Banner Portal
Os usos da educação no militantismo ambientalista
Remote

Palavras-chave

Militantismo. Educação. Atuação profissional. Ambientalismo

Como Citar

OLIVEIRA, Wilson José Ferreira. Os usos da educação no militantismo ambientalista. Pro-Posições, Campinas, SP, v. 20, n. 2, p. 77–92, 2016. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/proposic/article/view/8643408. Acesso em: 23 jul. 2024.

Resumo

Este artigo examina as condições e as lógicas sociais que fundamentam os usos e a reconversão da formação universitária para o exercício profissional na defesa de causas ambientais. A metodologia utilizada consistiu na realização de entrevistas biográficas com três gerações distintas de ativistas do Rio Grande do Sul, focalizando suas condições sociais de origem, os significados associados ao uso da formação escolar na militância, as principais modalidades de carreiras militantes e os tipos de recursos e de vínculos sociais que fundamentam o exercício da militância. A pesquisa demonstrou que o ambientalismo constitui um espaço social de reconversão da formação escolar e universitária para a atuação profissional em diferentes esferas de atividade, com base em recursos e vínculos estabelecidos pelos ativistas com partidos políticos, com organizações e com movimentos sociais no decorrer de seus itinerários familiar, escolar e profissional.

Abstract:

This article examines the social conditions and the logic that bases the uses and reconversion of higher education for professional practice in the defense of environmental causes. The methodology consisted of biographical interviews with three different generations of activists from Rio Grande do Sul, focusing on their social origin, the meanings associated with the use of academic education in militancy, the main kinds of militant careers, and the types of resources and social ties that ground activists’ practices. The research showed that environmentalism is a social space for reconverting school and university education into professional action in different spheres of activity, based on resources and ties established by activists with political parties, organizations and social movements in the course of their familial, schooling and professional routes.

Key words: Militancy. Education. Professional practice. Environmentalism

Remote

Referências

AGRIKOLIANSKY, E. La ligue française des droits de l’homme et du citoyen depuis 1945. Paris: L’Harmattan, 2002.

BOURDIEU, P.; BOLTANSKI, L. O diploma e o cargo: relações entre o sistema de produção e o sistema de reprodução. In: CATANI, A. e NOGUEIRA, M. A. (Org). Pierre Bourdieu: escritos da educação. Petrópolis: Vozes, 1998. p. 127-144.

BOURDIEU, P. La distinction. Critique sociale du jugement. Paris: Minuit, 1979.

COLLOVALD, A. et. al (Dir.). L´humanitaire ou le management des dévouements. Enquête sur un militantisme de “solidarité internationale” em faveur dur tiers-monde. Rennes: PUR, 2002.

CONNIFF, M. L. A elite nacional. In: HEINZ, F. M. Por outra história das elites. São Paulo: FGV, 2006. p. 99-121.

CORADINI, O. L. Panteões, iconoclastas e as ciências sociais. In: FELIX, L. O.; ELMIR, C.

(Org.) Mitos e heróis: construção de imaginários. Porto Alegre: Ed. Universidade/UFRGS, 1998. p. 209-235.

CORADINI, O. L. Escolarização, militantismo e mecanismos de “participação” política. In: HEREDIA, B., TEIXEIRA, C., BARREIRA, I. (Org.). Como se fazem eleições no Brasil. Rio de Janeiro: Relume-Dumará, 2002. p. 103-153.

DEZALAY, Y.; GARTH, B. La mondialisation des guerres de palais. La restructuration du pouvoir d’état en Amérique Latine, entre notables du droit et “Chicago Boys”. Paris: Seuil, 2002.

FILLIEULE, O. Propositions pour une analyse processuelle de l’engagement individuel. Revue Francaise de Science Politique. Paris, v. 51, n. 1-2, p. 199-215, 2001.

GALLET, G. L’ expertise, outil de l’activisme environnemental chez greenpeace France. In.: HAMMAN, P.; MÉON, J-M.; VERRIER, B. Discours savants, discours militants: mélange des genres. Paris: L’Harmattan, 2002. p. 109-128.

LAGROYE, J. Sociologie politique. Paris: Dalloz, 1993.

LEITE LOPES, J. S. A ambientalização dos conflitos sociais, participação e controle público da poluição industrial. Rio de Janeiro: Relume-Dumará, 2004.

LOUREIRO, M. R.; PACHECO, R. S. Formação e consolidação do campo ambiental no Brasil: consensos e disputas (1972-1992). Revista de Administração Pública. Rio de Janeiro, v.

, n. 4, p. 137-153, out-dez, 1995.

LOVE, J. L.; BARICKMAN, B. J. Elites regionais. In: HEINZ, F. M. Por outra história das elites. São Paulo: FGV, 2006. p. 77-97.

MEMMI, D. L’engagement politique. In: GRAWITZ, M.; LECA, J. Traité de science politique.

Paris: PUF, 1985. p. 310-366. v. 3 (L’action politique).

MISCHE, A. De estudantes a cidadãos. Redes de jovens e participação política. Revista Brasileira de Educação, n. 5 e 6, p. 134-150, 1997.

OLIVEIRA, W. J. F. Paixão pela natureza, atuação profissional e participação na defesa de causas ambientais no Rio Grande do Sul entre 1970 e início dos anos 2000. 2005, 464f. Tese (Doutorado em Antropologia Social). Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social, UFRGS, Porto Alegre.

OLIVEIRA, W. J. F. Formas precárias de emprego, atuação em ONGs e inserção profissional.

Sociedade em Debate, Pelotas, v. 13, p. 141-160, 2007.

OLIVEIRA, W. J. F. Gênese e redefinições do militantismo ambientalista no Brasil. Dados – Revista de Ciências Sociais, Rio de Janeiro, v. 51, n. 3, p. 751-777, 2008.

OLLITRAULT, S. Les écologistes français, des experts en action. Revue Francaise de Science Politique, Paris, v. 51, n. 1-2, p. 105-130, fév-avril, 2001.

OLLITRAULT, S. Science et militantisme: les transformations d’une échange circulaire. Le cas de l’ecologie française. Politix, n. 36, p. 141-162, 1996.

PASSY, F. L’action altruiste. Paris-Genève: Droz, 1998.

PÉCAUT, D. Os intelectuais e a política no Brasil: entre o povo e a nação. São Paulo: Ática, 1990.

PETRARCA, F. R. Conflitos profissionais e usos do título acadêmico para o exercício do jornalismo no Rio Grande do Sul. Teoria & Sociedade, Belo Horizonte (UFMG), v. 1, p. 94- 119, 2007.

SAINTENY, G. Logiques d’engagement et logiques de rétribution au sein de l’écologisme français. Cahiers Internationaux de Sociologie, Paris, v. 106, p. 175-200, 1999.

SIMÉANT, J., DAUVIN, P. & C.A.H.I.E.R. Le travail humanitaire. Les acteurs des ONG, du siege au terrain. Paris: Presses de Sciences Po, 2002.

WAGNER, A-C. Syndicalistes européens. Les conditions sociales et institutionnelles de l´internationalisation des militants syndicaux. Actes de la Recherche en Sciences Sociales, Paris, n.

, p. 13-34, dec. 2004.

ZHOURI, A., LASCHEFSKY, K., PEREIRA, D. B. A insustentável leveza da política ambiental – desenvolvimento e conflitos socioambientais. Belo Horizonte: Autêntica, 2005.

Proposições utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto.

Downloads

Não há dados estatísticos.