Banner Portal
Eficiência energética da envoltória de edifícios históricos
PDF

Palavras-chave

Eficiência energética
Edificações históricas
RTQ-C
INI-C

Como Citar

SIRTULI, Bruna Perovano; DIAS, Rosany Hellen Matos de Paiva; RODRIGUES, Edna Aparecida Nico. Eficiência energética da envoltória de edifícios históricos: métodos RTQ-C e INI-C. PARC Pesquisa em Arquitetura e Construção, Campinas, SP, v. 13, n. 00, p. e022007, 2022. DOI: 10.20396/parc.v13i00.8660644. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/parc/article/view/8660644. Acesso em: 29 maio. 2024.

Resumo

A eficiência energética tem se tornado cada vez mais um assunto discutido na sociedade e na comunidade científica. No entanto, os estudos que relacionam esse tema às edificações históricas ainda são poucos, se comparados aos edifícios contemporâneos. Contudo, o potencial de redução no consumo de energia para prédios históricos é considerável, e pode auxiliar nas metas de eficiência energética globais. Essa pesquisa teve como objetivo identificar as principais deficiências do RTQ-C (2010) e as modificações do texto proposto INI-C (2018) referentes à etiquetagem da envoltória de edifício, e avaliar o nível de eficiência de um edifício histórico pelo método prescritivo do RTQ-C e pelo de simulação proposto na INI-C. Para tanto, a metodologia foi realizada em cinco etapas: Levantamento de dados técnicos; Etiquetagem da envoltória pelo RTQ-C; Modelagem e simulação; Calibração; Etiquetagem da envoltória pela INI-C. Os resultados demonstraram que o método prescritivo do RTQ-C possui limitações, pois não possibilita a caracterização de dados fundamentais da edificação, como a orientação solar. Já o método de simulação da INI-C apresentou melhorias em relação ao anterior, como a retirada de pré-requisitos existentes no RTQ-C que geravam uma tendência na etiquetagem. No entanto, não se demonstrou ideal para a avaliação de edificações históricas pois os métodos construtivos propostos para o modelo de referência, o qual baseia a avaliação, estão distantes da realidade dos edifícios históricos.

https://doi.org/10.20396/parc.v13i00.8660644
PDF

Referências

ABNT - ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 15220: 1-5 Desempenho térmico de edificações. Rio de Janeiro, 2005.

ASHRAE - AMERICAN SOCIETY OF HEATING, VENTILATING, AND AIR CONDITIONING ENGINEERS. Guideline 14-2014, Measurement of Energy and Demand Savings; Technical Report; American Society of Heating, Ventilating, and Air Conditioning Engineers. Atlanta, USA: 2014.

BHATIA, A.; MATHUR, J.; GARG, V. Calibrated simulation for estimating energy savings by the use of cool roof in five Indian climatic zones. Journal Renewable Sustainable Energy, v. 3, 023108, 2011. DOI: https://doi.org/10.1063/1.3582768

BRASIL. Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior. Aprova o aperfeiçoamento dos Requisitos de Avaliação da Conformidade para a Eficiência Energética de Edificações. Portaria nº 50, de 01 de fevereiro de 2013. Disponível em: http://www.inmetro.gov.br/legislacao/rtac/pdf/RTAC001961.pdf. Acesso em: 10 jul. 2019.

CARLO, J. C.; LAMBERTS, R. RobertoParâmetros e métodos adotados no regulamento de etiquetagem da eficiência energética de edifícios: parte 2: método de simulação. Ambiente Construído [online]. 2010, v. 10, n. 2, p. 27-40. DOI: https://doi.org/10.1590/S1678-86212010000200002.

ESPÍRITO SANTO. Instituto de Obras Públicas do Espírito Santo - IOPES. Escola Maria Ortiz, arquivo .dwg, 2019.

ESPÍRITO SANTO. Secretaria de Educação e Cultura – SEDU. 100 anos de Escola Maria Ortiz, 1992.

ESPÍRITO SANTO. Secretaria de Estado e Cultura – SECULT. Arquitetura: Patrimônio Cultural do Espírito Santo, 2009. Disponível em: https://secult.es.gov.br/Media/secult/EDITAIS/102-Documento-1436796643-100-Documento-1436454022-56-Documento-1427918086-atlas-patrimonio%20(1).pdf. Acesso em: 25 jun. 2018.

FONSECA, R. W.; BRUCH, J.; RUPP, R. F.; BECK, E. O.; IMPROTA, M. L.; ELI, L. G.; SCALCO, V. A.; LAMBERTS, R. Avaliação do desempenho termoenergético de modelos de referência de escritórios elaborados com base em levantamento de características construtivas nacionais. In: ENCONTRO NACIONAL DE TECNOLOGIA DO AMBIENTE CONSTRUÍDO, 16., 2016, São Paulo. Anais [...]. São Paulo: ANTAC, 2016.

FOSSATI, M.; LAMBERTS, R. Eficiência energética da envoltória de edifícios de escritórios de Florianópolis: discussões sobre a aplicação do método prescritivo do RTQ-C. Ambiente Construído [online]. v. 10, n. 2, p. 59-69, 2020. DOI: https://doi.org/10.1590/S1678-86212010000200004.

GALAFASSI, M.; PEREIRA, F. O. R. Energy Efficiency Regulations and the Process of Architecture Design of Buildings: A Case Study. In: INTERNATIONAL CONFERENCE ON PASSIVE AND LOW ENERGY ARCHITECTURE, 29., 2013, Munique. Proceedings […]. Munique: PLEA, 2013.

GOOGLE MAPS. GOOGLE. Escola Maria Ortiz Vitória – ES, 2019. Disponível em: https://www.google.com/maps/search/escola+maria+ortiz+vitoria+es/@-20.3212557,-40.3402358,134m/data=!3m1!1e3. Acesso em: 24 jun. 2019.

INMETRO - INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA. Tabela de edificações comerciais, de serviços e públicas, 2019. Disponível em: http://www.inmetro.gov.br/consumidor/pbe/tabelas-comerciais.pdf. Acesso em: 19 jan. 2020.

INMETRO - INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA. Portaria nº 248, de 10 de julho de 2018. Disponível em: http://www.inmetro.gov.br/legislacao/rtac/pdf/RTAC002520.pdf. Acesso em: 12 set. 2019.

INMETRO - INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA. Regulamento Técnico da Qualidade para o Nível de Eficiência Energética de Edificações Comerciais, de Serviços e Públicas, 2013. Disponível em: http://www.pbeedifica.com.br/sites/default/files/projetos/etiquetagem/comercial/downloads/Port372-2010_RTQ_Def_Edificacoes-C_rev01.pdf. Acesso em: 04 mai. 2018.

INMETRO - INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA –. Manual de Aplicação dos Requisitos Técnicos da Qualidade – RTQ-C. Eletrobrás, 2016.

IPMVP COMMITTEE - INTERNATIONAL PERFORMANCE MEASUREMENT AND VERIFICATION PROTOCOL COMMITTEE. Measurement and Verification Protocol: concepts and options for determining energy and. International Performance water savings. v.1, Washington: Efficiency Evaluation Organization (EVO), 2012. Disponível em: https://www.nrel.gov/docs/fy02osti/31505.pdf. Acesso em: 17 dez. 2021.

LABEEE - LABORATÓRIO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM EDIFICAÇÕES. WebPrescritivo. Disponível em: http://www.labeee.ufsc.br/sites/default/files/webprescritivo/index.html. Acesso em: 25 out. 2019.

LABEEE - LABORATÓRIO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM EDIFICAÇÕES. Métodos de etiquetagem. Disponível em: http://labeee.ufsc.br/projetos/s3e/metodos-de-etiquetagem#:~:text=Contato-,M%C3%A9todos%20de%20etiquetagem,ilumina%C3%A7%C3%A3o%20e%20condicionamento%20de%20ar. Acesso em: 20 jul. 2020.

LAMBERTS, R.; DUTRA, L.; PEREIRA, F. O. R. Eficiência Energética em Arquitetura. 4., Rio de Janeiro: ELETOBRAS, 2014. Disponível em: http://www.labeee.ufsc.br/publicacoes/livros. Acesso em: 11 out. 2019.

PBE EDIFICA. PBE – Programa Brasileiro de Etiquetagem. Disponível em: http://www.pbeedifica.com.br/sobre. Acesso em: 09 out. 2017.

RUIZ, G. R.; BANDERA, C. F. Validation of Calibrated Energy Models: Common Errors. Energies, v. 10, n. 10, 1587, 2017. DOI: https://doi.org/10.3390/en10101587.

SALEH, P. H. Thermal performance of glazed balconies within heavy weight/thermal mass buildings in Beirut, Lebanon’s hot climate. Energy and Buildings, v. 108, p. 291-303, 2015. DOI: https://doi.org/10.1016/j.enbuild.2015.09.009

TULSYAN, A.; DHAKA, S.; MATHUR, J.; YADAV, J. V. Potential of energy savings through implementation of Energy Conservation Building Code in Jaipur city, India. Energy and Buildings, v. 58, p. 123-130, 2013. DOI: https://doi.org/10.1016/J.ENBUILD.2012.11.015

VIEIRA, J. C.; EVANGELISTA, M. A.; LIMA, F. R. S.; OLIVEIRA, R. D. Estudo de classificação da eficiência energética do prédio 20 do CEFET-MG. In: ENCONTRO NACIONAL DE CONFORTO NO AMBIENTE CONSTRUÍDO. 15.; ENCONTRO LATINO-AMERICANO DE CONFORTO NO AMBIENTE CONSTRUÍDO, 11, 2019, João Pessoa. Anais […]. João Pessoa: ENCAC-ELAC, 2019.

WEBSTER, L.; BRADFORD, J.; SARTOR, D.; SHONDER, J.; ATKIN, E.; DUNNIVANT, S.; FRANK, D.; FRANCONI, E.; JUMP, D.; SCHILLER, S. et al. M&V Guidelines: Measurement and Verification for Performance-Based Contracts, Version 4.0, Washington: U.S. Department of Energy Federal Energy Management Program, 2015.

Creative Commons License
Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution 4.0 International License.

Copyright (c) 2022 PARC Pesquisa em Arquitetura e Construção

Downloads

Não há dados estatísticos.