Estudos sobre as elites

uma leitura da produção em periódicos – 1998-2017

Autores

Palavras-chave:

Elites, Trajetórias, Socialização

Resumo

O objetivo deste artigo é mapear as principais questões de ordem teórica, metodológica e empírica dos estudos sobre as elites no Brasil. A partir de uma consulta em periódicos indexados na Scielo e no portal de periódicos da Capes, foi possível classificar um conjunto de reflexões tendo como base as palavras-chave elite/elites. O critério de seleção dos artigos concentrou-se em aspectos que auxiliassem na compreensão das elites contemporâneas, no período de 1998 a 2017. A análise deste levantamento permitiu a organização de 109 documentos, em seis categorias apreciativas. A reflexão a seguir está organizada em três momentos: o primeiro deles fará uma síntese dos artigos selecionados, em cada uma das categorias; em seguida, far-se-á uma síntese do material recolhido, a fim de levantar contributos analíticos; por último, tentar-se-á elencar algumas estratégias socializadoras destes grupos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maria da Graça Jacintho Setton, Universidade de São Paulo

Doutorado em Sociologia pela Universidade de São Paulo. Professora de Sociologia da Educação - Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo – USP (São Paulo, SP, Brasil).

Referências

Almeida, A. M., & Nogueira, M. A. (2003). A escolarização das elites: um panorama internacional da pesquisa Petrópolis: Vozes.

Almeida, F. (2014). As elites da Justiça: instituições, profissões e poder na política da justiça brasileira. Revista de Sociologia Política, Curitiba, 22(52).

Almeida, F. (2016). Os juristas e a política no Brasil: permanências e reposicionamentos. Lua Nova, São Paulo, 97, 213-250.

Andrade, T. N., & Silva Filho, M. J. (2015). Elites locais de ciência e tecnologia no Brasil: o caso do Parqtec de São Carlos (SP). Lua Nova, São Paulo, .

Bachrach, P., & Baratz, M. (2011). Duas Faces do Poder. Revista de Sociologia Política, Curitiba, 19(40), 146-157.

Berger, P., & Luckmann, T. (1983). A construção social da realidade Petrópolis: Vozes.

Beroncelo, E. R. (2016). O espaço das classes sociais no Brasil. Tempo Social, São Paulo, 28(2), 73-104.

Bourdieu, P. (1979). La distinction: critique social du jugement Paris: Minuit.

Bourdieu, P. (1980). Le sens pratique Paris: Minuit.

Bourdieu, P. (1998). A economia das trocas linguísticas São Paulo: Edusp.

Bourdieu, P. (1998a). Escritos de Educação: Pierre Bourdieu (M. A. Nogueira & A. Catani, Orgs.). Petrópolis: Vozes.

Braga, S. S., & Nicolás, M. A. (2008). Prosopografia a partir da web: avaliando e mensurando as fontes para o estudo das elites. Revista de Sociologia Política, Curitiba, 16(30), 107-130.

Brandão, Z., & Lellis, I. (2003) Elites acadêmicas e escolarização dos filhos. Educação e Sociedade, Campinas, 24(83), 509-526.

Brandão, Z., & Carvalho, C. P. (2011). Processos de Produção das elites escolares. Educação e Sociedade, Campinas, 32(115), 507-522.

Bruce, R., & Rocha, R. (2015). A reação da elite política incumbente na abertura democrática brasileira. Revista Economia Política, São Paulo, 35(3), 645-660.

Bühlmann, F., Beetschen, M., Thomas, D., Ginalski, S., & Mach, A. (2017). As elites na Suíça: ascensão e declínio de um modelo de coordenação das elites. Tempo Social, São Paulo, 29(3), 181-199.

Canêdo, L. B. (2011). Um capital político multiplicado no trabalho genealógico. Revista Pós Ciências Sociais, São Luis do Maranhão, 8(15), 55-75.

Chaves, M. W. (2012). O papel da Igreja na educação escolar masculina na década de 1950. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, 42(146), 518-537.

Codato, A., & Perissinotto, R. (2009). Marxismo e elitismo: dois modelos antagônicos de análise social? Revista de Sociologia Política, Curitiba, 24(71).

Codato, A. (2015). Estado Novo no Brasil: um estudo da dinâmica das elites políticas regionais em contexto autoritário. Revista Economia Política, São Paulo, 58(2).

Codato, A. et al. (2016). Economic mainstream and power: a profile analysis of Central Bank directors during PSDB and PT governments in Brasil. Nova Economia, Belo Horizonte, 26(3), 687-720.

Codato, A., Massimo, L., & Costa, L. D. (2017). Posições sociais de origem e recrutamento político: um estudo dos senadores brasileiros. Tempo Social, São Paulo, 29(3), 111-135.

Coradini, O. L. (2007). Engajamento associativo-sindical e recrutamento de elites políticas: tendências recentes no Brasil. Revista de Sociologia e Política, Curitiba, 28, 181-203.

Coradini, O. (2008). Politização de interesses através de frentes parlamentares. Revista Tomo Pós Graduação, São Cristovão, 10(13), 75-92.

Coradini, O. L. (2011). Titulação escolar, mercado e capital social na hierarquização escolar: as relações entre a obtenção do título de doutor em sociologia e o ingresso na carreira. Revista Pós Ciências Sociais, São Luís, 8(15), 39-54.

Coradini, O. L. (2011a). Representação política e de interesses: bases associativas dos deputados federais de 1999-2007. Sociedade e Estado, Brasília, DF, 26(1).

Coradini, O. L. (2012). Cargos e funções públicas e candidaturas eleitorais. Sociedade e Estado, Brasília, DF, 27(3), 689-708.

Costa, P. R. N., Costa, L. D., & Nunes, W. (2014). Os senadores empresários: recrutamento carreira e partidos políticos dos empresários do senado brasileiro 1986-2010. Revista Brasileira de Ciências Sociais, Rio de Janeiro, 14, 227-253.

Costa, L. D., & Gouvêa, J. C. (2007). Elites e historiografia: questões teóricas e metodológicas. Revista de Sociologia Política, Curitiba, 28

Costa, V. F. (1998). O novo enfoque do Banco Mundial sobre o estado. Lua Nova, São Paulo, 44, 5-26.

Costa, P. R. N. (2005). Empresariado, regime político e democracia : Brasil, anos 1990. Revista Brasileira de Ciências Sociais, Rio de Janeiro, 20(57).

Costa, P. R. N. (2007). Empresariado, instituições democráticas e reforma política. Revista de Sociologia Política, Curitiba, 28, 99-116.

Costa, P. R. N. (2012). A elite empresarial e as instituições democráticas: cultura política, confiança e padrões de ação política. Opinião Pública, Curitiba, .

Costa, P. R. N. (2012a). Recrutamento, valores e padrões de ação política da elite empresarial. Revista de Sociologia Política, Curitiba, 18(2), 452-469.

Costa, P. R. N. (2014). Elite empresarial e elite econômica: o estudo dos empresários. Revista de Sociologia Política, Curitiba, 22(52).

Costa, P. R. N., & Engler, I. (2008). Elite empresarial: recrutamento e valores políticos (Paraná, 1995-2005). Opinião Pública, Campinas, 14(2).

Doniz, E. (2000). A busca de um novo modelo econômico: padrões alternativos de articulação público-privado. Revista de Sociologia Política, Curitiba, 14, 7-28.

Engelmann, F. (2008). Internacionalização e legitimação da formação acadêmica em administração no Brasil nas décadas de 1990 e 2000. Revista Tomo Pós Graduação, São Cristovão, 13, 239-262.

Engelmann, F. (2012). Globalização e Poder de Estado: circulação internacional de elites e hierarquias do campo jurídico brasileiro. Dados, Rio de Janeiro, 55(2), 487-516.

Farias Filho, M. C. (2011). Elites políticas regionais: contornos teórico-metodológicos para identificação de grupos políticos. Revista de Sociologia Política, Curitiba, 26(77), 175-188.

Felisbino, R. A., & Kerbauy, M. T. M. (2013). Deputados estaduais e democracia: valores políticos das elites parlamentares paulista e paraense. Opinião Pública, Curitiba, 19(1).

Ferreira, M. C. (2001). Permeável, ma non troppo? A mobilidade sociais em setores de elite, Brasil - 1996. Revista Brasileira de Ciências Sociais, Rio de Janeiro, 16(47): 141-160.

Fuentes, S. (2015). La formación moral de los jóvenes de elite en circuitos de educación privada en Buenos Aires. Pro-Posições, Curitiba, 26(2), 75-98.

Gené, M. Sociología política de las elites. (2014). Apuntes sobre su abordaje a través de entrevistas. Revista de Sociologia Política, Curitiba, 22(52), 97-119.

Gessaghi, V. (2015). “Ser sencillo, ser buena persona”: classificaciones morales y procesos de distinción en las experiencias educativas de la “classe alta” argentina. Pro-Posições, Curitiba, 26(2), 33-50.

Godoy, M., Barbosa, L., & Barbosa, D. D. (2015). Elites modernas na transição para a periferia do capitalismo periférico. Economia e Sociedade, Curitiba, 24(2), 481-507.

Gomes, I. M. M. (2010). O Jornal Nacional e as estratégias de sobrevivência econômica e política da Globo no contexto da ditadura militar. Revista Famecos, Porto Alegre, 17(2), 5-14.

Grill, I. (2008). Processos, condicionantes e bases sociais da especialização política no Rio Grande do Sul e Maranhão. Revista de Sociologia e Política, Curitiba, 16(30), 65-87.

Grün, R. (2003). Atores e ações na construção da governança corporativa brasileira. Revista Brasileira de Ciências Sociais, Rio de Janeiro, 18(52), 139-161.

Grün, R. (2009). Financeirização de esquerda? frutos no Brasil do século XXI. Tempo Social, São Paulo, 21(2), 153-184.

Grün, R. (2010). A crise financeira, guerra cultural e as transformações do espaço econômico brasileiro em 2009. Dados, Rio de Janeiro, 53(2), 255-297.

Grün, R. (2011). As disputas e convergências das elites brasileiras diante da crise financeira de 2009: consequências empíricas e analíticas. Revista Pós Ciências Sociais, São Luís, 8(15).

Grynszpan, M. (1996). A teoria das elites e sua genealogia consagrada. BIB, Rio de Janeiro, 41, 35-83.

Grynszpan, M., & Grill, I. (2011). Dossiê Elites: recursos e legitimação. Revista Pós Ciências Sociais, São Luís, 8(15).

Hey, A. P. .(2007). Apresentação Dossiê Elites, no plural. Tempo Social, São Paulo, 29(3).

Hey, A. P., Grimaldi-Cristensen, A., & Savage, M. (2017). Elites no Reino Unido: novas abordagens para divisões de classe contemporâneas. Tempo Social, São Paulo, 29(3), 161-179.

Hey, A. P., & Rodrigues, L. S. (2017). Elites acadêmicas: as ciências sociais na Academia Brasileira de Ciências. Tempo Social, São Paulo, 29(3), 9-33.

Heredia, B., Palmeira, M., & Leite, S. P. (2010). Sociedade e economia do agronegócio no Brasil. Revista Brasileira de Ciências Sociais, Rio de Janeiro, 25(74), 159-176.

Heymann, Luciana Quillet. (2011). Memórias da elite: arquivos, instituições e projetos memoriais. Revista Pós Ciências Sociais, São Luís, 8(15).

Khan, S. R. (2012). The sociology of elites. Annual Review of Sociology, 38, 361-377

Klüger, E. (2017). Espaço social e redes: contribuições metodológicas à sociologia das elites. Tempo Social, São Paulo, 29(3).

Lima, D. O. (2007). Ethos “emergente”: as pessoas, as palavras e as coisas. Horizontes Antropológicos, Rio de Janeiro, 13(28).

Lynch, C. C. (2013). Por que pensamento e não teoria? a imaginação político-social brasileira e o fantasma da condição periférica (1880-1970). Dados, Rio de Janeiro, 56(4).

Mancuso, W. (2007). O empresariado como ator político no Brasil: balanço da literatura e agenda de pesquisa. Revista de Sociologia Política, Curitiba, (28), 131-146.

Marques, E. C., & Bichir, R. M. (2002). Clivagens ideológicas e empresas privadas nos investimentos públicos urbanos: São Paulo 1978-1998. Revista de Sociologia Política, Curitiba, 17(50).

Martins, M. F. (2017). Família, estratégias e redes de poder em Minas Gerais. Acervo, Rio de Janeiro, 30(1), 121-139.

Martins, T. J., & Donadone, J. C. (2017). Realidade e desejo: as trajetórias formativas e profissionais de um grupo de elite no mundo das finanças. Estudos de Sociologia, Araraquara, 22(43).

Mellado, M. (2015). Socialización y formación de las élites políticas argentinas: itinerarios universitarios y aprendizajes. Pro-Posições, Curitiba, 26(2), 163-185.

Méndez, A. (2015). Lenguajes, retóricas y repertorios de egresados de un colegio público “de elite”. Pro-Posições, Curitiba, 26(2), 119-139.

Messemberg, D. (2008). A elite parlamentar brasileira: um recorte sociocultural. Revista de Sociologia e Política, Curitiba, 16(30).

Miguel, L. F. (2008). A mídia e o declínio da confiança política. Sociologias, Porto Alegre, (19), 250-273.

Mills, W. C. (1975). A elite do poder Rio de Janeiro: Zahar.

Moraes Silva, G., & Lopes, M. (2015). Brazilian people in the eyes of elites: repertoires and symbolic boundaries of inequality. Sociologia e Antropologia, Rio de Janeiro, 5(1).

Mosca, G. (1992). La classe política Ciudad de México: Fondo de Cultura Econômica.

Neiva, P. R. P. (2011). Coesão e disciplina partidária no Senado Federal. Revista Brasileira de Ciências Sociais, Rio de Janeiro, 54(2) 289-318.

Neiva, P., & Izumi, M. (2012). Os “doutores” da federação: formação acadêmica dos senadores brasileiros e variáveis associadas. Revista de Sociologia e Política, Curitiba, 20(41), 171-192.

Neiva, P., & Izumi, M. (2014). Perfil profissional e distribuição regional dos senadores brasileiros em dois séculos de história. Revista Brasileira de Ciências Sociais, Rio de Janeiro, 29(84).

Nogueira, M. A. (2014). Favorecimento econômico e excelência escolar. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, (26), 133-144.

Nunes, W. (2016). Uma estratégia nacional de desenvolvimento no Brasil dos anos 1990. Revista de Sociologia Política, Curitiba, 24(59) 67-89.

Oliveira, W. J. F. (2008). Engajamento político, competência técnica e elites dirigentes do movimento ambientalista. Revista de Sociologia e Política, Curitiba, 16(30), 167-186.

Oliveira, W. F. (2008a). Elites dirigentes, engajamento político e retribuições do militantismo ambientalista. Revista Tomo Pós Graduação, São Cristovão, (13), 201-237.

Pareto, W. (1984). Tratado de Sociologia Geral. In J. A. Rodrigues (Org.). Wilfredo Pareto: sociologia (43), São Paulo: Ática (Coleção Grandes Cientistas Sociais).

Peres, P., & Machado, A. (2017). Uma tipologia do recrutamento partidário. Opinião Pública, Curitiba, 23(1), 126-167.

Perosa, G. (2008). Educação diferenciada e trajetórias profissionais femininas. Tempo Social, São Paulo, 20(1), 51-68.

Perosa, G., Lebaron, F., & Leite, C. S. (2015). O espaço das desigualdades educativas no município de São Paulo. Pro-Posições, Curitiba, 26(2), 99-118.

Perissinoto, R. (2014). O conceito de Estado desenvolvimentista e sua utilidade para os casos brasileiro e argenti Revista de Sociologia Política, Curitiba, 22(52).

Perissinotto, R., & Codato, A. (2008). Apresentação: Por um retorno à Sociologia das Elites - Dossiê Elites Políticas. Revista de Sociologia Política, Curitiba, 16(30).

Perissinotto, R., & Codato, A. (2009). Classe social elite política e elite de classe por uma análise societalista da política. Revista de Sociologia Política, Curitiba, (2), 243-270.

Perissinoto, R., Costa, P. R. , Nunes, W., & Ilha, A. (2014). Elites estatais e industrialização: ensaio de comparação entre Brasil, Argentina e México (1920-1970). Revista de Economia Política, São Paulo, 34(3).

Perissinoto, R., & Massimo, L. (2014). Apresentação do Dossiê “Elites em diferentes escalas: teoria e metodologia no estudo dos grupos dirigentes. Revista de Sociologia Política, Curitiba, 22(52).

Petrarca, F. R. (2008). Elites jornalísticas, recursos políticos e atuação profissional no Rio Grande do Sul. Revista Tomo Pós Graduação, São Cristovão, (13).

Piccin, M. B. (2015). Acesso a posições de poder pela elite estancieira gaúcha: trajetórias sociais e investimentos escolares. Tempo Social, São Paulo, 27(2), 305-328.

Poulantzas, (1971) Pouvoir politique et classes sociales (II). Paris: Maspero.

Pulicci, C. (2011). O gosto dominante como gosto tradicional: preferências e aversões estéticas das classes altas de São Paulo. Novos Estudos Cebrap, São Paulo, (91).

Putmam, R. (1976). The comparative study of political elites New Jersey: Prentice-Hall.

Ranincheski, S. (2006). A questão social, o trabalho e o Estado: visões das elites parlamentares brasileiras. Sociedade e Estado, Brasília, DF, 21(1).

Reis, E. (2014). Um tipo diferente de diferença na elite política: perfis políticos e inserções culturais de parlamentares. Cadernos Pagu, Curitiba, (43), 233-263.

Reis, E., & Grill, I. (2008). Letrados e votados:lógicas cruzadas do engajamento político no Brasil. Revista Tomo Pós Graduação, São Cristovão, (13).

Reis, E. R., & Grill, I. (2015). Trajetórias de Multinotabilidades: reconfigurações históricas e condicionantes sociais das inscrições políticas e culturais de parlamentares brasileiros. Dados, Rio de Janeiro, 58(2), 331-369.

Reis, E., & Grill, I. (2017). Estudos de elites políticas e as bases das multinotabilidades no Brasil. Tempo Social, São Paulo, 29(3), 137-159.

Reis, E. (2000). Percepções da elite sobre pobreza e desigualdade. Revista Brasileira de Ciências Sociais, Rio de Janeiro, 15(42), 143-152.

Ribeiro, C. A. C. (2000). Dois estudos de mobilidade social no Brasil - José Pastore e Nelson do Vale Silva e Maria Celi Scalo Revista Brasileira de Ciências Sociais, Rio de Janeiro, 15(44).

Ribeiro, C. A. C. (2014). Mobilidade e estrutura de classes no Brasil contemporâneo. Sociologias, Porto Alegre, 16(37), 178-217.

Ribeiro, P. F. (2014). Em nome da coesão: parlamentares e comissionados nas executivas nacionais dos brasileiros. Revista de Sociologia e Política, Curitiba, 22(52).

Sales, T. (1994). Raízes da desigualdade social na cultura política brasileira. In Revista Brasileira de Ciências Sociais, 9(25).

Sallun Jr., B., & Goulart, J. (2016). O Estado brasileiro contemporâneo: liberalização econômica, política e sociedade nos governos FHC e Lula. Revista de Sociologia e Política, Curitiba, 24(60), 115-135.

Scalon, C. (2007). Justiça como igualdade? A percepção da elite e do povo brasileiro. Sociologias, Porto Alegre, (18), 126-149.

Seidl, E. (2008). Dossiê Sociologia do Poder e das Elites. Revista Tomo de Pós Graduação, Aracaju, (13).

Seidl, E. (2017). Uma elite pouco (re)conhecida - o episcopado brasileiro. Tempo Social, São Paulo, 29(3).

Seidl, E., & Neris, W. (2011). Episcopado brasileiro e o espaço do poder: uma cultura eclesiástica em mutação. Revista Pós Ciências Sociais, São Luís, 8(15).

Seidl, E. (2009). Caminhos que levam a Roma: recursos culturais e redefinições da excelência religiosa. Horizonte Antropológico, Rio de Janeiro, 15(31).

Serna, M. (2013). Globalización, cambios en la estructura de poder y nuevas elites empresariales: una mirada comparada de Uruguai. Revista de Sociologia Política, Curitiba, 21(46), 93-103.

Serrano, E. (2011). Jornalismo e elites do poder. Ciberlegenda, Portugal, (12).

Silva, S. B. (2015). Educar la moral del pobre: fronteras simbólicas y gobierno de los pobres por parte de la elite económica católica de Santiago de Chile. Pro-Posições, Curitiba, 26(2), 51-73.

Simoni Junior, S., Dardaque, R. M., & Mingardi, L. M. (2016). A elite parlamentar brasileira de 1995 a 2010: até que ponto vai a popularização da classe política? Colômbia Internacional, (87), 109-143.

Souza, C. (2011). Elites ou lobbies: quem formula as políticas públicas brasileiras. Revista Brasileira de Ciências Sociais, Rio de Janeiro, (87), 109-143.

Souza, D., Ayrosa, E., & Cerchiaro, I. C. (2013). “Do bom e do Melhor”: o consumo de bens de luxo na classe C. Sociedade, Contabilidade e Gestão, Rio de Janeiro, 16(46).

Souza, J. (2015). A tolice da inteligência brasileira: ou como o país se deixa manipular pela elite São Paulo: Leya.

Souza, J. (2017). A elite do atraso: da escravidão à lava-jato São Paulo: Leya.

Stone, L. (2011). Texto fundamental prosopografia. Revista de Sociologia Política, Curitiba, 19(39), 115-137.

Torre, J. C. (1996). O encaminhamento político das reformas estruturais. Lua Nova, São Paulo, (37), 57-76.

Truzzi, O., Kerbauy, M. T. M., & Barboda, A. S. (2012). Mudança de fronteira étnicas e participação política de descendentes de imigrantes em São Paulo. Revista Brasileira de Ciências Sociais, Rio de Janeiro, 27(80), 135-151.

Vieira da Fonseca, M. M. (2003). Educar Herdeiros: práticas educativas da classe dominante lisboeta nas últimas décadas Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkia

Villa, R. D. (2007). Brazilian foreign affairs: social capital and the democratic discourse in South America. Revista Brasileira de Ciências Sociais, Rio de Janeiro, 21(61), 63-89.

Ziegler, S. (2014). Regulación del trabajo de los profesores de la elite. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, 44(151), 84-103.

Ziegler, S. (2015). Introducción Dossiê Elites y sectores medios- fronteras morales y desigualdad educativa. Pro-Posições, Curitiba, 26(2), 25-32.

Downloads

Publicado

2021-08-30

Como Citar

SETTON, M. da G. J. . Estudos sobre as elites: uma leitura da produção em periódicos – 1998-2017. Pro-Posições, Campinas, SP, v. 32, p. e20180070, 2021. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/proposic/article/view/8666781. Acesso em: 25 out. 2021.