Identidade profissional de professores que ensinam matemática

elementos e ações para a construção de uma proposta para futuras investigações

Autores

Palavras-chave:

Identidade profissional, Formação de professores que ensinam matemática, Investigação sobre identidade profissional de professores que ensinam matemática, Educação matemática

Resumo

O presente artigo apresenta um ensaio teórico, motivado pelo desejo de conhecer que elementos e ações podem ser considerados em um trabalho que se propõe a discutir a identidade profissional (IP) de professores que ensinam matemática (PEM). Os resultados apresentados são fruto de estudos realizados nos últimos anos com o objetivo de contribuir para a construção de uma proposta, não prescritiva, pautada no modelo quadripolar de investigação e em uma caracterização de IP, que podem ser considerados em futuras investigações a respeito da IP de PEM. Espera-se, assim, que este trabalho possa oferecer subsídios para reflexão aos interessados na temática da IP de PEM, dispostos a ampliar o debate a respeito desse campo investigativo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Enio Freire de Paula, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo

Doutorado em Ensino de Ciências e Educação Matemática pela Universidade Estadual de Londrina. Professor pelo Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo (São Paulo, SP, Brasil). 

Márcia Cristina de Costa Trindade Cyrino, Universidade Estadual de Londrina

Doutorado em Educação pela Universidade de Sâo Paulo. Professora da Universidade Estadual de Londrina no Centro de Ciências Exatas  (Londrina, PR, Brasil). 

Referências

André, M. E. D. (2011) A Pesquisas sobre formação de professores: tensões e perspectivas. In H. A. Fontoura; M. Silva (Orgs.). Formação de professores, culturas: desafios à pós-graduação em Educação em suas múltiplas dimensões Rio de Janeiro: ANPEd Nacional, 24-36.

André, M. E. D. (2009) A produção acadêmica sobre formação de professores: um estudo comparativo das dissertações e teses defendidas nos anos 1990 e 2000. Formação Docente, 1(1), 41-56.

Barbosa, J. C. (2015). Formatos insubordinados de dissertações e teses na Educação Matemática. In B. S. D’Ambrósio, & C. E. Lopes (Orgs.). Vertentes da subversão na produção científica em educação matemática (1a ed., vol. 1, pp. 347-367). Campinas: Mercado de Letras.

Beijaard, D., Meijer, P. C., & Verloop, N. (2004). Reconsidering research on teachers’ professional identity. Teaching and Teacher Education, 20, 107-128. doi:10.1016/j.tate.2003.07.001

Bennison, A. (2015). Developing an analytic lens for investigating identity as an embedder-of-numeracy. Mathematics Education Research Journal, 27(1), 1-19.

Boote, D. N., & Beile, P. (2005). Scholars before researchers: on the centrality of the dissertation literature review in research preparation. Educational Researcher, 34(6), 3-15.

Cyrino, M. C. C. T. (2006). Preparação e emancipação profissional na formação inicial do professor de matemática. In A. M. Nacarato, & M. A. V. Paiva (Orgs.). A formação do professor que ensina matemática: perspectivas e pesquisas (pp.77-86). Belo Horizonte: Autêntica.

Cyrino, M. C. C. T. (2016). Mathematics teachers’ professional identity development in communities of practice: reifications of proportional reasoning teaching. Bolema, 30(54), 165-187. doi: 10.1590/1980-4415v30n54a08.

Cyrino, M. C. C. T. (2017). Identidade Profissional de (futuros) Professores que Ensinam Matemática. Perspectivas da Educação Matemática, 10, 699-712.

D’Ambrósio, B., & Lopes, C. E. (2015, abril). Insubordinação criativa: um convite à reinvenção do educador matemático. Bolema, 29(51), 1-17.

Dantas, S. C. (2016). Design, implementação e estudo de uma rede sócio profissional de professores de matemática Tese de Doutorado em Educação Matemática, Instituto de Geociências e Ciências Exatas, Universidade Estadual Paulista.

Darragh, L. (2016). Identity research in mathematics education. Educational Studies in Mathematics, 93(1), 19-33.

De Paula, E. F., & Cyrino, M.C.C.T. (2017a). Identidade Profissional de professores que ensinam matemática: panorama de pesquisas brasileiras entre 2001-2012. Zetetiké, 25(1), 27-45. doi: 10.20396/zet.v25i1.8647553

De Paula, E. F., & Cyrino, M. C. C. T. (2018a). Perspectivas de identidade profissional de professores que ensinam matemática presentes em dissertações e teses brasileiras. In M. C. C. T. Cyrino (Ed.). Temáticas emergentes de pesquisas sobre a formação de professores que ensinam matemática: desafios e perspectivas (pp. 126-154). Brasília: SBEM, GT7.

De Paula, E. F., & Cyrino, M. C. C. T. (2018b). Perspectivas de Identidade Profissional de Professores que ensinam Matemática presentes em artigos científicos publicados entre 2006-2016. Acta Scientiae, 20(5), 778-799.

De Paula, E. F., & Cyrino, M. C. C. T. (2018c). Polos teórico e epistemológico presentes em pesquisas brasileiras sobre Identidade Profissional de Professores que Ensinam Matemática. Imagens da Educação, 8(2), 1-23.

De Paula, E. F., & Cyrino, M. C. C. T. (2020). Aspectos a serem considerados em investigações a respeito do movimento de constituição da Identidade Profissional de professores que ensinam matemática.Educação (UFSM), 45, e28/ 1-29. doi: 10.5902/1984644434406.

Duke, N. K., & Beck, S. W. (1999). Education should consider alternative forms for the dissertation. Educational Researcher, 28(3), 31-36.

Estevam, E. J. G. (2015). Práticas de uma comunidade de professores que ensinam matemática e o desenvolvimento profissional em educação estatística (192 pp.). Tese de Doutorado, Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências e Educação Matemática, Universidade Estadual de Londrina.

Eteläpelto, A., Vähäsantanen, K., Hökkä, P., & Paloniemi, S. (2013). What is agency? Conceptualizing professional agency at work. Educational Research Review, 10, 45-65.

Ginzburg, C. (1989). Mitos, emblemas, sinais São Paulo: Companhia das Letras.

Goos, M., & Bennison, A. (2008). Developing a communal identity as beginning teachers of mathematics: Emergence of an online community of practice. Journal of Mathematics Teacher Education, 11, 41-60.

Hobbs, L. (2012). Examining the aesthetic dimensions of teaching: Relationships between teacher knowledge, identity and passion.Teaching and Teacher Education, 28(5), 718-727.

Hodgen, J., & Askew, M. (2007). Emotion, identity and teacher learning: Becoming a primary mathematics teacher. Oxford Review of Education, 33(4), 469-487.

Hossin, S., Mendrick, H., & Adler, J. (2013). Troubling “understanding mathematics in-depth”: Its role in the identity work of student-teachers in England. Educational Studies in Mathematics, 84, 32-48.

Januário, G. (2017). Marco conceitual para estudar a relação entre materiais curriculares e professores de matemática (194 pp.). Tese de Doutorado em Educação Matemática, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo.

Kelchtermans, G. (2009). Who I am in how I teach is the message: self?understanding, vulnerability and reflection. Teachers and Teaching: Theory and Practice, 15(2), 257-272.

Kelchtermans, G., & Hamilton, M. L. (2004) The dialectics of passion and theory: Exploring the relation between self-study and emotion. In International handbook of self-study of teaching and teacher education practices (pp. 785-810). Springer, Dordrecht.

Larrosa,, J. L. (2002). Notas sobre a experiência e o saber de experiência. Revista Brasileira de Educação, 19, 20-28.

Lasky, S. (2005). A sociocultural approach to understanding teacher identity, agency and professional vulnerability in a context of secondary school reform. Teaching and Teacher Education, 21(8), 899-916.

Lautenschlager, E. (2017). Conhecimento matemático para o ensino de polinômios na educação básica Tese de Doutorado em Neurociência e Cognição, Universidade Federal do ABC.

Lessard-Hebert, M., Goyette, G., & Boutin, G. (1994). Investigação qualitativa: fundamentos e práticas Lisboa: Instituto Piaget.

Lima, K. (2017). Relação professor-materiais curriculares em Educação Matemática: uma análise a partir de elementos dos recursos do currículo e dos recursos dos professores (163 pp.). Tese de Doutorado em Educação Matemática, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo.

Lloyd, G. M. (2006). Preservice teachers’ stories of mathematics classrooms: Explorations of practice through fictional accounts. Educational Studies in Mathematics, 63(1), 57-87.

Oliveira, A. M. P. (2010). Modelagem matemática e as tensões nos discursos dos professores Tese de Doutorado em Ensino, Filosofia e História das Ciências, Universidade Federal da Bahia, Universidade Estadual de Feira de Santana.

Oliveira, H. (2004). Percursos de identidade do professor de Matemática em início de carreira: O contributo da formação inicial. Quadrante, 13(1), 115-145.

Oliveira, H. M., & Cyrino, M. C. C. T. (2011). A formação inicial de professores de Matemática em Portugal e no Brasil: narrativas de vulnerabilidade e agência. Interacções, 7, 104-130.

Pamplona, A. S., & Carvalho, D. L. de. (2009). Comunidades de prática e conflitos de identidade na formação do professor de matemática que ensina estatística. In D. Fiorentini, R. C. Grando, & R. G. S. Miskulin (Eds.). Práticas de formação e de pesquisa de professores que ensinam Matemática (pp. 211–232). Campinas: Mercado de Letras.

Ponte, J. P.; Chapman, O. (2008). Preservice mathematics teachers’ knowledge and development. In L. D. English (Ed.). Handbook of international research in mathematics education: Directions for the 21st century (2nd, pp. 225-263). New York: Routledge.

Schöpfel, J. (2010). Towards a prague definition of grey literature. In Twelfth International Conference on Grey Literature: Transparency in Grey Literature. Grey Tech Approaches to High Tech Issues (pp. 11-26). Prague, Czech Republic.

Souza, A. C., Teixeira, M. V., Baldino, R. R., & Cabral, T. C., (1995). Novas diretrizes para a licenciatura em matemática. Temas e Debates, 8(7), 41-65.

Stephanides, M. (2000). Hércules (M. P. Michael, Trad.). São Paulo: Odysseus.

Stephanides, M. (2004). Teseu, Perseu e outros mitos (J. R. M. Potzamann, Trad.) São Paulo: Odysseus

Teixeira, B. R., & Cyrino, M. C. C. T. (2015). Desenvolvimento da identidade profissional de futuros professores de Matemática no âmbito da orientação de estágio. Bolema, 29(52), 658-680.

Thomas, R. A., West, R. E., & Rich, P. (2016). Benefits, challenges, and perceptions of the multiple article dissertation format in instructional technology. Australasian Journal of Educational Technology, 32(2), 82-98.

Ticknor, C. (2012). Situated learning in an abstract algebra classroom. Educational Studies in Mathematics, 81, 307-323.

Van Putten, S., Stols, G., & Howie, S. (2014). Do prospective mathematics teachers teach who they say they are? Journal of Mathematics Teacher Education, 17, 1-24.

Wenger, E. (1998). Communities of practice: learning, meaning and identity Cambridge: Cambridge University Press.

Downloads

Publicado

2021-08-30

Como Citar

PAULA, E. F. de .; CYRINO, M. C. de C. T. . Identidade profissional de professores que ensinam matemática: elementos e ações para a construção de uma proposta para futuras investigações. Pro-Posições, Campinas, SP, v. 32, p. e20180109, 2021. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/proposic/article/view/8666797. Acesso em: 25 out. 2021.