Banner Portal
Repensando o papel do professor como agente transformador: parresía, cuidado de si e ética na formação de professores
PDF
Remoto

Palavras-chave

Foucault. Parresía. Subjetividade. Intelectual. Formação de professores.

Como Citar

ALVES, Alexandre. Repensando o papel do professor como agente transformador: parresía, cuidado de si e ética na formação de professores. Pro-Posições, Campinas, SP, v. 28, n. 1, p. 193–212, 2017. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/proposic/article/view/8649186. Acesso em: 15 jun. 2024.

Resumo

O objetivo deste artigo é propor uma breve análise do conceito de parresía nos últimos cursos de Michel Foucault no Collège de France para pensar o papel do professor e sua formação na atualidade. Seguindo o argumento de Foucault, analisa-se o conceito de parresía em contraste com o conceito de confissão como operadores na constituição do sujeito ético em dois distintos modos de subjetivação: nas escolas filosóficas da Antiguidade greco-romana e no dispositivo pastoral cristão. Nas escolas filosóficas helenísticas, a figura do mestre é central na formação do sujeito ético, como aquele que permite e promove a autonomia do discípulo. Na prática cristã de condução, em contrapartida, o objetivo é a mortificação da vontade e a subordinação perpétua a um guia de conduta. Essa análise permite compreender como as instituições e as práticas educacionais modernas e contemporâneas se ancoram ainda na hermenêutica de si cristã, que é correlativa a formas pastorais de condução e governo dos indivíduos. Para uma melhor compreensão da questão, recorre-se à distinção, estabelecida por Jacques Rancière, entre o professor como mestre emancipador e como cidadão. Considera-se também o problema do “desaparecimento” do professor nos discursos e nas práticas da “aprendizagem”, seguindo a análise de Gert Biesta. Por fim, são avaliadas algumas implicações da análise de Foucault para repensar os dilemas da teorização educacional crítica hoje e o papel do professor como intelectual específico na transformação das práticas educativas.
PDF
Remoto

Referências

Aquino, J. G. (2013). A difusão do pensamento de Michel Foucault na educação brasileira: um itinerário bibliográfico. Revista Brasileira de Educação, 18(53), 301-324.

Audureau, J.-P. (2003). Assujettissement et subjectivation: réflexions sur l’usage de Foucault en éducation. Revue française de pédagogie, 143(1), 17-29.

Besley, T. (2005) Foucault, truth telling and technologies of the self in schools. Journal of Educational Enquiry, (6), 76-89.

Biesta, G. J. J. (2012) Giving teaching back to education: responding to the disappearance of the teacher. Phenomenology and Practice, 6(2), 35-49.

Biesta, G. J. J. (2013a). Para além da aprendizagem. Educação democrática para um futuro humano. Belo Horizonte: Autêntica.

Biesta, G. J. J. (2013b). Receiving the gift of teaching: from ‘learning from’ to ‘being taught by’. Studies in Philosophy and Education, 32(5), 449-461.

Foucault, M. (1994). Dits et écrits (vol. II). Paris: Gallimard.

Foucault, M. (1996). Microfísica do poder (12a ed.). Rio de Janeiro: Graal.

Foucault, M. (2001). L’herméneutique du sujet (Cours au Collège de France [1981-1982]). Paris: Gallimard/Seuil, 2001.

Foucault, M. (2004a). Discurso y verdad en la antigua Grecia. Barcelona/Buenos Aires/México: Ediciones Paidós.

Foucault, M. (2004b). Securité, territoire, population (Cours au Collège de France [1977- 1978]). Paris: Gallimard/Seuil.

Foucault, M. (2011). A coragem da verdade (Curso no Collège de France [1983-1984]). São Paulo: Martins Fontes.

Foucault, M. (2013). L’origine de l’herméneutique de soi (Conférences prononcées à Dartmouth College, 1980). Paris: Vrin.

Foucault, M.(2014). O governo dos vivos (Curso no Collège de France [1979-1980]). São Paulo: Martins Fontes.

Freitas, A. S. de. (2013). A parresía pedagógica de Foucault e o êthos da educação como psicagogia. Revista Brasileira de Educação, 18(53), 325-338.

Freitas, A. S. de. (2014). O cuidado de si e os perigos de uma ontologia ainda sem cabimento: o legado ético-espiritual de Foucault. Pro-Posições, 25(2), 121-138.

Huskaby, M. F. (2007). Conversation on practices of the self within relations of power: for scholars who speak dangerous truths. lnternational Journal of Qualitative Studies in Education, 20, 513-529.

Larrosa, J. (1994). Tecnologias do eu e educação. In T. T. da Silva (Org.), O sujeito da educação – estudos foucaultianos (pp. 35-86). Petrópolis: Vozes.

Marcello, F. de A., & Fischer, R. M. B. (2014). Cuidar de si, dizer a verdade: arte, pensamento e ética do sujeito. Pro-Posições, 25(2), 157-175.

Peters, M. A. (2007). Truth-telling as an educational practice of the self: Foucault, 'Parrhesia' and the Ethics of Subjectivity. Oxford Review of Education, 29, 207-224.

Rancière, J. (2005). L’actualité du ‘Maître ignorant’. Le Télémaque, 1(27), 21-36.

Silva, N. M. A. da, & Freitas, A. S de.(2015). A ética do cuidado de si no campo pedagógico brasileiro: modos de uso, ressonâncias e desafios. Pro-Posições, 26(1), 217-233.

Veiga-Neto, A.(2009). Editorial. Revista Educação & Realidade, 34(2), 5-9. Veiga-Neto, A. (2014). Foucault & a Educação. Belo Horizonte: Autêntica.

Yazbec, A. C. (2012). A “transgressão do universal”: o intelectual e o poder em Michel Foucault. Kriterion, 125, 251-262.

Proposições utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto.

Downloads

Não há dados estatísticos.