Banner Portal
Cartilhas alemãs da editora Rotermund (1927-1933)
REMOTO

Palavras-chave

Cartilha alemã
Representação
Gênero
Mundo rural
Trabalho

Como Citar

WEIDUSCHADT, Patrícia; ALBRECHT, Elias Kruger. Cartilhas alemãs da editora Rotermund (1927-1933): representação de gênero no trabalho rural. Pro-Posições, Campinas, SP, v. 32, p. e20190003, 2021. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/proposic/article/view/8666784. Acesso em: 17 abr. 2024.

Resumo

Neste artigo, buscou-se analisar a representação de gênero, especialmente no que concerne aos papéis de trabalho atribuídos ao homem e à mulher, presente nas ilustrações das cartilhas Mein Rechenbuch (“Meu livro de cálculo”) e Fibel für Deutsche Schulen in Brasilien (“Cartilha para as escolas alemãs no Brasil”), produzidas pela editora Rotermund, que era vinculada ao Sínodo Rio-Grandense. Elaboradas em língua alemã, essas cartilhas se destinavam a atender escolas sinodais ligadas às igrejas luteranas, que atuavam junto às colônias de imigrantes alemães-pomeranos na região meridional do Rio Grande do Sul. Objetivou-se, assim, no decorrer do estudo, identificar possíveis direcionamentos sociais dados por intermédio do modo de organização do trabalho ilustrado nas cartilhas. Nesse contexto, observou-se que as relações sociais representadas são construções étnicas e culturais historicamente instituídas, integrantes de um processo que envolveu instituições escolares e religiosas.

REMOTO

Referências

Albrecht, E. K. (2017). Entre textos e imagens: o processo de ensino-aprendizagem em cartilhas alemãs produzidas para escolas sinodais. 2016. Trabalho de Conclusão de Curso (História licenciatura). Universidade Federal de Pelotas/UFPel, Pelotas.

Albrecht, L. S. entrevista (2018). Entrevistador: Elias K. Albrecht, 2018, Canguçu/RS. Entrevista concedida para fins desta pesquisa.

Albrecht, E. K. Cartilhas alemãs produzidas pelos sínodos luteranos no Rio Grande do Sul: usos e memórias (1923-1945). 2019. Dissertação de mestrado (Programa de Pós-graduação em Educação). Universidade Federal de Pelotas/UFPel, Pelotas.

Belmiro, C. A. (2008) Um estudo sobre relações entre imagens e textos verbais em cartilhas de alfabetização e livros de literatura infantil 2008. Tese (Doutorado em Educação). Universidade Federal Fluminense/UFF, Niterói/RJ.

Bertolletti, E. N. M. (2006). Lourenço Filho e a alfabetização: um estudo de Cartilha do povo e da cartilha, Upa, cavalinho. São Paulo, Editora Unesp.

Buss, P. (2005) Lutero no contexto do luteranismo brasileiro. In: Heimann, L. Lutero o educador Canoas: Ed. Ulbra.

Cardoso, R. (2005) O Início do Design de Livros no Brasil. In R. Cardoso, O design brasileiro, antes do design: Aspecto da história gráfica, 1870-1960 (pp. 160-197). São Paulo: Cosacnaify.

Cerqueira, F. V. Serra dos Tapes: mosaico de tradições étnicas e paisagens culturais (2010). In IV Simp/Seminário Internacional em Memória e Patrimônio: Memória Patrimônio e Tradição, Pelotas/RS. Anais… Pelotas, 872-874. Recuperado de https://simpufpel.wordpress.com/2010/09/22/anais-do-iv-simp/

Chartier, R. (1990). História Cultural: entre práticas e representações Rio de Janeiro: Bertand.

Choppin, A. (2002, abril). O historiador e o livro escolar. História da Educação, ASPHE/FaE/UFPel, Pelotas, 11, 5-24.

Dicio. Dicionário online de português Portal eletrônico. Brasil. Especiais, [s.d.]. Acesso 27 dez. 2017. On-line. Recuperado de https://www.dicio.com.br/aurelio-2/

Dreher, M. N. (1984). Igreja e Germanidade: estudo crítico da história da Igreja Evangélica de Confissão Luterana no Brasil Porto Alegre: EST, 1984.

Dreher, M. N. (2014). Wilhelm Rotermund: seu tempo – suas obras (2a ed). São Leopoldo: Oikos.

Eco, H. (2004). O Leitor-Modelo. In H. Eco, Leitor in Fábula (pp. 35-45). São Paulo: Perspectiva.

Frade, I. C. A. da S. (2010). Livros para ensinar a ler e escrever: uma pequena análise da visualidade de livros produzidos no Brasil, em Portugal e na França, entre os séculos XIX e XX. In A. Bragança, M. Abreu (Orgs.). Impresso no Brasil: Dois séculos de livros brasileiros (pp. 171-190). São Paulo: Editora Unesp.

Gramsci, A. (1968). Os intelectuais e a organização da cultura Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

Halbwachs, M (2003). A memória coletiva São Paulo: Centauro, 2003.

Hoff, S.; Cardoso, M. A. (2006). Realismo pedagógico. Revista HISTEDBR, [s.n.], 20 Recuperado de http://www.histedbr.fe.unicamp.br

Joly, M. (2006). Introdução à análise da imagem (11a ed.). Campinas: Papirus.

Kreutz, L. (1994). Material didático e currículo na escola teuto-brasileira do Rio Grande do Sul São Leopoldo: Editora Unisinos.

Kolling, N. B. (2000). Educação e escolas em contextos de imigração pomerana no sul do Rio Grande do Sul-Brasil 2000. Dissertação (Mestrado em Educação). Universidade Federal de Pelotas/UFPel, Pelotas/RS.

Louro, G. L. (1994, novembro). Uma Leitura Histórica Sob a Perspectiva de Gênero. Projeto História São Paulo, n.11, 31-46. Recuperado de https://revistas.pucsp.br/index.php/revph/article/viewFile/11412/8317

Louro, G. L. (1997). Gênero, sexualidade e educação Petrópolis: Vozes.

Meneses, U. T. B. (1998). Memória e Cultura Material: documentos Pessoais no Espaço Público. Estudos históricos, 11(21), 89-103. Rio de Janeiro: FGV. Recuperado de bibliotecadigital.fgv.br/ojs/index.php/reh/article/view%20File/2067/1206

Messenber, C. G. (2012). A série Na roça, de Renato S. Fleury, na história do ensino da leitura no Brasil 2012. 176 f. Dissertação (Mestrado em Educação). Universidade Estadual Paulista/UEP, Marilia/SP.

Mortatti, M. do R. L. (2000a). Os sentidos da alfabetização São Paulo: Editora Unesp. 372 p.

Mortatti, M. do R. L. (2000b, novembro). Cartilha de alfabetização e cultura escolar: Um pacto secular. Cadernos Cedes, XX(52), 41-54. Recuperado de www.scielo.br/pdf/ccedes/v20n52/a04v2052

Nosella, M. de L. C. D. (1981). As belas mentiras: a ideologia subjacente aos textos didáticos São Paulo: Editora Moraes.

Neitzke, A. K. entrevista (2016, abril). Entrevistador: Elias K. Albrecht, 2016, Canguçu/RS. Entrevista concedida para fins desta pesquisa.

Neunfeldt, I. K. entrevista (2016, abril). Entrevistador: Elias K. Albrecht, 2016, Canguçu – RS. Entrevista concedida para fins desta pesquisa.

Nunes, P. M. (2010). O que as imagens fazem. In M. P. Manini. Imagem, memória e informação Brasília: Ícone.

Pesavento, S. J. (2004). História e História Cultural (2a ed.). Belo Horizonte: Autêntica.

Rehfeldt, M. L. (2003). Um grão de mostarda: A História da Igreja Evangélica Luterana do Brasil (vol. 1). Porto Alegre: Concórdia.

Rodrigues, J. C. (1989) Os outros e os outros, In Antropologia e comunicação Rio de Janeiro: Espaço Tempo.

Salamoni, G. (1996). Os Pomeranos: valores culturais da família de origem pomerana no Rio Grande do Sul – Pelotas e São Lourenço do Sul Pelotas: Editora da UFPel.

Schaeffer, S. C. B. (2012). Descrição Fonética e Fonológica do Pomerano falado no Espirito Santo 2012. Dissertação (Mestrado em Estudos Linguísticos). Universidade Federal do Espírito Santo/UFES, Vitória/ES.

Schellin, O. entrevista (2016, maio). Entrevistador: Elias K. Albrecht, 2016, Canguçu/RS. Entrevista concedida para fins desta pesquisa.

Scott, J. (1995, julho-dezembro). Gênero, uma categoria de análise histórica. Educação e Realidade, 20(2), 71-99. Recuperado de http://seer.ufrgs.br/index.php/educacaoerealidade/article/view/71721/40667

Teichmann, E. (1996). Imigração e Igreja: As comunidades- Livres no Contexto da Estruturação do Luteranismo no Rio Grande do Sul. 1996. Dissertação (Mestrado em Teologia) – Escola Superior de Teologia/EST, Instituto Ecumênico de Pós-Graduação em Teologia/IEPG, São Leopoldo/RS.

Warth, C. H. (1979). Crônicas da Igreja: Fatos históricos da Igreja Evangélica Luterana do Brasil (1900- 1974) Porto Alegre: Concórdia.

Weiduschadt, P. (2007). O Sínodo de Missouri e a educação pomerana em Pelotas e São Lourenço do Sul nas primeiras décadas do século XX: Identidade e cultura escolar. 2007. 256 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Federal de Pelotas/UFPel, Pelotas/RS.

Weiduschadt, P., Tambara (2016). Elomar Antonio Callegaro. Cartilhas e Livros Didáticos nas Escolas Pomeranas Luteranas do sul do Rio Grande do Sul (1900-1940). História da Educação, 20, 275-296.

Woodward, K. (2014). Identidade e diferença: uma introdução teórica e conceitual. In T. T. da Silva. Identidade e diferenças: a perspectiva dos estudos culturais (15a ed.). Petrópolis: Vozes.

Creative Commons License
Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution 4.0 International License.

Copyright (c) 2021 Patrícia Weiduschadt, Elias Kruger Albrecht

Downloads

Não há dados estatísticos.