Banner Portal
Ato infracional, escola e papéis profissionais
REMOTO

Palavras-chave

Adolescente em conflito com a lei
Escola
Juventudes
Terapia ocupacional

Como Citar

BORBA, Patrícia Leme de Oliveira; PEREIRA, Beatriz Prado; LOPES, Roseli Esquerdo. Ato infracional, escola e papéis profissionais: tramas complexas em relações frágeis. Pro-Posições, Campinas, SP, v. 32, p. e20180099, 2021. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/proposic/article/view/8666766. Acesso em: 16 abr. 2024.

Resumo

Apresenta-se um estudo realizado com três adolescentes para os quais o ato infracional foi desdobramento de atos indisciplinares ocorridos no interior de uma escola pública. Articulando ação profissional e de pesquisa, foram feitos acompanhamentos singulares e territoriais, com base na terapia ocupacional social, na etnografia e na história oral. A análise das histórias de vida desses jovens e do conflito vivido por eles, que levou ao cumprimento de medida socioeducativa, nos demonstra a necessidade de a escola ter maior gerência sobre seus conflitos internos. Sugere-se que a escola possa buscar apoio em serviços socioassistenciais que compõem a política nacional da assistência social, delineando-se também possíveis contribuições dos terapeutas ocupacionais no diálogo entre os setores da assistência social e da educação.

REMOTO

Referências

Almeida, M. C., Soares, C. R. S., Barros, D. D., & Galvani, D. (2012). Processos e práticas de formalização da Terapia Ocupacional na Assistência Social: alguns marcos e desafios. Cadernos Brasileiros de Terapia Ocupacional, 20(1), 33-41.

Barros, D. D., Ghirardi, M. I. G, & Lopes, R. E. (2002). Terapia ocupacional social. Revista de Terapia Ocupacional da Universidade de São Paulo, 13(3), 95-103.

Borba, P. L. O. (2012). Juventude marcada: relações entre o ato infracional e a escola pública em São Carlos – SP Tese de Doutorado, Universidade Federal de São Carlos, São Carlos.

Borba, P. L. O., Lopes, R. E., & Malfitano, A. P. S. (2015). Trajetórias escolares de adolescentes em conflito com a lei: subsídios para repensar políticas educacionais. Ensaio: Avaliação e Políticas Públicas em Educação, 23(89), 937-963.

Borba, P. L. O., Costa, S. L., Savani, A. C. C., Anastácio, C. C., & Ota, N. H. (2017). Entre fluxos, pessoas e territórios: delineando a inserção do terapeuta ocupacional no Sistema Único de Assistência Social. Cadernos Brasileiros de Terapia Ocupacional, 25(1), 203-214.

Brah, A. (2006). Diferença, diversidade, diferenciação. Cadernos Pagu, (26), 329-376.

Brasil (2010). Estatuto da criança e do adolescente: lei n. 8.069, de 13 de julho de 1990, e legislação correlata (9a ed.). Brasília, DF: Edições Câmara. Recuperado de http://www.crianca.mppr.mp.br/arquivos/File/publi/camara/estatuto_crianca_adolescente_9ed.pdf

Brasil, Ministério da Educação (2019). Sistema de Avaliação da Educação Básico (Saeb) Brasília, DF: Inep. Recuperado de http://portal.inep.gov.br/educacao-basica/saeb

Brasil, Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome, Secretaria Nacional de Assistência Social (2005). Sistema Único de Assistência Social – SUAS: Norma Operacional Básica NOB/SUAS: construindo as bases para a implantação do Sistema Único de Assistência Social Brasília, DF: Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome.

Buffa, E., & Nosella, P. (1998). A escola profissional de São Carlos São Carlos: EdUFSCar.

Butler, J. (2013). Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade (5a ed.). Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

Cardoso, J. C., Gomes, C. A., & Santana, E. U. (2013). Escola e polícia em três países: vinho novo em odres velhos ou a crise das instituições. Ensaio: Avaliação e Políticas Públicas em Educação, 21(81), 685-710.

Caria, T. (2003). Introdução: a construção etnográfica do conhecimento em ciências sociais: reflexividade e fronteira. In T. Caria (Org.), Experiência etnográfica em ciências sociais (pp. 9-20). Porto: Afrontamento.

Castro, A., & Lopes, R. E. (2011). A escola de tempo integral: desafios e possibilidades. Ensaio: Avaliação e Políticas Públicas em Educação, 19(71), 259-282.

Conselho Federal de Psicologia, & Ordem dos Advogados do Brasil (2006). Direitos humanos: um retrato das unidades de internação de adolescentes em conflito com a lei Brasília, DF: OAB.

Corti, A. P. O., Corrochano, M. C., & Silva, J. A. (2016). “Ocupar e resistir”: a insurreição dos estudantes paulistas. Educação & Sociedade, 37(137), 1159-1176.

Decreto-Lei nº 2.848, de 7 de dezembro de 1940. (1940, 31 de dezembro). Código Penal. Diário Oficial da União, seção 1, p. 2391.

Decreto nº 8.727, de 28 de abril de 2016. (2016, 29 de abril). Dispõe sobre o uso do nome social e o reconhecimento da identidade de gênero de pessoas travestis e transexuais no âmbito da administração pública federal direta, autárquica e fundacional. Diário Oficial da União, seção 1, p. 1.

Feltran, G. S. (2008). Fronteiras de tensão: um estudo sobre política e violência nas periferias de São Paulo Tese de Doutorado, Universidade Estadual de Campinas, Campinas.

Ferreira, L. A. M. (2010). O Estatuto da Criança e do Adolescente e o professor: reflexos na sua formação e atuação (2a ed.). São Paulo: Cortez.

Freire, P. (2005). Pedagogia do oprimido (4a ed.). Rio de Janeiro: Paz e Terra.

Goffman, E. (1974). Manicômios, prisões e conventos São Paulo: Perspectiva.

Lopes, R. E. (2016). Cidadania, direitos e terapia ocupacional social. In R. E. Lopes, & A. P. Malfitano (Orgs.), Terapia ocupacional social: desenhos teóricos e contornos práticos (pp. 29-48). São Carlos: EdUFSCar.

Lopes, R. E., Borba, P. L. O., & Cappellaro, M. (2011). Acompanhamento individual e articulação de recursos em terapia ocupacional social: compartilhando uma experiência. O Mundo da Saúde, 35(2), 233-238.

Lopes, R. E., Borba, P. L. O, & Monzeli, G. A. (2013). Expressão livre de jovens por meio do Fanzine: recurso para a terapia ocupacional social. Saúde e Sociedade, 22(3), 937-948.

Lopes, R. E., Borba, P. L. O., Pereira, B. P., Rodrigues, R. C. J., Dariolli, F., & Rocha, M. F. J. (2011). Trajetórias juvenis: da prática do ato infracional às relações com a instituição escolar Relatório de Pesquisa de Iniciação Científica, Universidade Federal de São Carlos, Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico, São Carlos.

Lopes, R. E., Borba, P. L. O., Trajber, N. K. A., Silva, C. R., & Cuel, B. T. (2011). Oficinas de atividades com jovens da escola pública: tecnologias sociais entre educação e terapia ocupacional. Interface, 15(36), 277-288.

Lopes, R. E., & Malfitano, A. P. (Orgs.). (2016). Terapia ocupacional social: desenhos teóricos e contornos práticos São Carlos: EdUFSCar.

Lopes, R. E., Malfitano, A. P. S., Silva, C. R., & Borba, P. L. O. (2014). Recursos e tecnologias em terapia ocupacional social: ações com jovens pobres na cidade. Cadernos Brasileiros de Terapia Ocupacional, 22(3), 591-602.

Lopes, R. E., Malfitano, A. P. S., Silva, C. R., Borba, P. L. O., & Hahn, M. S. (2010). Educação profissional, pesquisa e aprendizagem no território: notas sobre a experiência de formação de terapeutas ocupacionais. O Mundo da Saúde, 34(2), 140-147.

Lopes, R. E., Sfair, S. C., & Bittar, M. (2012). Adolescentes em medidas socioeducativas em meio aberto e a escola. Cadernos Brasileiros de Terapia Ocupacional, 20(2), 217-228.

Lopes, R. E., & Silva, C. R. (2007). O campo da educação e demandas para a terapia ocupacional no Brasil. Revista de Terapia Ocupacional da Universidade de São Paulo, 18(3), 158-164.

Malvasi, P. A. (2011). “Choque de mentes”: dispositivos de controle e disputas simbólicas no sistema socioeducativo. R@U: Revista de Antropologia Social dos Alunos do PPGAS-UFSCar, 3(1), 331-352.

Meihy, J. C. S. B. (1997). História oral São Paulo: Edusp.

Morais, A. C., & Malfitano, A. P. S. (2016). O terapeuta ocupacional como executor de medidas socioeducativas em meio aberto: discursos na construção de uma prática. Cadernos Brasileiros de Terapia Ocupacional, 24(3), 531-542.

Peregrino, M. (2005). Os jovens pobres e a escola. JOVENes: Revista de Estudios sobre Juventud, 9(22), 356-368.

Pereira, A. B. (2017). Do controverso “chão da escola” às controvérsias da etnografia: aproximações entre antropologia e educação. Horizontes Antropológicos, 23(49), 149-176.

Pereira, B. P. (2018). Terapia ocupacional e educação: as proposições de terapeutas ocupacionais na e para a escola Tese de Doutorado, Universidade Federal de São Carlos, São Carlos.

Pereira, B. P., & Lopes, R. E. (2016). Por que ir à escola? Os sentidos atribuídos pelos jovens do ensino médio. Educação & Realidade, 41(1), 193-216.

Peres, W. S. (2005). Subjetividade das travestis brasileiras: da vulnerabilidade da estigmatização à construção da cidadania Tese de Doutorado, Universidade Estadual do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro.

Rocha, E. F. (2007). A terapia ocupacional e as ações na educação: aprofundando interfaces. Revista de Terapia Ocupacional da Universidade de São Paulo, 18(3), 97-104.

Rocha, M. F. J., Bittar, M., & Lopes, R. E. (2016). O professor mediador escolar e comunitário: uma prática em construção. Revista Eletrônica de Educação, 10(3), 341-353.

Silva, L. M. P. (2007). Nos nervos, na carne, na pele: uma etnografia travesti sobre o modelo preventivo de aids Tese de Doutorado, Universidade Federal de São Carlos, São Carlos.

Sposito, M. P. (1998). A instituição escolar e a violência. Cadernos de Pesquisa, (104), 58-75.

Whyte, W. F. (2005). Sociedade de esquina Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor.

Creative Commons License
Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution 4.0 International License.

Copyright (c) 2021 Patrícia Leme de Oliveira Borba, Beatriz Prado Pereira, Roseli Esquerdo Lopes

Downloads

Não há dados estatísticos.