A participação da universidade e da escola no acontecimento do estágio curricular supervisionado de futuros professores de Educação Física

Autores

Palavras-chave:

Formação de professores, Estágio curricular supervisionado, Educação física

Resumo

Trata-se de um estudo qualitativo que teve como objetivo compreender a participação da escola e da universidade durante o estágio curricular supervisionado em Educação Física. Os resultados e discussão evidenciaram: (i) o contexto, que compreendeu os elementos advindos do ambiente do estágio na escola e as relações estabelecidas; (ii) a dinâmica, que apresentou como o estágio acontece na universidade e nas escolas e os desafios estabelecidos para os professores e as inquietudes dos estagiários; e (iii) o papel dos professores e suas representações. Como considerações registrou-se que ambas as instituições são colaborativas para com o estágio, mas não apresentam vínculos extremamente formativos ou engajamento equilibrado a ponto de constituírem uma parceria.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Larissa Cerignoni Benites, Universidade do Estado de Santa Catarina

Doutorado em Ciências da Motricidade pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho. Professora Adjunta pela Universidade do Estado de Santa Catarina – Udesc (Florianópolis, SC, Brasil).

Referências

Benites, L.C. (2012). O professor-colaborador no estágio curricular supervisionado em educação física: perfil, papel e potencialidades Tese de doutorado, Universidade Estadual Paulista, Rio Claro.

Borges, C. (2011). La collaboration enseignante en education physique et à la santé. In L. Portelance, C. Borges, & J. Pharand, (Orgs.), La collaboration dans le mileu de l’éducation: dimensions pratiques et perspectives théoriques (pp. 83-102). Québec: Presses de l’Université du Québec.

Cid, A., Pérez, A., & Sarmiento, J. A. (2011). La tutoría en el practicum: revisión de la literatura. Revista de Educación, (354), 127-154.

Decreto-Lei nº 1.190, de 4 de abril de 1939. (1939, 31 de dezembro). Dá organização à Faculdade Nacional de Filosofia. Coleção de Leis do Brasil

Decreto-Lei nº 9.053, de 12 de março de 1946. (1946, 15 de março). Cria um ginásio de aplicação nas Faculdades de Filosofia do País. Diário Oficial da União

Fajardo, I. N., Minayo, M. C. S., & Moreira, C. O. F. (2010). Educação escolar e resiliência: política de educação e a prática docente em meios adversos. Ensaio: Avaliação e Políticas Públicas em Educação, 18(69), 761-774.

França, D. S. (2011). Os estágios de ensino: novas questões para velhos problemas. Nuances: Estudos Sobre Educação, 20(21), 117-130.

Gatti, B. A., & Barretto, E. S. S. (2009). Professores do Brasil: impasses e desafios Brasília: Unesco.

Gauthier, C., Martineu, S., Desbiens, J.-F., Malo, A., & Simard, D. (1998). Por uma teoria da pedagogia: pesquisas contemporâneas sobre o saber docente Ijuí: Editora Unijuí, 1998.

Gervais, C., & Desrosiers, P. (2005). L’école, lieu de formation d’enseignants: questions et repères pour l’accompagnement de stagiaires Québec: Presses de l’Université Laval.

Isse, S. F. (2014). Estágio supervisionado na formação de professores de educação física: análise de produções científicas. In Anais do VII Congresso Sulbrasileiro de Ciências do Esporte Universidade Federal do Paraná, Matinhos. Recuperado de http://cbce.tempsite.ws/congressos/index.php/7csbce/2014/paper/view/6018

Karsenti, T., & Savoie-Zajc, L. (Orgs.).(2011). La recherche en education: étapes et aproches Saint-Laurent: Erpi.

Kulinna, P. H., Brusseau, T., Ferry, M., & Cothran, D. (2010). Preservice teachers’ belief systems toward curricular outcomes for physical education. Research Quarterly for Exercise and Sport, 81(2), 189-198.

Landry, C. (2013). Le partenariat en éducation et en formation: des formes de collaboration à l’espace partenarial. In C. Landry, & C. Garant (Dir.), Formation continue, recherche et partenariat. pour construire la collaboration entre l’université et le milieu scolaire (pp. 31-62). Québec: Presses de l’Université du Québec.

Lei nº 11.788, de 25 de setembro de 2008. (2008, 26 de setembro). Dispõe sobre o estágio de estudantes; altera a redação do art. 428 da Consolidação das Leis do Trabalho – CLT, aprovada pelo Decreto-Lei nº 5.452, de 1º de maio de 1943, e a Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996; revoga as Leis nos 6.494, de 7 de dezembro de 1977, e 8.859, de 23 de março de 1994, o parágrafo único do art. 82 da Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996, e o art. 6o da Medida Provisória nº 2.164-41, de 24 de agosto de 2001; e dá outras providências. Diário Oficial da União

Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. (1996, 23 de dezembro). Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Diário Oficial da União

Mérini, C. (2006). Le partenariat en formation: de la modélisation à une application Paris: L’Harmattan.

Ministério da Educação. (1969). Resolução nº 9, de 10 de outubro de 1969 Fixa a formação pedagógica em 1/8 das horas obrigatórias de trabalho de cada licenciatura voltada para o ensino de 2º grau. Recuperado de: http://cev.org.br/biblioteca/resolucao-n-9-10-outubro-1969/

Ministério da Educação. (2001a, 2 de outubro). Parecer CNE/CP 27 Dá nova redação ao item 3.6, alínea c, do Parecer CNE/CP 9/2001, que dispõe sobre as diretrizes curriculares nacionais para a formação de professores da educação básica, em nível superior, curso de licenciatura, de graduação plena. Recuperado de http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/027.pdf

Ministério da Educação. (2001b, 8 de maio). Parecer CNE/CP 28 Dá nova redação ao Parecer CNE/CP 21/2001, que estabelece a duração e a carga horária dos cursos de formação de professores da educação básica, em nível superior, curso de licenciatura, de graduação plena. Recuperado de http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/028.pdf

Ministério da Educação. (2015, 3 de julho). Resolução CP nº 2, de 1º de julho de 2015. Define as Diretrizes Curriculares Nacionais para a formação inicial em nível superior (cursos de licenciatura, cursos de formação pedagógica para graduados e cursos de segunda licenciatura) e para a formação continuada. Diário Oficial da União

Nóvoa, A. (2008). The return of teachers. In Ministry of Education, Portugal 2007: teacher professional development for the quality and equity of lifelong learning (pp. 21-28). Lisboa: [s. n.].

Oliveira-Formosinho, J. (2002). Em direção a um modelo ecológico de supervisão de professores. uma investigação na formação de educadores de infância. In J. Oliveira-Formosinho (Org.), A supervisão na formação de professores: da sala à escola (pp. 94-120). Porto: Porto Editora.

Paillé, P., & Mucchielli, A. (2012). L’analyse qualitative en sciences humaines et sociales Paris: Armand Colin.

Perrenoud, P., Paquay, L., Altet, M., & Charlier, E. (2001). Formando professores profissionais: três conjuntos de questões. In L. Paquay, P. Perrenoud, M. Altet, & E. Charlier (Orgs.), Formando professores profissionais: Quais estratégias? Quais competências? (pp. 11-22). Porto Alegre: Artmed.

Pimenta, S. G., & Lima, M. S. L. (2011). Estágio e docência São Paulo: Cortez.

Rio Claro. (2014, 4 de abril). Portaria SME nº 3 Rio Claro: Prefeitura Municipal. Recuperado de http://www.educacaorc.com.br/media/biblioteca/7000799/Portaria%20SME%20003_Comiss%C3%A3oReorganiza%C3%A7%C3%A3oCurricularEduca%C3%A7%C3%A3oF%C3%ADsica.pdf

Sarti, F. M. (2008). O professor e as mil maneiras de fazer no cotidiano escolar. Educação: Teoria e Prática, 18(30),47-66.

Saviani, D. (2009). Formação de professores: aspectos históricos e teóricos do problema no contexto brasileiro. Revista Brasileira de Educação, 14(40), 143-155.

Schön, D. A. (1992). Formar professores como profissionais reflexivos. In A. Nóvoa (Coord.), Os professores e sua formação (pp. 77-92). Lisboa: Don Quixote.

Silva, M. A., & Molina Neto, V. (2014). Potencialidades do estágio docente para a construção da identidade do professor de educação física: uma revisão de literatura. Anais do VII Congresso Sulbrasileiro de Ciências do Esporte Universidade Federal do Paraná, Matinhos. Recuperado de http://cbce.tempsite.ws/congressos/index.php/7csbce/2014/paper/view/5999

Souza Neto, S., & Benites, L. C. (2008). Perspectivas para o desenvolvimento e construção do ser-professor: a educação física em questão Rio Claro: Unesp.

Tardif, M. (2002). Saberes docentes e formação profissional Petrópolis: Vozes.

Tavares, J. (Org.). (2011). Resiliência e educação São Paulo: Cortez.

Tunes, E., Tacca, M. C. V. R., & Bartholo Junior, R. S. (2005). O professor e o ato de ensinar. Caderno de Pesquisa, 35(126), 689-698.

Universidade Estadual Paulista. (2002). Pensando a formação de professores na Unesp São Paulo: Unesp.

Universidade Estadual Paulista. (2008). Minuta de resolução para regulamento geral dos estágios curriculares dos cursos de graduação da Unesp São Paulo: Unesp.

Vasques, A. L. P., & Sarti, F. M. (2017). Entre o ‘aproveitamento’ e o provimento da prática na formação continuada de professores. Acta Scientiarum Education, 39(1), 67-77.

Weber, S. (2003). Profissionalização docente e políticas públicas no brasil. Educação e Sociedade, 24(85), 1125-1154.

Zabalza, M. A. (2014). O estágio e as práticas em contexto profissionais na formação universitária São Paulo: Cortez.

Downloads

Publicado

2021-08-30

Como Citar

BENITES, L. C. . A participação da universidade e da escola no acontecimento do estágio curricular supervisionado de futuros professores de Educação Física. Pro-Posições, Campinas, SP, v. 32, p. e20180085, 2021. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/proposic/article/view/8666750. Acesso em: 25 out. 2021.