A estimativa anual da luz natural em unidades habitacionais

o caso do conjunto habitacional Jardim Ipês do Programa MCMV

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/parc.v12i00.8661759

Palavras-chave:

Iluninação natural, Opinião dos usuários, Simulação, APOLUX

Resumo

O Programa Minha Casa Minha Vida (MCMV) impulsionou a construção de edificações habitacionais de interesse social no Brasil. Um dos quesitos para avaliar a qualidade dessas edificações é a iluminação natural. Ela interfere no conforto e na saúde dos usuários, além de contribuir para a eficiência energética das edificações. Esta pesquisa objetivou avaliar a estimativa anual da luz natural em unidades habitacionais (UH) do Conjunto Habitacional Jardim Ipês que se enquadra no Programa MCMV. O método baseia-se na Avaliação Pós-Ocupação com foco na opinião dos usuários a respeito das condições de iluminação natural em suas moradias, bem como no RTQ-R, NBR 15575 e em métricas dinâmicas para a estimativa anual de luz natural, por meio de simulações computacionais com o programa APOLUX. Verificou-se que a maioria dos respondentes classificou a iluminação natural como clara e que são desempenhadas atividades nas UH que exigem índices mais altos de iluminância do que o mínimo preconizado pelo RTQ-R e NBR 15575 (60 lux). As simulações mostraram que as UH atendem aos parâmetros indicados no método de simulação do RTQ-R e as iluminâncias mínimas presentes da NBR 15575. Porém, não atenderam ao critério de níveis de iluminância menores que 2.000 lux, limite máximo para evitar ofuscamento. Como principal conclusão, propõe-se, para as normas e regulamentos, requisitos relacionados ao nível de iluminância máximo em ambientes residenciais além de níveis de iluminância específicos para atividades comumente realizadas em habitações do contexto estudado.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Franciele Rohr, Universidade Federal de Santa Maria

Mestre em Engenharia Civil  pela Universidade Federal de Santa Maria.  Professora no Centro Universitário FAI - UCEFF (Itapiranga - SC, Brasil)

 

Giane de Campos Grigoletti, Universidade Federal de Santa Maria

Doutorado em Engenharia Civil pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Professora Associada na Universidade Federal de Santa Maria, Centro de Tecnologia, Departamento de Arquitetura e Urbanismo (Santa Maria - RS, Brasil).

Anderson Claro, Universidade Federal de Santa Catarina

Doutorado em Engenharia de Produção pela Universidade Federal de Santa Catarina. Professor Titular na Universidade Federal de Santa Catarina (Florianópolis - SC, Brasil).

Bruna Zambonato, Universidade Federal de Santa Maria

Graduação em Arquitetura e Urbanismo pela Universidade Federal de Santa Maria. Mestrado em andamento em Arquitetura, Urbanismo e Paisagismo na Universidade Federal de Santa Maria (Santa Maria - RS, Brasil).

 

Referências

ABNT. Associação Brasileira de Normas Técnicas. NBR 15575: Edificações Habitacionais – Desempenho. Rio de Janeiro, 2013.

ABNT. Associação Brasileira de Normas Técnicas. NBR 5413: Iluminância de interiores. Rio de Janeiro, 1992.

ABNT. Associação Brasileira de Normas Técnicas. NBR ISO/CIE 8995-1: Iluminação de ambientes de trabalho. Parte 1: Interior. Rio de Janeiro, 2013.

ANDERSEN, M. Unweaving the human response in daylighting design. Building and Environment, v. 91, p. 101–117, 2015. DOI: https://doi.org/10.1016/j.buildenv.2015.03.014

BELLIA, L.; PEDACE, A.; FRAGLIASSO, F. Indoor lighting quality: effects of different wall colours. Lighting Research & Technology, v. 49, n. 1, p. 33-48, 2015. DOI: https://doi.org/10.1177/1477153515594654

BRASIL. Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior. Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia (MDICE) – INMETRO. Portaria nº 18, de 16 de janeiro de 2012. RTQ-R. Regulamento Técnico da Qualidade para Nível de Eficiência Energética de Edificações Residenciais, Brasília, Procel Edifica, 2012.

CABÚS, R. Troplux: um sotaque tropical na simulação da luz natural em edificações. In: ENCONTRO NACIONAL DE CONFORTO NO AMBIENTE CONSTRUÍDO, 8.; ENCONTRO LATINO AMERICANO DE CONFORTO NO AMBIENTE CONSTRUÍDO, 4., Maceió, 2005. Anais […]. Maceió: ANTAC, 2005. p. 240-249.

MARCONDES CAVALERI, M. P.; CUNHA, G. R. M.; GONÇALVES, J. C. S. Iluminação natural em edifícios de escritórios: avaliação dinâmica de desempenho para São Paulo. PARC Pesquisa em Arquitetura e Construção, Campinas, SP, v. 9, n. 1, p. 19–34, 2018. DOI: https://doi.org/10.20396/parc.v9i1.8650725.

CLARO, A.; DÍAZ, L. A.; CUNHA, A. de V. L. da C.; RAMOS, G. Comparação dos níveis de iluminação obtidos através de simulações computacionais no software APOLUX, usando os 15 modelos de céu adotados pela CIE. In: ENCONTRO NACIONAL DE TECNOLOGIA DO AMBIENTE CONSTRUÍDO, 13., Canela, 2010. Anais [...]. Canela: ANTAC, 2010.

CLARO, A. Método para determinação da Estimativa Anual de Luz Natural utilizando o Modelo Vetorial Esférico para Radiosidade. 2015. 165 p. Tese (Professor Titular do Departamento de Arquitetura e Urbanismo) - Centro Tecnológico, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2015.

CLIMATE-DATA.ORG. Dados climáticos para cidades mundiais. São Miguel do Oeste Clima (Brasil). Disponível em: https://pt.climate-data.org/america-do-sul/brasil/santa-catarina/sao-miguel-do-oeste-43599/. Acesso em: 05 out. 2020.

CUNHA, A. de V. L. da. Avaliação do programa Apolux segundo protocolos de modelos e céu do relatório técnico CIE 171:2006. 2011. 146p. Dissertação (Mestrado em Arquitetura e Urbanismo) - Universidade Federal de Santa Catariana, Florianópolis, 2011.

CUNHA, A. de V. L. da C.; CLARO, A. Avaliação do programa segundo os protocolos 5.8, 5.9 e 5.11 do Relatório Técnico CIE 171:2006. In: ENCONTRO NACIONAL DE TECNOLOGIA DO AMBIENTE CONSTRUÍDO, 14., Juíz de Fora, 2012. Anais [...]. Juiz de Fora: ANTAC, 2012. p. 599-607.

DANIALESKI, C.B.; OLIVEIRA, M.F.; MEDEIROS, D.R. Avaliação do desempenho da luz natural em ambientes residenciais. PARC Pesquisa em Arquitetura e Construção, Campinas, SP, v.10, mar., p.1-19, 2019. DOI: https://doi.org/10.20396/parc.v10i0.8652735

DAY, J. Understanding controls, behaviours and satisfaction in the daylit perimeter office: a daylight design case study. Journal of Interior Design, v.37, n.1, p. 17-34, 2012. DOI: https://doi.org/10.1111/j.1939-1668.2011.01068.x

DIDONÉ, E. L.; PEREIRA, F. O. R. O potencial da luz natural na economia de energia elétrica para iluminação artificial. Revista Tecnológica, Edição Especial ENTECA, Florianópolis, p.24-34, 2009. Disponível em: http://periodicos.uem.br/ojs/index.php/RevTecnol/article/view/8708. Acesso em: 20 abr. 2021.

DOGAN, T.; PARK, T. C. Testing the residential daylight score: Comparing climate-based daylighting metrics for 2444 individual dwelling units in temperate climates. Lighting res. Technol., v. 0, p. 1–18, 2020. DOI: https://doi.org/10.1177/1477153520924838

ELETROBRAS. Dicas de economia de energia por setor de consumo. Rio de Janeiro, 2016. Disponível em: http://www.procelinfo.com.br/main.asp?TeamID=%7BEB1013AB-8149-4DF2-A6E9-5482337ED22F%7D. Acesso em: 20 nov. 2020.

FABI, V.; ANDERSEN, R.K.; CORGNATI, S. Accounting for the uncertainty related to building occupants with regards to visual comfort: a literature survey on drivers and models. Buildings, v. 6, n. 5, p.1-17, 2016. DOI: https://doi.org/10.3390/buildings6010005

FIGUEIREDO FILHO, D. B.; SILVA JÚNIOR, J. A.; ROCHA, E. C. Classificando regimes políticos utilizando análises de conglomerados. Opinião Pública, Campinas, vol. 18, n. 1, p. 109-128, 2012. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/op/v18n1/v18n1a06.pdf. Acesso em: 28 set. 2019.

IBGE. Cidades. Rio de Janeiro, 2017. (v4.4.26). Disponível em: https://cidades.ibge.gov.br/brasil/sc/sao-miguel-do-oeste/panorama. Acesso em: 20 de abr. 2020.

IES. Illuminating Engineering Society of North America. IES LM 83-12: IES Spatial Daylight Autonomy (sDA) and Annual Sunlight Exposure (ASE). New York, IES, 2012.

JAKUBIEC, A.; QUEK, G.; SRISAMRANRUNGRUANG, T. Towards subjectivity in annual climate-based daylight metrics. In: BUILDING SIMULATION AND OPTIMIZATION CONFERENCE, 4., Cambridge, UK. Anais […] Cambridge: University of Cambridge; International Building Performance Simulation Association, p. 1-8. 2018,

KÖPPEN, W.; GEIGER, R. Classificação climática de Köppen-Geiger. [S.l] 1936. Disponível em: https://portais.ufg.br/up/68/o/Classifica____o_Clim__tica_Koppen.pdf. Acesso em: 29 nov. 2017.

LAMBERTS, R.; DUTRA, L.; PEREIRA, F. O. R. Eficiência Energética na Arquitetura. 3 ed. Rio de Janeiro: ELETROBRAS/PROCEL, [2013]. Disponível em: https://labeee.ufsc.br/sites/default/files/apostilas/eficiencia_energetica_na_arquitetura.pdf. Acesso em: 09 set. 2021.

LARANJA, A. C.; ALVAREZ, C. E. de; MATARANGAS, K. Análise da influência da orientação das aberturas na disponibilidade de iluminação natural no ambiente interno na extensão de sua profundidade. Labor & Engenho, Campinas, v.7, n.1, p.84-98, 2013. DOI: https://doi.org/10.20396/lobore.v7i1.192

LAY, M. C. D.; REIS, A. T. da L. Análise quantitativa na área de estudos ambiente-comportamento. Ambiente Construído, Porto Alegre, v. 5, n. 2, p. 21-36, 2005. Disponível em: https://seer.ufrgs.br/ambienteconstruido/article/view/3616/1998. Acesso em: 20 abr. 2021.

LIM, G.; HIRNING, M.B.; KEUMALA, N.; GHAFAR, N.A. Daylight performance and user’s visual appraisal for green building offices in Malaysia. Energy and Buildings, v.141, p.175-185, 2017. DOI: https://doi.org/10.1016/j.enbuild.2017.02.028

MARDALJEVIC, J.; ANDERSEN, M.; ROY, N.; CHRISTOFFERSEN, J. Daylighting metrics: is there a relation between Useful Daylight Illuminance and Daylight Glare Probability? In: BUILDING SIMULATION AND OPTIMIZATION CONFERENCE, 1., Loughborough, UK, 2012. Anais […] Loughborough: IBPSA England, 2012. p. 189-196.

MARDALJEVIC, J.; HESCHONG, L.; LEE, E. Daylight metrics and energy savings. Lighting Res. Technol., v. 41, p.261-283, 2009. DOI: https://doi.org/10.1177/1477153509339703

MATOS, J. C. da S. F.; SCARAZZATO, P. S. A iluminação natural no projeto de arquitetura: revisão sistemática da literatura. PARC Pesquisa em Arquitetura e Construção, Campinas, SP, v. 8, n.4, p.249-256, 2017. DOI: https://doi.org/10.20396/parc.v8i4.8650250

NABIL, A.; MARDALJEVIC, J. Useful Daylight Illuminance: a replacement for daylight factors. Energy and Buildings, v.38, n.7, p. 905–913, 2006. DOI: https://doi.org/10.1016/j.enbuild.2006.03.013

NASCIMENTO, T. C. C. Avaliação da NBR 15575 quanto ao desempenho térmico e luminoso: estudo de caso em Maceió-AL. 2016. 182 f. Dissertação (Mestrado em Arquitetura e Urbanismo) - Universidade Federal de Alagoas, Maceió, 2016.

PEREIRA, R. C.; PEREIRA, F. O. R.; CLARO, A. Avaliação do Simulador Computacional APOLUX através do emprego de mapeamento digital de luminâncias. In: ENCONTRO NACIONAL DE CONFORTO NO AMBIENTE CONSTRUÍDO, 11.; ENCONTRO LATINO AMERICANO DE CONFORTO NO AMBIENTE CONSTRUÍDO, 7., Búzios, 2011. Anais [...]. Búzios, RJ.: ANTAC, 2011, p. 1-10.

PILOTTO NETO, E. Cor e iluminação nos ambientes de trabalho. São Paulo: Livraria Ciência e Tecnologia, 1980.

REINHART, C.; MARDALJEVIC, J.; ROGERS, Z. Dynamic daylight performance metrics for sustainable building design. LEUKOS, v.3, n.1, p.7-31, 2006. DOI: https://doi.org/10.1582/LEUKOS.2006.03.01.001

REINHART, C. F.; WIENOLD, J. The daylighting dashboard – a simulation-based design analysis for daylit spaces. Building and Environment, v. 46, n.2, p. 386-396, 2011. DOI: https://doi.org/10.1016/j.buildenv.2010.08.001

RHEINGANTZ, P. A.; AZEVEDO, G. A.; BRASILEIRO, A.; ALCANTARA, D. de; QUEIROZ, M. Observando a Qualidade do Lugar: procedimentos para avaliação pós-ocupação. Universidade Federal do Rio de Janeiro, Coleção PROARQ, 2009. Disponível em: https://www.passeidireto.com/arquivo/21034221/livro-observando-a-qualidade-do-lugar---procedimentos-para-avaliacao-pos-ocupacao. Acesso em: 20 abr. 2020.

ROMERO, M. A; ORNSTEIN, S. Avaliação Pós-Ocupação: Métodos e Técnicas Aplicados à Habitação Social. Coleção Habitare. Porto Alegre: ANTAC, 2003. Disponível em: http://www.habitare.org.br/publicacao_colecao1.aspx. Acesso em: 18 abr. 2020.

SÃO MIGUEL DO OESTE. Prefeitura Municipal. Dados estatísticos. São Miguel do Oeste, 2017. Disponível em: http://www.saomiguel.sc.gov.br/municipio/3/dados-estatisticos. Acesso em: 27 nov. 2019.

SÃO MIGUEL DO OESTE. Prefeitura Municipal. Lei Complementar nº 4/2011. São Miguel do Oeste, 2011. Disponível em: https://leismunicipais.com.br/codigo-de-obras-sao-miguel-do-oeste-sc. Acesso em: 27 nov. 2019.

TAVARES, J. C. F.; GUALBERTO FILHO, A. Análise do desempenho lumínico de habitações populares: caso Santa Cruz-PB. In: ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO NITERÓI, 3., Niterói, 1998. Anais [...]. Niterói, RJ: ENEGEP, 1998, p. 1790-1799.

TECHIO, L. M. Avaliação da Iluminação Natural de Habitação Multifamiliar de Interesse Social: Conjunto Residencial Videiras. Santa Maria, RS. 2018. 149 p. Dissertação (Mestrado em Engenharia Civil) - Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, 2018.

TECHIO, L. M.; ZAMBONATO, B.; GRIGOLETTI, G. de C.; CLARO, A. Iluminação natural em habitação multifamiliar: o caso do Conjunto Residencial Videiras, Santa Maria, RS. PARC Pesquisa em Arquitetura e Construção, Campinas, SP, v. 12, p. e021007, 2021. DOI: https://doi.org/10.20396/parc.v12i00.8659780

VIANNA, N. S.; ROMÉRO, M. de A. Procedimentos metodológicos para Avaliação Pós-Ocupação em Conjuntos Habitacionais de Baixa Renda com Ênfase no Conforto Ambiental. Ambiente Construído, Porto Alegre, v.2, n.3, p. 71-84, jul./set. 2002. Disponível em: https://seer.ufrgs.br/ambienteconstruido/article/view/3427/1844. Acesso em: 20 abr. 2021.

VILLA, S. B.; SARAMAGO, R. de C. P.; GARCIA, L. C. Avaliação Pós-Ocupação no Programa Minha Casa Minha Vida – Uma experiência metodológica. 1ª edição. Uberlândia: UFU/PROEX, 2015. Disponível em: https://morahabitacao.files.wordpress.com/2015/07/ipea_livro_internet1.pdf. Acesso em: 20 abr. 2021.

WANG, J.; WEI, M.; RUAN, X. Characterization of the acceptable daylight quality in typical residential buildings in Hong Kong. Building and Environment, v.182, p. 107094, 2020. DOI: https://doi.org/10.1016/j.buildenv.2020.107094

XUE, P.; MAK, C. M.; CHEUNG, C. Post-occupancy evaluation of sunshades and balconies’ effects on luminous comfort through a questionnaire survey. Building Services Engineering Research and Technology, v.37, n.1, p.51-65, 2016. DOI: https://doi.org/10.1177/0143624415596472

XUE, P.; MAK, C. M.; CHEUNG, C. The effects of daylighting and human behavior on luminous comfort in residential buildings: a questionnaire survey. Building and Environment, v.81, p. 51-59, 2014. DOI: https://doi.org/10.1016/j.buildenv.2014.06.011

XUE, P.; MAK, C. M.; HUANG, Y. Quantification of luminous comfort with dynamic daylight metrics in residential buildings. Energy and Buildings, v. 117, p.99-108, 2016. DOI: https://doi.org/10.1016/j.enbuild.2016.02.026

Downloads

Publicado

2021-09-10

Como Citar

ROHR, F.; GRIGOLETTI, G. de C.; CLARO, A.; ZAMBONATO, B. A estimativa anual da luz natural em unidades habitacionais: o caso do conjunto habitacional Jardim Ipês do Programa MCMV. PARC Pesquisa em Arquitetura e Construção, Campinas, SP, v. 12, n. 00, p. e021025, 2021. DOI: 10.20396/parc.v12i00.8661759. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/parc/article/view/8661759. Acesso em: 23 out. 2021.