Banner Portal
O que ou quem eu sou, afinal de contas? Sou brasileiro ou uruguaio, professor?
Remote

Palavras-chave

Identidade. Língua. Fronteira. Política linguística. Educação

Como Citar

SOUZA, Regina Maria. O que ou quem eu sou, afinal de contas? Sou brasileiro ou uruguaio, professor?. Pro-Posições, Campinas, SP, v. 21, n. 3, p. 97–115, 2016. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/proposic/article/view/8643325. Acesso em: 14 abr. 2024.

Resumo

O presente trabalho terá como objetivo transformar em tema de reflexão as inquietações de duas crianças, Alicia e João, a respeito de sua nacionalidade; quer dizer, trazer em cena o sentimento ambíguo de pertença que possuem em relação a suas identidades. Diálogos com o pensamento filosófico serão realizados a respeito da fronteira, como lugar onde a naturalização da igualdade é posta por terra; naturalização na qual o conceito de identidade aparece como uma peça monolítica coesa e impenetrável. Defendemos o contrário: que a identidade é efeito de um processo constante, e sempre inacabado, de transformação subjetiva, pela mescla, pela angústia de não ser UM consigo mesmo e nem em relação aos outros. Apostamos, portanto, no universo múltiplo e incalculável do processo identitário, que torna único cada sujeito em seus dilemas.

Abstract:

The aim of the present paper is to bring about a reflection on the uneasiness of two children, Alicia and João, regarding their nationalities, that is, on their ambiguous feeling of belonging regarding their own identities. Dialogues based on philosophical thinking will be carried out about the frontier as a place where the naturalization of equality is extinguished, and naturalization, in which identity is perceived as a cohesive and impenetrable monolithic piece. The opposite is actually what we stand up for: identity is the effect of a never-ending, always unfinished process of subjective transformation, through miscellany, through anguish for not being ONE with oneself or with others. In short, we believe in the multiple and immeasurable universe of the identity process, which makes every subject unique concerning his or her dilemmas.

Key words: Identity. Language. Frontier. Linguistic politics. Education

Remote

Referências

BACHELARD, G. Obras incompletas. São Paulo: Abril Cultural, 1978.(Coleção Os pensadores).

BARROS, M. O guardador de águas. São Paulo/Rio de Janeiro: Record, 2009.

BROVETTO, C.; GEYMONAT, J.; BRIAN, N. (Org.). Português del Uruguay y educación bilíngüe. Montevidéu: ANEP – CEP, 2007.

CHOMSKY, N. Aspects of the theory of syntax. Cambridge, Mass: M.I.T. Press, 1965.

FOUCAULT, M. As palavras e as coisas. São Paulo: Martins Fontes, 1999.

FREUD, S. O mal-estar na civilização. In: FREUD, S. Edição standard brasileira das obras psicológicas completas. 3. ed. Rio de Janeiro: Imago, 1990. v. 21.

LACAN, J. Outros escritos. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2003.

LÍNGUA, vidas em português. Direção de Victor Lopes. Produção de Renato Pereira, Suely Weller e Paulo Trancoso. Brasil-Portugal: Tv Zero Sambascope; Costa do Castelo Filmes; Paris Filmes, 2002. 1 DVD (105 min), son., color.

ORLANDI, E. Língua brasileira e outras histórias. Discurso sobre a língua e ensino no Brasil. Campinas: RG, 2009.

PEI, M. The story of language. Filadélfia: J.B. Lippincolt Co, 1965.

RAJAGOPALAN, K. O conceito de identidade em lingüística: é chegada a hora para uma reconsideração radical. In: SIGNORINI, I. (Org.). Língua(gem) e identidade. Campinas: Mercado de Letras, 1998.

RIBEIRO, João Ubaldo. Língua: vidas em português. Disponível em: . Último acesso em: 15 maio 2010.

RUSHDIE, S. In good faith. Londres: Granta, 1989.

SAUSSURE, F. Curso de lingüística geral. São Paulo: Cultrix, 1993.

VELOSO, C. Língua. Disponível em: <http://letras.terra.com.br/caetano-veloso/44738/>. Último acesso em: 27 maio 2010.

Proposições utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto.

Downloads

Não há dados estatísticos.