Banner Portal
Desempenho termoenergético de coberturas vegetadas em clima subtropical
PDF

Palavras-chave

Cobertura vegetada. Eficiência energética. Desempenho termoenergético.

Como Citar

FERNANDES, Tatiane Ballerini; RUIVO, Roseana Bonotto; CUNHA, Eduardo Grala da; KREBS, Lisandra Fachinello. Desempenho termoenergético de coberturas vegetadas em clima subtropical. PARC Pesquisa em Arquitetura e Construção, Campinas, SP, v. 9, n. 4, p. 262–275, 2018. DOI: 10.20396/parc.v9i4.8650882. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/parc/article/view/8650882. Acesso em: 22 jun. 2024.

Resumo

Este artigo apresenta o desempenho térmico de diferentes coberturas vegetadas aplicadas em um edifício de escritórios na cidade de Pelotas-RS, Zona Bioclimática Brasileira 2, observando, a partir do comportamento dos fechamentos opacos e transparentes, a contribuição das diferentes soluções vegetadas para o plano horizontal. O edifício condicionado artificialmente possui 187,50 m², configurando seis zonas térmicas, e foi simulado no software Energy Plus 8.4.0. Como alternativas às coberturas vegetadas – configuradas em quatro alturas de substrato – foram utilizados outros três modelos de cobertura: fibrocimento com laje de 10 cm em concreto – com e sem isolamento térmico de poliestireno extrudado – e fibrocimento com superfície externa pintada de branco.  O estudo buscou determinar qual dessas coberturas é a mais eficiente energeticamente, através da avaliação dos resultados do consumo de energia e da análise do fluxo térmico no edifício. A cobertura vegetada de maior espessura de substrato (50 cm) apresentou melhor resultado, com consumo energético de 84,3 kWh/m2.ano. Já a cobertura de laje com telha de fibrocimento convencional foi responsável pelo maior dispêndio energético: 103,5 kWh/m2.ano. As coberturas vegetais apresentaram melhor desempenho que as demais em função das elevadas capacidade e resistência térmica e dos aspectos voltados a evapotranspiração e consequentes trocas de calor latente. Este trabalho almeja contribuir no melhor entendimento do desempenho termoenergético das coberturas vegetadas.

https://doi.org/10.20396/parc.v9i4.8650882
PDF

Referências

ASHRAE - AMERICAN SOCIETY OF HEATING, REFRIGERATING AND AIR-CONDITIONING ENGINEERS. ASHRAE Handbook - Fundamentals. Atlanta, 2009.

ABNT - ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 15220-2: Desempenho térmico de edificações - Parte 2: Métodos de cálculo de transmitância térmica, da capacidade térmica, do atraso térmico e do fator solar de elementos e componentes de edificações. Rio de Janeiro, 2005a.

ABNT - ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 15220-3. Desempenho Térmico de Edificações- Parte 3: Zoneamento bioclimático brasileiro e estratégias de condicionamento térmico passivo para habitações de interesse social. Rio de Janeiro, 2005b.

ABNT - ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 16401-1. Instalações de ar-condicionado -Sistemas centrais e unitários Parte 1: Projetos das instalações. Rio de Janeiro: ABNT, 2008a.

ABNT - ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 16401-3. Instalações de ar-condicionado — Sistemas centrais e unitários Parte 3: Qualidade do ar interior. Rio de Janeiro: ABNT, 2008b.

BASTIAANSSEN, W. G. M.; MENENTI, M.; FEDDES, R. A.; HOLTSLAG, A. A. M. A remote sensing surface energy balance algorithm for land (SEBAL) I. Formulation. Journal of Hydrology, v. 212–213, p.198–212. 1998.

BOAFO, F. E.; KIM, J.-T.; KIM, J.-H. Evaluating the impact of green roof evapotranspiration on annual building energy performance. International journal of green energy, v. 14. n. 5. p. 479-489, Jan. 2017. DOI:https://doi.org/10.1080/15435075.2016.1278375

BRASIL, MINISTÉRIO DA SAÚDE. PORTARIA Nº 3.523, DE 28 DE AGOSTO DE 1998. Brasília, 1998.

CIBSE, G. A- Environmental Design. Londres: CIBSE, 2007.

COMA, J. PÉREZ, G., SOLÉ, C., CASTELL, A., CABEZA, L. F. Thermal assessment of extensive green roofs as passive tool for energy savings in buildings. Renewable energy, v. 85, p. 1106–1115. 2016. DOI: http://dx.doi.org/10.1016/j.renene.2015.07.074

DIAS, A. E. O desempenho térmico de uma cobertura verde em simulações computacionais em três cidades brasileiras. 2016. Dissertação (Mestrado em Engenharia) Programa de Pós-Graduação em Engenharia Civil – PPGEC, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2016.

USDOE - US DEPARTMENT OF ENERGY. Engineering Reference. Version 8.5. Berkley. 2016.

DUARTE, D. H. S. O impacto da vegetação no microclima em cidades adensadas e seu papel na adaptação aos fenômenos de aquecimento urbano. Contribuições a uma abordagem interdisciplinar. 2015. Tese (Livre – Docência) – Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Universidade de São Paulo, São Paulo.

EMILSSON, T. Vegetation development on extensive vegetated green roofs: influence of substrate composition, establishment method and species mix. Ecological engineering,. v. 33, n. 3–4, p. 265–277. Jul. 2008. DOI:https://doi.org/10.1016/j.ecoleng.2008.05.005

FENG, H.; HEWAGE, K. Energy saving performance of green vegetation on Leed certified buildings. Energy and buildings, v. 75, p. 281–289. Jun. 2014. DOI:https://doi.org/10.1016/j.enbuild.2013.10.039.

JAFFAL, I.; OULDBOUKHITINE, S.-E.; BELARBI, R. A comprehensive study of the impact of green roofs on building energy performance. Renewable energy. v. 43, p. 157–164. 2012. DOI:https://doi.org/10.1016/j.renene.2011.12.004.

KOTTEK, M.; GRIESER, J.; BECK, C.; RUDOLF, B.; RUBEL, F. World map of the Köppen-Geiger climate classification updated. Meteorologische Zeitschrift. v.15, 259-263. 2006. DOI:http://dx.doi.org/10.1127/0941-2948/2006/0130.

KWOK, A.G.; GRONDZIK, W.T. Manual de Arquitetura Ecológica. 2 ed. Porto Alegre: Bookman, 2013.

LAMBERTS, R.; DUTRA, L.; PEREIRA, F. O. R. Eficiência Energética na Arquitetura. 3º edição. São Paulo: ProLivros, 2014.

LANGSTON, C. Green roof evaluation: a holistic “long life, loose fit, low energy” approach. Construction economics and building. v. 15, n. 4, p. 76–94. 2015. Disponível em: http://www.scopus.com/inward/record.url?eid=2-s2.0-84947939851&partnerID=tZOtx3y1. DOI: https://doi.org/10.5130/AJCEB.v15i4.4617.

LIZ, Débora Gracielle Stiegemeier de. Análise experimental do comportamento térmico do telhado verde extensivo para Florianópolis. Dissertação (Mestrado em Arquitetura). Programa de Pós-Graduação em Arquitetura e Urbanismo, Universidade Federal de Santa Catarina -UFSC. Florianópolis, 2016.

EMPRESA DE PESQUISA ENERGÉTICA. Balanço Energético Nacional - Relatório Síntese, ano base 2016. Rio de Janeiro, junho de 2017, pg. 30.

PEREIRA, A. R.; ANGELOCCI, L. R.; SENTELHAS, P. C. Agrometeorologia: Fundamentos e Aplicações Práticas. Guaíba: Livraria e Editora Agropecuária Ltda, 2002.

RORIZ, M. Arquivos Climáticos de Municípios Brasileiros. In: Associação Nacional de Tecnologia do Ambiente Construído. Grupo de Trabalho sobre Conforto e Eficiência Energética de Edificações. São Carlos, SP, 2012.

SAILOR, D. J. A green roof model for building energy simulation programs. Energy and buildings, v. 40, n. 8, p. 1466–1478. Jan. 2008. DOI:https://doi.org/10.1016/j.enbuild.2008.02.001.

SCHARF, B.; ZLUWA, I. Case study investigation of the building physical properties of seven different green roof systems. Energy and buildings. v. 151, p. 564–573. Sep. 2017. DOI:https://doi.org/10.1016/j.enbuild.2017.06.050

A PARC Pesquida em Arquitetura e Construção utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto.

Downloads

Não há dados estatísticos.