Impactos climáticos no complexo de favelas da maré

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/parc.v13i00.8665861

Palavras-chave:

Assentamentos precários, Qualidade ambiental, Ilhas de calor, Simulação computacional

Resumo

As ações antropogênicas têm acarretado crescentes e alarmantes impactos climáticos em diferentes regiões do planeta. Em um mundo predominantemente urbano, o aquecimento global não distingue meios naturais ou híbridos, tampouco assentamentos urbanos formais ou informais. O Rio de Janeiro é representativo das iniquidades sociais do país que afetam mais fortemente as camadas mais pobres da sociedade. Dar atenção às favelas e suas populações representa um objetivo importante e original, pois traz previsibilidade às ações locais e regionais relacionadas aos grupamentos vulnerabilizados, além de conscientização frente aos problemas ambientais. Atualmente, há cerca de 1.000 favelas na cidade, com predomínio de cerca de 45% da população moradora de favelas na Área de Planejamento (AP-3). O presente trabalho se concentra em uma das 16 comunidades que conformam o enorme e emblemático Conjunto de Favelas da Maré, com cerca de 140.000 moradores: a Nova Holanda, com 14.000 moradores. Um assentamento, em essência planejado (1962), que surgiu em função das políticas remocionistas. O estudo destaca como ações antrópicas descuidadas podem resultar em impactos ambientais em assentamentos precários, com particularidade em favelas. A metodologia adotada é baseada em simulações computacionais relativas ao microclima, realizadas principalmente através do programa ENVI-met 3.1. Este estudo, que emerge dos campos das ciências ambientais e do urbanismo, tem como relevância desenvolver diagnósticos de forma a fornecer subsídios para futuras propostas de requalificação de favelas, partindo, portanto, de conceitos e diretrizes adotados normalmente para as ditas “áreas formais” da cidade, mesmo com possíveis adaptações.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Lucivaldo Dias Bastos, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Doutorando em Urbanismo na Universidade Federal do Rio de Janeiro (Rio de Janeiro - RJ, Brasil).

Patricia Regina Chaves Drach, Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Doutorado em Modelagem Computacional pelo Laboratório Nacional de Computação Científica. Professora na Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Rio de Janeiro - RJ, Brasil).

James Shoiti Miyamoto, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Doutorado em Urbanismo pela Universidade Federal do Rio de Janeiro.  Professor Associado na Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro - RJ, Brasil.

 

Referências

ABREU, Maurício. A evolução urbana do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro. 4. ed. Rio de Janeiro: Instituto Pereira Passos, 2013. 156 p.

AMADOR, E. S. Baía de Guanabara: ocupação histórica e avaliação ambiental. Rio de Janeiro: Interciência, 2013. 510 p.

ASSIS, E. S. Aplicações da Climatologia Urbana no Planejamento da Cidade: Revisão dos Estudos Brasileiros. Revista de Arquitetura e Urbanismo, v. 7, n. 1, p. 20–25, 2006. Disponível em: https://periodicos.ufba.br/index.php/rua/article/view/3149/2261. Acesso em 20 jan. 2022.

BARBOSA, G. S.; DRACH, P. R. C.; CORBELLA, O. D. Intraurban Temperature Variations: Urban Morphologies of the Densification Process of Copacabana Neighborhood, Brazil. Climate, v.7, p.5 - 17, May 2019. DOI: https://doi.org/10.3390/cli7050065. DOI: https://doi.org/10.3390/cli7050065

BRÖDE, P.; FIALA, D.; BŁAŻEJCZYK, K.; HOLMÉR, I.; JENDRITZKY, G.; KAMPMANN, B.; TINZ, B.; HAVENITH, G. Deriving the operational procedure for the universal thermal climate index (UTCI). International Journal of Biometeorology, v. 56, n. 3, p. 481–494, May 2012a. DOI: https://doi.org/10.1007/s00484-011-0454-1. DOI: https://doi.org/10.1007/s00484-011-0454-1

BRÖDE, P.; KRÜGER, E.L.; ROSSI, F.A.; FIALA, D. Predicting urban outdoor thermal comfort by the Universal Thermal Climate Index UTCI—a case study in Southern Brazil. International Journal of Biometeorology, v. 56, n. 3, p. 471–480, May 2012b. DOI: https://doi.org/10.1007/s00484-011-0452-3. DOI: https://doi.org/10.1007/s00484-011-0452-3

BRUNA, G. C.; PISANI, M. A. Mudanças climáticas e pobreza: reflexões. Revista Brasileira de Ciências Ambientais, no. 18, p. 49-57, dez. 2010. Disponível em: http://rbciamb.com.br/index.php/Publicacoes_RBCIAMB/issue/view/37/24. Acesso em: 7 mar. 2022.

CARFAN, A. C.; GALVANI, E.; NERY, J. T. Study of the microclimate effect in the urban vertical structure in Ourinhos, São Paulo State. Acta Scientiarum. Technology, 34(3), p. 313-320, 2012. DOI: https://doi.org/10.4025/actascitechnol.v34i3.12322 DOI: https://doi.org/10.4025/actascitechnol.v34i3.12322

CARVALHO, C. “Cidades” dentro da cidade? A Estrutura Socioespacial de Favelas Cariocas no Período Lula (2003-2010). 2016. 148 f. Dissertação (Mestrado em Planejamento Urbano e Regional) - Curso de Planejamento Urbano e Regional, Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano e Regional, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2016.

CHOW, W. T. L.; POPE, R. L.; MARTIN, Chris A.; BRAZEL, A. J. Observing and modeling the nocturnal park cool island of an arid city: horizontal and vertical impacts. Theoretical and Applied Climatology, v. 103, n. 1-2, p. 197-211, 2011. DOI: http://dx.doi.org/10.1007/s00704-010-0293-8. DOI: https://doi.org/10.1007/s00704-010-0293-8

DINIZ, E.; BELFORT, M. C.; RIBEIRO, P. Memória e identidade dos moradores de Nova Holanda. Rio de Janeiro: Redes da Maré, 2012. 87 p.

ÉGERHÁZI, L. A.; KOVÁCS, A.; UNGER, J. Application of Microclimate Modelling and Onsite Survey in Planning Practice Related to an Urban Micro-Environment. Advances in Meteorology, v. 2013, p. 1-10, 2013. DOI: http://dx.doi.org/10.1155/2013/251586. DOI: https://doi.org/10.1155/2013/251586

EMMANUEL, R. An Urban Approach to Climate-Sensitive Design: Strategies for the tropics. London: Taylor & Francis, 2005. 208 p.

IBGE. INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Censo demográfico 2010: Aglomerados Subnormais. Primeiros resultados. Rio de Janeiro: IBGE, 2010. 259 p. Disponível em: https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/periodicos/92/cd_2010_aglomerados_subnormais.pdf. Acesso em: 20 jan. 2022.

IPCC. INTERGOVERNMENTAL PANEL ON CLIMATE CHANGE. Global warming of 1,5°C: special report. IPCC, 2018. Disponível em: https://www.ipcc.ch/sr15/. Acesso em 18 jan. 2022. DOI: https://doi.org/10.1017/9781009157940

KRÜGER, E.L.; MINELLA, F. O.; RASIA, F. Impact of urban geometry on outdoor thermal comfort and air quality from field measurements in Curitiba, Brazil. Building and Environment, v. 46, n. 3, p. 621-634, Mar. 2011. DOI: http://dx.doi.org/10.1016/j.buildenv.2010.09.006. DOI: https://doi.org/10.1016/j.buildenv.2010.09.006

KRÜGER, E.; ROSSI, F.; DRACH, P. Calibration of the physiological equivalent temperature index for three different climatic regions. International Journal of Biometeorology, v. 61, p. 1323–1336. 2017. DOI: http://dx.doi.org/10.1007/s00484-017-1310-8. DOI: https://doi.org/10.1007/s00484-017-1310-8

MATZARAKIS, A.; MAYER, H. Another kind of environmental stress: thermal stress. WHO newsletter, n. 18, p. 7-10. 1996.

MATZARAKIS, A.; RUTZ, F.; MAYER, H. Modelling radiation fluxes in simple and complex environments: application of the RayMan model. International Journal of Biometeorology, v. 54, p. 323-334, 2007. DOI: https://doi.org/10.1007/s00484-006-0061-8. DOI: https://doi.org/10.1007/s00484-006-0061-8

MIDDEL, A.; CHHETRI, N.; QUAY, R. Urban forestry and cool roofs: assessment of heat mitigation strategies in Phoenix residential neighborhoods. Urban Forestry & Urban Greening, v. 14, n. 1, p. 178-186, 2015. DOI: http://dx.doi.org/10.1016/j.ufug.2014.09.010. DOI: https://doi.org/10.1016/j.ufug.2014.09.010

NG, E.; CHEN, L.; WANG, Y.; YUAN, C. A study on the cooling effects of greening in a high-density city: an experience from Hong Kong. Building and Environment, v. 47, p. 256-271, Jan. 2012. DOI: http://dx.doi.org/10.1016/j.buildenv.2011.07.014. DOI: https://doi.org/10.1016/j.buildenv.2011.07.014

NYSTROM, K. C.; SCHUG, G. R. A bioarchaeology of social inequality and environmental change. In: SCHUG, G. R. (ed.). The Routledge Handbook of the Bioarchaeology of Climate and Environmental Change. Abingdon: Routledge, 2020. p. 159–188. DOI: https://doi.org/10.4324/9781351030465-11

OLIVEIRA, S.; ANDRADE, H.; VAZ, T. The cooling effect of green spaces as a contribution to the mitigation of urban heat: a case study in Lisbon. Building and Environment, v.46, n.11, p. 2186-2194, 2011. DOI: https://doi.org/10.1016/j.buildenv.2011.04.034. DOI: https://doi.org/10.1016/j.buildenv.2011.04.034

PASTERNAK, S.; D'OTTAVIANO, C. Favelas no Brasil e em São Paulo: avanços nas análises a partir da Leitura Territorial do Censo de 2010. Cadernos Metrópole, v. 18, n. 35, p. 75-100, 2016. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/2236-9996.2016-3504. DOI: https://doi.org/10.1590/2236-9996.2016-3504

REDES DA MARÉ. Censo Populacional da Maré: Rio de Janeiro: Redes da Maré, 2019. 108 p. Disponível em: https://www.redesdamare.org.br/media/downloads/arquivos/CensoMare_WEB_04MAI.pdf. Acesso em: 23 abr. 2021.

REDES DA MARÉ; OBSERVATÓRIO DE FAVELAS. Guia de Ruas: Maré 2014. Rio de Janeiro: Redes da Maré; Observatório de Favelas, 2014. Disponível em: http://redesdamare.org.br/media/livros/GuiaMare_26mai.pdf . Acesso em: 23 abr. 2021.

SILVA, J. S.; LANNES-FERNANDES, F.; BARBOSA, J. L.; BITETI, M. O. (org.). O que é favela, afinal? Rio de Janeiro: Observatório de Favelas do Rio de Janeiro, 2009. 104 p.

SILVA, A. M. M.; BARBOSA, G. S.; DRACH, P. R. C. Avaliação de vizinhança LEED e análise microclimática. Revista de Morfologia Urbana, v.8, n. 1, 2020. DOI: https://doi.org/10.47235/rmu.v8i1.91. DOI: https://doi.org/10.47235/rmu.v8i1.91

TALEGHANI, M.; KLEEREKOPER, L.; TENPIERIK, M.; VAN DEN DOBBELSTEEN, A. Outdoor thermal comfort within five different urban forms in the Netherlands. Building and Environment, v. 83, p. 65-78, Jan. 2015. DOI: http://dx.doi.org/10.1016/j.buildenv.2014.03.014. DOI: https://doi.org/10.1016/j.buildenv.2014.03.014

UNITED NATIONS. Nova Agenda Urbana: Habitat III. Declaração de Quito sobre Cidades e Assentamentos Humanos Sustentáveis para Todos. Quito: UN, 2016. 54 p. Disponível em: https://habitat3.org/wp-content/uploads/NUA-Portuguese.pdf. Acesso em: 20 mar. 2021.

Downloads

Publicado

2022-08-17

Como Citar

BASTOS, L. D. .; DRACH, P. R. C.; MIYAMOTO, J. S. . Impactos climáticos no complexo de favelas da maré. PARC Pesquisa em Arquitetura e Construção, Campinas, SP, v. 13, n. 00, p. e022024, 2022. DOI: 10.20396/parc.v13i00.8665861. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/parc/article/view/8665861. Acesso em: 26 nov. 2022.