Banner Portal
A interação de usuários em espaços livres: simulações com agentes autônomos
PDF

Palavras-chave

Simulação. Dinâmica de usuários. Agentes de jogos. Espaços livres.

Como Citar

VAZ, C. E. V.; SCHNEIDER, J. P.; SILVA, M. V. da; RODRIGUES, R. N. B.; STOFELLA, A. A interação de usuários em espaços livres: simulações com agentes autônomos. PARC Pesquisa em Arquitetura e Construção, Campinas, SP, v. 10, p. e019001, 2019. DOI: 10.20396/parc.v10i0.8651586. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/parc/article/view/8651586. Acesso em: 5 jun. 2023.

Resumo

O objetivo deste trabalho é apresentar os resultados de uma pesquisa que busca desenvolver simulações para auxiliar arquitetos e urbanistas a planejar intervenções em espaços livres. Este documento contém os métodos utilizados para coletar dados de dinâmica do usuário em espaços abertos e fechados, os padrões observados durante o processo de coleta de dados e um protótipo de uma simulação implementada usando uma biblioteca de agentes autônomos no ambiente de desenvolvimento Processing. Durante a pesquisa são estudadas as dinâmicas humanas em átrios de edifícios de sala de aula e nos espaços livres próximos ao Restaurante Universitário da Universidade Federal de Santa Catarina.   As simulações, inicialmente desenvolvidas em duas dimensões, possibilitam modificar a dinâmica dos agentes pela inserção de novos objetos em um cenário inicial e pela alteração de parâmetros ambientais, tais como, temperatura umidade, ou situações de céu coberto ou encoberto. A simulação apresentada neste trabalho foca na formação de diferentes grupos de pessoas, o fluxo espacial do usuário e o comportamento em relação a outros objetos presentes em um espaço livre, tais como árvores e bancos.  Os resultados desta pesquisa nos ajudarão a desenvolver ferramentas para prever como os padrões de comportamento humano em espaços livres e ajudar estudantes a desenvolver uma compreensão de como pequenas intervenções podem mudar a dinâmica de um lugar.

https://doi.org/10.20396/parc.v10i0.8651586
PDF

Referências

BRAUN, A.; MUSSE, S. R.; OLIVEIRA, L. P. L. BODMANN, BARDO E. J. Modeling individual behaviors in crowd simulation. In: INTERNATIONAL CONFERENCE ON COMPUTER ANIMATION AND SOCIAL AGENTS, 16, 2003, New Brunswick. Proceedings […], New Brunswick: IEEE, 2003, p.143. DOI:https://doi.org/10.1109/CASA.2003.1199317

BUCKLAND, M. AI game programming by example. Tex.: Wordware, 2004.

GEHL, J. Life Between buildings: using public spaces. Washington: Island press, 2006.

GEHL, J.; SVARRE, B. How to study public space. Washington: Island Press, 2013.

GIBSON, J. The ecological approach to visual perception. Londres: Routledge. 1986.

GOFFMAN, E. Relations in Public: Microstudies of the Public Order. Nova York: Basic Books, 1971.

FRIEDENBERG, J.; SILVERMAN, G. Cognitive science: an introduction to the study of mind. California.: Sage Publications, 2006.

GRAHNA, P.; STIGSDOTTER, U. K. The relation between perceived sensory dimensions of urban green space and stress restoration. Landscape and Urban Planning, v. 94, Issues 3-4, p. 264-275, 2010. DOI:https://doi.org/10.1016/j.landurbplan.2009.10.012

KAPLAN, R.; KAPLAN, S. The experience of nature: a psychological perspective. New York: Cambridge University Press, 1989.

KENDON, A. Conducting interaction: patterns of behavior in Focused Encounters. Nova York: Cambridge University Press, 1990.

LAMBERTS, R.; HENSENAND, J. L. M. Building performance simulation for design and operation. New York: Spon Press, 2011.

LAWSON, B. Language of Space. Oxford: Architectural, 2001.

MARSHALL, P; ROGERS, Y; PANTIDI, N. Using F-formations to analyse spatial patterns of interaction in physical environments. In: THE 2011 ACM CONFERENCE ON COMPUTER SUPPORTED COOPERATIVE WORK, 14., 2011, Hangzhou, China. Proceedings [...]. Nova York: CSCW 11 Conference Committee, 2011, p. 445-454. DOI:https://doi.org/10.1145/1958824.1958893

MITCHELL, W. J. The logic of architecture. Cambridge, Mass.: MIT Press,1990.

SIMEONE, D.; KALAY, Y. E. An Event-Based Model to simulate human behaviour in built environments. In: ANNUAL CONFERENCE OF EDUCATION AND RESEARCH IN COMPUTER AIDED ARCHITECTURAL DESIGN IN EUROPE, 30., 2012, Praga. Proceedings […]. Praga: ECAADE, 2012, v.1, p. 525-532.

STINY, G. Shape: talking about seeing and doing. Cambridge, Massachusetts: MIT Press, 2006.

STINY, G.; GIPS, J. Shape grammars and the generative specification of paintings and sculpture. In C. V. Freiman, ed. Information processing 71, Amsterdam, 1972.

STINY, G. Pictorial and Formal Aspects of Shapes and Shape Grammars. Suiça: Birkhauser, 1975.

SHIFFMAN, D. The nature of code. California: Creative Commons, 2012.

VEITCH, R.; ARKKELIN, D. Environmental psychology: an interdisciplinary perspective. New Jersey: PrenticeHall, 1995.

WHYTE, W. H. The Social Life of Small Urban Spaces. Nova York: Project for Public Spaces,1971.

A PARC Pesquida em Arquitetura e Construção utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto.

Downloads

Não há dados estatísticos.