Banner Portal
Iluminação natural em edifícios de escritórios: avaliação dinâmica de desempenho para São Paulo
PDF

Palavras-chave

Iluminação natural. Edifício de escritórios. Clima subtropical. Avaliação dinâmica.

Como Citar

MARCONDES CAVALERI, Mônica Pereira; CUNHA, Guilherme Reis Muri; GONÇALVES, Joana Carla Soares. Iluminação natural em edifícios de escritórios: avaliação dinâmica de desempenho para São Paulo. PARC Pesquisa em Arquitetura e Construção, Campinas, SP, v. 9, n. 1, p. 19–34, 2018. DOI: 10.20396/parc.v9i1.8650725. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/parc/article/view/8650725. Acesso em: 23 maio. 2024.

Resumo

A revisão dos critérios definidores de conforto visual e o teste de novos métodos de avaliação da iluminação natural de edifícios, com base no clima, vem sendo realizados na última década. Nesse contexto, o principal objetivo deste trabalho é analisar o desempenho da luz natural em um edifício de escritórios de planta profunda representativo da produção recente na cidade de São Paulo, por meio de simulações dinâmicas com base em dados climáticos para a definição da zona passiva de iluminação natural em diferentes orientações, com e sem proteções solares. O edifício foi modelado no programa Rhinoceros-5 e as avaliações de desempenho foram realizadas no plug-in Diva-for-Rhino. Partiu-se de 75% de UDI como critério, com duas faixas de iluminâncias: UDI300-3000 e UDI100-3000, que foram comparadas ao desempenho com base em um valor mínimo de 500 lux. Complementarmente, realizaram-se simulações para dois dias típicos do clima local: inverno e verão, para quantificar níveis de iluminância no espaço ao longo do dia e, assim, adicionar outra medida de qualidade. Os resultados indicaram dificuldade para obter 75% de UDI na área total do escritório; evidenciaram a maior influência do sombreamento externo na periferia da planta; e quantificaram os efeitos de redução de níveis luminosos excessivos nessa porção do ambiente em função do sombreamento. Potenciais zonas passivas foram indicadas para os casos e condições específicos deste estudo, variando de 3,5 a 12,0 metros. Conclui-se que o critério ampliado de 100 lux a 3.000 lux é aplicável, num contexto onde requer-se qualidade arquitetônica e diversidade ambiental.

https://doi.org/10.20396/parc.v9i1.8650725
PDF

Referências

ALUCCI, M. P. Software de Conforto. Climaticus_2011(beta).xlsm. Disponível em: http://www.fau.usp.br/pesquisa/laboratorios/labaut/conforto/index.html. Acesso em: 16.10.2017.

ANDERSEN, M. Unweaving the human response in daylight design. Building and Environment. v. 91, p.101-117, set. 2015. doi:https://doi.org/10.1016/j.buildenv.2015.03.014

ANDRADE, C. M. Avaliação de desempenho em edifícios de escritório: o ambiente de trabalho como meio para o bem-estar produtivo. 2005. Tese (Doutorado) – Faculdade de Arquitetura de Urbanismo, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2005.

ASHRAE - AMERICAN SOCIETY OF HEATING, REFRIGERATING AND AIR CONDITIONING. ASHRAE Handbook - Fundamentals. Atlanta: ASHRAE, 2009

ABNT - ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR ISO/CIE 8995: Iluminação de ambientes de trabalho. Parte 1 – Interior. Rio de Janeiro, 2013.

BAKER, N. We are all outdoor animals. In: ANNUAL CONFERENCE OF PASSIVE AND LOW ENERGY ARCHITECTURE, Cambridge, 2000. Proceedings of PLEA 2000... London: James & James (Science Publishers) Ltd, 2000. p. 553-554.

CARTANA, Rafael Prado; PEREIRA, Fernando Oscar Ruttkay. Elementos de controle solar desenvolvidos com modelagem paramétrica e algoritmos evolutivos. PARC Pesquisa em Arquitetura e Construção, Campinas, SP, v. 7, n. 3, p. 133-144, out. 2016. ISSN 1980-6809. doi:doi:https://doi.org/10.20396/parc.v7i3.8647516.

CBCS - CONSELHO BRASILEIRO DE CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL. Benchmarking de escritórios corporativos e recomendações para certificação DEO no Brasil. Relatório Final. São Paulo, 2015.

DIDONÉ, Evelise Leite; PEREIRA, Fernando Oscar Ruttkay. Simulação computacional integrada para a consideração da luz natural na avaliação do desempenho energético de edificações. Ambient. constr. (Online), Porto Alegre, v. 10, n. 4, p. 139-154, Dec. 2010 . doi:http://dx.doi.org/10.1590/S1678-86212010000400010.

GONÇALVES, J.C.S., BODE, K. (Org.) Edifício Ambiental. São Paulo: Oficina de textos, 2015. 592p.

GONÇALVES, J.C.S.; FERNANDEZ, J.M. The Environmental Design of Working Spaces in Equatorial Highlands Zones: the case of Bogotá. Buildings. Buildings 2015, v. 5, n. 4, p.1105-1130, out. 2015. doi:https://doi.org/10.3390/buildings5041105

IESNA - ILLUMINATING ENGINEERING SOCIETY OF NORTH AMERICA. IES LM-83-12. Approved Method: IES Spatial Daylight Autonomy (sDA) and Annual Sunlight Exposure (ASE). New York, 2012.

KONSTANTZOS, I.; TZEMPELIKOS, A.; CHAN, Y. Experimental and simulation analysis of daylight glare probability in offices with dynamic window shades. Building and Environment. v. 87, p. 244-254, mai. 2015. doi:https://doi.org/10.1016/j.buildenv.2015.02.007

MARCONDES, Mônica Pereira. Soluções projetuais de fachadas para edifícios de escritórios com ventilação natural em São Paulo. 2010. Tese (Doutorado em Tecnologia da Arquitetura) - Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2010. doi:https://doi.org/10.11606/T.16.2010.tde-10112010-102255.

MOON, P.; SPENCER, D. E. Illumination from a non-uniform sky. The Illuminating Engineer, v. 37, p. 707-726, 1942.

MORAES, L. N., PEREIRA, F. O. R. Um método simplificado para avaliação do desempenho dinâmico da iluminação natural. In: ENCONTRO NACIONAL DE CONFORTO NO AMBIENTE CONSTRUÍDO, 11, ENCONTRO LATINO AMERICANO DE CONFORTO NO AMBIENTE CONSTRUÍDO, 7, 2011, Buzios. Anais... Porto Alegre: ANTAC, 2011. p. 1-10.

NABIL, A.; MARDALJEVIC, J. Useful daylight illuminance: a new paradigm for assessing daylight in buildings. Lighting Res. Technol. v. 37, n. 1, p. 41-59, 2005. doi:https://doi.org/10.1191/1365782805li128oa

NABIL, A.; MARDALJEVIC, J. Useful daylight illuminances: a replacement for daylight factors. Energy and Buildings. v. 38, n. 7, p. 905-913, 2006. doi:https://doi.org/10.1016/j.enbuild.2006.03.013

PEREIRA, Daniela Cardoso Laudares. Iluminação natural em edifícios de escritórios: metodologia para avaliação do desempenho luminoso. 2017. Tese (Doutorado em Tecnologia da Arquitetura) - Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2017. Disponível em: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/16/16132/tde-22062017-155747/. Acesso em: 2018-05-10.

PEREIRA, F.O.R.; FONSECA, R.W.; MORAES, L.N.; RENDÓN, L.G.; SOBREIRA, A.S. Iluminação natural: comparação entre percepção visual e medidas dinâmicas de avaliação. In: ENCONTRO NACIONAL TECNOLOGIA NO AMBIENTE CONSTRUÍDO, 14, 2012, Juiz de Fora. Anais... Porto Alegre: ANTAC, 2012.

REINHART, C. F. Effects of interior design on the daylight availability in open plan offices. In: CONFERENCE OF THE AMERICAN COUNCIL FOR AN ENERGY-EFFICIENT ECONOMY SUMMER STUDIES ON ENERGY EFFICIENCY IN BUILDINGS, 2002, Pacific Grove. Proceedings … Pacific Grove: ACEEE, 2002. p.3309-3322. Disponível em: https://www.eceee.org/library/conference_proceedings/ACEEE_buildings/2002/Panel_3/p3_24/. Acesso em: Acesso em: 2018-05-10.

REINHART, C. F.; WALKENHORST, O. Validation of dynamic RADIANCE-based daylight simulations for a test office with external blinds. Energy and Buildings, v. 33, n. 7, p. 683-697, 2001. doi:https://doi.org/10.1016/S0378-7788(01)00058-5

REINHART, C. F.; MARDALJEVIC, J.; ROGERS, Z. Dynamic daylight performance metrics for sustainable building design. LEUKOS, v.3, n. 1, p. 7-31, 2006. doi:https://doi.org/10.1582/LEUKOS.2006.03.01.001

ROCHA, A. A.; PEREIRA, F. O. R. Avaliação do consumo de energia de edificações considerando a luz natural e sistemas de controle através de simulação computacional integrada. In: ENCONTRO NACIONAL DE CONFORTO NO AMBIENTE CONSTRUÍDO, 11, ENCONTRO LATINO AMERICANO DE CONFORTO NO AMBIENTE CONSTRUÍDO, 7, 2011, Buzios. Anais... Porto Alegre: ANTAC, 2011.

ROCHE, L. Summertime performance of an automated lighting and blinds control system. Lighting Research and Technology, v. 34, n. 1, p. 11–25, 2002. doi:https://doi.org/10.1191/1365782802li026oa

SCHULER, M. Building simulation in application: Developing concepts for low energy buildings through a co-operation between architect and engineer. In: INTERNATIONALCONFERENCE ON SOLAR ENERGY BUILDINGS, 1995, Harare. Proceedings… Harare: ISES, 1995.

SHEN, H., TZEMPELIKOS, A. Daylighting and energy analysis of private offices with automated interior roller shades. Solar Energy. v. 86, N. 2, p. 681–704, fev. 2012. doi:https://doi.org/10.1016/j.solener.2011.11.016

SILVA, V. A influência dos protetores solares no comportamento da luz natural em edifícios de escritórios. 115 f., il. Dissertação (Mestrado) - Universidade de Brasília, Brasília, 2011.

UMAKOSHI, Erica Mitie. Avaliação de desempenho ambiental e arquitetura paramétrica generativa para o projeto do edifício alto. 2014. Tese (Doutorado em Tecnologia da Arquitetura) - Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2014. doi:https://doi.org/10.11606/T.16.2014.tde-02072014-114503.

WYMELENBERG, K., INANICI, M. A Critical Investigation of Common Lighting Design Metrics for Predicting Human Visual Comfort in Offices with Daylight. LEUKOS. v. 10, n. 3, p. 145-164, 2014. doi:https://doi.org/10.1080/15502724.2014.881720

A PARC Pesquida em Arquitetura e Construção utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto.

Downloads

Não há dados estatísticos.