Cartilhas alemãs da editora Rotermund (1927-1933)

representação de gênero no trabalho rural

Autores

Palavras-chave:

Cartilha alemã, Representação, Gênero, Mundo rural, Trabalho

Resumo

Neste artigo, buscou-se analisar a representação de gênero, especialmente no que concerne aos papéis de trabalho atribuídos ao homem e à mulher, presente nas ilustrações das cartilhas Mein Rechenbuch (“Meu livro de cálculo”) e Fibel für Deutsche Schulen in Brasilien (“Cartilha para as escolas alemãs no Brasil”), produzidas pela editora Rotermund, que era vinculada ao Sínodo Rio-Grandense. Elaboradas em língua alemã, essas cartilhas se destinavam a atender escolas sinodais ligadas às igrejas luteranas, que atuavam junto às colônias de imigrantes alemães-pomeranos na região meridional do Rio Grande do Sul. Objetivou-se, assim, no decorrer do estudo, identificar possíveis direcionamentos sociais dados por intermédio do modo de organização do trabalho ilustrado nas cartilhas. Nesse contexto, observou-se que as relações sociais representadas são construções étnicas e culturais historicamente instituídas, integrantes de um processo que envolveu instituições escolares e religiosas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Patrícia Weiduschadt, Universidade Federal de Pelotas

Doutorado em Educação pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos. Professora da Universidade Federal de Pelotas – UFPel (Pelotas, RS, Brasil). 

Elias Kruger Albrecht, Universidade Federal de Pelotas

Mestrado em Educação pela Universidade Federal de Pelotas – UFPel (Pelotas, RS, Brasil). 

Referências

Albrecht, E. K. (2017). Entre textos e imagens: o processo de ensino-aprendizagem em cartilhas alemãs produzidas para escolas sinodais. 2016. Trabalho de Conclusão de Curso (História licenciatura). Universidade Federal de Pelotas/UFPel, Pelotas.

Albrecht, L. S. entrevista (2018). Entrevistador: Elias K. Albrecht, 2018, Canguçu/RS. Entrevista concedida para fins desta pesquisa.

Albrecht, E. K. Cartilhas alemãs produzidas pelos sínodos luteranos no Rio Grande do Sul: usos e memórias (1923-1945). 2019. Dissertação de mestrado (Programa de Pós-graduação em Educação). Universidade Federal de Pelotas/UFPel, Pelotas.

Belmiro, C. A. (2008) Um estudo sobre relações entre imagens e textos verbais em cartilhas de alfabetização e livros de literatura infantil 2008. Tese (Doutorado em Educação). Universidade Federal Fluminense/UFF, Niterói/RJ.

Bertolletti, E. N. M. (2006). Lourenço Filho e a alfabetização: um estudo de Cartilha do povo e da cartilha, Upa, cavalinho. São Paulo, Editora Unesp.

Buss, P. (2005) Lutero no contexto do luteranismo brasileiro. In: Heimann, L. Lutero o educador Canoas: Ed. Ulbra.

Cardoso, R. (2005) O Início do Design de Livros no Brasil. In R. Cardoso, O design brasileiro, antes do design: Aspecto da história gráfica, 1870-1960 (pp. 160-197). São Paulo: Cosacnaify.

Cerqueira, F. V. Serra dos Tapes: mosaico de tradições étnicas e paisagens culturais (2010). In IV Simp/Seminário Internacional em Memória e Patrimônio: Memória Patrimônio e Tradição, Pelotas/RS. Anais… Pelotas, 872-874. Recuperado de https://simpufpel.wordpress.com/2010/09/22/anais-do-iv-simp/

Chartier, R. (1990). História Cultural: entre práticas e representações Rio de Janeiro: Bertand.

Choppin, A. (2002, abril). O historiador e o livro escolar. História da Educação, ASPHE/FaE/UFPel, Pelotas, 11, 5-24.

Dicio. Dicionário online de português Portal eletrônico. Brasil. Especiais, [s.d.]. Acesso 27 dez. 2017. On-line. Recuperado de https://www.dicio.com.br/aurelio-2/

Dreher, M. N. (1984). Igreja e Germanidade: estudo crítico da história da Igreja Evangélica de Confissão Luterana no Brasil Porto Alegre: EST, 1984.

Dreher, M. N. (2014). Wilhelm Rotermund: seu tempo – suas obras (2a ed). São Leopoldo: Oikos.

Eco, H. (2004). O Leitor-Modelo. In H. Eco, Leitor in Fábula (pp. 35-45). São Paulo: Perspectiva.

Frade, I. C. A. da S. (2010). Livros para ensinar a ler e escrever: uma pequena análise da visualidade de livros produzidos no Brasil, em Portugal e na França, entre os séculos XIX e XX. In A. Bragança, M. Abreu (Orgs.). Impresso no Brasil: Dois séculos de livros brasileiros (pp. 171-190). São Paulo: Editora Unesp.

Gramsci, A. (1968). Os intelectuais e a organização da cultura Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

Halbwachs, M (2003). A memória coletiva São Paulo: Centauro, 2003.

Hoff, S.; Cardoso, M. A. (2006). Realismo pedagógico. Revista HISTEDBR, [s.n.], 20 Recuperado de http://www.histedbr.fe.unicamp.br

Joly, M. (2006). Introdução à análise da imagem (11a ed.). Campinas: Papirus.

Kreutz, L. (1994). Material didático e currículo na escola teuto-brasileira do Rio Grande do Sul São Leopoldo: Editora Unisinos.

Kolling, N. B. (2000). Educação e escolas em contextos de imigração pomerana no sul do Rio Grande do Sul-Brasil 2000. Dissertação (Mestrado em Educação). Universidade Federal de Pelotas/UFPel, Pelotas/RS.

Louro, G. L. (1994, novembro). Uma Leitura Histórica Sob a Perspectiva de Gênero. Projeto História São Paulo, n.11, 31-46. Recuperado de https://revistas.pucsp.br/index.php/revph/article/viewFile/11412/8317

Louro, G. L. (1997). Gênero, sexualidade e educação Petrópolis: Vozes.

Meneses, U. T. B. (1998). Memória e Cultura Material: documentos Pessoais no Espaço Público. Estudos históricos, 11(21), 89-103. Rio de Janeiro: FGV. Recuperado de bibliotecadigital.fgv.br/ojs/index.php/reh/article/view%20File/2067/1206

Messenber, C. G. (2012). A série Na roça, de Renato S. Fleury, na história do ensino da leitura no Brasil 2012. 176 f. Dissertação (Mestrado em Educação). Universidade Estadual Paulista/UEP, Marilia/SP.

Mortatti, M. do R. L. (2000a). Os sentidos da alfabetização São Paulo: Editora Unesp. 372 p.

Mortatti, M. do R. L. (2000b, novembro). Cartilha de alfabetização e cultura escolar: Um pacto secular. Cadernos Cedes, XX(52), 41-54. Recuperado de www.scielo.br/pdf/ccedes/v20n52/a04v2052

Nosella, M. de L. C. D. (1981). As belas mentiras: a ideologia subjacente aos textos didáticos São Paulo: Editora Moraes.

Neitzke, A. K. entrevista (2016, abril). Entrevistador: Elias K. Albrecht, 2016, Canguçu/RS. Entrevista concedida para fins desta pesquisa.

Neunfeldt, I. K. entrevista (2016, abril). Entrevistador: Elias K. Albrecht, 2016, Canguçu – RS. Entrevista concedida para fins desta pesquisa.

Nunes, P. M. (2010). O que as imagens fazem. In M. P. Manini. Imagem, memória e informação Brasília: Ícone.

Pesavento, S. J. (2004). História e História Cultural (2a ed.). Belo Horizonte: Autêntica.

Rehfeldt, M. L. (2003). Um grão de mostarda: A História da Igreja Evangélica Luterana do Brasil (vol. 1). Porto Alegre: Concórdia.

Rodrigues, J. C. (1989) Os outros e os outros, In Antropologia e comunicação Rio de Janeiro: Espaço Tempo.

Salamoni, G. (1996). Os Pomeranos: valores culturais da família de origem pomerana no Rio Grande do Sul – Pelotas e São Lourenço do Sul Pelotas: Editora da UFPel.

Schaeffer, S. C. B. (2012). Descrição Fonética e Fonológica do Pomerano falado no Espirito Santo 2012. Dissertação (Mestrado em Estudos Linguísticos). Universidade Federal do Espírito Santo/UFES, Vitória/ES.

Schellin, O. entrevista (2016, maio). Entrevistador: Elias K. Albrecht, 2016, Canguçu/RS. Entrevista concedida para fins desta pesquisa.

Scott, J. (1995, julho-dezembro). Gênero, uma categoria de análise histórica. Educação e Realidade, 20(2), 71-99. Recuperado de http://seer.ufrgs.br/index.php/educacaoerealidade/article/view/71721/40667

Teichmann, E. (1996). Imigração e Igreja: As comunidades- Livres no Contexto da Estruturação do Luteranismo no Rio Grande do Sul. 1996. Dissertação (Mestrado em Teologia) – Escola Superior de Teologia/EST, Instituto Ecumênico de Pós-Graduação em Teologia/IEPG, São Leopoldo/RS.

Warth, C. H. (1979). Crônicas da Igreja: Fatos históricos da Igreja Evangélica Luterana do Brasil (1900- 1974) Porto Alegre: Concórdia.

Weiduschadt, P. (2007). O Sínodo de Missouri e a educação pomerana em Pelotas e São Lourenço do Sul nas primeiras décadas do século XX: Identidade e cultura escolar. 2007. 256 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Federal de Pelotas/UFPel, Pelotas/RS.

Weiduschadt, P., Tambara (2016). Elomar Antonio Callegaro. Cartilhas e Livros Didáticos nas Escolas Pomeranas Luteranas do sul do Rio Grande do Sul (1900-1940). História da Educação, 20, 275-296.

Woodward, K. (2014). Identidade e diferença: uma introdução teórica e conceitual. In T. T. da Silva. Identidade e diferenças: a perspectiva dos estudos culturais (15a ed.). Petrópolis: Vozes.

Downloads

Publicado

2021-08-30

Como Citar

WEIDUSCHADT, P.; ALBRECHT, E. K. . Cartilhas alemãs da editora Rotermund (1927-1933): representação de gênero no trabalho rural. Pro-Posições, Campinas, SP, v. 32, p. e20190003, 2021. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/proposic/article/view/8666784. Acesso em: 25 out. 2021.