Banner Portal
A educação das famílias pobres como estratégia política para o atendimento das crianças de 0 3 anos: uma análise do Programa Família Brasileira Fortalecida
Remote

Como Citar

CAMPOS, Rosânia. A educação das famílias pobres como estratégia política para o atendimento das crianças de 0 3 anos: uma análise do Programa Família Brasileira Fortalecida. Pro-Posições, Campinas, SP, v. 20, n. 1, p. 207–224, 2016. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/proposic/article/view/8643443. Acesso em: 20 jun. 2024.

Resumo

Este artigo tem como objetivo analisar o Programa Família Brasileira Fortalecida, patrocinado pelo Unicef e adotado pelo governo brasileiro como estratégia para ampliar a oferta de atendimento para crianças de 0 3 anos. Esse programa encontra-se fortemente vinculado às orientações produzidas por organismos multilaterais, tais como Unesco e Unicef, ratificadas nos diversos fóruns que reúnem governantes da América Latina e Caribe (OEA, OEI). O programa brasileiro sustenta-se em um conjunto de concepções e recomendações destinadas diretamente às famílias que passam a ser mediadoras na educação das crianças. Constatamos que, por meio desse programa, procura-se imprimir novas normas de conduta, administrando e disciplinando as práticas e as estratégias socializadoras das famílias pobres, transformando o espaço familiar em um espaço pedagogicamente orientado. O Programa visa ainda à administração da pobreza, diminuindo as disparidades sociais e à promoção de um ambiente de educabilidade familiar, considerado como essencial para o posterior sucesso escolar da criança.

Abstract:

This article aims to analyze the Brazilian Family Strengthening Program, sponsored by UNICEF and adopted by the Brazilian government as a strategy to increase assistance to children aged from 0 to 3. This program is tightly related to the guidelines provided by multilateral organizations such as UNESCO and UNICEF, ratified in the various forums that bring together leaders of Latin America and the Caribbean (OAS, OEI). The Brazilian program is based on a number of ideas and recommendations aimed directly at families who become mediators in children education. This program seeks to establish new standards of conduct, disseminating practices and socializing strategies to poor families, transforming the family environment into a pedagogically oriented space. Poverty reduction is also pursued, as well as the promotion of a favorable environment for family education, seen as essential for childrens later educational success.

Key words: Childhood education. Educational policies. Education of families

Remote

Referências

AFONSO, Almerindo J. Reforma do Estado e políticas educacionais: entre crise do EstadoNação e a emergência da regulação supranacional. Educação e Sociedade, Campinas, v. 22, n. 75, ago. 2001.

ALMEIDA, Ana Nunes. A sociologia e a descoberta da infância: contextos e saberes. In: Fórum Sociológico: Instituto de Estudos e Divulgação Sociológica, n.3/4., 2000. Lisboa: Faculdade de Ciências Sociais e Humanas, Universidade de Lisboa, 2000.

ANDERSON, Perry. Balanço do neoliberalismo. In: SADER, Emir; GENTILI, Pablo (Org.). Pós-neoliberalismo: as políticas sociais e o Estado democrático. 7. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2007.

BRASIL. PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA. CÂMARA DE REFORMA DO ESTADO. Plano Diretor da Reforma do Aparelho do Estado. Brasília: novembro, 1995.

BRASIL. Lei nº 9.394/96 de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Brasília, 1996.

BRASIL. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Programa Família Brasileira Fortalecida. Brasilia: MEC, s/d.

DALE, R. Globalização e educação: demonstrando a existência de uma cultura educacional mundial comum ou localizando uma agenda globalmente estruturada para a educação? Educação, Sociedade & Culturas, Porto, n.16, p. 133-169, 2001.

DOURADO, L. F. Reforma do Estado e as políticas para a educação superior no Brasil nos anos 90. Educação e Sociedade, Campinas, v. 23, n° 80, set. 2002.

FAIRCLOUGH, Norman. Discurso e mudança social, Brasília: Editora da UnB, 2001.

FARIA, Ana Lúcia Goulart de. Políticas de regulação, pesquisa e pedagogia na Educação Infantil, primeira etapa da Educação Básica. Educação e Sociedade, Campinas, v. 26, nº 92.

Especial, out. 2005.

FERREIRA, Manuela. Salvar corpos, forjar a razão: contributo para uma análise crítica da criança e da infância como construção social em Portugal: 1880 1940. Lisboa: Instituto de Inovação Educacional, 2000.

GONDRA, José G. Modificar com brandura e prevenir com cautela. Racionalidade médica e higienização da infância. In: FREITAS, Marcos Cezar de; KUHLMANN Jr., Moysés (Org.). Os intelectuais na história da infância. São Paulo: Cortez, 2002.

JOBIM E SOUZA, Solange. Ressignificando a psicologia do desenvolvimento: uma contribuição crítica à pesquisa da infância. In: KRAMER, Sonia; LEITE, Maria Isabel (Org.). Infância: fios e desafios da pesquisa. Campinas, SP: Papirus, 1996.

KUHLMANN Jr., Moysés. Infância e Educação Infantil: uma abordagem histórica. Porto Alegre: Mediação, 1998.

LEONTIEV, A.N. Os princípios psicológicos da brincadeira pré-escolar. In: VYGOTSKY, L.S.; LURIA, A. R.; LEONTIEV, A. N. Linguagem, desenvolvimento e aprendizagem. São Paulo: Ícone, 1998.

OEA/CIDI. Reunião de Ministros da Educação, 5, 2007. Compromisso hemisférico com a educação da primeira infância. Cartagena das Índias, Colômbia, 2007. Disponível em: . Acesso em: 25 jul. 2008.

OEI. Declaración de Panamá: Unidos por la niñez y la adolescencia, base de la justicia y la equidad en el nuevo milênio. Cumbre Iberoamericana de Jefes de Estado y de Gobierno de Los Países Iberoamericanos, 10, 2000. Panamá, noviembre, 2000. Disponível em: . Acesso em: 15 jan. 2007.

OEI. Declaración de Panamá: La educación inicial en el siglo XXI. Conferencia Iberoamericana de Educación, 10, 2000. Ciudad de Panamá, Panamá, jul. 2000. Disponível em: . Acesso em: 15 jan. 2007.

OEI. Conferencia Iberoamericana de Educación, 12., 2002. Santo Domingo, República Dominicana, julio de 2002. Disponível em: <http://www.oei.es/xiicie.htm>. Acesso em: 15 jan. 2007.

OLIVEIRA, Dalila Andrade. Educação básica: gestão do trabalho e da pobreza. Petrópolis: Vozes, 2000.

OREALC/UNESCO. Síntesis Regional de Indicadores de la Primera Infancia. Santiago, Chile, 2004.

ROCHA, Eloísa Acires Candal. Infância e educação: delimitações de um campo de pesquisa.

Educação, Sociedade e Cultura Revista da Associação de Sociologia e Antropologia da Educação. Porto, Portugal, n.17. 2002. Portugal.

ROSEMBERG, Fúlvia. Organizações multilaterais, estado e políticas de Educação Infantil. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, n.115, março 2002.

SACRISTÁN, José Gimeno. O aluno como invenção. Trad. Dayse Vaz de Moraes. Porto Alegre: ArtMed, 2005.

SHIROMA, Eneida Oto; CAMPOS, Roselane F; GARCIA, Rosalba M.C. Decifrar textos para compreender a política: subsídios teórico-metodológicos para análise de documentos. Revista Perspectiva, Florianópolis, v. 23, n. 02, p. 427-446, jul/dez, 2005.

TEDESCO, Juan Carlos; LÓPEZ, Nestor. Las condiciones de educabilidad de nos los ninõs y adolescentes en America Latina. IIPE: Buenos Aires, 2002. (versión preliminar).

THIN, D. Quartiers populaires: l’école et les familles. Presses Universitaires de Lyon: Lyon, 1998.

UNESCO. Informe de seguimiento de la EPT en el mundo: Bases sólidas: atención y educación de la primera infancia. Paris: Ediciones UNESCO, 2007. Disponível em: . Acesso em: 31 mar. 2007.

UNESCO. O marco de ação de Dakar. Educação para todos: atingindo nossos compromissos coletivos. Informe final de Dakar. Senegal, Dakar, 2000. Disponível em: <http://www.unesco.cl/ medios/biblioteca/documentos/ept_dakar_informe_final_esp.pdf. Acesso em: 31 mar. 2007.

UNESCO. Declaración mundial sobre educación para todos: la satisfacción de las necesidades basicas de aprendizaje. Jomtien, Tailândia, 1990. Disponível em: . Acesso em 31 mar. 2007.

UNESCO/OREALC. Participación de las familias en la Educación Infantil Latinoamericana. Santiago, Chile, agosto, 2004a. Disponível em: . Acesso em: 22 jun. 2006.

UNESCO/OREALC. Síntesis regional de indicadores de la primera infancia. Santiago, Chile, mayo, 2004b. Disponível em: <http://www.unesco.cl/medios/biblioteca/documentos/ sintesis_regional_indicadores_primera_infancia.pdf>. Acesso em: 31 maio 2006.

Proposições utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto.

Downloads

Não há dados estatísticos.