Banner Portal
História da Educação e História da Filosofia: culturas cruzadas a partir das concepções de história e de escrita da história em Hegel
Remote

Palavras-chave

História da Educação. História da Filosofia. Hegel. Historiografia

Como Citar

VIEIRA, Carlos Eduardo. História da Educação e História da Filosofia: culturas cruzadas a partir das concepções de história e de escrita da história em Hegel. Pro-Posições, Campinas, SP, v. 20, n. 1, p. 189–205, 2016. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/proposic/article/view/8643442. Acesso em: 17 jun. 2024.

Resumo

Neste artigo visamos discutir possíveis impactos da escrita da História da Filosofia sobre a escrita da História da Educação, a partir da análise das concepções de história e de escrita da história presentes na obra de Georg Wilhelm Friedrich Hegel. Neste estudo Hegel é concebido como um autor que sintetizou e disseminou uma visão da história presente de forma dispersa e fragmentada na cultura historiográfica do século XIX. Ele reafirmou conceitualmente e metodologicamente as imemoriais crenças na virtuosidade e no papel edificante das idéias (Espírito), bem como produziu uma interpretação do passado, capaz de apaziguar o sentimento de dilaceramento da cultura, ao conciliar história, ontologia e lógica. Nos limites deste trabalho exploramos o potencial heurístico da tópica hegeliana, sem, contudo, pretendermos analisar empiricamente os seus efeitos na historiografia da educação brasileira.

Abstract:

This article is aimed at arguing about possible impacts of writings on the History of Philosophy on writing on the History of Education, from the analysis of Georg Wilhelm Friedrich Hegels conceptions of history and its writing. In this study Hegel is conceived as an author who synthesized and spread a conception of history that can be seen as dispersed and fragmented in the historiographical culture of the nineteenth century. In a conceptual and methodological way, he reaffirmed the immemorial beliefs in virtuosity and the enlightening role of ideas (Spirit). He also produced an interpretation of the past which colud reduce the feeling of cultural laceration by conciliating history, ontology and logic. This paper explores the heuristic potential of the Hegelian view, though without empirically analyzing its effects on the Brazilian education historiography.

Key words: History of Education. History of Philosophy. Hegel. historiography

Remote

Referências

BARREIRA, Luis. História e historiografia: as escritas recentes da história da educação brasileira (1971-1988). 1995. Tese (Doutorado em História da Educação) Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 1995.

CARVALHO, M. M. A História da Educação no Brasil. In: CARVALHO, M. M. A escola e a república e outros ensaios. Bragança Paulista: EDUSF, 2003. p. 281-312.

CHÂTELET, François. O pensamento de Hegel. 2. ed. Lisboa: Presença, 1985.

CROCE, Benedetto. A história, pensamento e ação. Rio de Janeiro: Zahar, 1962.

FARIA FILHO, L. M.; VIDAL, D. História da Educação no Brasil: a constituição histórica do campo (1880-1970). Revista Brasileira de História, São Paulo, v. 23, n. 45, p. 37-70, 2003.

GONDRA, José. Pesquisa em História da Educação no Brasil. Rio de Janeiro: LP&M, 2006.

HEGEL, Georg Wilhelm Friedrich. Lecciones sobre la historia de la filosofia. México: Fondo de Cultura Económico, 1955.

HEGEL, Georg Wilhelm Friedrich. Princípios da filosofia do direito. Lisboa: Martins Fontes, 1976.

HEGEL, Georg Wilhelm Friedrich. Introdução à História da Filosofia. Rio de Janeiro: Tecnoprint, 1986.

HEGEL, Georg Wilhelm Friedrich. A razão na história: uma introdução geral à filosofia da história. São Paulo: Moraes, 1990.

HEGEL, Georg Wilhelm Friedrich. Fenomenologia do espírito. 2. ed. Petrópolis: Vozes, 1992.

HYPPOLITE, Jean. Genesi e struttura della fenomenologia dello spirito di Hegel. Firenze: La Nuova Italia, 1972.

IGGERS, George G. The German conception of History: The national tradition of historical thought from herder to the present. Middleton: Wesleyan University Press, 1983.

KELLEY, Donald R. The descent of ideas: the history of intellectual history. Burlington: Ashgate, 2002.

KRUGER, Lorenz. Por qué estudiamos la historia de la filosofia? In: SKINNER, Quentin (Org.). La filosofia en la historia: ensayos de historiografía de la filosofía. Barcelona: Paidós, 1990.

KUBRICK, Bruce. Siete pensadores y como crecieron: Descartes, Espinoza, Leibniz; Locke, Berkeley, Hume; Kant. In: SKINNER, Quentin (Org.). La filosofia en la historia: ensayos de historiografía de la filosofía. Barcelona: Paidós, 1990.

MAC INTYRE, Alasdair. La relación de la filosofia con su passado. In: SKINNER, Quentin (Org.) et al. La filosofia en la historia: ensayos de historiografía de la filosofía. Barcelona: Paidós, 1990.

NUNES, C. Ensino e historiografia da educação: problematização de uma hipótese. Revista brasileira de educação, n.1, p.67-79, 1996.

RUSSELL, Bertrand. História da Filosofia Ocidental. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1967. 5 v.

SKINNER, Quentin et al. (Org.) La filosofia en la historia: ensayos de historiografia de la filosofia. Barcelona: Paidós, 1990.

VIEIRA, Carlos Eduardo. Historicismo, cultura e formação humana no pensamento de Antonio Gramsci. São Paulo: 1999. Tese (Doutorado em História e Filosofia da Educação) Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 1999.

VIEIRA, Carlos Eduardo; ROBALLO, Roberlayne de Oliveira Borges. História e História da Educação no projeto de formação de professores na década de trinta no Brasil: problematizando as Noções de Afrânio Peixoto. Inter-ação, Goiânia, v. 32, p.243-260, 2008.

WARDE, M. J. Questões teóricas e de método: a História da Educação nos marcos de uma disciplina. In: SAVIANI, D.; LOMBARDI, J. C.; SANFELICE, J. L. (Org.). História e Historiografia da Educação: o debate teórico-metodológico atual. Campinas: Autores Associados, 1998

Proposições utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto.

Downloads

Não há dados estatísticos.