Banner Portal
Ensinar para quem não quer aprender
REMOTO

Palavras-chave

Bom professor
Didática
Ensino médio
Profissionalidade

Como Citar

MESQUITA, Silvana. Ensinar para quem não quer aprender: um dos desafios da didática e da formação de professores. Pro-Posições, Campinas, SP, v. 32, p. e20170115, 2021. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/proposic/article/view/8666764. Acesso em: 17 abr. 2024.

Resumo

Este artigo se estrutura a partir da expressão “ensinar para quem não quer aprender”, que se consolidou nas percepções de professores de ensino médio como um dos maiores desafios do processo ensino-aprendizagem em escolas públicas. Os dados são parte de um estudo sobre o exercício da docência com jovens da periferia. Os objetivos são constatar a realidade desses “alunos que não querem aprender”; identificar como os professores conseguem driblar essa realidade e promover sentidos para a escola; reconhecer novas dimensões da prática docente a serem incorporadas pelo ensino da didática e pela formação de professores. A construção argumentativa apoia-se nos estudos da didática e da sociologia. Argumenta-se que uma nova profissionalidade docente encontra-se marcada pelas dimensões relacionais e motivacionais do trabalho, na qual o professor é um “profissional das relações” e um “construtor de sentidos”.

REMOTO

Referências

Adrião, T., Garcia, T., Borgui, R., & Arelaro, L. (2009). Uma modalidade peculiar de privatização da educação pública: a aquisição de ‘sistemas de ensino’ por municípios paulistas. Educ. & Soc, Campinas, 30(108), 799-818.

Andre, M., & Cruz, G. B. (2012). A produção do conhecimento didático na RBEP (1998-2010). R. Bras. Est. pedag., Brasília, 93(234, [número especial]), 443-462.

André, M. (2008). Tendências da pesquisa e do conhecimento didático no início dos anos 2000. In Encontro Nacional de didática e Prática de Ensino. Trajetórias e processos de ensinar e aprender: didática e formação de professores. XV Endipe. Rio Grande do Sul: EdiPUCRS, 487-490.

Barrère, A. (2002). Les enseignants au travail. Routines incertaines Paris: L'Harmattan.

Brenner, A. K., & Carrano, P. C. R. (2014). Os sentidos da presença dos jovens no ensino médio: representações da escola em três filmes de estudantes. Educ. & Soc, Campinas, 35(129), 1223-1240.

Canário, R. (2006). A escola tem futuro? Das promessas às incertezas. Porto Alegre: Artmed,

Candau, V. M. (Org.). (1983). A didática em Questão 17a ed. Petrópolis: Vozes.

Candau, V. M. (2008). Direitos humanos, educação e interculturalidade: as tensões entre igualdade e diferença. Rev. Bras. de Educ., Rio de Janeiro, 13(37).

Candau, V. M. (2000). A didática hoje: uma agenda de trabalho. In V. M. Candau et al. Didática, currículo e saberes escolares Rio de Janeiro: DP&A.

Candau, V. M. (Org.). (2012). Rumo a uma Nova didática 22ª ed. Petrópolis: Vozes.

Candau, V. M. (2016). Ensinar-aprender: desafios atuais da formação docente. In: Encontro Nacional de didática e Práticas de Ensino, XVIII, Simpósio, Cuiabá.

Candau, V. M., & Koff, A. D. N. S. (2015). A didática Hoje: reinventando caminhos. Educação & Realidade, Porto Alegre, 40(2), 329-348.

Charlot, B. (1996). Relação com o saber e com a escola entre estudantes de periferia. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, 97, 47-63.

Cunha, L. A. (2011). Contribuição para a análise das interferências mercadológicas nos currículos escolares. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, 16(4).

Dubet, F. (1994). A sociologia da Experiência Lisboa: Porto.

Dubet, F. (2002). El declive de la institución: profesiones, sujetos e individuos en la modernidad Barcelona: Gedisa.

Fanfani, E. T. (2010). Aqueles que colocam o corpo. O professor do ensino médio na Argentina hoje. Educ. rev Curitiba, 1

Formosinho, J. (Coord.). (2009). Formação de professores. Aprendizagem profissional e acção docente. Porto: Porto Editora.

Gatti, B. A. (2010). Formação de professores no Brasil: características e problemas. Educ. & Soc, Campinas, 31(113), 1355-1379.

Gatti, B. (2016). A. Formação de professores: condições e problemas atuais. Revista Internacional de formação de professores (RIFP), Itapetininga, 1(2), p. 161-171.

Krawczyk, N. R, (2009). O Ensino Médio no Brasil São Paulo: Ação educativa.

Krawczyk, N. R. (2011). Reflexão sobre alguns desafios do Ensino Médio no Brasil. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, 41(144).

Lelis, I. (2012). O trabalho docente na escola de massa: desafios e perspectivas sociologias. Sociologias, Porto Alegre, 14(29), 152-174.

Louzano, P. (2010). Sistemas estruturados de ensino e redes municipais do Estado de São Paulo. Fundação Lemann. Apresentação em PowerPoint.

Lüdke, M., & Boing, L. (2010). Verbete: Profissionalidade. In D. A. Oliveira, A. C. Duarte, L. F. Vieira. Dicionário: Trabalho, profissão e condição docente Belo Horizonte (versão digital).

Magalhães, V.; Amorim, V. (Orgs.). (2010). Cem Aulas Sem Tédio (Coleção: Língua Estrangeira, matemática, Língua Portuguesa) Santa Cruz do Sul: IPR (Instituto Padre Reus).

Moreira, A. F. B. (2001). A recente produção científica sobre currículo e multiculturalismo no Brasil (1995-2000): avanços, desafios e tensões. Rev. Bras. de Educ, Rio de Janeiro, 7(18), 65-81.

Moreira, A. F. B., & Candau, V. M. (2008). Multiculturalismo: diferenças culturais e práticas pedagógicas. Petrópolis: Vozes.

Nóvoa, A. (2014). Os professores na virada do milênio: do excesso dos discursos à pobreza das práticas. In D. T. Rebello de Souza, & F. Sarti. (Orgs.). Mercado da Formação Docente: constituição, funcionamento e dispositivos Belo Horizonte: Fino Traço.

Oliveira, R. P. (2009). A transformação da educação em mercadoria no Brasil. Educ. & Soc, Campinas, 30(108), 739-760.

Perrenoud, P. (2001). Ensinar: agir na urgência, decidir na incerteza 2a ed. Porto Alegre: Artmed.

Reis, R. (2012). Experiência escolar de jovens/alunos do ensino médio: os sentidos atribuídos à escola e aos estudos. Educação e Pesquisa, São Paulo, 38(3), 637-652.

Roldão, M. do C. (2007). Função docente: natureza e construção do conhecimento profissional. Rev. Bras. de Educ, Rio de Janeiro, 12(4), 94-181.

Sarti, F. M. (2012). O triângulo da formação docente: seus jogadores e configurações. Educ. Pesqui [on-line]. São Paulo, 38(2), 323-338.

Souza, D., T. R., & Sarti, F. M. (Org.). (2014). Mercado da Formação Docente: constituição, funcionamento e dispositivos Belo Horizonte: Fino Traço.

Tardif, M. (2013). A profissionalização do ensino passados trinta anos: dois passos para a frente, três para trás. Educ. & Soc., 34(123), 551-571.

Tardif, M.; Lessard, C. (2005). Trabalho docente: elementos para uma teoria da docência como profissão de interações humanas Petrópolis: Vozes.

Creative Commons License
Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution 4.0 International License.

Copyright (c) 2021 Silvana Mesquita

Downloads

Não há dados estatísticos.