Banner Portal
A gente parece um camaleão: (re)construções identitárias em um grupo de estudantes cabo-verdianos no Rio de Janeiro
PDF

Palavras-chave

Estudantes. Cabo-verdianos. Identidades. Deslocamentos. Etnicidade

Como Citar

HIRSCH, Olivia Nogueira. A gente parece um camaleão: (re)construções identitárias em um grupo de estudantes cabo-verdianos no Rio de Janeiro. Pro-Posições, Campinas, SP, v. 20, n. 1, p. 65–81, 2016. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/proposic/article/view/8643424. Acesso em: 13 jun. 2024.

Resumo

O artigo baseia-se em pesquisa realizada com estudantes provenientes do arquipélago de Cabo Verde, localizado na costa Ocidental da África, que se instalaram no Rio de Janeiro com o objetivo de obter uma formação de nível superior. A investigação, que resultou em uma dissertação de mestrado, busca compreender os processos de (re)construção identitária vividos por esses jovens, muitos dos quais identificados como negros e africanos pelos brasileiros. Com vistas a contextualizar o impacto desse olhar externo sobre esses estudantes, o artigo apresenta a forma como, ao longo da história, a elite intelectual do arquipélago construiu um discurso que atribui à mestiçagem a especificidade da identidade nacional. Ainda que influenciado pelas idéias de Gilberto Freyre, tal discurso, no entanto, visava a um distanciamento da herança negra estigmatizada, diferentemente da proposta de Freyre de valorização dos não-brancos. Levando em conta esse histórico, a investigação aponta como o contato com a sociedade brasileira atual, possibilitado pela experiência de estudo, favoreceu a construção de um olhar mais crítico em relação a esse discurso, ao mesmo tempo que houve uma ênfase na valorização de uma identidade afro-referenciada. Tal processo, entre outros motivos, aparentemente encontra relação com a implementação de políticas de identidade no Rio de Janeiro, estado que abriga a primeira universidade do país a adotar reserva de vagas para negros.

Abstract:

The paper is based on a research developed with students from the archipelago of Cape Verde, situated in the west coast of Africa. These students moved to Rio de Janeiro in order to get a college degree. The investigation, which resulted in a masters dissertation, focuses on the identity (re)construction processes experienced by those youngsters, most of whom identified by Brazilians as Blacks and Africans. In an attempt to contextualize the impact of this external categorization over these students, the paper shows how, historically, the Cape Verdean intellectual elite has constructed a speech that considers miscegenation as a national identity specificity. Even though being influenced by Gilberto Freyres ideas, this speech was intended to dissociate the Cape Verdeans from a stigmatized Black heritage, in opposition to Freyres intention to valorize non-whites. Considering this background, the research suggests that the contact with the current Brazilian society, made possible by the study experience, helped them to develop a more critical view regarding this speech, which occurred simultaneously to the valorization of an African identity. For this and other reasons, this process is apparently relatedto the implementation of identity policies in Rio de Janeiro, the first Brazilian state with a university establishing quotas for Black students.

Key words: Students. Cape Verdeans. Identities. Physical mobility. Ethnicity

PDF

Referências

AKESSON, Lisa. Making a life: meanings of migration in Cape Verde. 2004. Tese (Doutorado) Departamento de Antropologia Social, Göteborg University, Suécia.

ALMADA, David Hopffer. Caboverdianidade e tropicalismo. Recife: Massangana, 1992.

ANJOS, José Carlos Gomes dos. Cabo Verde e a importação do ideologema brasileiro da mestiçagem. Horizontes Antropológicos, Porto Alegre, ano 6, n° 14, p. 177-204, novembro de 2000.

ANJOS, José Carlos Gomes dos. Intelectuais, literatura e poder em Cabo Verde: lutas de definição da identidade nacional. Porto Alegre: UFGRS, 2002.

ASSIS, Gláucia de Oliveira. Estar aqui, estar lá... uma cartografia da emigração valadarense para os EUA. In: REIS, Rossana R.; SALES, Teresa (Org.). Cenas do Brasil migrante. São Paulo: Boitempo, 1999. p. 125-166.

CARREIRA, António. Migrações nas ilhas de Cabo Verde. Lisboa: Universidade Nova de Lisboa, 1977.

DAMATTA, Roberto. Relativizando: uma introdução à antropologia social. Rio de Janeiro: Rocco, 2000.

DUARTE, Manuel. Caboverdianidade e africanidade... e outros textos. Mindelo, Cabo Verde: Spleen, 1999.

FERNANDES, Gabriel. A diluição da África: uma interpretação da saga identitária caboverdiana no panorama político (pós) colonial. Florianópolis: Editora da UFSC, 2002.

FRY, Peter. A persistência da raça: ensaios antropológicos sobre o Brasil e a África austral. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2005.

GIACOMINI, Sonia Maria. A alma da festa: família, etnicidade e projetos num clube social da Zona Norte do Rio de Janeiro o Renascença Clube. Belo Horizonte: Editora UFMG; Rio de Janeiro: IUPERJ, 2006.

HANDING, Nina Corinne. We are neither africans nor europeans: Cape Verdean students in Porto and their quest for social recognition. Bergen, 2001. 136 p. Tese (Doutorado) Departamento de Antropologia Social, University of Bergen, Noruega.

HERNANDEZ, Leila Maria Gonçalves Leite. Os filhos da terra do sol: a formação do estadonação em Cabo Verde. São Paulo: Summus, 2002.

HIRSCH, Olivia Nogueira; GIACOMINI, Sonia Maria. Hoje eu me sinto africana: processos de construção de identidades em um grupo de estudantes cabo-verdianos no Rio de Janeiro. 2007. 227 p. (Dissertação de mestrado) Departamento de Sociologia e Política, Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro.

JENKINS, Richard. Rethinking ethnicity: arguments and explorations. London: Sage Publications, 1997.

LE BRETON, David. Adeus ao corpo: antropologia e sociedade. Campinas: Papirus, 2003.

LE BRETON, David. A sociologia do corpo. Petrópolis, RJ: Vozes, 2007.

LOBBAN, Richard A. Cape Verde: crioulo colony to independent nation. Colorado: Westview Press, 1995.

LOPES, Baltasar. Mesa redonda sobre o homem cabo-verdiano. Boletim Cabo Verde, Praia, ano 9, n. 99, 1957.

MARGOLIS, Maxine. Little Brazil: imigrantes brasileiros em Nova York. Campinas: Papirus, 1994.

PINHO, Patrícia de Santana. Reinvenções da África na Bahia. São Paulo: Annablume, 2004.

RODRIGUES, José Carlos. Tabu do corpo. Rio de Janeiro: Achiamé, 1979.

SANSONE, Livio. Negritude sem etnicidade: o local e o global nas relações raciais e na produção cultural negra do Brasil. Salvador: Edufba; Pallas, 2004.

SAYAD, Abdelmalek. A imigração ou os paradoxos da alteridade. São Paulo: Edusp, 1998.

THOMAZ, Omar Ribeiro. Do saber colonial ao luso-tropicalismo: raça e nação nas primeiras décadas do Salazarismo. In: MAIO, Marcos Chor e SANTOS, Ricardo Ventura (Org.). Raça, ciência e sociedade. Rio de Janeiro: Fiocruz/CCBB, 1996. Re

Proposições utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto.

Downloads

Não há dados estatísticos.