Banner Portal
Mulheres só fazem amor com homens? A Educação Sexual e os relacionamentos entre pessoas do mesmo sexo
PDF

Palavras-chave

Educação Sexual. Estudos Culturais e Estudos Feministas. Desconstrução. Homossexualidades. Formação de educadoras/res

Como Citar

FURLANI, Jimena. Mulheres só fazem amor com homens? A Educação Sexual e os relacionamentos entre pessoas do mesmo sexo. Pro-Posições, Campinas, SP, v. 19, n. 2, p. 111–131, 2016. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/proposic/article/view/8643476. Acesso em: 16 jun. 2024.

Resumo

Neste artigo problematizo processos de produção das diferenças sexuais a partir de coleções de livros paradidáticos relativos à Educação Sexual. Tenho como referenciais os Estudos Culturais e os Estudos Feministas, articulados com a perspectiva pós-estruturalista de análise. Discuto significados conferidos à homossexualidade, procurando apontar caminhos para refletir: como, didaticamente, na Escola, é possível desconstruir e construir, positivamente, essa identidade sexual e de gênero? Respeitar a diversidade é promover a inclusão curricular? Questiono “representações” sexuais e busco ensaiar modos de “desconstrução” de seus significados, especialmente aqueles acerca dos tipos de sujeitos que estabelecem relacionamentos sexuais e afetivos com pessoas do mesmo sexo. O procedimento desconstrutivo poderá sugerir formas de operar a prática pedagógica da Educação Sexual, em qualquer nível de ensino.

Abstract:

This paper provides a discussion on sexual difference production processes with the study of two sexual education textbooks. My discussion is based on cultural and feminist studies, articulated with a post-structuralist perspective of analysis. Meanings granted to homosexuality are discussed, in order to show some ways to reflect on how it is didactically possible to deconstruct and construct this sexual and gender-based identity in a positive way at school. The paper questions if respecting diversity can promote curricular inclusion. Sexual representation and ways to «deconstruct» its meanings are discussed, especially those about the kinds of people who establish sexual and affective relationships with people of the same sex. The deconstructive procedure can suggest ways to operate the sexual education pedagogic practice, at any teaching level.

Key words: Sexual education. Feminist studies and cultural studies. Deconstruction; homosexuality. Abstract: This paper provides a discussion on sexual difference production processes with the study of two sexual education textbooks. My discussion is based on cultural and feminist studies, articulated with a post-structuralist perspective of analysis. Meanings granted to homosexuality are discussed, in order to show some ways to reflect on how it is didactically possible to deconstruct and construct this sexual and gender-based identity in a positive way at school. The paper questions if respecting diversity can promote curricular inclusion. Sexual representation and ways to «deconstruct» its meanings are discussed, especially those about the kinds of people who establish sexual and affective relationships with people of the same sex. The deconstructive procedure can suggest ways to operate the sexual education pedagogic practice, at any teaching level.

Key words: sexual education; feminist studies and cultural studies; deconstruction; homosexuality; development of educators of educators

PDF

Referências

BRITZMANN, Deborah. Is there a queer pedagogy? Or, stop reading straight. Educational Theory, v.45, n. 02, p.151-165, 1995.

BUTLER, Judith. Corpos que pesam: sobre os limites discursivos do sexo. In: LOURO, Guacira Lopes (Org.).O corpo educado: pedagogias da sexualidade. Belo Horizonte: Autêntica, p. 151-172, 2000.

CANDIA, Caterina Marassi; BOTELLA, Marcedes Palop; LOPEZOSA, Pilar Millagón; MORFA, José R. Díaz. Minha primeira coleção de iniciação sexual e afetiva. São Paulo: Impala Brasil Editores, 1996.

FONSECA, Cláudia. A vingança de Capitu: DNA, escolha e destino na família brasileira contemporânea. In: BRUSCHINI, Cristina; UNBEHAUM, Sandra G. (org.). Gênero, democracia e sociedade brasileira. FCC, Editora 34, 2002.

FOUCAULT, Michel. História da sexualidade. A vontade de saber. 11. ed. Rio de Janeiro: Graal, 1993. v.1.

FURLANI, Jimena; LISBOA, Thaís, Maes. Subsídios à Educação Sexual a partir de estudo na internet. In: MEYER, Dagmar; SOARES, Rosangela. Corpo, gênero e sexualidade. Porto Alegre: Mediação, pp.41-61, 2004.

FURLANI, Jimena. O bicho vai pegar! Um olhar pós-estruturalista à Educação Sexual a partir de livros paradidáticos de educação infantil. 2005. Tese (Doutorado em Educação). Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Programa de Pós-Graduação em Educação. Porto Alegre: PPG Edu/UFRGS. 2005a.

FURLANI, Jimena. Gêneros e sexualidades: políticas identitárias na Educação Sexual. In: GROSSI, Miriam Pillar; BECKER, Simone; LOSSO, Juliana C. M.; PORTO, Rozeli M.; MULLER, Rita de C. F. (Orgs.). Movimentos sociais, Educação e sexualidade. Rio de Janeiro: Editora Garamond, 2005b. (p.219-238. Coleção Sexualidade, Gênero e Sociedade).

FURLANI, Jimena. Mitos e tabus da sexualidade humana – Subsídios ao trabalho em Educação Sexual. 3. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2007a.

FURLANI, Jimena. Mitos e tabus sexuais – representação e desconstrução no contexto da Educação Sexual. In: RIBEIRO, Paulo Rennes Marçal et al. (Org). Sexualidade, cultura e Educação Sexual – propostas para reflexão. Araraquara: Unesp, 2007b. (Série Temas em Ed. Escolar, 07).

FURLANI, Jimena. Educação Sexual: do estereótipo à representação – argumentando a favor da multiplicidade sexual, de gênero e étnico-racial. In: RIBEIRO, Paula Regina Costa (Org.).

Corpo, gênero e sexualidade – Discutindo práticas educativas. Rio Grande: Editora da FURG, 2007c. p.46-58.

LOPES, Cida. Coleção Sexo e Sexualidade. [S.L.] BrasiLeitura, [2000].

LOURO, Guacira Lopes. Gênero, sexualidade e Educação – Uma perspectiva pós-estruturalista. 3 ed. Petrópolis: Vozes, 1999.

LOURO, Guacira Lopes. Pedagogias da sexualidade. In: LOURO, Guacira (org.). O corpo educado – Pedagogias da sexualidade. Belo Horizonte: Autêntica, p.07-34, 2000.

LOURO, Guacira Lopes. O corpo estranho – ensaios sobre sexualidade e teoria queer. Belo Horizonte: Editora Autêntica, 2004.

LUHMANN, Suzanne. Queering/Queryng Pedagogy? Or, Pedagogy is a pretty queer thing. In: PINAR, Willian (org.). Queer theory in Education. New Jersey & London: Lawrence Eribaum Associates Publishers, p. 141-155, 1998 MORFA, José R. Dias; CANDIA, Caterina Marassi; LOPEZOSA, Pilar Migallón; BOTELLA, Mercedes Palop. O nosso livro de sexualidade. São Paulo: Editora Caramelo, 2002.

SILVA, Tomaz Tadeu da. Teoria cultural e Educação – um vocabulário crítico. Belo Horizonte: Autêntica, 2000.

SILVA, Tomaz Tadeu da. Documentos de identidade – uma introdução às teorias do currículo. Belo Horizonte: Autêntica, 2001a.

SILVA, Tomaz Tadeu da. O currículo como fetiche – a poética e a política do texto curricular. Belo Horizonte: Autêntica, 2001b.

SOARES, Rosângela. Fica comigo gay – o que um programa de TV ensina sobre uma sexualidade juvenil? In: LOURO, G. L.; NECKEL, J. F.; GOELLNER, S. V. (orgs.). Corpo, gênero e sexualidade. Um debate contemporâneo na educação. Petrópolis, RJ: Vozes, p.136-148, 2003.

WEEKS, Jeffrey. O corpo e a sexualidade. In: LOURO, Guacira Lopes (org.). O corpo educado – pedagogias da sexualidade. Belo Horizonte: Autêntica, p.37-82. 2000.

YAMASHIRO, Setu-Co. 2004. Desconstrução. A crítica que se pretende literatura. Revista Ângulo. Disponível em http://angulo.fatea.br/angulo88_artigo04.htm. Acesso em 29 outubro 2004.

Proposições utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto.

Downloads

Não há dados estatísticos.