. 2014. Disponível em: http://sustentarqui.com.br/produtos/kit-wallgreen-eco/. Acesso em 08 abr. 2016.

ROSSETI, K. A.C.; DURANTE, L.C.; NOGUEIRA, M.C.J.A.; CALLEJAS, I,J.A.; KUHNEN, I.A.; NOGUEIRA, J.S. Efeitos da incorporação de vegetação em telhados de zona urbana em clima tropical continental. PARC Pesquisa em Arquitetura e Construção, Campinas, SP, v. 6, n. 2, p. 121-128, jun. 2015. ISSN 1980-6809. http://dx.doi.org/10.20396/parc.v6i2.8635011.

SAFIKHANI, T.; ABDULLAH, A.M.; OSSEN, D.R.; BAHARVAND, M. A review of energy characteristic of vertical greenery systems. Renewable and Sustainable Energy Reviews, Johor, v.40, p. 450-462, 2014. Disponível em: http://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S1364032114006182

SÃO PAULO (Estado). Decreto nº 55.994, de 10 de março de 2015. Introduz alterações no artigo 4º do Decreto nº 53.889, de 08 de maio de 2013, que regulamenta o termo de compromisso ambiental- TCA. Diário Oficial, São Paulo, SP, 11 de mar. de 2015.

SCHERER, M.J.; FEDRIZZI, B.M. Jardins verticais: potencialidades para o ambiente urbano. Revista Latino-Americana de Inovação e Engenharia de Produção. Rio Grande do Sul, v.2 ,n.2, jan/jun. 2014.

SHARP, R.; SABLE, J.; BERTRAM, F.; MOHAN, E.; PECK, S. Introduction to Green Walls: technology, benefits & design. In: Green Roofs for Healty Cities, 2008. Disponível em: http://www.greenroofs.net/components/com_lms/flash/Green%20Walls%20Intro%20908b.pdf. Acesso em: 25 mar. 2016.

SHIAH, K.; KIM, J. An Investigation into the Application of Vertical Garden at the New SUB Atrium. University of British Columbia, novembro 2011.

VALESAN, M.; FEDRIZZI, B.; SATTLER, M.A. Vantagens e desvantagens da utilização de peles-verdes em edificações residenciais em Porto Alegre segundo seus moradores. Ambiente Construído. Porto Alegre, v.10, n.3, p.55-67. 2010. http://dx.doi.org/10.1590/S1678-86212010000300004

WONG, N.H.; TAN, A.Y.K.; CHEN, Y.; SEKAR, K.; TAN, P.Y.; CHAN, D.; CHIANG, K.; WONG, N.C.. Thermal evaluation of vertical greenery systems for building walls. Building and Environment, Singapura, v. 45, n. 3, p. 663-672, 2010.

YOON, Andrew; GHORBANI, Maryam; SHARIATI, Saba; ELGIE, Thomas; ENNISON JR., Tony. An investigation into implementing biowall in the new sub project. 2011. 23 f.. Report (Undergraduate Research) - University of British Columbia, 2011. Disponível em: https://open.library.ubc.ca/cIRcle/collections/undergraduateresearch/18861/items/1.0108438

Publicado
2016-06-30
Como Citar
Barbosa, M. C., & Fontes, M. S. G. de C. (2016). Jardins verticais: modelos e técnicas. PARC Pesquisa Em Arquitetura E Construção, 7(2), 114-124. https://doi.org/10.20396/parc.v7i2.8646304
Seção
Artigos

Artigos mais lidos pelo mesmo (s) autor (es)