A trajetória da ciência política no Brasil e a sua autonomização

uma análise a partir dos programas de pós-graduação

Autores

Palavras-chave:

História da ciência política, Ciência política brasileira, Pós-graduação, Campo acadêmico

Resumo

O artigo percorre a trajetória de institucionalização e autonomização da ciência política no interior do campo acadêmico brasileiro e, para tal, toma a pós-graduação como objeto de estudo e como espaço fundamental para se compreender os processos de constituição desta área ao longo do século XX. Seu objetivo geral consiste em compreender as condições de possibilidade da construção de um espaço acadêmico próprio da ciência política no Brasil, tarefa desenvolvida a partir de uma abordagem quanti-qualitativa marcada pela revisão e diálogo com a literatura e pelo trabalho com dados acerca dos programas de pós-graduação. O texto acaba por assinalar a correlação entre aspectos clássicos discutidos quando se trata de objetivar a ciência política (tais como: relativo “atraso”, relação com a sociologia ou mesmo o financiamento de agências internacionais) e os cursos de mestrado e doutorado que formam a pós-graduação dessa área. Contribui, assim, para o debate sobre o papel da pós-graduação na construção da autonomia relativa da ciência política no universo acadêmico brasileiro.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Amurabi Oliveira, Universidade Federal de Santa Catarina

Doutorado em Sociologia pela Universidade Federal de Pernambuco. Professora da Universidade Federal de Santa Catarina – UFSC (Florianópolis, SC, Brasil).

Ana Martina Baron Engerroff, Universidade Federal de Santa Catarina

Doutorado em andamento pela Universidade Federal de Santa Catarina – UFSC (Florianópolis, SC, Brasil).

Camila Ferreira da Silva, Universidade Federal do Amazonas

Pós-Doutorado em Sociologia Política Pela Universidade Federal de Santa Catarina. Professora Adjunta da Universidade Federal do Amazonas – UFAM (Manaus, AM, Brasil).

Beatriz Melchioretto Claudino dos Santos, Universidade Federal de Santa Catarina

Graduação em andamento pela Universidade Federal de Santa Catarina – UFSC (Florianópolis, SC, Brasil).

Referências

Balbachevsky, E. (2005). A pós-graduação no Brasil: novos desafios para uma política bem-sucedida. In C. Brock, & S. Schwartzman (Orgs.), Os desafios da educação no Brasil (pp. 275-304). Rio de Janeiro: Nova Fronteira.

Bourdieu, P. (2004). Os usos sociais da ciência: por uma sociologia clínica do campo científico São Paulo: Editora Unesp.

Bourdieu, P. (2008). Para uma sociologia da ciência Lisboa: Edições 70.

Bourdieu, P., & Eagleton, T. (1996) A doxa e a vida cotidiana: uma entrevista. In S. Zizek (Org.), Um mapa da ideologia Rio de Janeiro: Contraponto.

Bulcourf, P., & Cardozo, N. (2010, agosto). O desenvolvimento da ciência política na Argentina e no Brasil em perspectiva comparada Artigo apresentado no 7º Encontro da Associação Brasileira de Ciência Política, Recife.

Cadastro Nacional de Cursos e Instituições de Educação Superior: Cadastro e-MEC (2019). Recuperado de http://emec.mec.gov.br/

Cunha, L. A. (1974). A pós-graduação no Brasil: função técnica e função social. Revista de Administração de Empresas, 14(5), 66-70.

Durham, E. (2005). Educação superior, pública e privada (1808-2000). In C. Brock, & S. Schwartzman (Orgs.), Os desafios da educação no Brasil (pp. 191-233). Rio de Janeiro: Nova Fronteira.

Fernandes, F. (1979). Universidade brasileira: reforma ou revolução? São Paulo: Alfa-Ômega.

Forjaz, M. C. S. (1997). A emergência da ciência política no Brasil: aspectos institucionais. Revista Brasileira de Ciências Sociais, 12(35), 1-22.

Kantor, I., Maciel, D. A., & Simões, J. A. (Orgs.). (2009). A Escola Livre de Sociologia e Política: anos de formação 1933-1953: depoimentos São Paulo: Sociologia e Política

Keinert, F. C., & Silva, D. P. (2010, junho). A gênese da ciência política brasileira. Tempo Social, 22(1), 79-98.

Lamounier, B. (1982). A ciência política nos anos 80 Brasília: Editora UnB.

Leite, F., & Codato, A. (2013). Autonomização e institucionalização da ciência política brasileira: o papel do sistema Qualis-Capes. Revista de Discentes de Ciência Política da UFSCAR, 1(1), 1-21.

Lessa, R. (2011). O campo da ciência política no Brasil: uma aproximação construtivista. Revista Estudos Hum(e)anos, (2), 3-31.

Lima, J. C., & Cortes, S. M. V. (2013). A sociologia no Brasil e a interdisciplinaridade nas ciências sociais. Civitas, 13(3): 416-435.

Marenco, A. (2016). Cinco décadas de ciência política no Brasil: institucionalização e pluralismo. In L. Avritzer, C. Milani, & M. do S. Braga (Orgs.), A ciência política no Brasil, 1960-2015 (pp. 163-187). Rio de Janeiro: Editora FGV.

Miceli, S. (1989a). Por uma sociologia das ciências sociais. In S. Miceli (Org.), História das ciências sociais (vol. 1, pp. 5-19). São Paulo: Vértice.

Miceli, S. (1989b). Condicionantes do desenvolvimento das ciências sociais. In S. Miceli (Org.), História das ciências sociais (vol. 1, pp. 72-110). São Paulo: Vértice.

Miyamoto, S. (1999). O estudo das relações internacionais no Brasil: o estado da arte. Revista de Sociologia e Política, (12), 83-98.

Moritz, G. de O., Moritz, M. O., Pereira, M. F., & Maccari, E. A. (2013). A pós-graduação brasileira: evolução e principais desafios no ambiente de cenários prospectivos. Future Studies Research Journal, 5(2), 3-34.

Morosini, M. C. (2009). A pós-graduação no Brasil: formação e desafios. Revista Argentina de Educación Superior, 1(1), 125-152.

Motta, R. P. S. (2014). As universidades e o regime militar: cultura política brasileira e modernização autoritária Rio de Janeiro: Zahar.

Oliveira, A. (2019). A formação de professores na Universidade Federal de Santa Catarina: uma análise de suas transformações curriculares no tempo. Revista de Ciências Sociais, 49(3), 429-453.

Peirano, M. G. S. (1997). Antropologia política, ciência política e antropologia da política. In Três ensaios Breves ( Série Antropologia, vol. 230, pp. 15-26). Brasília: Editora UnB.

Perissinotto, R. (2004). Política e sociedade: por uma volta à sociologia política. Política & Sociedade, (5), 203-232.

Pinto, L. A. C., & Carneiro, E. (1955). As ciências sociais no Brasil Rio de Janeiro: Capes.

Reis, F. W. (2002). Sociologia política, ciência política e “escolha racional”. Política & Sociedade, (1), 37-55.

Ribeiro, D. (1980). Darcy Ribeiro fala sobre pós-graduação no Brasil (entrevista a Danúsia Bárbara). Civilização Brasileira, 19(3), 73.

Santos, W. G. (1967). A imaginação político-social brasileira. Dados, (2-3), 182-193.

Santos, C. M. (2003). Tradições e contradições da pós-graduação no Brasil. Educação & Sociedade, 24(83), 627-641.

Sartori, G. (1972). Da sociologia da política à Sociologia Política. In S. Lipset (Org.), Política e ciências sociais (pp. 106-148). Rio de Janeiro: Zahar.

Silva, C. F. da. (2017). (Ciências da) educação no Brasil e em Portugal: autonomização dos espaços acadêmicos específicos Tese de Doutorado, Universidade Nova de Lisboa, Lisboa.

Steiner, J. (2005). Qualidade e diversidade institucional na pós-graduação brasileira. Estudos Avançados, 19(54), 341-365.

Sucupira, N. (1980). Antecedentes e primórdios da pós-graduação. Fórum Educacional, Rio de Janeiro, 4(4), 3-18.

Trindade, H. (2007). Ciências Sociais no Brasil em perspectiva: fundação, consolidação e expansão. In H. Trindade (Org.), As ciências sociais na América Latina em perspectiva comparada: 1930-2005 (pp. 71-170). Porto Alegre: Editora da UFRS.

Verhine, R. (2008). Pós-graduação no Brasil e nos Estados Unidos: Uma análise comparativa. Educação, 31(2), 166-172.

Downloads

Publicado

2021-08-30

Como Citar

OLIVEIRA, A. .; ENGERROFF, A. M. B.; SILVA, C. F. da .; SANTOS, B. M. C. dos . A trajetória da ciência política no Brasil e a sua autonomização: uma análise a partir dos programas de pós-graduação. Pro-Posições, Campinas, SP, v. 32, p. E20190059, 2021. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/proposic/article/view/8666778. Acesso em: 24 out. 2021.