Banner Portal
Espaço de enunciação fronteiriço e processos identitários
Remote

Como Citar

STURZA, Eliana Rosa. Espaço de enunciação fronteiriço e processos identitários. Pro-Posições, Campinas, SP, v. 21, n. 3, p. 83–96, 2016. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/proposic/article/view/8643324. Acesso em: 22 abr. 2024.

Resumo

A questão das línguas em contato nas zonas de fronteira do Brasil com Argentina e Uruguai tem sido tradicionalmente abordada a partir da descrição dos resultados de contatos entre os sistemas linguísticos do português e do espanhol, bem como das práticas linguísticas resultantes desses contatos. Propõe-se, neste trabalho, uma nova perspectiva de abordagem da questão, considerando o contato das línguas pelo seu modo de circulação na sociedade fronteiriça e pelo sentido que as línguas apresentam para os sujeitos fronteiriços como lugar de significação de sua identidade. Apresentam-se exemplos de funcionamento dos sentidos das línguas para os fronteiriços, em cenas enunciativas que se constituem em espaços de circulação das línguas nas zonas fronteiriças. O habitar e o viver entre línguas dos sujeitos fronteiriços são enunciados na língua da fronteira e significam um processo identitário particular.

Abstract:

The issues regarding the borderline areas of contact between Brazil and Argentina and between Brazil and Uruguay have long been investigated from a traditional and descriptive point of view, focusing on the results of the contacts between the Portuguese and Spanish linguistic systems, as well as from the linguistic practices which emerge as a consequence of such contacts. The contacts between those languages and the way they circulate around the borderline society were considered in this study, as well as the meaning conveyed through the languages – for the borderline individuals as an identity locus.. Some examples are given of the way language meanings work for the borderline population in enunciative settings which are language circulation spaces. Dwelling and living between the two languages are elicited in the borderline language and they mean a particular identity process.

Key words: Languages of contact. Borderline. Enunciation. Circulation space

Remote

Referências

ALVAREZ, I. Falar apaisanado: uma forma de designar as línguas na fronteira. 2009.Dissertação (Mestrado em Letras) – Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria – RS.

APPLE, R.; MUSYSKEN, P. Bilingüismo y contacto de lenguas. Barcelona: Ariel Lingüística, 1996.

BÄR, E. C. O uso do portunhol no comércio informal na cidade de Uruguaiana na fronteira BrasilArgentina. 2009. Monografia de conclusão de curso (Graduação em Letras Espanhol)– UFSM – Santa Maria. 2009.

BENVENISTE, E. Problemas de lingüística geral I. Campinas – SP: Pontes, 1995.

CAMBLONG, A.M.. Habitar la frontera, un viaje perpetuo a lo paradójico. Lima-Peru. In: CONGRESO LATINOAMERICANO DE EDUCACIÓN INTERCULTURAL BILÍNGÜE, 5., 6 a 9 de agosto de 2002, Lima/Peru.

ELIZAINCIN, A.; BEHARES, L. E.; BARRIOS, G. Nos falemo brasilero. Dialectos portugueses en Uruguay. Montevideo: Amesur, 1987.

GUIMARÃES, E. Semântica do acontecimento. Campinas — SP: Pontes, 2002.

GUIMARÃES, E. Enunciação e política de línguas no Brasil. Revista Letras – Espaços de Circulação da Linguagem, n. 27, jul./dez. 2006.

GRIMSON, A. Cortar puentes, cortar pollos: conflictos económicos y agencias políticas en Uruguayana (Brasil)-Libres (Argentina). In: OLIVEIRA, R. C.; BAINES, S.G. (Org.). Nacionalidade e etnicidade em fronteiras. Brasília: Editora UNB, 2005. p. 21-54.

OLIVEN, R. A parte e o todo. A diversidade cultural no Brasil-Nação. 2. ed. Rio de Janeiro: Vozes, 2006.

OLIVEN, R. Modernidade e identidade nacional. In: KERN, A. A. (Org.). Sociedades iberoamericanas. Porto Alegre: Editora PUCRS, 2000. p.153-169. Reflexões e Pesquisas Recentes.

PURANEN, P. Las actitudes linguísticas y el prestigio del portuñol en la ciudad de Rivera. Finlândia,Universidade de Helsinki, 1999.

RONA, J. P. Dialectos portugueses del norte del Uruguay. Montevidéu: Adolfo Lunardi, 1965.

SCHÄFFER, N. O. A especificidade funcional da urbanização na fronteira meridional do estado. In: RECKZIEGEL, A. L. S.; FÉLIX, L. O. (Org.). RS: 200 anos definindo espaços na história nacional. Passo Fundo – RS: UPF, 2002. p.31-41.

STURZA, E. Línguas de fronteira: o desconhecido território das práticas lingüísticas nas fronteiras brasileiras. Revista Ciência e Cultura. SBPC. ano 57, n. 2, abr./maio/jun. 2005. Temas e Tendências: Línguas do Brasil.

STURZA, E. Línguas de fronteiras e políticas de línguas: uma história das idéias lingüísticas. 2006. Tese (Doutorado em Letras). IEL/UNICAMP. Campinas, 2006.

STURZA, E.; FERNANDES, I. C. A fronteira como novo espaço de representação do espanhol no Brasil. Revista Signo & Seña, Buenos Aires: UBA, 2009.

Proposições utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto.

Downloads

Não há dados estatísticos.