Banner Portal
Onde tem fada, tem bruxa: posições de sujeito usadas para classificar e governar infantis e docente no currículo do 1º ano
PDF
Remoto

Palavras-chave

Currículo. Alfabetização. Posições de sujeito. Dispositivo de infantilidade.

Como Citar

CALDEIRA, Maria Carolina da Silva; PARAÍSO, Marlucy Alves. Onde tem fada, tem bruxa: posições de sujeito usadas para classificar e governar infantis e docente no currículo do 1º ano. Pro-Posições, Campinas, SP, v. 28, n. 1, p. 141–168, 2017. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/proposic/article/view/8649184. Acesso em: 28 maio. 2024.

Resumo

Fadas e bruxas estão presentes no universo da alfabetização em diferentes artefatos culturais. Ao investigar o currículo de uma turma de primeiro ano do Ensino Fundamental, foi possível verificar que bruxas e fadas estão presentes também no modo como uma professora e seus (suas) alunos(as) narram a si mesmos(as) e são narrados(as) pelos(as) outros(as). Este artigo analisa os modos de subjetivação colocados em funcionamento no currículo, quando se opera com esses seres mágicos, por meio da articulação e da disputa entre dois dispositivos: o da antecipação da alfabetização e o de infantilidade. Argumentase que, assim como fadas e bruxas são personagens ambíguos, as posições de sujeito disponibilizadas aos (às) infantis e à professora também são multifacetadas, produzindo modos de subjetivação diversos e conflitantes.
PDF
Remoto

Referências

Almeida, F. (1985). A fada que tinha idéias (12a. ed.). São Paulo: Ática. Bird, M. (2004). Manual prático de bruxaria em onze lições. São Paulo: Ática.

Caldeira, T. (1988). A presença do autor e a pós-modernidade em antropologia. Novos estudos CEBRAP, 21, 133-157.

Clifford, J. (2008). A experiência etnográfica: antropologia e literatura no século XX. Rio de Janeiro: Editora UFRJ.

Corazza, S. (2001). O que quer um currículo? Petrópolis: Vozes.

Corazza, S. (2002a). Infância & educação: era uma vez...quer que conte outra vez?. Petrópolis: Vozes.

Corazza, S. (2002b). Para uma filosofia do inferno na educação: Nietzsche, Deleuze e outros malditos afins (1a. ed.). Belo Horizonte: Autêntica.

Correa, B. (2011). Educação infantil e ensino fundamental: desafios e desencontros na implantação de uma nova política. Educação & Pesquisa, 37(1), 105-120.

Deleuze, G. (1992). Um retrato de Foucault. In G. Deluze, Conversações – 1972-1990 (pp. 127-147). São Paulo: Editora 34.

Foucault, M. (1993). Verdade e subjetividade. Revista de Comunicação e Linguagem, 19, 203- 223.

Foucault, M. (1995). O sujeito e o poder. In H. Dreyfys, & P. Rabinow, Michel Foucault: uma trajetória filosófica para além do estruturalismo e da hermenêutica. (pp. 231-249). Rio de Janeiro: Forense.

Foucault, M. (1997). Resumo dos Cursos do Collège de France. Rio de Janeiro: Zahar.

Foucault, M. (2000). Sobre a história da sexualidade. In M. Foucault, Microfísica do poder (pp. 243-276, Roberto Machado, org. e trad.). Rio de Janeiro: Graal.

Foucault, M. (2004). 1984 – Foucault. In M. Foucault, Ditos e escritos V: ética, sexualidade, política (pp. 234-239). Rio de Janeiro: Forense.

Foucault, M. (2008). Segurança, território, população: curso no Collège de France (1977-1978). São Paulo: Martins Fontes.

Hillesheim, B., & Guareschi, N. (2006, janeiro/junho). Contos de fada e infância(s). Educação e Realidade, 31(1), 107-126. Kimmel, E. Mitos gregos. São Paulo: Martins Fontes, 2008.

Kohan, W. (2007). Infância, estrangeiridade e ignorância – ensaios de filosofia e educação. Belo Horizonte: Autêntica.

Kohan, S. (2013). Escrever para crianças: tudo o que é preciso saber para produzir textos de literatura infantil. Belo Horizonte: Gutemberg.

Martin, G. (2007). Os reinos do caos. Lisboa: Saída de Emergência.

Pansini, F. Marin, A. (2011). O ingresso de crianças de 6 anos no ensino fundamental: uma pesquisa em Rondônia. Educação & Pesquisa, 37(1), 87-103.

Paraíso, M. (2010a). Apresentação. In M. Paraíso (Org.), Pesquisas sobre currículos e culturas: temas, embates, problemas e possibilidades. Curitiba: CRV.

Paraíso, M. (2010b). O currículo entre a busca por “bom desempenho” e a garantia das diferenças. In A. Dalben, J. Diniz, L. Leal, & L. Santos (Orgs.), Convergências e tensões no campo da formação e do trabalho docente: currículo, ensino de educação física; ensino de geografia; ensino de história; escola, família e comunidade (pp. 132-152). Belo Horizonte: Autêntica.

Paraíso, M. (2014, setembro, 18 a 21). Currículo, cultura e diferença: “Gabriel e eu” ou “o amor é o signo”. In 11 Colóquio sobre Questões Curriculares, VII Colóquio Luso Brasileiro de Currículo e I Colóquio Luso-Afro-Brasileiro sobre Questões Curriculares. Braga, Portugal.

Queirós, B. (1988). Onde tem fada, tem bruxa. São Paulo: Moderna.

Rabinow, P. (2002). Antropologia da razão. Rio de Janeiro: Relume Dumará.

Rancière, J. (2005). O mestre ignorante: cinco lições sobre a emancipação intelectual. Belo Horizonte: Autêntica.

Scieska, J. (2005). A verdadeira história dos três porquinhos. São Paulo: Companhia das Letrinhas.

Silva, M. (2005). O currículo de Harry Potter. Monografia, Faculdade de Educação, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte.

Silva, T. T. (1995). Currículo e identidade social: territórios contestados. In T. T. da Silva, Alienígenas na sala de aula: uma introdução aos Estudos Culturais em Educação (pp.190- 207). Petrópolis: Vozes.

Silveira, R. (2002). Professoras que as histórias nos contam. Rio de Janeiro: DP&A.

Trindade, N. (2008). A bruxa nos contos de fadas. Dissertação de Mestrado em Educação, Arte e História da Cultura, Universidade Presbiteriana Mackenzie, São Paulo.

Ziraldo (1991). Um amor de família. São Paulo: Melhoramentos.

Proposições utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto.

Downloads

Não há dados estatísticos.