Banner Portal
Desemprego, informalidade e precariedade: a situação do mercado de trabalho no Brasil pós-1990
PDF

Palavras-chave

Mercado de trabalho. Desemprego. Informalidade

Como Citar

SANTOS, Geórgia Patrícia Guimarães d. Desemprego, informalidade e precariedade: a situação do mercado de trabalho no Brasil pós-1990. Pro-Posições, Campinas, SP, v. 19, n. 2, p. 151–161, 2016. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/proposic/article/view/8643478. Acesso em: 12 jun. 2024.

Resumo

Considerando o desemprego tanto um fenômeno inerente ao processo de acumulação capitalista como uma das conseqüências das opções políticas governamentais, este artigo pretende discorrer sobre o papel do desemprego na definição das atuais estratégias de avanço do capitalismo, bem como refletir sobre o processo de desestruturação do mercado de trabalho e sua pequena inflexão nos anos mais recentes.

Abstract:

Considering unemployment as both an intrinsic phenomenon in the process of capitalist accumulation and one of the consequences of governments political options, this article brings a discussion about the role of unemployment in the definition of the recent strategies of capitalist development, as well as a reflection about the process of structuring the labor market and its slight inflection in the latest years.

Key words: Unemployment. Informality. Precariousness. Labor market

PDF

Referências

BALTAR, P.; KREIN, J. D.; MORETTO, A. O emprego formal nos anos recentes. Carta Social e do Trabalho, Campinas: Unicamp. IE. Centro de Estudos de Economia Sindical e do Trabalho (CESIT), n.3, 2006. Disponível em: http://www.eco.unicamp.br/cesit/boletim/ Versao_Integral7.pdf BAUMAN, Zygmunt. Vidas desperdiçadas. Tradução de Carlos Alberto Medeiros. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2005.

CASTEL, R. As metamorfoses da questão social. Petrópolis: Vozes, 1999.

CATTANI, Antonio D.; HOLZMANN, Lorena (Org.). Dicionário de trabalho e tecnologia. Porto Alegre: UFRGS, 2006.

CESIT. Carta Social e do Trabalho, tendências recentes do emprego, n.3, jan.- abr./2006.

CORRÊA, Marcio; MANSO, Carlos; BARRETO, Flávio; SIQUEIRA, Marcelo. Relatório sintético sobre a evolução dos indicadores de pobreza e desigualdade no Ceará. Fortaleza, 25 set. 2007 (Mimeo).

DEDECCA, Claudio S.; ROSANDISKI, Eliane N. Enfim, esperança de réquiem para a tese da inempregalidade. Carta Social e do Trabalho, Campinas: Unicamp. IE. Centro de Estudos de Economia Sindical e do Trabalho, n. 3, 2006. Disponível em: http://www.eco.unicamp.br/ cesit/boletim/Versao_Integral7.pdf FOLHA DE SÃO PAULO. Empregos terceirizados crescem 127% em dez anos. S.P., 28/08/ 2006. Disponível em: http://www1.folha.uol.com.br/fsp/dinheiro/fi2808200602.htm Acesso: 19 de set. 06.

FORRESTER, Viviane. O horror econômico. São Paulo: Ed. Unesp, 1997.

MAIA, Alexandre G. Perfil do desemprego no Brasil nos anos 2000. Carta Social e do Trabalho, Campinas: Unicamp. IE. Centro de Estudos de Economia Sindical e do Trabalho, n. 6, maio/ ago. 2007.

MÉSZÁROS, István. Para além do capital. São Paulo: Boitempo, 2002.

NORONHA, Eduardo G. Informal, ilegal, injusto: percepções do mercado de trabalho no Brasil. In: ENCONTRO ANUAL DA ANPOCS, 25., 2001. Caxambu, MG., 2001.

POCHMANN, Marcio. O emprego na globalização: a nova divisão internacional do trabalho e os caminhos que o Brasil escolheu. São Paulo: Boitempo, 2001.

POCHMANN, Marcio. A batalha pelo primeiro emprego. São Paulo: Publisher Brasil, 2000.

POCHMANN, Marcio; AMORIM, Ricardo (Orgs.). Atlas da exclusão social no Brasil. v.1. São Paulo: Cortez, 2003.

POCHMANN, Marcio; AMORIM, Ricardo (Orgs.). Qualidade das ocupações no Brasil.

Carta Social e do Trabalho, Campinas: Unicamp. IE. Centro de Estudos de Economia Sindical e do Trabalho, n. 3, 2006.

SENNETT, Richard. A corrosão do caráter: conseqüências pessoais do trabalho no novo capitalismo. Rio de Janeiro: Ed. Record, 2001.

TAFNER, Paulo. Brasil: o Estado de uma nação. Brasília: Ipea, 2006.

TELLES, Vera. Direitos humanos: afinal do que se trata? Belo Horizonte:UFMG, 2006.

Proposições utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto.

Downloads

Não há dados estatísticos.