Acessibilidade espacial de deficientes físicos, visuais e idosos em parque público

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/parc.v12i00.8660648

Palavras-chave:

Parques públicos, Pessoas com mobilidade reduzida, Pessoas com deficiência, Idosos, Acessibilidade

Resumo

As circunstâncias em que se inserem pessoas com deficiência e mobilidade reduzida, além da perspectiva médica e individual, incluem uma perspectiva estrutural e social, em que o ambiente tem um enorme impacto sobre a experiência e a extensão das suas dificuldades de mobilidade. Dentre as restrições enfrentadas, está o seu lazer, visto que é frequente, nas cidades brasileiras, encontrar espaços livres públicos de lazer que possuem falta de acessibilidade. Este artigo tem por objetivo apresentar uma avaliação de acessibilidade espacial, com foco em deficientes físicos, visuais e idosos, realizada no Parque João Goulart, em Santa Rosa, RS, por meio de vistoria técnica. O método baseou-se nas recomendações da NBR9050 e em componentes da acessibilidade espacial (deslocamento, orientação, uso e comunicação). Os resultados apontam que os espaços do parque não são totalmente acessíveis ao grupo estudado, apresentando problemas em relação a todos os componentes da acessibilidade espacial, a despeito do projeto ter buscado atender o PCD. O público menos atendido são os deficientes visuais e os mais atendidos, os idosos. Os resultados dessa pesquisa confirmam a contribuição das vistorias técnicas para melhor compreender e solucionar problemas relacionados à acessibilidade espacial e a importância de abordá-la a partir da compreensão das necessidades específicas de cada indivíduo em condição de mobilidade reduzida ou deficiência.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Pâmela Klein, Universidade Federal de Santa Maria

Graduada em Arquitetura e Urbanismo pela Universidade Federal de Santa Maria. Mestre em Engenharia Civil pela Universidade Federal de Santa Maria.

Giane de Campos Grigoletti, Universidade Federal de Santa Maria

Doutorado em Engenharia Civil pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Professora Associada na Universidade Federal de Santa Maria, Centro de Tecnologia, Departamento de Arquitetura e Urbanismo.

Referências

ABNT - ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 5101: Iluminação pública – procedimento. Rio de Janeiro, 2012.

ABNT - ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 9050: Acessibilidade a edificações, mobiliário, espaços e equipamentos urbanos. Rio de Janeiro, 2020.

AGUIAR, F. O. de. Acessibilidade Relativa dos Espaços Urbanos para Pedestres com Restrição de Mobilidade. 2010. 170 p. Tese (Doutorado Engenharia de Transportes) – Universidade de São Paulo, São Carlos, SP, 2010.

ARANHA, M. S. F. Inclusão Social e Municipalização. In: MANZINI, E. J. Educação Especial: temas atuais. Marília: Unesp: Marília-Publicações, 2000.

ARAÚJO, C. D. de; CÂNDIDO, D. R. C.; LEITE, M. F. Espaços Públicos de Lazer: Um Olhar Sobre a Acessibilidade para Portadores de Necessidades Especiais. Licere, Belo Horizonte, v.12, n.4, dez. 2009. DOI: https://doi.org/10.35699/1981-3171.2009.835

BARIS, E. M.; USLU, A. Accessibility for the disabled people to the built environment in Ankara, Turkey. African Journal of Agricultural Research, v.4, n.9, p.801-814, Sept. 2009.

BITTENCOURT, M. C. Estudos de percursos acessíveis aos portadores de necessidades especiais em espaços abertos na cidade de Maringá. 2002. 246 p. Dissertação (Mestrado em Engenharia de Produção) – Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2002.

BRANDÃO, Milena de Mesquita. Acessibilidade espacial para pessoas com deficiência visual: discussão e contribuições para a NBR 9050/2004. 2011. 198 p. Dissertação (Mestrado em Arquitetura e Urbanismo) – Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2011.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil: promulgada em 5 de outubro de 1988. Câmara dos Deputados.

BRASIL. Presidência da República. Lei nº 13.146, de 6 de julho de 2015. Institui a Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência (Estatuto da Pessoa com Deficiência). Brasília, 2015.

BRASIL. Presidência da República. Lei n. 10.741, de 1º de outubro de 2003. Dispõe sobre o Estatuto do Idoso e dá outras providências. Brasília, 2003.

BUFFEL, T.; PHILLIPSON, C.; SCHARF, T. Ageing in urban environments: developing ‘age-friendly’ cities. Critical Social Policy, v. 32, n. 4, p.597-617, 2012. DOI: https://doi.org/10.1177/0261018311430457

BUSHATSKY, A.; ALVES, L. C.; DUARTE, Y. A. O.; LEBRÃO, M. L. Fatores associados à alterações de equilíbrio em idosos resientes no município de São Paulo em 2006: evidências do Estudo Saúde Bem-Estar e Envelhecimento (SABE). Rev. Bras. Epidemiol., v. 21, suppl.2, e180016. Epub 04-Fev-2019. ISSN 1980-5497. DOI: https://doi.org/10.1590/1980-549720180016.supl.2

CASSAPIAN, M. R.; RECHIA, S. Lazer para todos? Análise de acessibilidade de alguns parques de Curitiba, PR. Cadernos Brasileiros de Terapia Ocupacional, São Carlos, v. 22, n. 1, 2014, p. 25-38. DOI: https://doi.org/10.4322/cto.2014.004

DISCHINGER, M.; BINS ELY, v.H.M.; PIARDI, S.M.D. Promovendo acessibilidade espacial nos edifícios públicos: programa de acessibilidade às pessoas com deficiência ou mobilidade reduzida nas edificações de uso público. Florianópolis: MPSC, 2012.

DORNELES, V. G. Acessibilidade para idosos em áreas livres públicas de lazer. 2006. 213 p. Dissertação (Mestrado em Arquitetura e Urbanismo) – Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2006.

DORNELES, V.G.; BINS ELY, v. H. M. Acessibilidade espacial em espaços abertos. In: VIEIRA, M. S. (org.). O futuro da cidade: Florianópolis. Palhoça: Ed. Unisul, 2013, p.83-108.

FANTINI, F. Acessibilidade espacial para idosos em zonas turísticas balneares costeiras: estudo de caso em Balneário Camburiu/SC. 2014. 388 p. Dissertação (Mestrado em Arquitetura e Urbanismo) – Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2014.

FROYEN, H. Designing in the dark: an experimental design workshop. In: Devlieger, P.; Renders, F.; Froyen, H.; Wildiers, K. (Ed.). Blindness and the multi-sensorial city. Antwerp: Garant, 2006. p. 329-338 apud BRANDÃO, Milena de Mesquita. Acessibilidade espacial para pessoas com deficiência visual: discussão e contribuições para a NBR 9050/2004. 2011. 198 p. Dissertação (Mestrado em Arquitetura e Urbanismo) – Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2011.

GIL, M. Deficiência visual. Brasília: MEC. Secretaria de Educação a Distância, 2001.

GÜNGÖR, S. A research on accessibility of urban parks by disabled person: the case study of Birlik Park, Konya – Turkey. In: EFE, R.; CÜREBAL, I.; GAD, A.; TÓTH, B. (Editors). Environmental Sustainability and Landscape Management. Sofia, Turkey: St Kliment Ohridski University Press, 2016.

IBGE - INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Censo Demográfico 2010: características gerais da população, religião e pessoas com deficiência. Rio de Janeiro, 2020.

IBGE - INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Síntese de Indicadores Sociais: uma análise das condições de vida da população brasileira. 2016.

ITDP - INSTITUTO DE POLÍTICAS DE TRANSPORTE & DESENVOLVIMENTO. Índice de caminhabilidade: ferramenta. Rio de Janeiro: ITDP, 2016.

KLEIN, Pâmela; GRIGOLETTI, Giane de Campos. Avaliação da acessibilidade espacial para idosos em parque público. In: SIMPÓSIO IAPS 2019: ENVELHECIMENTO POPULACIONAL EM UM MUNDO DE DESIGUALDADES: COMO PROJETAR CIDADES SAUDÁVEIS PARA TODOS, 2019, Pelotas. Anais [...]. Pelotas: IAPS, 2019, p. 414-421. Disponível em: https://iaps-association.org/wp-content/uploads/2020/11/IAPS-2019-Symposium-Book-of-Abstracts-1.pdf. Acesso em: 9 jul. 2021.

MAGAGNIN, R. C.; FONTES, M. S. G. de C.; SALCEDO, R. F. B. Spatial quality evaluation of pedestrian streets. Journal of Civil Engineering and Architecture, v. 8, n.12, p.1567-1574, 2014.

MAGAGNIN, R. C.; MENEZES, P. A. Acessibilidade espacial no Centro Histórico de Santos (Brasil). In: Congreso Euro-Americano REHABEND 2016, Burgos. Anais [...]. Burgos, Espanha: Universidad de Cantabria, Universidad de Burgos, 2016, p.1-9.

MAGAGNIN, R. C.; MOLLES, B. R. Acessibilidade espacial no Centro Histórico de Poços de Caldas (Brazil). In: Congreso Euro-Americano REHABEND 2016, Burgos. Anais [...]. Burgos, Espanha: Universidad de Cantabria, Universidad de Burgos, 2016, p.1-8.

MAGNOLI, M. M. Espaço Livre – Objeto do Trabalho. Paisagem e Ambiente: ensaios, São Paulo, n. 21, p. 175 – 198, 2006. DOI: https://doi.org/10.11606/issn.2359-5361.v0i21p175-197

MANTA, S. W.; PALMA, L. E. O parque público como espaço para a prática de atividades esportivas: a percepção das pessoas com deficiência física. 2011. 19p. Monografia (Especialização em Atividade Física, Desenvolvimento Motor e Saúde) – Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, 2011.

MEDEIROS, H. L. v.; MATIAS, E. B. S. S. E.; COSTA, A. D. L. Resgatando a habitabilidade local: inserção de rota acessível no Centro Histórico de João Pessoa – PB. In: ENCONTRO NACIONAL DE ERGONOMIA DO AMBIENTE CONSTRUÍDO. 6; SEMINÁRIO BRASILEIRO DE ACESSIBILIDADE INTEGRAL, 7., 2016, Recife. Anais [...]. São Paulo: BLUCHER, 2016. DOI: https://doi.org/10.5151/despro-eneac2016-ACE03-4

MESHUR, H. F. A. Accessibility for people with disabilities in urban spaces: a case study of Ankara, Turkey. International Journal of Architectural Research, v.7, Issue 2, p.43-60, July 2013. DOI: http://doi.org/10.26687/ARCHNET-IJAR.V7I2.154

MONTENEGRO, n. G.S.D.; SANTIAGO, Z., M.P.; SOUSA, v. C. DE. Guia de Acessibilidade: espaço público e edificações. Fortaleza: SEINFRA, 2009.

OMS - ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE. Envelhecimento ativo: uma política de saúde. Brasília: Organização Pan-Americana da Saúde, 2005.

OMS - ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE. Relatório mundial sobre a deficiência. São Paulo: Secretaria dos Direitos da Pessoa com Deficiência, 2012.

PEREIRA, M. M. D. C. E. Praças públicas sustentáveis: caso de renovação de praças. 2008. Dissertação (Mestrado em Arquitetura) – Universidade Técnica de Lisboa, Lisboa, 2008.

RIMMER, J. H. The conspicuous absence of people with disabilities in public fitness and recreation facilities: lack of interest or lack of access? American Journal of Health Promotion, v. 19, n. 5, May/June 2005, p.327-329. DOI: https://doi.org/10.4278/0890-1171-19.5.327

SANTA ROSA. Prefeitura Municipal. A cidade. Turismo. Sítio eletrônico da PMSR. Santa Rosa: 2004. Disponível em: http://turismo.santarosa.rs.gov.br/?cat=7. Acesso em: 25 out. 2018.

SILVA, J.v.P.; TOSTA, Q. P.; OTTO, H.R.; LINS, A.C.S.; SAMPAIO, T.M.v. Acessibilidade às pessoas com deficiência física e visual no Parque Esportivo Itanhangá. Motricidade, v.8, n. S2, p. 249-258, 2012.

SIU, K. W. M. Accessible park environments and facilities for the visually impaired. Facilities, v. 31, n.13/14, 2013, p. 590-609. DOI: https://doi.org/10.1108/f-10-2011-0079

SOUZA, A. C. de. (Coord.). Brasil 2050: desafios de uma população que envelhece. Brasília: Edições Câmara, 2017.

TAGLIARI, C.; TRÊS, F.; OLIVEIRA, S. G. de. Análise da acessibilidade dos portadores de deficiência física nas escolas da rede pública de Passo Fundo e o papel do fisioterapeuta no ambiente escolar. Revista Neurociências, v. 14, n.1, 2006, p.10-14. DOI: https://doi.org/10.34024/rnc.2006.v14.8781

TERROSO, M.; ROSA, N.; MARQUES, A. T.; SIMOES, R. Physical consequences of falls in the elderly: a literature review from 1995 to 2010. Eur. Rv. Aging Phys. Act. v.11, p.51-59, 2014. DOI: https://doi.org/10.1007/s11556-013-0134-8

VASCONCELLOS, B. C. de. A construção de um método para avaliação do ambiente construído. 2011. 221 f. Tese (Doutorado em Engenharia Civil) - Universidade Federal Fluminense, Niterói, 2011.

WHO - WORLD HEALTH ORGANIZATION. Ageing and health. 2021. Sítio eletrônico da WHO. Disponível em: https://www.who.int/news-room/fact-sheets/detail/ageing-and-health. Acesso em: 22 abr. 2021.

WHO - WORLD HEALTH ORGANIZATION. International Statistical Classification of Diseases and Related Health Problems (ICD-10). 2016a. Sítio eletrônico da WHO. Disponível em: https://icd.who.int/browse10/2016/en#/H53-H54. Acesso em 04 jun. 2020.

WHO - WORLD HEALTH ORGANIZATION. Urban green spaces and health: a review of evidence. Copenhagen, Denmark: WHO Regional Office for Europe, 2016b. Sítio eletrônico da WHO. Disponível em: http://www.euro.who.int/en/health-topics/environment-and-health/urban-health/publications/2016/urban-green-spaces-and-health-a-review-of-evidence-2016. Acesso em: 11 mai. 2020.

YOSHIDA, D. M.; ALONGE, F. A.; MAGAGNIN, R. C.. Qualidade da acessibilidade espacial do pedestre em um eixo comercial. In: Congresso Luso Brasileiro para o Planejamento Urbano, Regional, Integrado e Sustentável, 7., 2016, Maceió. Anais [...]. Maceió: Viva Editora, 2016, p.1-12.

Downloads

Publicado

2021-07-14

Como Citar

KLEIN, P.; GRIGOLETTI, G. de C. Acessibilidade espacial de deficientes físicos, visuais e idosos em parque público. PARC Pesquisa em Arquitetura e Construção, Campinas, SP, v. 12, n. 00, p. e021016, 2021. DOI: 10.20396/parc.v12i00.8660648. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/parc/article/view/8660648. Acesso em: 25 set. 2021.

Edição

Seção

Comunicações