Contribuição do componente e da espessura no desempenho acústico de vedações verticais

Autores

  • Fábia Kamilly Gomes de Andrade Centro Universitário UniFavip
  • Alberto Casado Lordsleem Jr. Universidade de Pernambuco
  • Pedro Henrique Rosa Souza Universidade de Pernambuco
  • José Victor Pereira dos Santos Veríssimo Universidade de Pernambuco

DOI:

https://doi.org/10.20396/parc.v9i2.8650354

Palavras-chave:

Desempenho acústico. Isolamento. Vedação vertical. Componente. Espessuras.

Resumo

O desempenho das edificações tem se tornado preocupação crescente das construtoras, tendo em vista as exigências dos usuários e a competitividade do mercado imobiliário; além da norma brasileira de desempenho de edificações habitacionais. Como uma destas exigências, pode-se citar o isolamento sonoro das vedações verticais, que causam desconforto acústico quando deficiente. O presente trabalho tem por objetivo avaliar a conformidade das vedações verticais internas e externas em campo em relação aos critérios estabelecidos pela norma brasileira de desempenho, analisando os resultados obtidos em relação ao tipo de componente e às espessuras total e do revestimento. Para tanto, foram coletados dados em 15 edifícios de múltiplos pavimentos, que utilizaram os seguintes componentes: tijolo cerâmico, bloco cerâmico, bloco de concreto ou bloco de gesso. Constatou-se que apenas 25% dos componentes avaliados estão em conformidade com a norma, no caso das vedações verticais internas. Para as vedações verticais externas, apenas 10% dos componentes avaliados estão em conformidade com o critério de classe de ruído II e nenhum com o critério de classe de ruído III. Verificou-se também que o bloco de concreto apresenta melhor desempenho para vedações internas e externas, devido ao seu comportamento mais constante na faixa de frequências de 100 a 3150 Hz. As espessuras totais e de revestimento que corresponderam ao melhor desempenho acústico, obtido na amostragem, também foram identificadas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Fábia Kamilly Gomes de Andrade, Centro Universitário UniFavip

Possui mestrado acadêmico em engenharia civil com ênfase em construção civil pela Escola Politécnica da Universidade de Pernambuco. Possui graduação em engenharia civil também pela POLI/UPE. Tem experiência em ensino técnico e universitário, bem como cursos ministrados. Participou do Sistema de Concepção e Implantação de Indicadores de Desempenho em Empresas de Construção Civil em Recife-PE, coordenado pelo Sinduscon-PE. Integrou equipe técnica do Programa de Indicadores de Desempenho de Tecnologias Construtivas à Base de Cimento (PROGRIDE), especificamente no serviço de concretagem, projeto este coordenado pela Associação Brasileira de Cimento Portland (ABCP). Tem experiência em obra nos setores de produção e de projetos pela Odebrecht Realizações Imobiliárias negócio Reserva do Paiva

Alberto Casado Lordsleem Jr., Universidade de Pernambuco

Graduação em Engenharia Civil pela UFPE; Mestrado, Doutorado e Pós-Doutorado em Engenharia de Construção Civil e Urbana pela Escola Politécnica da USP; Livre-Docência pela Universidade de Pernambuco. Atualmente é professor associado; coordenador setorial de extensão e cultura; docente permanente do Programa de Pós-Graduação em Engenharia Civil (PEC). Tem experiência na área de Engenharia Civil, com ênfase em Gestão da Construção, Desempenho e Inovação Tecnológica, atuando principalmente nos seguintes temas: construção civil, racionalização construtiva, desempenho, projeto para produção, sistemas de gestão da construção, produtividade e recuperação de patologias.

Pedro Henrique Rosa Souza, Universidade de Pernambuco

Estudante de Engenharia Civil pela Escola Politécnica de Pernambuco (UPE).

José Victor Pereira dos Santos Veríssimo, Universidade de Pernambuco

Engenheiro Civil pela Escola Politécnica da Universidade de Pernambuco e Técnico em Edificações pelo Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Pernambuco. Tem experiência profissional na gestão e controle de qualidade de obras da construção civil.

Referências

ABNT - ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 6120: Cargas para o cálculo de estruturas de edificações. Rio de Janeiro: 1980, 6 p.

ABNT - ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 12127: Gesso para a construção civil – determinação das propriedades físicas do pó. Rio de Janeiro: 2017, 6 p.

ABNT - ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 15575-4: Edificações habitacionais - desempenho. Parte 4: sistemas de vedações verticais internas e externas. Rio de Janeiro: 2013, 57 p.

BASNER, M. et al. Auditory and non-auditory effects of noise on health. The Lancet, v. 383, n. 9925, p.1325-1332, abr. 2014 doi:http://dx.doi.org/10.1016/S0140-6736(13)61613-X.

HONGISTO, V.; MAKILA, M.; SUOKAS, M. Satisfaction with sound insulation in residential dwellings: the effect of wall construction. Building and Environment, v. 85, p. 309-320, 2015. doi:http://dx.doi.org/10.1016/j.buildenv.2014.12.010.

ISO - INTERNATIONAL ORGANIZATION FOR STANDARDIZATION. ISO 140-4: Acoustics - Measurement of sound insulation in buildings and of building elements. Part 4: Field measurements of airborne sound insulation between rooms. Switzerland: ISO, 1998.

ISO - INTERNATIONAL ORGANIZATION FOR STANDARDIZATION. ISO 140-5: Acoustics - Measurement of sound insulation in buildings and of building elements. Part 5: Field measurements of airborne sound insulation of façade elements and façades. Switzerland: ISO, 1998.

ISO - INTERNATIONAL ORGANIZATION FOR STANDARDIZATION. ISO 717-1: Acoustics - Rating of sound insulation in buildings and of building elements. Part 1: Airborne sound insulation. Switzerland: ISO, 2013.

ISO - INTERNATIONAL ORGANIZATION FOR STANDARDIZATION. ISO 16283-1: Acoustics - Field measurement of sound insulation in buildings and of building elements. Switzerland: ISO, 2014.

KERN, A. P. et al. O processo de implantação de normas de desempenho na construção: um comparativo entre Espanha (CTE) e Brasil (NBR 15575/2013). Gestão e Tecnologia de Projetos, São Paulo, v. 9, n. 1, p. 89-101, jan./jun. 2014. doi:http://dx.doi.org/10.11606/gtp.v9i1.89989

MACHIMBARRENA, M. et al. Uncertainty determination of in situ airborne sound insulation measurements. Applied Acoustics, v. 89, p. 199-210, 2015. doi:http://dx.doi.org/10.1016/j.apacoust.2014.09.018

MATOSKI, A.; RIBEIRO, R.C. Evaluation of the acoustic performance of a modular construction system: Case study. Applied Acoustics, v. 106, p. 105-112, 2016. doi:http://dx.doi.org/10.1016/j.apacoust.2016.01.004

SATO, H. et al. Relationship between sound insulation performance of walls and word intelligibility scores. Applied Acoustics, v.73, n. 1, p. 43-49, jan. 2012. doi:http://dx.doi.org/10.1016/j.apacoust.2011.07.003

SILVA JR., O. J.; SILVA, A. J. C.. Panorama do comportamento acústico em edificações do nordeste brasileiro: resultados de estudos de casos. In: SIMPÓSIO DE ARGAMASSAS E SOLUÇÕES TÉRMICAS DE REVESTIMENTO, 1., 2014, Coimbra. Anais... Coimbra: ITeCons, 2014.

SILVA JR., O. J. et al. Desempenho acústico de divisórias verticais em blocos de gesso: uma avaliação a partir de medições de campo e em laboratório. PARC Pesquisa em Arquitetura e Construção, Campinas, v. 5, n. 2, p. 15-21, 2015. doi:https://doi.org/10.20396/parc.v5i2.8634534

SURIANO, M. T. et al. Ferramenta de apoio à decisão para o controle da poluição sonora urbana. Ciênc. Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v.20, n. 7, p. 43-49, jul. 2015. doi:http://dx.doi.org/10.1590/1413-81232015207.10792014

TALIN, L. C. A. et al. Estudo comparativo entre duas residências na cidade de viçosa, MG: verificação de sustentabilidade na acústica arquitetônica. In: ENCONTRO NACIONAL DE TECNOLOGIA DO AMBIENTE CONSTRUÍDO. 14., 2012, Juiz de Fora. Anais... Porto Alegre: ANTAC, 2012.

VAN RENTERGHEM, T.V. et al. Using natural means to reduce surface transport noise during propagation outdoors. Applied Acoustics, v. 92, p. 86-101, maio 2015. doi:http://dx.doi.org/10.1016/j.apacoust.2015.01.004

Downloads

Publicado

2018-06-29

Como Citar

ANDRADE, F. K. G. de; LORDSLEEM JR., A. C.; SOUZA, P. H. R.; VERÍSSIMO, J. V. P. dos S. Contribuição do componente e da espessura no desempenho acústico de vedações verticais. PARC Pesquisa em Arquitetura e Construção, Campinas, SP, v. 9, n. 2, p. 97–108, 2018. DOI: 10.20396/parc.v9i2.8650354. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/parc/article/view/8650354. Acesso em: 5 dez. 2022.

Edição

Seção

Artigos