Banner Portal
Uso de jardins verticais em sala de aula
PDF

Palavras-chave

Jardim vertical
Percepção ambiental
Qualidade do ambiente interno
Ambiente escolar

Como Citar

RIBEIRO, Luciana Rocha; SCHERER, Minéia Johann; RODRIGUES, Marcelo Antonio. Uso de jardins verticais em sala de aula: avaliação da percepção ambiental. PARC Pesquisa em Arquitetura e Construção, Campinas, SP, v. 13, n. 00, p. e022010, 2022. DOI: 10.20396/parc.v13i00.8661885. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/parc/article/view/8661885. Acesso em: 20 maio. 2024.

Resumo

O uso da vegetação como estratégia bioclimática, no ambiente construído, é amplamente reconhecido pelos benefícios relacionados principalmente ao conforto térmico. Esta característica é proveniente do emprego da vegetação no meio urbano, tanto de forma isolada quanto integrada à edificação. Adicionalmente, a utilização de espécies vegetais também pode oferecer benefícios aos usuários de ambientes internos, melhorando a qualidade destes espaços. Este artigo tem como objetivo apresentar análises e resultados obtidos com a aplicação da ferramenta:  questionário na avaliação da percepção ambiental de estudantes, da 3ª série do ensino médio, na implantação de jardins verticais no ambiente de sala de aula, com foco na qualidade do ambiente interno. O questionário foi aplicado em três momentos: antes da inserção dos jardins verticais, vinte dias após implantação do jardim vertical da espécie Arachis repens (grama-amendoim) e vinte dias após a substituição do jardim vertical com a espécie grama-amendoim pela espécie Chlorophytum comosum (clorofito). Concluiu-se, por meio das análises geradas na aplicação do questionário, que, na percepção dos alunos, a inserção dos jardins verticais proporcionou melhorias na qualidade do ar e no conforto geral do ambiente de sala de aula. O jardim vertical da espécie grama-amendoim apresentou melhores resultados quanto à qualidade do ambiente interno, quando comparado às outras situações.

https://doi.org/10.20396/parc.v13i00.8661885
PDF

Referências

ABNT. ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 16401-3: Instalações de ar-condicionado – Sistemas Centrais e Unitários. Parte 3: Qualidade do Ar Interior. Rio de Janeiro, 2008.

DAVIS, M.; RAMIREZ, F. Muro Organico Urbano Silvestre Sostenible. Revista PUCE, v. 98, p.1-34, 2014. Disponível em: http://investigaciones.puce.edu.ec/handle/23000/419 . Acesso em: 15 set. 2020.

DAVIS, M. J.; TENPIERIK, M. J.; RAMIREZ, F. R.; PÉREZ, M. E. More than just a Green Facade: the sound absorption properties of a vertical garden with and without plants. Building and Environment, v. 116, p.64-72, 2017. DOI: https://doi.org/10.1016/j.buildenv.2017.01.010

DUNNETT, N.; KINGSBURY, N. Planting Green Roofs and Living Walls. 2nd. ed. Portland: Timber, 2008.

EVENSEN, K. H.; RAANAAS, R. K.; HÄGERHAÄLL, C. M; JOHANSSON, M.; PATIL, G. G. Nature in the office: An environmental assessment study. Journal of Architectural and Planning Research, v. 34, n. 2, p.133-146, 2017. Disponível em: http://lup.lub.lu.se/record/6e3b7978-b792-4cec-870c-41336814b51a . Acesso em: ago. 2020.

GUNAWARDENA, K.; STEEMERS, K. Living walls in indoor environments. Building and Environment, v. 148, p. 478-487, 2019. DOI: https://doi.org/10.1016/j.buildenv.2018.11.014

GUNAWARDENA, K. R.; WELLS, M. J.; KERSHAW, T. Utilising green and bluespace to mitigate urban heat island intensity. Science of the Total Environment, v. 584-585, p. 1040-1055, 2017. DOI: https://doi.org/10.1016/j.scitotenv.2017.01.158.

GIFFORD, R. Environmental Psycology: Principles and Pratice. 5nd. ed. Colville: Optimal Books, 2013.

HAN, K. T. Influence of passive versus active interaction with indoor plants on the restoration, behavior, and knowledge of students at a junior high school in Taiwan. Indoor and Built Environment, v. 27, n. 6, p. 818-830, 2018. DOI: https://doi.org/10.1177/1420326X17691328.

INMET. INSTITUTO NACIONAL DE METEOROLOGIA. Normais Climatológicas do Brasil. Disponível em: https://portal.inmet.gov.br/normais. Acesso em: 17 fev. 2021.

KEELER, M.; BURKE, B. Fundamentos de projetos de edificações sustentáveis. Porto Alegre: Bookman, 2010.

KELLERT, S.; CALABRESE, E. The Practice of Biophilic Design. 2015. Disponível em: https://www.biophilic-design.com/_files/ugd/21459d_81ccb84caf6d4bee8195f9b5af92d8f4.pdf. Acesso em: out. 2020.

KIM, H. H.; PARK, J. W.; YANG, J. Y.; KIM, K. J.; LEE, J. Y.; SHIN, D. C.; LIM, Y. W. Evaluating the Relative Health of Residents in Newly Built Apartment Houses according to the Presence of Indoor Plants. Journal of the Japanese Society for Horticultural Science, v. 79, n. 2, p. 200-206, 2010. DOI: https://doi.org/10.2503/jjshs1.79.200.

KOWALTOWSKI, D. C. C. K. Arquitetura escolar: o projeto do ambiente de ensino. São Paulo: Oficina de Textos, 2011.

LOHR, V. I.; PEARSON-MIMS, C. H.; GOODWIN, G. K. Interior plants may improve worker productivity and reduce stress in a windowless environment. Journal of Environmental Horticulture, v. 14, n. 2, p. 97-100, 1996. DOI: https://doi.org/10.24266/0738-2898-14.2.97.

LORENZI, H. Plantas para jardim no Brasil: herbáceas, arbustivas trepadeiras. Nova Odessa, SP: Instituto Plantarum, 2015.

MANGONE, G. KURVERS, S. R.; LUSCUERE, P. G. Constructing thermal comfort: investigating the effect of vegetation on indoor thermal comfort through a four season thermal comfort quasi-experiment. Building and Environment, v. 81, p. 410-426, 2014. DOI: https://doi.org/10.1016/j.buildenv.2014.07.019.

MANSO, M.; CASTRO-GOMES, J. Green wall systems: A review of their characteristics. Renewable and Sustainable Energy Reviews, v. 41, p. 863-871, 2015. DOI: https://doi.org/10.1016/j.rser.2014.07.203.

MONTACCHINI, E; TEDESCO, S; RONDINONE, T. Greenery for a university campus: does it affect indoor environmental quality and user well-being? Energy Procedia, v. 122, p. 289- 294, 2017. DOI: https://doi.org/10.1016/j.egypro.2017.07.324.

MORENO, J. A. Clima do Rio Grande do Sul. Boletim Geográfico do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, n. 11, p. 49-83, 1961. Disponível em: https://revistas.planejamento.rs.gov.br/index.php/boletim-geografico-rs/issue/view/200 Acesso em: 21 jan. 2022.

MOYA, T. A.; DOBBELSTEEN, A.; OTTLELE, M.; BLUYSSEN, P. M. A review of green systems within in the indoor environment. Indoor and Built Environment, v. 28, n. 3, p. 298-309, 2019. DOI: https://doi.org/10.1177/1420326X18783042.

NIEUWENHUIS, M., KNIGHT, C., POSTMES, T.; HASLAM, S. A. The relative benefits of green versus lean office space: Three field experiments. Journal of Experimental Psychology: Applied, v. 20, n.3, p. 199-214, 2014. DOI: https://doi.org/10.1037/xap0000024.

ORNSTEIN, Sheila W. Avaliação Pós-Ocupação (APO) no Brasil, 30 anos: o que há de novo? Revista Projetar. Projeto e Percepção do Ambiente. v.2, n. 2, 2017. p.7-12. Disponível em: https://periodicos.ufrn.br/revprojetar/article/view/16580/11038. Acesso em: 28 out. 2021.

ONO, R.; ORNSTEIN, S. W.; VILLA, S. B.; FRANÇA, A. J. G. L. Avaliação pós-ocupação: na arquitetura, no urbanismo e no design: da teoria à prática. São Paulo: Oficina de Textos, 2018.

PÉREZ, G.; RINCÓN, L.; VILA, A.; GOZÁLEZ, J. M.; CABEZA, L. F. Green vertical systems for buildings as passive systems for energy savings. Applied Energy, v. 88, n. 12, p. 4854-4859, 2011. DOI: https://doi.org/10.1016/j.apenergy.2011.06.032.

PINHEIRO, J. Q.; GUNTHER, H. Métodos de Pesquisa nos Estudos Pessoa-Ambiente. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2008.

QIN, J.; SUN, C.; ZHOU, X.; LENG, H.; LIAN, Z. The effect of indoor plants on human comfort. Indoor and Built Environment, v. 23, n. 5, p. 709-723, 2013. DOI: https://doi.org/10.1177/1420326X13481372.

SIGMA JR. Relatório de Consultoria Estatística. Santa Maria, 2020.

WHYTE, A. V. T. La perception de l’environnement: lignes directrices méthodologiques pour les études sur le terrain. 7. éd. Paris: UNESCO, 1978. (MAB technical notes, 5). Disponível em: https://unesdoc.unesco.org/ark:/48223/pf0000024707_fre. Acesso em 3 fev. 2021.

YAREMKO; R. M.; HARARI, H.; HARRISON, R. C.; LYNN, E. Handbook of reserch and quantitative methods in psychology: for students and professionals. New Jersey: Lawrence Erlbaum, 1986.

YARN, K. F., YU, K. C; HUANG, J. H.; LUO, W. J.; WU, P. C. Utilizing a Vertical Garden to Reduce Indoor Carbon Dioxide in an Indoor Environment. Wulfenia Journal, v. 20, n.10, p.180-194, 2013.

Creative Commons License
Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution 4.0 International License.

Copyright (c) 2022 PARC Pesquisa em Arquitetura e Construção

Downloads

Não há dados estatísticos.