Banner Portal
Estudos sobre as elites
REMOTO

Palavras-chave

Elites
Trajetórias
Socialização

Como Citar

SETTON, Maria da Graça Jacintho. Estudos sobre as elites: uma leitura da produção em periódicos – 1998-2017. Pro-Posições, Campinas, SP, v. 32, p. e20180070, 2021. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/proposic/article/view/8666781. Acesso em: 18 maio. 2024.

Resumo

O objetivo deste artigo é mapear as principais questões de ordem teórica, metodológica e empírica dos estudos sobre as elites no Brasil. A partir de uma consulta em periódicos indexados na Scielo e no portal de periódicos da Capes, foi possível classificar um conjunto de reflexões tendo como base as palavras-chave elite/elites. O critério de seleção dos artigos concentrou-se em aspectos que auxiliassem na compreensão das elites contemporâneas, no período de 1998 a 2017. A análise deste levantamento permitiu a organização de 109 documentos, em seis categorias apreciativas. A reflexão a seguir está organizada em três momentos: o primeiro deles fará uma síntese dos artigos selecionados, em cada uma das categorias; em seguida, far-se-á uma síntese do material recolhido, a fim de levantar contributos analíticos; por último, tentar-se-á elencar algumas estratégias socializadoras destes grupos.

REMOTO

Referências

Almeida, A. M., & Nogueira, M. A. (2003). A escolarização das elites: um panorama internacional da pesquisa Petrópolis: Vozes.

Almeida, F. (2014). As elites da Justiça: instituições, profissões e poder na política da justiça brasileira. Revista de Sociologia Política, Curitiba, 22(52).

Almeida, F. (2016). Os juristas e a política no Brasil: permanências e reposicionamentos. Lua Nova, São Paulo, 97, 213-250.

Andrade, T. N., & Silva Filho, M. J. (2015). Elites locais de ciência e tecnologia no Brasil: o caso do Parqtec de São Carlos (SP). Lua Nova, São Paulo, .

Bachrach, P., & Baratz, M. (2011). Duas Faces do Poder. Revista de Sociologia Política, Curitiba, 19(40), 146-157.

Berger, P., & Luckmann, T. (1983). A construção social da realidade Petrópolis: Vozes.

Beroncelo, E. R. (2016). O espaço das classes sociais no Brasil. Tempo Social, São Paulo, 28(2), 73-104.

Bourdieu, P. (1979). La distinction: critique social du jugement Paris: Minuit.

Bourdieu, P. (1980). Le sens pratique Paris: Minuit.

Bourdieu, P. (1998). A economia das trocas linguísticas São Paulo: Edusp.

Bourdieu, P. (1998a). Escritos de Educação: Pierre Bourdieu (M. A. Nogueira & A. Catani, Orgs.). Petrópolis: Vozes.

Braga, S. S., & Nicolás, M. A. (2008). Prosopografia a partir da web: avaliando e mensurando as fontes para o estudo das elites. Revista de Sociologia Política, Curitiba, 16(30), 107-130.

Brandão, Z., & Lellis, I. (2003) Elites acadêmicas e escolarização dos filhos. Educação e Sociedade, Campinas, 24(83), 509-526.

Brandão, Z., & Carvalho, C. P. (2011). Processos de Produção das elites escolares. Educação e Sociedade, Campinas, 32(115), 507-522.

Bruce, R., & Rocha, R. (2015). A reação da elite política incumbente na abertura democrática brasileira. Revista Economia Política, São Paulo, 35(3), 645-660.

Bühlmann, F., Beetschen, M., Thomas, D., Ginalski, S., & Mach, A. (2017). As elites na Suíça: ascensão e declínio de um modelo de coordenação das elites. Tempo Social, São Paulo, 29(3), 181-199.

Canêdo, L. B. (2011). Um capital político multiplicado no trabalho genealógico. Revista Pós Ciências Sociais, São Luis do Maranhão, 8(15), 55-75.

Chaves, M. W. (2012). O papel da Igreja na educação escolar masculina na década de 1950. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, 42(146), 518-537.

Codato, A., & Perissinotto, R. (2009). Marxismo e elitismo: dois modelos antagônicos de análise social? Revista de Sociologia Política, Curitiba, 24(71).

Codato, A. (2015). Estado Novo no Brasil: um estudo da dinâmica das elites políticas regionais em contexto autoritário. Revista Economia Política, São Paulo, 58(2).

Codato, A. et al. (2016). Economic mainstream and power: a profile analysis of Central Bank directors during PSDB and PT governments in Brasil. Nova Economia, Belo Horizonte, 26(3), 687-720.

Codato, A., Massimo, L., & Costa, L. D. (2017). Posições sociais de origem e recrutamento político: um estudo dos senadores brasileiros. Tempo Social, São Paulo, 29(3), 111-135.

Coradini, O. L. (2007). Engajamento associativo-sindical e recrutamento de elites políticas: tendências recentes no Brasil. Revista de Sociologia e Política, Curitiba, 28, 181-203.

Coradini, O. (2008). Politização de interesses através de frentes parlamentares. Revista Tomo Pós Graduação, São Cristovão, 10(13), 75-92.

Coradini, O. L. (2011). Titulação escolar, mercado e capital social na hierarquização escolar: as relações entre a obtenção do título de doutor em sociologia e o ingresso na carreira. Revista Pós Ciências Sociais, São Luís, 8(15), 39-54.

Coradini, O. L. (2011a). Representação política e de interesses: bases associativas dos deputados federais de 1999-2007. Sociedade e Estado, Brasília, DF, 26(1).

Coradini, O. L. (2012). Cargos e funções públicas e candidaturas eleitorais. Sociedade e Estado, Brasília, DF, 27(3), 689-708.

Costa, P. R. N., Costa, L. D., & Nunes, W. (2014). Os senadores empresários: recrutamento carreira e partidos políticos dos empresários do senado brasileiro 1986-2010. Revista Brasileira de Ciências Sociais, Rio de Janeiro, 14, 227-253.

Costa, L. D., & Gouvêa, J. C. (2007). Elites e historiografia: questões teóricas e metodológicas. Revista de Sociologia Política, Curitiba, 28

Costa, V. F. (1998). O novo enfoque do Banco Mundial sobre o estado. Lua Nova, São Paulo, 44, 5-26.

Costa, P. R. N. (2005). Empresariado, regime político e democracia : Brasil, anos 1990. Revista Brasileira de Ciências Sociais, Rio de Janeiro, 20(57).

Costa, P. R. N. (2007). Empresariado, instituições democráticas e reforma política. Revista de Sociologia Política, Curitiba, 28, 99-116.

Costa, P. R. N. (2012). A elite empresarial e as instituições democráticas: cultura política, confiança e padrões de ação política. Opinião Pública, Curitiba, .

Costa, P. R. N. (2012a). Recrutamento, valores e padrões de ação política da elite empresarial. Revista de Sociologia Política, Curitiba, 18(2), 452-469.

Costa, P. R. N. (2014). Elite empresarial e elite econômica: o estudo dos empresários. Revista de Sociologia Política, Curitiba, 22(52).

Costa, P. R. N., & Engler, I. (2008). Elite empresarial: recrutamento e valores políticos (Paraná, 1995-2005). Opinião Pública, Campinas, 14(2).

Doniz, E. (2000). A busca de um novo modelo econômico: padrões alternativos de articulação público-privado. Revista de Sociologia Política, Curitiba, 14, 7-28.

Engelmann, F. (2008). Internacionalização e legitimação da formação acadêmica em administração no Brasil nas décadas de 1990 e 2000. Revista Tomo Pós Graduação, São Cristovão, 13, 239-262.

Engelmann, F. (2012). Globalização e Poder de Estado: circulação internacional de elites e hierarquias do campo jurídico brasileiro. Dados, Rio de Janeiro, 55(2), 487-516.

Farias Filho, M. C. (2011). Elites políticas regionais: contornos teórico-metodológicos para identificação de grupos políticos. Revista de Sociologia Política, Curitiba, 26(77), 175-188.

Felisbino, R. A., & Kerbauy, M. T. M. (2013). Deputados estaduais e democracia: valores políticos das elites parlamentares paulista e paraense. Opinião Pública, Curitiba, 19(1).

Ferreira, M. C. (2001). Permeável, ma non troppo? A mobilidade sociais em setores de elite, Brasil - 1996. Revista Brasileira de Ciências Sociais, Rio de Janeiro, 16(47): 141-160.

Fuentes, S. (2015). La formación moral de los jóvenes de elite en circuitos de educación privada en Buenos Aires. Pro-Posições, Curitiba, 26(2), 75-98.

Gené, M. Sociología política de las elites. (2014). Apuntes sobre su abordaje a través de entrevistas. Revista de Sociologia Política, Curitiba, 22(52), 97-119.

Gessaghi, V. (2015). “Ser sencillo, ser buena persona”: classificaciones morales y procesos de distinción en las experiencias educativas de la “classe alta” argentina. Pro-Posições, Curitiba, 26(2), 33-50.

Godoy, M., Barbosa, L., & Barbosa, D. D. (2015). Elites modernas na transição para a periferia do capitalismo periférico. Economia e Sociedade, Curitiba, 24(2), 481-507.

Gomes, I. M. M. (2010). O Jornal Nacional e as estratégias de sobrevivência econômica e política da Globo no contexto da ditadura militar. Revista Famecos, Porto Alegre, 17(2), 5-14.

Grill, I. (2008). Processos, condicionantes e bases sociais da especialização política no Rio Grande do Sul e Maranhão. Revista de Sociologia e Política, Curitiba, 16(30), 65-87.

Grün, R. (2003). Atores e ações na construção da governança corporativa brasileira. Revista Brasileira de Ciências Sociais, Rio de Janeiro, 18(52), 139-161.

Grün, R. (2009). Financeirização de esquerda? frutos no Brasil do século XXI. Tempo Social, São Paulo, 21(2), 153-184.

Grün, R. (2010). A crise financeira, guerra cultural e as transformações do espaço econômico brasileiro em 2009. Dados, Rio de Janeiro, 53(2), 255-297.

Grün, R. (2011). As disputas e convergências das elites brasileiras diante da crise financeira de 2009: consequências empíricas e analíticas. Revista Pós Ciências Sociais, São Luís, 8(15).

Grynszpan, M. (1996). A teoria das elites e sua genealogia consagrada. BIB, Rio de Janeiro, 41, 35-83.

Grynszpan, M., & Grill, I. (2011). Dossiê Elites: recursos e legitimação. Revista Pós Ciências Sociais, São Luís, 8(15).

Hey, A. P. .(2007). Apresentação Dossiê Elites, no plural. Tempo Social, São Paulo, 29(3).

Hey, A. P., Grimaldi-Cristensen, A., & Savage, M. (2017). Elites no Reino Unido: novas abordagens para divisões de classe contemporâneas. Tempo Social, São Paulo, 29(3), 161-179.

Hey, A. P., & Rodrigues, L. S. (2017). Elites acadêmicas: as ciências sociais na Academia Brasileira de Ciências. Tempo Social, São Paulo, 29(3), 9-33.

Heredia, B., Palmeira, M., & Leite, S. P. (2010). Sociedade e economia do agronegócio no Brasil. Revista Brasileira de Ciências Sociais, Rio de Janeiro, 25(74), 159-176.

Heymann, Luciana Quillet. (2011). Memórias da elite: arquivos, instituições e projetos memoriais. Revista Pós Ciências Sociais, São Luís, 8(15).

Khan, S. R. (2012). The sociology of elites. Annual Review of Sociology, 38, 361-377

Klüger, E. (2017). Espaço social e redes: contribuições metodológicas à sociologia das elites. Tempo Social, São Paulo, 29(3).

Lima, D. O. (2007). Ethos “emergente”: as pessoas, as palavras e as coisas. Horizontes Antropológicos, Rio de Janeiro, 13(28).

Lynch, C. C. (2013). Por que pensamento e não teoria? a imaginação político-social brasileira e o fantasma da condição periférica (1880-1970). Dados, Rio de Janeiro, 56(4).

Mancuso, W. (2007). O empresariado como ator político no Brasil: balanço da literatura e agenda de pesquisa. Revista de Sociologia Política, Curitiba, (28), 131-146.

Marques, E. C., & Bichir, R. M. (2002). Clivagens ideológicas e empresas privadas nos investimentos públicos urbanos: São Paulo 1978-1998. Revista de Sociologia Política, Curitiba, 17(50).

Martins, M. F. (2017). Família, estratégias e redes de poder em Minas Gerais. Acervo, Rio de Janeiro, 30(1), 121-139.

Martins, T. J., & Donadone, J. C. (2017). Realidade e desejo: as trajetórias formativas e profissionais de um grupo de elite no mundo das finanças. Estudos de Sociologia, Araraquara, 22(43).

Mellado, M. (2015). Socialización y formación de las élites políticas argentinas: itinerarios universitarios y aprendizajes. Pro-Posições, Curitiba, 26(2), 163-185.

Méndez, A. (2015). Lenguajes, retóricas y repertorios de egresados de un colegio público “de elite”. Pro-Posições, Curitiba, 26(2), 119-139.

Messemberg, D. (2008). A elite parlamentar brasileira: um recorte sociocultural. Revista de Sociologia e Política, Curitiba, 16(30).

Miguel, L. F. (2008). A mídia e o declínio da confiança política. Sociologias, Porto Alegre, (19), 250-273.

Mills, W. C. (1975). A elite do poder Rio de Janeiro: Zahar.

Moraes Silva, G., & Lopes, M. (2015). Brazilian people in the eyes of elites: repertoires and symbolic boundaries of inequality. Sociologia e Antropologia, Rio de Janeiro, 5(1).

Mosca, G. (1992). La classe política Ciudad de México: Fondo de Cultura Econômica.

Neiva, P. R. P. (2011). Coesão e disciplina partidária no Senado Federal. Revista Brasileira de Ciências Sociais, Rio de Janeiro, 54(2) 289-318.

Neiva, P., & Izumi, M. (2012). Os “doutores” da federação: formação acadêmica dos senadores brasileiros e variáveis associadas. Revista de Sociologia e Política, Curitiba, 20(41), 171-192.

Neiva, P., & Izumi, M. (2014). Perfil profissional e distribuição regional dos senadores brasileiros em dois séculos de história. Revista Brasileira de Ciências Sociais, Rio de Janeiro, 29(84).

Nogueira, M. A. (2014). Favorecimento econômico e excelência escolar. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, (26), 133-144.

Nunes, W. (2016). Uma estratégia nacional de desenvolvimento no Brasil dos anos 1990. Revista de Sociologia Política, Curitiba, 24(59) 67-89.

Oliveira, W. J. F. (2008). Engajamento político, competência técnica e elites dirigentes do movimento ambientalista. Revista de Sociologia e Política, Curitiba, 16(30), 167-186.

Oliveira, W. F. (2008a). Elites dirigentes, engajamento político e retribuições do militantismo ambientalista. Revista Tomo Pós Graduação, São Cristovão, (13), 201-237.

Pareto, W. (1984). Tratado de Sociologia Geral. In J. A. Rodrigues (Org.). Wilfredo Pareto: sociologia (43), São Paulo: Ática (Coleção Grandes Cientistas Sociais).

Peres, P., & Machado, A. (2017). Uma tipologia do recrutamento partidário. Opinião Pública, Curitiba, 23(1), 126-167.

Perosa, G. (2008). Educação diferenciada e trajetórias profissionais femininas. Tempo Social, São Paulo, 20(1), 51-68.

Perosa, G., Lebaron, F., & Leite, C. S. (2015). O espaço das desigualdades educativas no município de São Paulo. Pro-Posições, Curitiba, 26(2), 99-118.

Perissinoto, R. (2014). O conceito de Estado desenvolvimentista e sua utilidade para os casos brasileiro e argenti Revista de Sociologia Política, Curitiba, 22(52).

Perissinotto, R., & Codato, A. (2008). Apresentação: Por um retorno à Sociologia das Elites - Dossiê Elites Políticas. Revista de Sociologia Política, Curitiba, 16(30).

Perissinotto, R., & Codato, A. (2009). Classe social elite política e elite de classe por uma análise societalista da política. Revista de Sociologia Política, Curitiba, (2), 243-270.

Perissinoto, R., Costa, P. R. , Nunes, W., & Ilha, A. (2014). Elites estatais e industrialização: ensaio de comparação entre Brasil, Argentina e México (1920-1970). Revista de Economia Política, São Paulo, 34(3).

Perissinoto, R., & Massimo, L. (2014). Apresentação do Dossiê “Elites em diferentes escalas: teoria e metodologia no estudo dos grupos dirigentes. Revista de Sociologia Política, Curitiba, 22(52).

Petrarca, F. R. (2008). Elites jornalísticas, recursos políticos e atuação profissional no Rio Grande do Sul. Revista Tomo Pós Graduação, São Cristovão, (13).

Piccin, M. B. (2015). Acesso a posições de poder pela elite estancieira gaúcha: trajetórias sociais e investimentos escolares. Tempo Social, São Paulo, 27(2), 305-328.

Poulantzas, (1971) Pouvoir politique et classes sociales (II). Paris: Maspero.

Pulicci, C. (2011). O gosto dominante como gosto tradicional: preferências e aversões estéticas das classes altas de São Paulo. Novos Estudos Cebrap, São Paulo, (91).

Putmam, R. (1976). The comparative study of political elites New Jersey: Prentice-Hall.

Ranincheski, S. (2006). A questão social, o trabalho e o Estado: visões das elites parlamentares brasileiras. Sociedade e Estado, Brasília, DF, 21(1).

Reis, E. (2014). Um tipo diferente de diferença na elite política: perfis políticos e inserções culturais de parlamentares. Cadernos Pagu, Curitiba, (43), 233-263.

Reis, E., & Grill, I. (2008). Letrados e votados:lógicas cruzadas do engajamento político no Brasil. Revista Tomo Pós Graduação, São Cristovão, (13).

Reis, E. R., & Grill, I. (2015). Trajetórias de Multinotabilidades: reconfigurações históricas e condicionantes sociais das inscrições políticas e culturais de parlamentares brasileiros. Dados, Rio de Janeiro, 58(2), 331-369.

Reis, E., & Grill, I. (2017). Estudos de elites políticas e as bases das multinotabilidades no Brasil. Tempo Social, São Paulo, 29(3), 137-159.

Reis, E. (2000). Percepções da elite sobre pobreza e desigualdade. Revista Brasileira de Ciências Sociais, Rio de Janeiro, 15(42), 143-152.

Ribeiro, C. A. C. (2000). Dois estudos de mobilidade social no Brasil - José Pastore e Nelson do Vale Silva e Maria Celi Scalo Revista Brasileira de Ciências Sociais, Rio de Janeiro, 15(44).

Ribeiro, C. A. C. (2014). Mobilidade e estrutura de classes no Brasil contemporâneo. Sociologias, Porto Alegre, 16(37), 178-217.

Ribeiro, P. F. (2014). Em nome da coesão: parlamentares e comissionados nas executivas nacionais dos brasileiros. Revista de Sociologia e Política, Curitiba, 22(52).

Sales, T. (1994). Raízes da desigualdade social na cultura política brasileira. In Revista Brasileira de Ciências Sociais, 9(25).

Sallun Jr., B., & Goulart, J. (2016). O Estado brasileiro contemporâneo: liberalização econômica, política e sociedade nos governos FHC e Lula. Revista de Sociologia e Política, Curitiba, 24(60), 115-135.

Scalon, C. (2007). Justiça como igualdade? A percepção da elite e do povo brasileiro. Sociologias, Porto Alegre, (18), 126-149.

Seidl, E. (2008). Dossiê Sociologia do Poder e das Elites. Revista Tomo de Pós Graduação, Aracaju, (13).

Seidl, E. (2017). Uma elite pouco (re)conhecida - o episcopado brasileiro. Tempo Social, São Paulo, 29(3).

Seidl, E., & Neris, W. (2011). Episcopado brasileiro e o espaço do poder: uma cultura eclesiástica em mutação. Revista Pós Ciências Sociais, São Luís, 8(15).

Seidl, E. (2009). Caminhos que levam a Roma: recursos culturais e redefinições da excelência religiosa. Horizonte Antropológico, Rio de Janeiro, 15(31).

Serna, M. (2013). Globalización, cambios en la estructura de poder y nuevas elites empresariales: una mirada comparada de Uruguai. Revista de Sociologia Política, Curitiba, 21(46), 93-103.

Serrano, E. (2011). Jornalismo e elites do poder. Ciberlegenda, Portugal, (12).

Silva, S. B. (2015). Educar la moral del pobre: fronteras simbólicas y gobierno de los pobres por parte de la elite económica católica de Santiago de Chile. Pro-Posições, Curitiba, 26(2), 51-73.

Simoni Junior, S., Dardaque, R. M., & Mingardi, L. M. (2016). A elite parlamentar brasileira de 1995 a 2010: até que ponto vai a popularização da classe política? Colômbia Internacional, (87), 109-143.

Souza, C. (2011). Elites ou lobbies: quem formula as políticas públicas brasileiras. Revista Brasileira de Ciências Sociais, Rio de Janeiro, (87), 109-143.

Souza, D., Ayrosa, E., & Cerchiaro, I. C. (2013). “Do bom e do Melhor”: o consumo de bens de luxo na classe C. Sociedade, Contabilidade e Gestão, Rio de Janeiro, 16(46).

Souza, J. (2015). A tolice da inteligência brasileira: ou como o país se deixa manipular pela elite São Paulo: Leya.

Souza, J. (2017). A elite do atraso: da escravidão à lava-jato São Paulo: Leya.

Stone, L. (2011). Texto fundamental prosopografia. Revista de Sociologia Política, Curitiba, 19(39), 115-137.

Torre, J. C. (1996). O encaminhamento político das reformas estruturais. Lua Nova, São Paulo, (37), 57-76.

Truzzi, O., Kerbauy, M. T. M., & Barboda, A. S. (2012). Mudança de fronteira étnicas e participação política de descendentes de imigrantes em São Paulo. Revista Brasileira de Ciências Sociais, Rio de Janeiro, 27(80), 135-151.

Vieira da Fonseca, M. M. (2003). Educar Herdeiros: práticas educativas da classe dominante lisboeta nas últimas décadas Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkia

Villa, R. D. (2007). Brazilian foreign affairs: social capital and the democratic discourse in South America. Revista Brasileira de Ciências Sociais, Rio de Janeiro, 21(61), 63-89.

Ziegler, S. (2014). Regulación del trabajo de los profesores de la elite. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, 44(151), 84-103.

Ziegler, S. (2015). Introducción Dossiê Elites y sectores medios- fronteras morales y desigualdad educativa. Pro-Posições, Curitiba, 26(2), 25-32.

Creative Commons License
Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution 4.0 International License.

Copyright (c) 2021 Maria da Graça Jacintho Setton

Downloads

Não há dados estatísticos.