Espaços livres, padrões morfológicos e apropriações públicas na metrópole paulistana

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/parc.v7i3.8647244

Palavras-chave:

Metrópole paulistana. Sistema de espaços livres. Padrões morfológicos. Apropriações

Resumo

A morfologia da metrópole paulistana é o resultado de relações complexas entre processos sociais e o suporte biofísico, apresentando qualidades e desafios inerentes a seu porte (uma das quatro maiores metrópoles do planeta) e a sua inserção na formação socioespacial brasileira. Neste contexto objetiva-se compreender aspectos de sua estrutura morfológica e de seu sistema de espaços livres. A partir de análise visual de imagens de satélite, bem como do uso do aplicativo Google Street View, o Laboratório Quadro do Paisagismo da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo – Lab QUAPÁ - produziu minuciosa cartografia temática em SIG sobre padrões morfológicos e espaços livres, quadra a quadra, para toda a área conurbada da Região Metropolitana de São Paulo. A análise dessa cartografia temática é apoiada também em dados censitários cartografizados e em amplo acervo de fotos realizadas a partir de sobrevoos sobre a metrópole. Esse artigo traz uma síntese dos principais resultados obtidos, com ênfase no sistema de espaços livres, abordando também reflexões relativas à apropriação pública deste sistema, decorrentes da experiência de orientação de diversos trabalhos científicos de graduação e pós-graduação. Tem-se um quadro que mostra uma metrópole fortemente conurbada, densamente construída, mas ainda apresentando notável predominância de morfologias horizontais. O sistema de espaços livres da metrópole paulistana contém significativos remanescentes de Mata Atlântica, mas apresenta-se, via de regra, pouco competente para o atendimento das diversas demandas sociais e ambientais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Eugenio Fernandes Queiroga, Universidade de São Paulo

Professor Associado do Departamento de Projeto da FAUUSP; Área de Arquitetura e Urbanismo, sub-área de Paisagismo

Referências

CALDEIRA, Teresa. Cidade de muros: crime, segregação e cidadania em São Paulo. São Paulo: Editora 34; EDUSP, 2000.

DENATRAN DEPARTAMENTO NACIONAL DE TRÂNSITO. Frota de veículos. Brasília: DENATRAN, 2016. Disponível em: http://www.denatran.gov.br/frota2015.htm. Acesso em: 10 set. 2016.

EMPLASA EMPRESA PAULISTA DE PLANEJAMENTO METROPOLITANO. EMPLASAGEO. Disponível em: http:// http://www.emplasageo.sp.gov.br. Acesso em 12 out. 2016.

IBGE INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA -. Projeção da população do Brasil e das Unidades da Federação. Rio de Janeiro: IBGE, 2016. Disponível em: http://www.ibge.gov.br/apps/populacao/projecao/. Acesso em: 13 jul. 2016

MACEDO, Silvio; ROBBA, Fabio. Praças Brasileiras. São Paulo: EDUSP, 2002.

MACEDO, Silvio; SAKATA, Francine. Parques urbanos no Brasil. São Paulo: EDUSP, 2003.

MACEDO, Silvio. Paisagismo Contemporâneo na Virada do Século 1990 – 2010. São Paulo: Edusp, 2012.

RUPF, Lilian Dazzi Braga; QUEIROGA, Eugênio Fernandes. Lugares públicos como potencialidades: uma leitura urbana do centro histórico de São Paulo. Paisagem e Ambiente, São Paulo, n. 35, p. 139-159, oct. 2015. ISSN 2359-5361, p139-159. doi: http://dx.doi.org/10.11606/issn.2359-5361.v0i35.

QUEIROGA, Eugenio. A megalópole e a praça: o espaço entre a razão de dominação e a razão comunicativa. 2001. 351 p. Tese (Doutorado em Arquitetura e Urbanismo) – Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2002.

QUEIROGA, Eugenio. Dimensões públicas do espaço contemporâneo: resistências e transformações de territórios, paisagens e lugares urbanos brasileiros. 2012. 284 p. Tese (Livre docência em Arquitetura e Urbanismo) – Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2012.

Downloads

Publicado

2016-10-31

Como Citar

QUEIROGA, E. F. Espaços livres, padrões morfológicos e apropriações públicas na metrópole paulistana. PARC Pesquisa em Arquitetura e Construção, Campinas, SP, v. 7, n. 3, p. 178–188, 2016. DOI: 10.20396/parc.v7i3.8647244. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/parc/article/view/8647244. Acesso em: 29 nov. 2021.