Banner Portal
Questões sobre conservação do patrimônio arquitetônico moderno e a Vila Serra do Navio
PDF

Palavras-chave

Patrimônio Cultural. Restauração da Arquitetura Moderna. Vila Serra do Navio.

Como Citar

TIRELLO, Regina Andrade; COSTA, Ana Cynthia Sampaio da. Questões sobre conservação do patrimônio arquitetônico moderno e a Vila Serra do Navio. PARC Pesquisa em Arquitetura e Construção, Campinas, SP, v. 8, n. 2, p. 75–87, 2017. DOI: 10.20396/parc.v8i2.8648299. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/parc/article/view/8648299. Acesso em: 26 maio. 2024.

Resumo

O reconhecimento dos valores históricos, artísticos e memoriais do patrimônio moderno construído é relativamente recente. Por ser uma categoria de preexistência arquitetônica ainda insuficientemente estudada sob o ponto de vista da preservação, sua recuperação física tem gerado importantes debates nos ambientes acadêmicos e profissionais acerca da aplicabilidade das recomendações internacionais de restauro de monumentos. Ao moderno só caberiam reformas de manutenção? Visando suscitar reflexões sobre as muitas variáveis de análise dos objetos historicizados associadas às questões de autenticidade que tangenciam a conservação do patrimônio arquitetônico moderno, neste artigo toma-se como objeto de discussão a Vila Serra do Navio. Trata-se de uma company-town localizada no Estado do Amapá, no meio da selva amazônica, tombada pelo IPHAN em 2011 como patrimônio cultural. Projetada pelo arquiteto paulista Oswaldo Arthur Bratke, a Vila foi construída na década de 1960 com excepcional qualidade técnica, formal e estética, e se vincula à especial episódio do desenvolvimento econômico brasileiro relacionado à exploração de minério. Seus edifícios estão sofrendo continuo processo de descaracterização. O objetivo deste artigo é contribuir com discussões sobre as perspectivas de preservação das edificações modernas da Vila, abordando questões teóricas fundantes do campo disciplinar da restauração e a reversão de critérios consolidados em documentos internacionais reguladores do século XXI.

https://doi.org/10.20396/parc.v8i2.8648299
PDF

Referências

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. 35 ed. Brasília: Edições Câmara, 2012.

BRASIL. Decreto nº 25, de 30 de novembro de 1937. Diário Oficial da União, Brasília, p. 24056, 06 dez. 1937. Seção 1. Acesso em: 21 jun. 2016. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto-lei/Del0025.htm

CORREIA, Telma de Barros. Bratke e o projeto civilizatório da Icomi. Pós. Revista do Programa de Pós-Graduação em Arquitetura e Urbanismo da FAUUSP, São Paulo, v. 19, n. 31, p. 132-145, june 2012. ISSN 2317-2762. Disponível em: http://www.revistas.usp.br/posfau/article/view/48080. Acesso em: 15 dec. 2017. doi: http://dx.doi.org/10.11606/issn.2317-2762.v19i31p132-145.

IPHAN, Cartas Patrimoniais (org) Isabella Curry; Rio de Janeiro:

IPHAN, 3a edição, 2004.

IPHAN, Vila Serra do Navio: dossiê de tombamento (org) Maria Dorotéia Lima. IPHAN, sd

JOKILEHTO, Jukka. Continuity and change in recent heritage. In: OERS, R.V.; HARAGUCHI, S. (Ed.). World Heritage papers, 5 Identification and documentation of modern heritage. Paris: UNESCO/WHC, 2003. p. 101-109. Acesso em: 21 jun. 2016. Disponível em: file:///C:/Users/rtirello/Downloads/publi_wh_papers_05_en.pdf

LA REGINA, F., Sul giudizio di valore nel restauro architettonico: note critiche. In: Restauro, n. 81, 1985, p. 80.

LE-DUC, Eugène Emmanuel Viollet. Restauração. Tradução Beatriz Mugayar Kühl. Cotia: ed. Ateliê Editorial, 2000. p. 29

MACDONALD, Susan. 20th century heritage: recognition, protection and practical challenges. Charenton-le-Pont: ICOMOS, 2003. (ICOMOS World Report 2002-2003 on monuments and sites in danger – Thematic Reports). Disponível em: https://www.icomos.org/risk/2002/index.html. Acesso em: 19 dez. 2017.

RIBEIRO, Benjamin Adiron. Vila Serra do Navio: Comunidade urbana na selva amazônica: um projeto do arquiteto Oswaldo Arthur Bratke. São Paulo: Pini, 1992.

RUSKIN, John. A Lâmpada da Memória (Trad.Odete Dourado). Salvador: Mestrado em Arquitetura e Urbanismo. Pretextos, série b, Memórias, 2. UFBA, 1996.

SEGAWA, Hugo, DOURADO, Guilherme Mazza. Oswaldo Arthur Bratke.São Paulo: Pro Editores, 1997. 323p.

ZANCHETI, Silvio M.. A Teoria Contemporânea da Conservação e a Arquitetura Moderna. Centro de Estudos Avançados de Conservação Integrada: Textos para Discussão n0 58. Olinda, 2014. Acesso em: 21 jun. 2016. Disponível em http://www.ct.ceci-br.org/ceci/publicacoes/59-textos-para-discussao/665-a-teoria-contemporanea-da-conservacao-e-a-arquitetura-moderna.htmlfile.

TIRELLO, R. A.; BARROS, M. C. SFEIR, M. B. Projetos de reabilitação de conjuntos industriais históricos em centros urbanos paulistas: usos possíveis na contracorrente dos “centros culturais”. In: ARQUIMEMÓRIA - ENCONTRO INTERNACIONAL SOBRE PRESERVAÇÃO DO PATRIMÔNIO EDIFICADO, 4., Salvador, 2013. Anais... Salvador: IAB-Ba e UFBA, 2013. v. 1. p. 1-25.

TIRELLO, Regina A. A explicitação da verdade histórica: a premissa oitocentista europeia para a preservação do patrimônio. In: A Ruína, o restauro e as pinturas murais oitocentistas do Vale do Paraíba Paulista. 1999. Tese (Doutorado) - Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo, vol. 1, p. 5-13¬ (mimeo).

UNESCO - Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura. Carta de Cravóvia 2000: Princípios para a conservação e restauração do patrimônio construído. UNESCO, 2000.

A PARC Pesquida em Arquitetura e Construção utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto.

Downloads

Não há dados estatísticos.