Análise de indicadores de desempenho da iluminação artificial em ambientes residenciais

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/parc.v9i1.8650219

Palavras-chave:

Indicadores de desempenho. Iluminação artificial. Normas técnicas.

Resumo

A utilização de indicadores para a avaliação de desempenho dos sistemas artificiais de iluminação no ambiente construído vem sendo discutida em vários países. No entanto, poucas são as ferramentas que permitem conciliar aspectos quantitativos e qualitativos da iluminação com eficiência energética durante a elaboração de projetos de iluminação artificial. Este trabalho compara os indicadores brasileiros com os principais indicadores internacionais, entendidos como valores referenciais que auxiliam o projetista em relação ao desempenho de projetos de iluminação. Para tal, foi realizada uma pesquisa documental nas normas e códigos dos indicadores relacionados ao conforto visual e à eficiência energética da iluminação em ambientes residenciais, bem como uma análise comparativa das semelhanças e diferenças mais significativas dentre os indicadores existentes. Como resultado, observou-se que os indicadores nacionais são genéricos, desconsiderando as especificidades das atividades exercidas em ambientes residenciais. A pesquisa documental demonstrou a carência de indicadores que melhor expressem o desempenho da iluminação artificial em ambientes residenciais. Tal situação tem levado os projetistas a recorrer aos indicadores existentes nos manuais e regulamentos referentes às tipologias não residenciais como parâmetro de desempenho a ser alcançado. A relevância do presente trabalho consiste na identificação de lacunas importantes existentes nas normas e códigos, contribuindo para o aperfeiçoamento das referidas normas nacionais e seus reflexos na atividade projetual da área em estudo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Júlia Silva de Moraes, Instituto Federal da Bahia

Julia de Moraes é professora do Instituto Federal da Bahia, especialista em Projetos Luminotécnicos - Lighting Design, Mestre em Tecnologias Limpas e Doutoranda em Arquitetura, com estágio Sanduíche no Taller de Estudios Lumínicos da Universitat Politècnica de Catalunya, na  linha de pesquisa em Tecnologia da Arquitetura e temática de estudo  em Iluminação e Eficiência energética.

Adrián Muros Alcojor, Universitat Politècnica de Catalunya

Dr. Arquitecto y profesor de la Escuela Técnica Superior de Arquitectura de Barcelona ETSAB desde 1990. Imparte cursos, clases y conferencias de Grado y de Máster en Universidades, empresas, organismos públicos y privados nacionales e internacionales. Es el Director del Taller de Estudios Lumínicos de la UPC Barcelona-Tech donde desarrolla trabajos de investigación en el ámbito de la iluminación artificial y natural, la sostenibilidad y el ahorro energético. Es autor de numerosas patentes, diseños y proyectos de iluminación arquitectónica, urbana i monumental. Ha escrito varios libros sobre iluminación artificial y condicionamiento climático y publicado numerosos artículos en revistas especializadas de iluminación y arquitectura. Ha proyectado y construido, como arquitecto responsable, más de 100 proyectos de arquitectura de usos diversos como viviendas colectivas y unifamiliares, equipamientos, Industria, interiorismo, rehabilitación, urbanismo, diseño de producto y diseño lumínico. Trabajó en el Ayuntamiento de Barcelona en la preparación de los juegos olímpicos realizando proyectos de urbanización, de diseño de mobiliario urbano y de iluminación interior y urbana. Ha obtenido varios premios en Concursos de Arquitectura y ha realizado varias exposiciones de fotografía. Habitualmente colabora como asesor con estudios de arquitectura en el ámbito del diseño lumínico natural y artificial, de las instalaciones y el acondicionamiento ambiental, la eficiencia y el ahorro energético. Es miembro del Comité Español de iluminación y de la Agrupación de Expertos en instalaciones de COAC.

Leonardo Salazar Bittencourt, Universidade Federal de Alagoas

Possui graduação em Arquitetura e Urbanismo pela Universidade Federal de Pernambuco (1977) e doutorado em Environment and Energy Studies - Architectural Association Graduate School (1993). Atualmente é professor da Universidade Federal de Alagoas, atuando nos cursos de mestrado e doutorado em Arquitetura e Urbanismo. Tem experiência em consultoria, projetos e pesquisas na área de Arquitetura e Urbanismo, com ênfase em Sustentabilidade Ambiental, atuando principalmente nos seguintes temas: conforto ambiental, sustentabilidade do espaço construído, arquitetura bioclimática, eficiência energética em edificações e projeto de arquitetura. Publicou livros, capítulos de livros e mais de uma centena de artigos em eventos nacionais e internacionais.

Referências

ABCB - AUSTRALIAN BUILDING CODES BOARD. NCC 2016 Building Code of Australia. Volume One. Australia: ABCB, 2016a.

ABCB - AUSTRALIAN BUILDING CODES BOARD. NCC 2016 Building Code of Australia. Volume Two. Australia: ABCB, 2016b.

ABNT - ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 15575-1. Edificações Habitacionais. Desempenho Parte 1 : Requisitos gerais Prefácio. Rio de janeiro, 2013a. 60p.

ABNT - ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS . NBR ISO/CIE 8995-1. Iluminação de ambientes de trabalho. Rio de janeiro, 2013b. 46 p.

ABNT - ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 5413: Iluminância de interiores. Rio de janeiro, 1992. 13p.

ASHRAE - AMERICAN SOCIETY OF HEATING, REFRIGERATING AND AIR-CONDITIONING ENGINEERS. ASHRAE Standard 90.1. Energy Standard for Buildings Except Low-rise Residential Buildings. Atlanta, 2016.

ASHRAE - AMERICAN SOCIETY OF HEATING, REFRIGERATING AND AIR-CONDITIONING ENGINEERS. ASHRAE Standard 90.2. Design of Low-Rise Residential Buildings. Atlanta, 2007.

BORGSTEIN, E.; LAMBERTS, R. Desenvolvimento de benchmarks nacionais de consumo energético de edificações em operação. São Paulo: CBCS, 2014. Disponível em: http://www.cbcs.org.br/benchmarkingenergia, Acesso em: 5 Janeiro 2016.

CEC - CALIFORNIA ENERGY COMMISSION. California Building Energy Efficiency Standards for Residential and Nonresidential Buildings. California, 2015. Disponível em: http://www.energy.ca.gov/2015publications/CEC-400-2015-037/CEC-400-2015-037-CMF.pdf. Acesso em: 10 Maio 2018.

CEC - CALIFORNIA ENERGY COMMISSION. Residential Lighting. In: 2016 Residential Compliance Manual. California, 2017. Disponível em: http://www.energy.ca.gov/2015publications/CEC-400-2015-032/CEC-400-2015-032-CMF.pdf. Acesso em: 10 Maio 2018.

CEN - EUROPEAN COMMITTEE FOR STANDARDIZATION. EN 12464-1. Light and lighting - Lighting of work places Part 1: Indoor work places. UK, 2011.

CLTC - CALIFORNIA LIGHTING TECHNOLOGY CENTER . RESIDENTIAL LIGHTING: WHAT'S NEW IN THE 2016 TITLE 24, PART 6 CODE? Publications. Guides. 02.08.2016. Disponível em: < https://cltc.ucdavis.edu/publication/2016-title-24-code-changes-residential >. Acesso em: 05 Maio 2016.

CONSELHO BRASILEIRO DE CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL. Benchmarking e etiquetagem energética “em uso” Visão Brasileira. São Paulo: CBCS, 2013. Disponível em: < http://www.cbcs.org.br/benchmarkingenergia>. Acesso em: 10 Maio 2014.

DIAL GMBH. LUMsearch. Easy search for luminaires online. DIAL, Software. Disponível em: <https://www.dial.de/en/lumsearch/>. Acesso em: 01 Julho 2017.

EEA - EUROPEAN ENVIRONMENT AGENCY. EEA core set of indicators. EEA Technical report No 1/2005. Copenhagen: EEA, 2005. Disponível em: < https://www.eea.europa.eu/publications/technical_report_2005_1>. Acesso em: 10 Maio 2014.

ELETROBRAS; UFSC. Manual de aplicação do RTQ-C. 4.1. Versão 3. Brasilia: PROCEL, 2015. Disponivel em: http://www.pbeedifica.com.br/sites/default/files/projetos/etiquetagem/comercial/downloads/manual_rtqc2016.pdf. Acesso em: 10 Agosto 2017.

ELETROBRAS; UFSC. Manual para Aplicação do RTQ-R. 4.2. Brasilia: PROCEL, 2014. Disponível em: http://www.pbeedifica.com.br/sites/default/files/projetos/etiquetagem/residencial/downloads/Manual_de_aplica%C3%A7%C3%A3o_do_%20RTQ-R-v01.pdf. Acesso em 10 Agosto 2017.

FIGUEIRO, M. G.; PLITNICK, B.; REA, M. S. The effects of chronotype, sleep schedule and light/dark pattern exposures on circadian phase. Sleep Medicine, v. 15, n. 12, p. 1554–1564, 2014. doi:https://doi.org/10.1016/j.sleep.2014.07.009

FIGUEIRO, M. G. Why field measurements of circadian light exposure are important. Lighting Research & Technology, v. 45, n. 1, p. 6–6, 2013. doi:http://dx.doi.org/10.1177/1477153512473709.

FUNDAÇÃO VANZOLINI. AQUA - HQE. Referencial de Avaliação da Qualidade Ambiental de Edifícios Residenciais em Construção. São Paulo: F. Vanzolini, 2014.

GBC BRASIL - GREEN BUILDING COUNCIL BRASIL. Referencial GBC Brasil Casa. São Paulo: GBC, 2014.

GRONDZIK, W. T.; KWOK, A. G. O processo de projeto. In: Manual de Arquitetura Ecologica. Porto Alegre: Bookman, 2013.

IES - ILLUMINATING ENGINEERING SOCIETY. The Lighting Handbook - 10th Edition. New York: IES, 2011.

MINISTÉRIO DE FOMENTO. Código Técnico de la Edificación de España. Documento Básico DB-HE. Ahorro de Energía. BOLETÍN OFICIAL DEL ESTADO, p. 67137 – 67209. Madrid, 2013.

SSL - THE SOCIETY OF LIGHT & LIGHTING. Lighting Guide 9: Lighting for Communal Residential Buildings. London: Chartered Institution of Building Services Engineers, 2013. 70p.

SSL - THE SOCIETY OF LIGHT & LIGHTING. The SLL Lighting Handbook. London: Chartered Institution of Building Services Engineers, 2009. 328p.

Downloads

Publicado

2018-03-31

Como Citar

MORAES, J. S. de; MUROS ALCOJOR, A.; BITTENCOURT, L. S. Análise de indicadores de desempenho da iluminação artificial em ambientes residenciais. PARC Pesquisa em Arquitetura e Construção, Campinas, SP, v. 9, n. 1, p. 35–46, 2018. DOI: 10.20396/parc.v9i1.8650219. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/parc/article/view/8650219. Acesso em: 6 dez. 2022.

Edição

Seção

Artigos