Banner Portal
“Os ogros são como cebolas”: diferentes ofertas de subjetivação presentes na personagem Shrek
PDF
Remoto

Palavras-chave

Subjetivação. Cuidado de si. Constituição de si.

Como Citar

SANTOS, Myrna Wolff Brachmann dos; OSÓRIO, Antônio Carlos do Nascimento. “Os ogros são como cebolas”: diferentes ofertas de subjetivação presentes na personagem Shrek. Pro-Posições, Campinas, SP, v. 28, n. 1, p. 169–192, 2017. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/proposic/article/view/8649185. Acesso em: 15 abr. 2024.

Resumo

Este texto constitui breve exposição de análise dos quatro filmes de animação da série Shrek – Shrek (2001), Shrek 2 (2004), Shrek Terceiro (2007), Shrek para Sempre (2010) – realizada com o objetivo de descrever e refletir sobre os processos de subjetivação que produzem a personagem Shrek. Pressupõe que os filmes, em sua capacidade pedagógica, oferecem e propõem alternativas de subjetivação, além de modelos e exemplos de modos de ser, pensar e agir. Apresenta a ideia de que a personagem do ogro sofre um processo de subjetivação, que o torna mais ou menos normalizado. Ao sujeito espectador, infante (ou não), os filmes da série Shrek oferecem uma ideia de humanização e de conformação às normas que regem socialmente o uso da sexualidade. Os processos que tornam a personagem Shrek normalizada, bem como, e de certa forma, humanizada, são tratados como ofertas exemplares e modelares de como cuidar de si.
PDF
Remoto

Referências

Adamson, A., & Jenson, V. (Direção), Warner, A., Williams, J., & Katzenberg, J. (Produção). (2001). Shrek (DVD/vídeo – 1 filme; 93 min. Cor. Livre. Família. [Tema: Amizade]). EUA: DREAMWORKS ANIMATION SKG.

Adamson, A., Asbury, K., & Vernon, C. (Direção), Warner, A., Lipman, D., & Williams, J. (Produção). (2004) Shrek 2 (DVD/vídeo – 1 filme; 93 min. Cor. Livre. Família. [Tema: Amizade]). EUA: DREAMWORKS ANIMATION SKG.

Bilotta, F. A. (2010). Heroínas - da submissão à ação: uma análise junguiana de personagens em filme de animação. Dissertação de Mestrado em Psicologia Clínica, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, Brasil.

Charney, L., & Schwartz, V. R. (2004). O cinema e a invenção da vida moderna (2a ed., ed. rev., R. Tompson, trad., Coleção Cinema, Teatro e Modernidade) São Paulo: Cosac&Naify.

Corrêa, A. (2006). O ogro que virou príncipe: uma análise dos intertextos presentes em Shrek. Dissertação de Mestrado em Letras, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, RS, Brasil.

Costa, M. V. (2002, maio/agosto). Ensinando a dividir o mundo; as perversas lições de um programa de televisão. Revista Brasileira de Educação, 20, 71-82.

Denis, S. (2010). O cinema de animação (M. Félix, trad., Coleção MI∙MÉ∙SIS Artes e Espetáculo). Lisboa, Portugal: Edições Texto & Grafia. Duarte, R. (2006). Cinema & educação (2a. ed.). Belo Horizonte: Autêntica.

Duarte, R., & Alegria, J. (2008). Formação estética audiovisual: um outro olhar para o cinema a partir da educação. Revista Educação & Realidade. Dossiê. Cinema e Educação, 33(1), 59-79.

Dumaresq, D. D. (2007). Sobre heróis, narradores e realismo: análise de filmes de Jean Rouch. Tese de Doutorado em Sociologia, Universidade de São Paulo, São Paulo, SP, Brasil.

Ellsworth, E. (2001). Modos de endereçamento: uma coisa de cinema, uma coisa de educação também. In T. T. Silva (Org.), Nunca fomos humanos: nos rastros do sujeito (pp.7-76) Belo Horizonte, MG: Autêntica.

Fischer, R. M. B. (2007). Mídia, máquinas de imagens e práticas pedagógicas. Revista Brasileira de Educação, 12 (35), 290-299.

Foucault, M. (1988). História da sexualidade II: o uso dos prazeres (5a. ed., M. T. C Albuquerque, trad.) Rio de Janeiro: Graal.

Foucault, M. (1996). Vigiar e punir: nascimento da prisão (13a. ed., R. Ramalhete, trad.) Petrópolis: Vozes.

Foucault, M. (2001). História da sexualidade I: a vontade de saber. (14a. ed., M. T. C Albuquerque, & G. Albuquerque, trads.). Rio de Janeiro: Graal.

Foucault, M. (2004). Ética, sexualidade, política/Michel Foucault (M. B. da Motta, org. e seleção de textos, E. Monteiro, & I. A. Dourado, trads., Coleção Ditos e Escritos, vol. V).Rio de Janeiro: Forense Universitária.

Giroux, H. A. (2004). A disneyzação da cultura infantil. In T. T. Silva, & A. F. Moreira (Orgs.), Territórios contestados: o currículo e os novos mapas políticos e culturais (6a. ed., pp.49-81). Petrópolis, RJ: Vozes.

Gomes, P. E. S. (2011). A personagem cinematográfica. In A. Candido, Antonio et al., A personagem de ficção (12a. ed., pp. 104-119, Coleção Debates). São Paulo: Perspectiva.

Guattari, F. (1980). O divã do pobre. In C. Metz, J. Kristeva, F. Guattari, & R. Barthes, Psicanálise e Cinema (pp. 105-117, P. A. Ruprecht, trad.). São Paulo: Global.

Louro, G. L. (2000). O cinema como pedagogia. In Lopes, Mendes, & Greive (Orgs.), 500 anos de educação no Brasil (pp. 423-446). Belo Horizonte: Autêntica.

Machado, L. M. M. (2006). E a mídia criou a mulher: como a tv e o cinema constroem o sistema de sexo/gênero. Tese de Doutorado em História, Universidade de Brasília, Brasília, Brasil.

Mayrink, M. F. (2007). Luzes... câmera... reflexão: formação inicial de professores mediada por filmes. Tese de Doutorado em Linguística Aplicada e Estudos da Linguagem, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, Brasil.

Miller, C. (Direção), Warner, A. (Produção). (2007). Shrek terceiro (Shrek the Third / Shrek 3) (DVD/vídeo – 1 filme; 93 min. Cor. Livre. Família. [Tema: Invasão do Reino Encantado]). EUA: DREAMWORKS ANIMATION SKG.

Mitchell, M. (Direção), Shay, G., & Cheng, T. (Produção). (2010). Shrek para sempre (Shrek Forever After) (DVD/video – 1 filme; 93 min. Cor. Livre. Família. (Tema: Amizade). EUA: DREAMWORKS ANIMATION SKG.

Momo, M. (2009). A tecnologização dos desejos. In M. V. Costa, (Org.), A educação na cultura da mídia e do consumo (pp. 203-205). Rio de Janeiro: Lamparina.

Santos, M. R. dos. (2009). O “diferente” e o “feminino” em Shrek: uma análise das formações discursivas. Dissertação de Mestrado em Estudo de Linguagens, Universidade do Estado da Bahia, Salvador, BA, Brasil.

Silva, E. M. da. (2007). Shrek, do conto ao filme: um “reino” não tão distante. Dissertação de Mestrado em Letras, Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, PB, Brasil.

Silva, R. P. (2007). Cinema e educação. São Paulo: Cortez.

Steig, W. (2001). Shrek: a história que inspirou o filme (E. Brandão, trad.). São Paulo: Companhia das Letrinhas.

Vieira, T. C. (2008). O potencial educacional do cinema de animação: três experiências na sala de aula. Dissertação de Mestrado em Educação, Pontifícia Universidade Católica de Campinas, Campinas, SP, Brasil.

Proposições utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto.

Downloads

Não há dados estatísticos.