Banner Portal
FÌsica e Arte: uma ponte entre duas culturas
PDF

Palavras-chave

Física e literatura. Ensino de física. Duas culturas. Filosofia da ciência e história da ciência

Como Citar

ZANETIC, João. FÌsica e Arte: uma ponte entre duas culturas. Pro-Posições, Campinas, SP, v. 17, n. 1, p. 39–57, 2016. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/proposic/article/view/8643654. Acesso em: 18 jul. 2024.

Resumo

O ensaio discute o trabalho com atividades interdisciplinares envolvendo física e arte, esta representada pela literatura e por letras de música. Além da discussão de aspectos históricos e epistemológicos da ponte entre as duas culturas, são criticadas medidas educacionais adotadas no País na atualidade. O ensaio ressalta a importância da física na construção de um diálogo inteligente com o mundo. Essa física deve contemplar conteúdos históricos e filosóficos mediados pela literatura. Além de permitir uma forma alternativa de ensino, a ponte entre física e literatura pode contribuir para amenizar a crise de leitura na contemporaneidade, cuja solução não pode ficar restrita aos professores de português. No aspecto epistemológico é abordada criticamente a ênfase de Bachelard na separação entre a racionalidade científica e a imaginação poética. Textos literários podem permitir o trabalho com obstáculos epistemológicos entre aqueles alunos que não se sentem motivados ao estudo da física.

Abstract:

This essay brings a discussion about the use of interdisciplinary activities involving physics and art represented by literature and music lyrics. Besides discussing historical and epistemological aspects of the bridge between the two cultures, some criticism about recent educational decisions is made. The essay emphasizes the importance of physics to the construction of an intelligent dialogue with the world. Such physics must encompass historical and philosophical contents mediated by literature. In addition to allowing an alternative approach in teaching, the bridge between physics and literature can contribute to ease the contemporary reading crisis, whose solution cannot be restricted to Portuguese teachers. In the epistemological aspect, the separation that Bachelard emphasizes between scientific rationality and poetic imagination is critically tackled. Literary texts can facilitate the work with epistemological obstacles among those students who do not feel motivated to the study of physics.

Key words: Physics and literature. Physics teaching; two cultures. Philosophy of science and history of science

PDF

Referências

ALIGHIERI, Dante. A divina comédia. Volume III (O paraíso). Lisboa: Liv. Sá da Costa Edit., Lisboa, 1958.11 ALMEIDA, Maria José P. M. de Almeida. Resenha A Evolução da Física de Albert Einstein e Leopold Infeld. Ciência e Ensino, n.1, 1996, p. 11/12.

ARENDT, Hannah. A condição humana. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 10. ed., 2001.

BACHELARD, Gaston. A formação do espírito científico. Rio de Janeiro: Contraponto, 1996.

BAKHTIN, Mikhail. Problemas da poética de Dostoiévski. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2. ed., 1997.

BERMAN, Marshall.Tudo que é sólido desmancha no ar. São Paulo: Companhia das Letras, 1986.

CANETTI, Elias. Uma luz em meu ouvido. São Paulo: Companhia das Letras, 1989 DAWKINS, Richard. Desvendando o arco-íris. São Paulo: Companhia das Letras, 2000.

FREIRE, Paulo. Extensão ou comunicação? Rio de Janeiro: Ed. Paz e Terra, 2. ed., 1975.

GAMOW, George. Gravidade. Brasília: Editora Universidade de Brasília, 1965.

GIL, Gilberto. Lunik 9. LP Louvação, 1966.

GIL, Gilberto. Quanta. CD Quanta, Warner Music, Manaus, 1997.

HENDERSON, Hugh. A dialogue in Paradise: John Milton’s visit with Galileo. Phys. Teach. 39, 2001, p. 179/183.

KAWAMURA, Maria Regina Dubeux. Disciplinaridade, sim! Ciência e Ensino, n. 2, 1997, p. 3/6.

KNIGHT, David. Working in the glare of two cultures. Interdisciplinary Science Reviews, v.

, n.2, 1998, p. 156/160.

MENEZES, Luis Carlos de. Crise, Cosmos, Vida Humana, Física para uma Educação humanista. 1988. Tese (Livre-docência). Instituto de Física, Universidade de São Paulo, 1988.

POE, Edgar Allan. Poemas e ensaios. Rio de Janeiro: Editora Globo, 1987.

SANTOS, Milton. Elogio da lentidão. Folha de São Paulo – MAIS, 11/03/2001.

SILVA, Ezequiel Theodoro da. Ciência, leitura e escola. In: ALMEIDA, Maria José P. M. de; SILVA, Henrique César da (orgs.). Linguagens, leituras e ensino da ciência. Campinas: Mercado de Letras, 1998, p. 121/130.

SNOW, C. P. The two cultures. Cambridge: Cambridge University Press, 1993 12 .

TEIXEIRA, Ivan. Luís de Camões. Os Lusíadas. Apresentação e notas de Ivan Teixeira. São Paulo: Ateliê Editorial, 1999.

VANZOLINI, Paulo. Tempo e espaço. LP Paulo Vanzolini por ele mesmo. São Paulo: Estúdio Eldorado, s/d.

ZANETIC, João. Qual o papel da ciência na formação básica? Atas do IX Simpósio Nacional de Ensino de Física, SBF, 1991.

ZANETIC, João. Física e literatura: uma possível integração no ensino. Cadernos Cedes: Ensino da Ciência, Leitura e Literatura, 41, 1997, p. 46/61.

ZANETIC, João. Literatura e cultura científica. In: ALMEIDA, Maria José P. M. de; SILVA, Henrique César da (orgs.). Linguagens, leituras e ensino da ciência. Campinas: Mercado de Letras, 1998, p. 11-36.

Proposições utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto.

Downloads

Não há dados estatísticos.