Ensinar para quem não quer aprender

um dos desafios da didática e da formação de professores

Autores

Palavras-chave:

Bom professor, Didática, Ensino médio, Profissionalidade

Resumo

Este artigo se estrutura a partir da expressão “ensinar para quem não quer aprender”, que se consolidou nas percepções de professores de ensino médio como um dos maiores desafios do processo ensino-aprendizagem em escolas públicas. Os dados são parte de um estudo sobre o exercício da docência com jovens da periferia. Os objetivos são constatar a realidade desses “alunos que não querem aprender”; identificar como os professores conseguem driblar essa realidade e promover sentidos para a escola; reconhecer novas dimensões da prática docente a serem incorporadas pelo ensino da didática e pela formação de professores. A construção argumentativa apoia-se nos estudos da didática e da sociologia. Argumenta-se que uma nova profissionalidade docente encontra-se marcada pelas dimensões relacionais e motivacionais do trabalho, na qual o professor é um “profissional das relações” e um “construtor de sentidos”.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Silvana Mesquita, Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro

Doutor em Educação pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro. Professos Assistente pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro – PUC-Rio (Rio de Janeiro, RJ, Brasil).

Referências

Adrião, T., Garcia, T., Borgui, R., & Arelaro, L. (2009). Uma modalidade peculiar de privatização da educação pública: a aquisição de ‘sistemas de ensino’ por municípios paulistas. Educ. & Soc, Campinas, 30(108), 799-818.

Andre, M., & Cruz, G. B. (2012). A produção do conhecimento didático na RBEP (1998-2010). R. Bras. Est. pedag., Brasília, 93(234, [número especial]), 443-462.

André, M. (2008). Tendências da pesquisa e do conhecimento didático no início dos anos 2000. In Encontro Nacional de didática e Prática de Ensino. Trajetórias e processos de ensinar e aprender: didática e formação de professores. XV Endipe. Rio Grande do Sul: EdiPUCRS, 487-490.

Barrère, A. (2002). Les enseignants au travail. Routines incertaines Paris: L'Harmattan.

Brenner, A. K., & Carrano, P. C. R. (2014). Os sentidos da presença dos jovens no ensino médio: representações da escola em três filmes de estudantes. Educ. & Soc, Campinas, 35(129), 1223-1240.

Canário, R. (2006). A escola tem futuro? Das promessas às incertezas. Porto Alegre: Artmed,

Candau, V. M. (Org.). (1983). A didática em Questão 17a ed. Petrópolis: Vozes.

Candau, V. M. (2008). Direitos humanos, educação e interculturalidade: as tensões entre igualdade e diferença. Rev. Bras. de Educ., Rio de Janeiro, 13(37).

Candau, V. M. (2000). A didática hoje: uma agenda de trabalho. In V. M. Candau et al. Didática, currículo e saberes escolares Rio de Janeiro: DP&A.

Candau, V. M. (Org.). (2012). Rumo a uma Nova didática 22ª ed. Petrópolis: Vozes.

Candau, V. M. (2016). Ensinar-aprender: desafios atuais da formação docente. In: Encontro Nacional de didática e Práticas de Ensino, XVIII, Simpósio, Cuiabá.

Candau, V. M., & Koff, A. D. N. S. (2015). A didática Hoje: reinventando caminhos. Educação & Realidade, Porto Alegre, 40(2), 329-348.

Charlot, B. (1996). Relação com o saber e com a escola entre estudantes de periferia. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, 97, 47-63.

Cunha, L. A. (2011). Contribuição para a análise das interferências mercadológicas nos currículos escolares. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, 16(4).

Dubet, F. (1994). A sociologia da Experiência Lisboa: Porto.

Dubet, F. (2002). El declive de la institución: profesiones, sujetos e individuos en la modernidad Barcelona: Gedisa.

Fanfani, E. T. (2010). Aqueles que colocam o corpo. O professor do ensino médio na Argentina hoje. Educ. rev Curitiba, 1

Formosinho, J. (Coord.). (2009). Formação de professores. Aprendizagem profissional e acção docente. Porto: Porto Editora.

Gatti, B. A. (2010). Formação de professores no Brasil: características e problemas. Educ. & Soc, Campinas, 31(113), 1355-1379.

Gatti, B. (2016). A. Formação de professores: condições e problemas atuais. Revista Internacional de formação de professores (RIFP), Itapetininga, 1(2), p. 161-171.

Krawczyk, N. R, (2009). O Ensino Médio no Brasil São Paulo: Ação educativa.

Krawczyk, N. R. (2011). Reflexão sobre alguns desafios do Ensino Médio no Brasil. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, 41(144).

Lelis, I. (2012). O trabalho docente na escola de massa: desafios e perspectivas sociologias. Sociologias, Porto Alegre, 14(29), 152-174.

Louzano, P. (2010). Sistemas estruturados de ensino e redes municipais do Estado de São Paulo. Fundação Lemann. Apresentação em PowerPoint.

Lüdke, M., & Boing, L. (2010). Verbete: Profissionalidade. In D. A. Oliveira, A. C. Duarte, L. F. Vieira. Dicionário: Trabalho, profissão e condição docente Belo Horizonte (versão digital).

Magalhães, V.; Amorim, V. (Orgs.). (2010). Cem Aulas Sem Tédio (Coleção: Língua Estrangeira, matemática, Língua Portuguesa) Santa Cruz do Sul: IPR (Instituto Padre Reus).

Moreira, A. F. B. (2001). A recente produção científica sobre currículo e multiculturalismo no Brasil (1995-2000): avanços, desafios e tensões. Rev. Bras. de Educ, Rio de Janeiro, 7(18), 65-81.

Moreira, A. F. B., & Candau, V. M. (2008). Multiculturalismo: diferenças culturais e práticas pedagógicas. Petrópolis: Vozes.

Nóvoa, A. (2014). Os professores na virada do milênio: do excesso dos discursos à pobreza das práticas. In D. T. Rebello de Souza, & F. Sarti. (Orgs.). Mercado da Formação Docente: constituição, funcionamento e dispositivos Belo Horizonte: Fino Traço.

Oliveira, R. P. (2009). A transformação da educação em mercadoria no Brasil. Educ. & Soc, Campinas, 30(108), 739-760.

Perrenoud, P. (2001). Ensinar: agir na urgência, decidir na incerteza 2a ed. Porto Alegre: Artmed.

Reis, R. (2012). Experiência escolar de jovens/alunos do ensino médio: os sentidos atribuídos à escola e aos estudos. Educação e Pesquisa, São Paulo, 38(3), 637-652.

Roldão, M. do C. (2007). Função docente: natureza e construção do conhecimento profissional. Rev. Bras. de Educ, Rio de Janeiro, 12(4), 94-181.

Sarti, F. M. (2012). O triângulo da formação docente: seus jogadores e configurações. Educ. Pesqui [on-line]. São Paulo, 38(2), 323-338.

Souza, D., T. R., & Sarti, F. M. (Org.). (2014). Mercado da Formação Docente: constituição, funcionamento e dispositivos Belo Horizonte: Fino Traço.

Tardif, M. (2013). A profissionalização do ensino passados trinta anos: dois passos para a frente, três para trás. Educ. & Soc., 34(123), 551-571.

Tardif, M.; Lessard, C. (2005). Trabalho docente: elementos para uma teoria da docência como profissão de interações humanas Petrópolis: Vozes.

Downloads

Publicado

2021-08-30

Como Citar

MESQUITA, S. Ensinar para quem não quer aprender: um dos desafios da didática e da formação de professores. Pro-Posições, Campinas, SP, v. 32, p. e20170115, 2021. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/proposic/article/view/8666764. Acesso em: 25 out. 2021.