Com os usuários em mente: um desafio para a boa prática arquitetônica?

Autores

  • Sheila Walbe Ornstein Universidade de São Paulo

DOI:

https://doi.org/10.20396/parc.v7i3.8647437

Palavras-chave:

Avaliação pós-ocupação. Instrumentos. Procedimentos metodológicos. Boa arquitetura.

Resumo

A arquitetura, a começar pela elaboração do programa de necessidades, deve atender aos usuários. Esse artigo busca discutir as formas e os instrumentos mais adequados à disposição dos arquitetos para atender aos usuários finais, a partir da concepção arquitetônica. Embora as interfaces objeto – usuário sejam bastante conhecidas dos designers no desenvolvimento dos produtos (objetos móveis e ou portáteis), na arquitetura - em que pese a interdisciplinaridade desta área do conhecimento -  na prática, nem sempre estes projetistas conseguem alcançar o seu objetivo final. Considerando, no objetivo final, a satisfação do usuário associada à qualidade do produto – o ambiente construído - nas suas dimensões formal e estética, funcional e técnica. Aqui são descritos e analisados, para os diversos ambientes construídos e em uso – em termos de escalas, usos coletivos e em termos daqueles voltados a grupos menores e mais homogêneos de usuários - os instrumentos disponíveis para o entendimento sobre a percepção, as necessidades e as expectativas dos usuários, com base nas pesquisas de Avaliação Pós-Ocupação (APO).

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Sheila Walbe Ornstein, Universidade de São Paulo

Professora titular da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universisdade de São Paulo. Bolsista do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq)

 

Referências

ANDRADE, Isabela, F.; BINS ELY, Vera Moro. Orientação espacial em terminal aeroportuário: diferentes perspectivas. In: III ENCONTRO DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO. São Paulo. Anais....São Paulo, ANPARQ, 2014. Disponível em www.anparq.org.br/ Acesso em 26.02.2017.

AUGUSTIN, Sally; COLEMAN, Cindy. The Designer´s Guide to Doing Research. Applying knowledge to Inform Design. Hoboken, New Jersey: John Wiley & Sons, Inc, 2012. 302p.

BARBOSA, Maria Beatriz Pestana. Wayfinding na jornada da pessoa com deficiência visual no sistema metroferroviário. 2015. Tese (Doutorado em Tecnologia da Arquitetura) - Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2015. Disponível em: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/16/16132/tde-08032016-163338/. Acesso em: 01.11.2016.

BECHTEL, Robert B.; CHURCHMAN, Arza. (eds). Handbook of Environment Psychology. 1a edição. New York: John Wiley & Sons, 2002. 722p.

BITGOOD, Stephen C. Environment Psychology in Museus, Zoos, and other Exhibition Centers. In: Bechtel, R.B.; Churchman, A. (eds). Handbook of Environment Psychology. 1a edição. New York: John Wiley & Sons, 2002. pp. 461-480.

CARPMAN, Janet R; GRANT, Myron, A. Wayfinding: A Broad View. In: BECHTEL, R.B.; CHURCHMAN, A. (eds). Handbook of Environment Psychology. 1a edição. New York: John Wiley & Sons, 2002. pp. 427-442.

GOLLEDGE, Reginald, G..The Open Door of GIS. In: BECHTEL, R.B.; CHURCHMAN, A. (eds). Handbook of Environment Psychology. 1a edição. New York: John Wiley & Sons, 2002. pp. 244-255.

CORRAL-VERDUGO, Victor. Structural Equation Modeling. In: BECHTEL, R.B.; CHURCHMAN, A. (eds). Handbook of Environment Psychology. 1a edição. New York: John Wiley & Sons, 2002. pp.256-270.

DELIBERADOR, Marcella Savioli; KOWALTOWSKI, Doris Catharine Cornelie Knatz. O jogo como ferramenta de apoio ao programa arquitetônico de escolas públicas. PARC Pesquisa em Arquitetura e Construção, Campinas, SP, v. 6, n. 2, p. 85-102, jun. 2015. ISSN 1980-6809. doi:http://dx.doi.org/10.20396/parc.v6i2.8634985.

ELISEI, Mateus Guedes Martins. Diagnóstico da percepção ambiental através do desenho infantil. Taubaté, SP: Cabral Editora e Livraria Universitária, 2008. 95p.

FEDERAL FACILITIES COUNCIL. Learning from our buildings. A State-of-the-Practice Summary of Post-Occupancy Evaluation. Washington, DC: The National Academy Press, 2001. 129p. Disponível em https://www.nap.edu/read/10288/chapter/ Acesso em 28.02.2017.

FRANÇA, Ana Judite Galbiatti Limongi; ORNSTEIN, Sheila Walbe. Modelagem da informação e melhoria contínua do ambiente construído: oportunidades e desafios. In: ENCONTRO NACIONAL DE TECNOLOGIA DO AMBIENTE CONSTRUÍDO. 16., 2016, São Paulo. Anais ... São Paulo: ANTAC, 2016. p. 4834-4848. Diponível em: http://www.infohab.org.br/entac/2016/ENTAC2016_paper_536.pdf. Acesso em: 31.10.2016

GOMIDE, Tito Livio Ferreira; FAGUNDES NETO, Jerônimo Cabral P.; GULLO, Marco Antonio. Engenharia Diagnóstica em Edificações. São Paulo: Pini, 2015. 424p.

HAYES, Bob H. Medindo a satisfação do cliente. Desenvolvimento e uso de questionários. Rio de Janeiro: Qualitymark, 1995. 209p.

HERSHBERGER, Robert. Behavioral-Based Architectural Programming. In: BECHTEL, R.B.; CHURCHMAN, A. (eds). Handbook of Environment Psychology. 1a edição. New York: John Wiley & Sons, 2002. pp. 292-305.

HILLIER, Bill; HANSON, Julienne. The social logic of space. Cambridge: Cambridge: Cambridge University Press, 1984. 281p.

IDEO. Methods Cards. Disponível em: https://www.ideo.com/post/method-cards. Acesso em: 29.10.2016

IMMS, Wesley; CLEVELAND, Benjamin; FISHER, Kenn (Ed.). Evaluating Learning Environments. Snapshots of Emerging Issues, Methods and Knowledge. Rottherdam, The Netherlands: Sense Publishers, 2016. 257p.

KOWALTOWSKI, D. K. et al. (eds.). O processo de projeto em arquitetura: da teoria à tecnologia. São Paulo, Brasil: Oficina de Textos, 2011. 504p.

KOWALTOWSKI, Doris C.C.K. et al. Métodos e instrumentos de avaliação de projetos destinados à habitação de interesse social. In: VILLA S.B; ORNSTEIN, S.W. (orgs). Qualidade ambiental na habitação. Avaliação Pós-Ocupação. São Paulo: Oficina de Textos, 2013. pp.149-184.

LEFÉVRE, Fernando; LEFÉVRE, Ana Maria Cavalcanti. O discurso do sujeito coletivo. Um novo enfoque em pesquisa qualitativa (desdobramentos). Caxias do Sul, RS: EDUCS, 2003. 255p.

LIMA, Márcia Azevedo de; LAY, Maria Cristina Dias. A Configuração de conjunto habitacionais e seus efeitos na interação social. Arquisur, n. 2, 2012. pp. 72-87. Disponível em http://bibliotecavirtual.unl.edu.ar/ojs/index.php/ARQUISUR/article/view/933/1394. Acesso em 27.02.2017.

MALLORY-HILL, Shauna; PREISER, Wolfgang F.E.; WATSON, Chris (Ed.). Enhancing Building Performance. Iowa, USA: Wiley-Blackwell, 2012. 330p.

MEREB, Marcia Pellegrini (Coord.) Guia para arquitetos na aplicação da Norma de Desempenho ABNT NBR 15575. São Paulo: ASBEA, 2015, p.56. Disponível em: http://www.caubr.gov.br/wpcontent/uploads/2015/09/2_guia_normas_final.pdf. Acesso em: 25.10.2016

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Plataforma Brasil. Disponível em: http://aplicacao.saude.gov.br/plataformabrasil/login.jsf . Acesso em: 26.10.2016.

MORAES, Odair Barbosa de. Método de análise de dados para avaliação de áreas urbanas recuperadas - uma abordagem utilizando a lógica fuzzy. 2008. Tese (Doutorado em Engenharia de Construção Civil e Urbana) - Escola Politécnica, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2008. doi: http://dx.doi.org/10.11606/T.3.2008.tde-17112008-120123.

NORMAN, Donald A. O design do dia a dia. Rio de Janeiro: Rocco, 2006. 271p.

ORNSTEIN, Sheila Walbe; ONO, Rosaria. Post-Occupancy Evaluation and Design Quality in Brazil: Concepts, Approaches and an Example of Application. Gestão & Tecnologia de Projetos, Brasil, v. 5, n. 1, p. 138-138, may 2010. ISSN 1981-1543. doi:http://dx.doi.org/10.4237/gtp.v5i1.159.

PEPONIS, John; WINEMAN, Jean. Spatial Structure of Environment and Behaviour. In: BECHTEL, R.B.; CHURCHMAN, A. (eds). Handbook of Environment Psychology. 1a edição. New York: John Wiley & Sons, 2002. pp. 271-291

PINHEIRO, José de Queiroz; GÜNTHER, Hartmut (Orgs.). Métodos de Pesquisa nos Estudos Pessoa-Ambiente. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2008. 396p.

PREISER, Wolfgang F.E.; VISCHER, Jacqueline C. (Eds.). Assessing Building Performance. Oxford, UK: Elsevier, 2005. 243p.

PREISER, Wolfgang F.E.; RABINOWITZ, Harvey, Z; WHITE, Edward. Post-Occupancy Evaluation. New York: Van Nostrand Reinhold, 1988. 198p.

PREISER, Wolfgang F.E. Professional practice in facility programming. New York: Van Nostrand Reinhold, 1993. 541p.

PREISER, Wolfgang F.E.; OSTROFF, Elaine. Universal Design Handbook. New York: Mc Graw Hill, 2001.

RHEINGANTZ, Paulo Afonso; AZEVEDO, Giselle Arteiro; BRASILEIRO, Alice; ALCANTARA, Denise de; QUEIROZ, Mônica. Observando a qualidade do lugar, Procedimentos para a avaliação pós-ocupação. Rio de Janeiro: ProArq / UFRJ, 2009. 117p. Disponível em: http://www.fau.ufrj.br/prolugar/assets/obs_a_qua_lugar.pdf Acesso em: 25.10.2016.

SALES, Adriano de Alencar; RUSCHEL, Regina C. BIM no suporte a Avaliação Pós-Ocupação . In: ENCONTRO NACIONAL DE TECNLOGIA DO AMBIENTE CONSTRUÍDO, 15., Fortaleza. Anais....Fortaleza: ANTAC, 2014. http://doi.org/10.17012/entac2014.6.

THOMAZONI, Andrea D´Angelo Leitner; ORNSTEIN, Sheila Walbe; ONO, Rosaria. Post-Occupancy Evaluation applied to design of a complex hospital by means of flow analysis. In: REVISITING THE ROLE OF ARCHITECTURAL SCIENCE IN DESIGN & PRACTICE. 50TH INTERNATIONAL CONFERENCE OF THE ARCHITECTURAL SCIENCE ASSOCIATION. 2016, Adelaide, Australia. Proceedings….Adelaide, Australia:ASA, 2016. p. 537- 546.

VILLA, Simone Barbosa; SARAMAGO, Rita de Cássia Pereira; GARCIA, Lucianne Casasanta, Avaliação pós-ocupação no Programa Minha Casa Minha Vida. Uma experiência metodológica. Uberlândia: UFU/ PROEX, 2015, 152p. Disponível em: https://morahabitacao.files.wordpress.com/2015/07/os-014631-proex-ufu-livro-sangria-lu.pdf. Acesso em: 25.10.2016.

VILLA, Simone Barbosa; ORNSTEIN, Sheila Walbe. (Orgs). Qualidade Ambiental na Habitação. Avaliação Pós-Ocupação. São Paulo: Oficina de Textos, 2013. 400p.

VILLA, Simone Barbosa et al.. Inovação tecnológica na avaliação pós-ocupação: ferramentas digitais e interativas. In: ENCONTRO NACIONAL DE TECNOLOGIA DO AMBIENTE CONSTRUÍDO. 16., 2016, São Paulo. Anais ... São Paulo: ANTAC, 2016. p. 3439-3452. Disponível em: http://www.infohab.org.br/entac/2016/ENTAC2016_paper_263.pdf. Acesso em: 31.10.2016

VITTORINO, Fulvio; ONO, Rosaria. Técnicas estatísticas aplicadas à APO em habitações. In: VILLA, Simone Barbosa; ORNSTEIN, Sheila Walbe. (Orgs). Qualidade Ambiental na Habitação. Avaliação Pós-Ocupação. São Paulo: Oficina de Textos, 2013. pp.185-206.

VOORDT, Theo JM van der; WEGEN, Herman BR van. Architecture in use. An Introduction to programming, design and evaluation of buildings. Oxford, UK: Elsevier, 2005. 237p.

ZEISEL, John. Inquiry by design. Environment /Behavior/ Neuroscience in Architecture, Interiors, Landscape, and Planning. New York: W.W. Norton & Company Ltd, 2006. 399p.

ZIMRING, Craig. Postoccupancy Evaluation: Issues and Implementation. In: BECHTEL, R.B.; CHURCHMAN, A. (eds). Handbook of Environment Psychology. 1a edição. New York: John Wiley & Sons, 2002. pp. 306-319.

Downloads

Publicado

2016-10-31

Como Citar

ORNSTEIN, S. W. Com os usuários em mente: um desafio para a boa prática arquitetônica?. PARC Pesquisa em Arquitetura e Construção, Campinas, SP, v. 7, n. 3, p. 189–197, 2016. DOI: 10.20396/parc.v7i3.8647437. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/parc/article/view/8647437. Acesso em: 25 jan. 2021.