Banner Portal
Saberes locais sobre formação de jovens em vulnerabilidade social na região de M’Boi Mirim e proximidades
Acesso Remoto

Palavras-chave

Juventude
Vulnerabilidade
Educação

Como Citar

MATHEUS, Tiago Luis Corbisier; OLIVEIRA , Letícia Daidone. Saberes locais sobre formação de jovens em vulnerabilidade social na região de M’Boi Mirim e proximidades . Pro-Posições, Campinas, SP, v. 29, n. 2, p. 185–209, 2018. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/proposic/article/view/8656341. Acesso em: 17 jun. 2024.

Resumo

Esta pesquisa toma a educação como eixo privilegiado para o enfrentamento da vulnerabilidade social juvenil na região de M’Boi Mirim e proximidades. Por meio de entrevistas qualitativas, foram ouvidos educadores, diretores e gestores locais, de escolas (15 e um EJA) e equipamentos de formação complementar (3 centros de juventude). As escolas investigadas mostram dificuldade no enfrentamento dos desafios lá vividos: sobrecarregadas na função social assumida, vivem problemas de diversos tipos, desde restrições financeiras, inconstância do corpo docente, evasão escolar, violência dentro e fora do meio escolar, e dificuldade de tornar a escola um lugar inclusivo e plural. Há, porém, escolas, centros de juventude e educadores locais que têm desenvolvido estratégias fecundas para o enfrentamento da vulnerabilidade social juvenil, criando dispositivos de não discriminação, espaços de diálogo e de respeito compartilhado e abrindo seus portões para o convívio regular e cotidiano com o entorno, entre outras ações.

Acesso Remoto

Referências

Abramo, H. W., & Branco, P. P. M. (2005). Retratos da juventude brasileira: análise de uma pesquisa nacional. São Paulo (SP): Ed. Fundação Perseu Abramo.

Borelli, E. (2012, janeiro/julho). Vulnerabilidades sociais e juvenil nos mananciais da zona sul de São Paulo. Revista Katálysis, 15(1), 62-69.

Brasil (2014). Secretaria Nacional da Juventude. Estação Juventude: conceitos fundamentais – pontos de partida para uma reflexão sobre políticas públicas. Brasília.

Caldeira, T. (2000). Cidade de muros: crime, segregação e cidadania em São Paulo. São Paulo: Editora 34; Edusp.

Carvalho, J. S. (2013). Reflexões sobre educação, formação e esfera pública. Porto Alegre (RS): Penso.

Certeau, M. de. (2012). A invenção do cotidiano: 1 Artes de fazer (18a ed.). Petrópolis (RJ): Vozes. (Original publicado em 1990).

Dowbor, L. (2007). Educação e apropriação da realidade local. Estudos avançados, 21(60), 75-92. Recuperado em 23 de abril de 2015, de http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0103- 40142007000200006&script=sci_arttext.

Feltran, G. de S. (2011). Fronteiras de tensão: política e violência nas periferias de São Paulo. São Paulo: Ed. Unesp; CEM; Cebrap.

Governo do Estado de São Paulo. Diretoria de Ensino Sul 2. Recuperado em 1º de novembro de 2015, de http://desul2.edunet.sp.gov.br/dehistoria.html.

Haguette, T. M. (1999). Metodologias qualitativas na sociologia (6a ed.). Petrópolis-RJ: Vozes.

Kowarick, L. (2009). Viver em risco: sobre a vulnerabilidade socioeconômica e civil. São Paulo- SP: Editora 34.

Matheus, T. C. (2002). Ideais na adolescência: falta (d)e perspectivas na virada do século. São Paulo-SP: Annablume; Fapesp.

Matheus, T. C. (No prelo). Vulnerabilidade social e laços de solidariedade entre jovens moradores do Jardim Ângela e do Jardim São Luís. Psicologia & Sociedade.

Prefeitura de São Paulo. Dados demográficos dos distritos pertencentes às subprefeituras. Recuperado em 28 de julho de 2014, de http://www.prefeitura.sp.gov.br/cidade/secretarias/subprefeituras/subprefeituras/da dos_demograficos/index.php?p=12758.

Rancière, J. (2013). O mestre ignorante: cinco lições sobre a emancipação intelectual (3a ed.). Belo Horizonte (MG): Autêntica. (Original publicado em 1987).

Santos, M. (1994). O retorno do território. In M. Santos, A. Souza, & M. L. Silveira (Orgs.), Território: globalização e fragmentação (pp.15-20). São Paulo-SP: Hucitec; Anpur.

Santos, M. (2009). Metrópole corporativa fragmentada: o caso de São Paulo (2a. ed.). São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo. (Original publicado em 1990).

Spink, P. K. (2003). Pesquisa de campo em psicologia social: uma perspectiva pósconstrucionista. Psicologia & Sociedade, 15(2), 18-42.

Spink, P. K. (2008). O pesquisador conversador no cotidiano. Psicologia & Sociedade, edição especial, (20), 70-77.

Spink, P. K. (2014, janeiro/julho). Bringing the horizon back in: the mid-range approach to Organizational Studies. Revista Brasileira de Estudos Organizacionais, 1(1), 1-26.

Torres, H. G., França, D., Teixeira, J., Camelo, R., & Fusaro, E. (Coords.). (2013, novembro). O que os jovens de baixa renda pensam sobre a escola (Relatório final). In Fundação Victor Civita, Estudos & Pesquisas Educacionais (vol. 4, pp. 167-203). Fundação Victor Civita: São Paulo.

Unicamp, Prefeitura de São Paulo. Mapa da Juventude. (2014). Recuperado em 25 de agosto de 2015, de https://www.portaldajuventude.prefeitura.sp.gov.br/wpcontent/uploads/2015/08/Mapa-da-juventude_completo.pdf.

Unicef (2014). Volpi, M., Silva, M. de S., & Ribeiro, J. (Coords.). 10 desafios do ensino médio no Brasil: para garantir o direito de aprender de adolescentes de 15 a 17 anos. Brasília (DF).

Proposições utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto.

Downloads

Não há dados estatísticos.