Onde tem fada, tem bruxa: posições de sujeito usadas para classificar e governar infantis e docente no currículo do 1º ano

  • Maria Carolina da Silva Caldeira Universidade Federal de Minas Gerais
  • Marlucy Alves Paraíso Universidade Federal de Minas Gerais
Palavras-chave: Currículo. Alfabetização. Posições de sujeito. Dispositivo de infantilidade.

Resumo

Fadas e bruxas estão presentes no universo da alfabetização em diferentes artefatos culturais. Ao investigar o currículo de uma turma de primeiro ano do Ensino Fundamental, foi possível verificar que bruxas e fadas estão presentes também no modo como uma professora e seus (suas) alunos(as) narram a si mesmos(as) e são narrados(as) pelos(as) outros(as). Este artigo analisa os modos de subjetivação colocados em funcionamento no currículo, quando se opera com esses seres mágicos, por meio da articulação e da disputa entre dois dispositivos: o da antecipação da alfabetização e o de infantilidade. Argumentase que, assim como fadas e bruxas são personagens ambíguos, as posições de sujeito disponibilizadas aos (às) infantis e à professora também são multifacetadas, produzindo modos de subjetivação diversos e conflitantes.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maria Carolina da Silva Caldeira, Universidade Federal de Minas Gerais
É professora Centro Pedagógico da UFMG, atuando no 1º ciclo de Formação Humana do Ensino Fundamental. Doutora em Educação pela Universidade Federal de Minas Gerais. Na mesma instituição, realizou seu curso de Mestrado e de Pedagogia.
Marlucy Alves Paraíso, Universidade Federal de Minas Gerais
É professora Associada da Faculdade de Educação da Universidade Federal de Minas Gerais. Possui Pós-Doutorado (PHD) em Educação pela Faculdad de Filosofia y Ciências de la Educación de la Uiversidad de Valência Espanha com bolsa CAPES; Doutorado em Educação pela Universidade Federal do Rio de Janeiro; Mestrado em Educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul e Graduação em Pedagogia pela Universidade Federal de Viçosa.

Referências

Almeida, F. (1985). A fada que tinha idéias (12a. ed.). São Paulo: Ática. Bird, M. (2004). Manual prático de bruxaria em onze lições. São Paulo: Ática.

Caldeira, T. (1988). A presença do autor e a pós-modernidade em antropologia. Novos estudos CEBRAP, 21, 133-157.

Clifford, J. (2008). A experiência etnográfica: antropologia e literatura no século XX. Rio de Janeiro: Editora UFRJ.

Corazza, S. (2001). O que quer um currículo? Petrópolis: Vozes.

Corazza, S. (2002a). Infância & educação: era uma vez...quer que conte outra vez?. Petrópolis: Vozes.

Corazza, S. (2002b). Para uma filosofia do inferno na educação: Nietzsche, Deleuze e outros malditos afins (1a. ed.). Belo Horizonte: Autêntica.

Correa, B. (2011). Educação infantil e ensino fundamental: desafios e desencontros na implantação de uma nova política. Educação & Pesquisa, 37(1), 105-120.

Deleuze, G. (1992). Um retrato de Foucault. In G. Deluze, Conversações – 1972-1990 (pp. 127-147). São Paulo: Editora 34.

Foucault, M. (1993). Verdade e subjetividade. Revista de Comunicação e Linguagem, 19, 203- 223.

Foucault, M. (1995). O sujeito e o poder. In H. Dreyfys, & P. Rabinow, Michel Foucault: uma trajetória filosófica para além do estruturalismo e da hermenêutica. (pp. 231-249). Rio de Janeiro: Forense.

Foucault, M. (1997). Resumo dos Cursos do Collège de France. Rio de Janeiro: Zahar.

Foucault, M. (2000). Sobre a história da sexualidade. In M. Foucault, Microfísica do poder (pp. 243-276, Roberto Machado, org. e trad.). Rio de Janeiro: Graal.

Foucault, M. (2004). 1984 – Foucault. In M. Foucault, Ditos e escritos V: ética, sexualidade, política (pp. 234-239). Rio de Janeiro: Forense.

Foucault, M. (2008). Segurança, território, população: curso no Collège de France (1977-1978). São Paulo: Martins Fontes.

Hillesheim, B., & Guareschi, N. (2006, janeiro/junho). Contos de fada e infância(s). Educação e Realidade, 31(1), 107-126. Kimmel, E. Mitos gregos. São Paulo: Martins Fontes, 2008.

Kohan, W. (2007). Infância, estrangeiridade e ignorância – ensaios de filosofia e educação. Belo Horizonte: Autêntica.

Kohan, S. (2013). Escrever para crianças: tudo o que é preciso saber para produzir textos de literatura infantil. Belo Horizonte: Gutemberg.

Martin, G. (2007). Os reinos do caos. Lisboa: Saída de Emergência.

Pansini, F. Marin, A. (2011). O ingresso de crianças de 6 anos no ensino fundamental: uma pesquisa em Rondônia. Educação & Pesquisa, 37(1), 87-103.

Paraíso, M. (2010a). Apresentação. In M. Paraíso (Org.), Pesquisas sobre currículos e culturas: temas, embates, problemas e possibilidades. Curitiba: CRV.

Paraíso, M. (2010b). O currículo entre a busca por “bom desempenho” e a garantia das diferenças. In A. Dalben, J. Diniz, L. Leal, & L. Santos (Orgs.), Convergências e tensões no campo da formação e do trabalho docente: currículo, ensino de educação física; ensino de geografia; ensino de história; escola, família e comunidade (pp. 132-152). Belo Horizonte: Autêntica.

Paraíso, M. (2014, setembro, 18 a 21). Currículo, cultura e diferença: “Gabriel e eu” ou “o amor é o signo”. In 11 Colóquio sobre Questões Curriculares, VII Colóquio Luso Brasileiro de Currículo e I Colóquio Luso-Afro-Brasileiro sobre Questões Curriculares. Braga, Portugal.

Queirós, B. (1988). Onde tem fada, tem bruxa. São Paulo: Moderna.

Rabinow, P. (2002). Antropologia da razão. Rio de Janeiro: Relume Dumará.

Rancière, J. (2005). O mestre ignorante: cinco lições sobre a emancipação intelectual. Belo Horizonte: Autêntica.

Scieska, J. (2005). A verdadeira história dos três porquinhos. São Paulo: Companhia das Letrinhas.

Silva, M. (2005). O currículo de Harry Potter. Monografia, Faculdade de Educação, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte.

Silva, T. T. (1995). Currículo e identidade social: territórios contestados. In T. T. da Silva, Alienígenas na sala de aula: uma introdução aos Estudos Culturais em Educação (pp.190- 207). Petrópolis: Vozes.

Silveira, R. (2002). Professoras que as histórias nos contam. Rio de Janeiro: DP&A.

Trindade, N. (2008). A bruxa nos contos de fadas. Dissertação de Mestrado em Educação, Arte e História da Cultura, Universidade Presbiteriana Mackenzie, São Paulo.

Ziraldo (1991). Um amor de família. São Paulo: Melhoramentos.

Publicado
2017-05-02
Como Citar
Caldeira, M. C. da S., & Paraíso, M. A. (2017). Onde tem fada, tem bruxa: posições de sujeito usadas para classificar e governar infantis e docente no currículo do 1º ano. Pro-Posições, 28(1), 141-168. Recuperado de https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/proposic/article/view/8649184
Seção
Artigos