A percepção de pessoas com deficiência e idosos sobre a acessibilidade

estudo no Parque João Goulart, RS

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/parc.v12i00.8661766

Palavras-chave:

Parque público, Acessibilidade, PCD, Idosos, Percepção

Resumo

Passados quase 35 anos da criação de uma norma brasileira voltada para a acessibilidade de pessoas com deficiência (PCD), é frequente encontrar espaços públicos de lazer que possuem infraestrutura inadequada para esses usuários. Técnicas de levantamento da percepção ambiental contribuem para compreender as suas preferências e melhorar a qualidade desses espaços. Este artigo objetivou analisar a percepção de pessoas com deficiência física, com deficiência visual e idosos sobre a acessibilidade no Parque João Goulart (PJG), localizado na cidade de Santa Rosa, interior do estado do RS, de modo a colaborar com o planejamento de espaços mais adequados as suas necessidades. O método envolveu duas ferramentas: entrevistas, com perguntas fechadas e abertas, e técnica de preferências por imagens. Participaram da pesquisa 145 pessoas com deficiência física e visual e idosos. Os resultados apontaram diferenças na percepção da acessibilidade do parque, conforme o tipo de limitação (física, visual ou envelhecimento). Os idosos foram os que consideraram o parque mais acessível, e as pessoas com deficiência visual, menos acessível. As opiniões das pessoas entrevistadas refletem suas limitações, ou seja, quanto menos autonomia física a pessoa possui, mais sensível é às questões de acessibilidade. A percepção de usuários com deficiência física, visual e idosos é fundamental para compreender e apontar as falhas do ambiente construído no não atendimento as suas necessidades específicas. Observou-se, nos grupos pesquisados, que o entendimento da acessibilidade se baseia nas experiências pessoais, muitas vezes sem considerar condições físicas que não as suas próprias.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Pâmela Klein, Universidade Federal de Santa Maria

Mestrado em Engenharia Civil pela Universidade Federal de Santa Maria. Arquiteta junto ao escritório Liberali Arquitetura e Design (Santa Rosa - RS, Brasil).

Giane de Campos Grigoletti, Universidade Federal de Santa Maria

Doutorado em Engenharia Civil pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Professora Associada na Universidade Federal de Santa Maria, Centro de Tecnologia, Departamento de Arquitetura e Urbanismo (Santa Maria - RS, Brasil).

Referências

ALENCAR, M. de L.; COLOMBO, R. M. T.; GARCIA, V. G. A Tecnologia Assistiva (TA) que dialoga com o mundo do trabalho: um panorama da inserção social das pessoas com deficiência no Brasil a partir dos dados do CENSO 2010. Centro de Tecnologia da Informação Renato Archer. Unidade de Pesquisa do MCTIC, 2018. Disponível em: https://www.cti.gov.br/pt-br/noticias/ibge-rev%C3%AA-propor%C3%A7%C3%A3o-das-pessoas-com-defici%C3%AAncia. Acesso em: 30 jun. 2020.

ALVES, N. C. “O outro na cidade” deficiência, acessibilidade e saúde em Presidente Prudente-SP. 2015. 149 p. Tese (Doutorado em Geografia) - Universidade Estadual Paulista, Presidente Prudente, 2015.

ARAÚJO, C. D. de; CÂNDIDO, D. R. C.; LEITE, M. F. Espaços Públicos de Lazer: Um Olhar Sobre a Acessibilidade para Portadores de Necessidades Especiais. Licere, v.12, n.4, dez., 2009. DOI: https://doi.org/10.35699/1981-3171.2009.835

BAPTISTA, A. H. N. Procedimentos metodológicos para a avaliação da acessibilidade de estruturas de circulação de pedestres com vistas ao projeto de “antropovias”. 2003. 152 p. Dissertação (Mestrado em Engenharia de Produção) – Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2003.

BARIS, M. E.; USLU, A. Accessibility for the disabled people to the built environment in Ankara, Turkey. African Journal of Agricultural Research, v. 4, n.9, p. 801-814, Sep., 2009. Disponível em: https://www.mendeley.com/catalogue/ee8051bd-414d-33e8-a505-0fca8c0b9b4a/ Acesso em: 27 abr. 2021.

BERL, T.; SCOTT, M. The Visual Preference Survey (VPS). Institute for Public Administration University of Delaware, 2014. Disponível em: https://cpb-us-w2.wpmucdn.com/sites.udel.edu/dist/a/390/files/2014/02/visual-preference-survey-ppt-122ow1r.pdf. Acesso em: 27 abr. 2021.

BRANDÃO, M. M. Acessibilidade espacial para pessoas com deficiência visual: discussão e contribuições para NR 9050/2004. 2011. 198 p. Dissertação (Mestrado em Arquitetura e Urbanismo) – Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2011.

BRASIL. Decreto n. 5.296, de 2 de dezembro de 2004. Regulamenta as Leis nos 10.048, de 8 de novembro de 2000, que dá prioridade de atendimento às pessoas que especifica, e 10.098, de 19 de dezembro de 2000, que estabelece normas gerais e critérios básicos para a promoção da acessibilidade das pessoas portadoras de deficiência ou com mobilidade reduzida, e dá outras providências. Brasília, 2004.

BRASIL. Lei nº 13.443, de 11 de maio de 2017. Altera a Lei nº 10.098, de 19 de dezembro de 2000, para estabelecer a obrigatoriedade da oferta, em espaços de uso público, de brinquedos e equipamentos de lazer adaptados para utilização por pessoas com deficiência, inclusive visual, ou com mobilidade reduzida. Brasília, 2017.

BRASIL. Lei no 10.741, de 1º de outubro de 2003. Dispõe sobre o Estatuto do Idoso e dá outras providências. Brasília, 2003.

BRASIL. Lei nº 13.146, de 6 de julho de 2015. Institui a Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência (Estatuto da Pessoa com Deficiência). Brasília, 2015.

BUSHATSKY, A.; ALVES, L. C.; DUARTE, Y. A. O.; LEBRÃO, M. L. Fatores associados a alterações de equilíbrio em idosos residentes no município de São Paulo em 2006: evidências do Estudo Saúde Bem-Estar e Envelhecimento (SABE). Rev. Bras. Epidemiol., v. 21, suppl.2, e180016. Epub 04-Fev-2019. ISSN 1980-5497. DOI: https://doi.org/10.1590/1980-549720180016.supl.2

DORNELES, V. G. Acessibilidade para idosos em áreas livres públicas de lazer. 2006. 213 p. Dissertação (Mestrado em Arquitetura e Urbanismo) – Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2006.

GIL, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social. São Paulo: Atlas, 1995.

GOMES, M. F.; QUEIROZ, D. R. E. Estudos dos espaços livres e áreas de lazer na cidade de Araçatuba – SP. Caminhos da Geografia: Revista online, v. 18, n. 61, p. 165 -179, mar. 2017. DOI: https://doi.org/10.14393/RCG186111

GREGOLETTO, D. Impactos de edifícios altos na percepção estética urbana. 2013. 194 f. Dissertação (Mestrado em Planejamento Urbano) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2013.

IBGE. INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Censo Demográfico 2010: características gerais da população, religião e pessoas com deficiência. Rio de Janeiro, 2020.

KOWARICK, A. et al. Estética urbana: uma análise do centro de Porto Alegre. In: ENCONTRO NACIONAL DE TECNOLOGIA NO AMBIENTE CONSTRUÍDO, 12., 2008, Fortaleza. Anais [...]. Fortaleza: ENTAC, 2008.

LAY, M. C. D.; REIS, A. T. L. Análise quantitativa na área de estudos ambiente-comportamento. Ambiente Construído, Porto Alegre n. 2 v. 5 p. 21-36, abr./jun. 2005. Disponível em: https://seer.ufrgs.br/ambienteconstruido/article/view/3616. Acesso em: 22 abr. 2021.

LEITE, E. S.; PIMENTA, C. J. L.; COSTA, M. S.; OLIVEIRA, R. B.; MOREIRA, M. A. S. P.; SILVA, A. O. Tecnologia assistiva e envelhecimento ativo segundo profissionais atuantes em grupos de convivência. Rev. Esc. Enferm. USP, 2018; 52:e03355. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S1980-220X2017030903355

LUNARO, A.; FERREIRA, M. A. G. Os espaços públicos e a questão da acessibilidade sob o ponto de vista dos idosos. Ciência e Engenharia, Uberlândia n. 2, v. 14, p. 67 – 72, 2005.

MACHADO, M. H.; LIMA, J. P. Avaliação multicritério da acessibilidade de pessoas com mobilidade reduzida: um estudo na região central de Itajubá (MG). Revista Brasileira de Gestão Urbana, Curitiba, vol.7, n.3, p.368-382, 2015. DOI: https://doi.org/10.1590/2175-3369.007.003.AO08

MEDEIROS, H. L. V.; MATIAS, E. B. S. S. E.; COSTA, A. D. L. Resgatando a habitabilidade local: inserção de rota acessível no Centro Histórico de João Pessoa – PB. In: ENCONTRO NACIONAL DE ERGONOMIA DO AMBIENTE CONSTRUÍDO, 6., 2016, Recife. Anais [...]. Recife: ENEAC, 2016.

MEDINA, A. L. F. Importância das imagens na metodologia de pesquisa em Psicologia social. Psicologia e Sociedade. Belo Horizonte, v.25, n.2, p. 263-271, 2013. DOI: https://doi.org/10.1590/PSISOC.V25I2.3582

MORAES, M. C. de. Acessibilidade no Brasil: análise da NBR 9050. 2007. 173 p. Dissertação (Mestrado em Arquitetura e Urbanismo) – Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2007.

NOGUEIRA, D. L. Wayfinding e legibilidade ambiental em parque urbano: um estudo da percepção de usuários idosos. 2017. 231 p. Dissertação (Mestrado em Arquitetura e Urbanismo) – Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, 2017.

OMS. Organização Mundial da Saúde. Envelhecimento ativo: uma política de saúde. Brasília: Organização Pan-Americana da Saúde, 2005.

OMS. ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE. Relatório mundial sobre a deficiência. São Paulo, SP, 2012. 334p.

PEREIRA, J. da C. Acessibilidade para pessoas com deficiência em espaços públicos de lazer esportivo de Salvador. 2019. 224 p. Dissertação (Mestrado em Políticas Sociais e Cidadania) - Universidade Católica de Salvador, Salvador, 2019.

PIMENTEL, T. dos A. et al. Percepção dos espaços urbanos: visão da população idosa. Cadernos de Educação, Saúde e Fisioterapia, Campo Grande, v.2, n.3, 2015. Disponível em: http://revista.redeunida.org.br/ojs/index.php/cadernos-educacao-saude-fisioter/article/view/420. Acesso em: 22 abr. 2021.

REIS, A. et al. Percepção visual e impacto estético de vistas a partir de apartamentos. In: ENCONTRO NACIONAL DE TECNOLOGIA NO AMBIENTE CONSTRUÍDO, 13., 2010, Canela. Anais […]. Porto Alegre: ANTAC, 2010.

SANOFF, H. Visual research methods in design. New York: Routledge, 2016.

SANTA ROSA. Prefeitura Municipal. A cidade. Turismo. Santa Rosa: 2004. Disponível em: http://turismo.santarosa.rs.gov.br/?cat=7. Acesso em: 25 out. 2019.

SANTOS, M. Metamorfoses do espaço habitado. São Paulo: Hucitec, 1988.

SEELAND, K.; NICOLÈ, S. Public green space and disabled users. Urban Forestry & Urban Greening, v.5, p.29-34, 2006. DOI: https://doi.org/10.1016/j.ufug.2006.03.001

SIU, K. W. M. Accessible park environments and facilities for the visually impaired. Facilities, v.31, n. 13/14, p. 590-609, 2013. DOI: https://doi.org/10.1108/f-10-2011-0079

TERROSO, M.; ROSA, N.; MARQUES, A. T.; SIMOES, R. Physical consequences of falls in the elderly: a literature review from 1995 to 2010. Eur. Rv. Aging Phys. Act. v.11, p.51-59, 2014. DOI: https://doi.org/10.1007/s11556-013-0134-8

UN. United Nations. Disability and Development Report - 2018. Department of Economic and Social Affairs. New York: UN, 2019. Disponível em: https://www.un.org/development/desa/disabilities/publication-disability-sdgs.html. Acesso em: 15 out. 2020.

UN. United Nations. Human Rights. Office of the High Commissioner. Convention on the Rights of Persons with Disabilities. Geneva, Switzerland: UN, 2020. Disponível em: https://www.ohchr.org/EN/HRBodies/CRPD/Pages/ ConventionRightsPersonsWithDisabilities.aspx. Acesso em: 20 jun. 2020.

WHO. World Health Organization. Ageing and health. 2021. Sítio eletrônico da WHO. Disponível em: https://www.who.int/news-room/fact-sheets/detail/ageing-and-health. Acesso em: 22 abr. 2021.

WHO. World Healthy Organization. Disability and health. Geneva: WHO, 2020. Disponível em: https://www.who.int/news-room/fact-sheets/detail/disability-and-health. Acesso em: 16 abr. 2021.

Downloads

Publicado

2021-09-06

Como Citar

KLEIN, P.; GRIGOLETTI, G. de C. A percepção de pessoas com deficiência e idosos sobre a acessibilidade: estudo no Parque João Goulart, RS. PARC Pesquisa em Arquitetura e Construção, Campinas, SP, v. 12, n. 00, p. e021024, 2021. DOI: 10.20396/parc.v12i00.8661766. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/parc/article/view/8661766. Acesso em: 20 out. 2021.